O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Quais são as cidades com mais arranha-céus no mundo?

Quais são as cidades com mais arranha-céus no mundo?

Quais são as cidades com mais arranha-céus no mundo?
Quais são as cidades com mais arranha-céus no mundo?

A presença de arranha-céus em uma cidade pode dizer muita coisa sobre ela. Eles podem ser indicadores de riqueza, modernização, densidade ou uma combinação entre todos os três, dependendo de como você analisa. Esse potencial em observar as tendências de uma cidade através da altura de seus edifícios gera valiosos dados para indústrias e para empresas como a Emporis conduzirem e distribuírem pesquisas sobre temas como os edifícios mais novos, mais altos e mais caros do mundo. Veja, a seguir, as dez cidades com mais arranha-céus (definido pela Emporis como um edifício de 100 metros de altura ou mais) no mundo.

1. Hong Kong (1302)

© <a href='https://www.flickr.com/photos/ashleyt/5903678858/'>Flickr user Lim Ashley</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user Lim Ashley licensed under CC BY 2.0

Talvez, mais do que em qualquer outra cidade, a verticalidade para Hong Kong é uma necessidade absoluta. A geografia montanhosa das pequenas ilhas da cidade fez com que, por volta dos anos 1900, ela já estivesse inovando em métodos de construção verticais para se tornar um dos centros urbanos mais densos do planeta. A realidade é que não há espaço para fazer as coisas de forma diferente. Embora existam alguns destaques arquitetônicos em Hong Kong, como o prédio HSBC de Norman Foster e a Torre do Bank of China de I.M. Pei, a cidade é conhecida mais pela sua grande altura e densidade do que pelo edifícios individualmente. Juntos, os 1302 arranha-céus criam uma tapeçaria urbana que se tornou icônica em si.

2. Nova York (727)

© <a href='https://www.flickr.com/photos/karlnorling/14155443959/'>Flickr user karlnorling</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user karlnorling licensed under CC BY 2.0

Outro exemplo notável de arquitetura inspirada na condição geográfica de ilha é o caso de amor de Nova York com os arranha-céus. Essa história se inicia no final do século XIX, quando edifícios altos migraram para o leste de Chicago. Depois de uma explosão populacional e do boom econômico do pós-guerra na década de 1920 foi possível fazer com que os prédios se tornassem mais altos do que nunca. O Chrysler Building e Empire State Building foram construídos neste período. Hoje, a cidade abriga o edifício mais alto dos Estados Unidos, One World Trade Center.

3. Tóquio (488)

© <a href='https://www.flickr.com/photos/trendscout/7329679610/'>Flickr user Matthias Mueller</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user Matthias Mueller licensed under CC BY 2.0

Até 1963, as leis do Japão para padrões de construção limitaram a altura máxima de construção em 31 metros. Pouco tempo depois da alteração dessa lei, o Edifício Kasumigaseki, em Tóquio, tornou-se o primeiro arranha-céu moderno do país. Após a construção desse edifício, em 1968, Tóquio aumentou constantemente seu número de arranha-céus a cada ano, culminando em diversas dúzias de projetos novos entre 1990 e 2000. Os terremotos freqüentes no país exigiram um código de construção estrito que requer dos arranha-céus elementos específicos para implementar infra-estrutura de segurança, como amortecedores, grandes fundações e bases que podem se mover independentemente dos pavimentos acima. Os arranha-céus mais altos de Tóquio são, na sua maioria, edifícios de escritórios e de uso misto, com a notável exceção do Edifício do Governo Metropolitano de Tóquio, feito por Kenzō Tange, que era o mais alto da cidade na época da sua construção, em 1991. Você pode descobrir mais sobre a história dos altos edifícios no Japão aqui.

4. Chicago (312)

© <a href='https://www.flickr.com/photos/vxla/5458296107/'>Flickr user vxla</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user vxla licensed under CC BY 2.0

Embora tenha caído agora ao quarto lugar da na lista, Chicago já foi o berço do que muitos consideram ter sido o primeiro arranha-céu do mundo: o edifício de dez pavimentos do Home Insurance Building, feito em 1884 por William Le Baron Jenney. O edifício foi demolido mais tarde e o código de construção de Chicago proibiu a construção destes arranha-céus, mas a história da cidade abriu o caminho para uma segunda fase no projeto de arranha-céus. Nos anos 60 e 70, o John Hancock Center, Willis Tower (anteriormente Sears Tower) e o IBM Building, de Mies van der Rohe estabeleceram o tom para uma nova arquitetura de Chicago baseada no estilo internacional. Outro importante arranha-céu de Chicago do mesmo período foi o Marina Bay Towers, de Bertrand Goldberg,  um dos maiores projetos residenciais do mundo no momento de sua construção, em 1964.

5. Xangai (296)

© <a href='https://www.flickr.com/photos/frans16611/10381819445/'>Flickr user Francois Philipp</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user Francois Philipp licensed under CC BY 2.0

Xangai é uma cidade dividida em dois pelo rio Huangpu, e no seu lado oriental, Pudong, é onde estão os arranha-céus mais icônicos. Tão recentemente quanto há trinta anos, Pudong era um anexo, sem importância, das terras cultivadas. Após o boom econômico da China, a região tornou-se o centro financeiro da cidade, bem como uma peça particularmente fotogênica da exibição de riqueza e modernidade do país. Os arranha-céus de Pudong, construídos a partir dos anos 90, são quase dolorosamente futuristas e a área é uma impressionante coleção de mega torres cintilantes. A recentemente concluída, Torre Shanghai, de Gensler, é agora a mais alta da China, e a segunda mais alta do mundo.

6. Dubai (286)

© <a href='https://www.flickr.com/photos/ajaygoel2011/32769092921/'>Flickr user Ajay Goel</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user Ajay Goel licensed under CC BY 2.0

Como outra cidade que sofreu uma recente e rápida verticalização, Dubai era um pequeno povoado deserta antes da descoberta do petróleo e da criação subseqüente dos Emirados Árabes Unidos, em 1971. Mesmo nos anos 90, Dubai era quase totalmente irreconhecível se comparada com a fantasia arquitetônica que é descrita hoje . As torres de Dubai e o planejamento urbano são o resultado de investimentos maciços na nova tecnologia de engenharia, e seus dois edifícios mais famosos são um testemunho disso. O Burj al Arab é um hotel de 320 metros  e o Burj Khalifa é o edifício mais alto do mundo com 828 metros.

7. Shenzhen (260)

© <a href='https://www.flickr.com/photos/johnas/9535463146/'>Flickr user jo.sau</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user jo.sau licensed under CC BY 2.0

Shenzhen não existia há algumas décadas atrás. Em seu lugar havia uma pequena vila de pescadores - até 1980, quando se tornou a primeira Zona Econômica Especial da China, o que significava que permitia a iniciativa privada e os investimentos estrangeiros. Essa cidade é agora um dos principais pilares do Delta do Rio das Pérolas, um dos maiores centros de produção do país, com uma população de 11 milhões de pessoas. O afluxo de pessoas e negócios criou a necessidade e os meios financeiros para uma erupção de arranha-céus, como o Ping An Finance Center - o quarto edifício mais alto do mundo - que agora define a cidade.

8. Toronto (255)

© <a href='https://www.flickr.com/photos/archer10/14840276941/'>Flickr user Dennis Jarvis</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
© Flickr user Dennis Jarvis licensed under CC BY-SA 2.0

O Toronto-Dominion Center, de Mies van der Rohe, é uma coleção de 6 prédios modernistas de 222 metros cada, eles foram os primeiros arranhas-céus de Toronto, constrúidos em 1967. Nas décadas seguintes, hotéis e edifícios comerciais se mudaram para Toronto e os últimos dez anos viram um aumento no número de condomínios, cuja presença tem sido criticada por serem uniformes e alienantes para o cidadão.

9. Guangzhou (245)

© <a href='https://www.flickr.com/photos/johnas/9713793896/'>Flickr user jo.sau</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user jo.sau licensed under CC BY 2.0

Como Shenzhen, Guangzhou é outra cidade do Delta do Rio das Pérolas que tem visto grande crescimento arquitetônico como resultado de sua economia industrial. Muitos de seus arranha-céus mais novos são agrupados ao redor da Torre Canton, onde moldam uma grande praça pública e uma área do parque com um fundo agradável, e homogêneo, de vidro azul. O resto da cidade segue uma arquitetura socialista mais tradicional, onde os edifícios residenciais em tons pastéis estão espalhados pelas ruas.

10. Singapura (232)

© <a href='https://www.flickr.com/photos/maltman23/15991825045/'>Flickr user Mitch Altman</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>CC BY-SA 2.0</a>
© Flickr user Mitch Altman licensed under CC BY-SA 2.0

No ano da sua independência, em 1965, Singapura era subdesenvolvida e com pouca infra-estrutura. Seu crescimento econômico nos anos 70 e 80 foi espelhado por um afluxo de arranha-céus modernistas no Estilo Internacional, um progresso que continuou na década de 2000. Por lei, os edifícios singapurenses só são autorizados a chegar ao 280 metros, mas ao Tanjong Pagar Center, de SOM, foi dada permissão especial para ser construído até 290, e manteve-se o mais alto edifício do país desde então. Os outros edifícios mais altos de Singapura são o UOB Plaza e o One Raffles Place, construídos nos anos 70 e 80, respectivamente.

Sobre este autor
Isabella Baranyk
Autor
Cita: Baranyk, Isabella. "Quais são as cidades com mais arranha-céus no mundo?" [Which Cities Have the Most Skyscrapers?] 07 Mai 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/870328/quais-sao-as-cidades-com-mais-arranha-ceus-no-mundo> ISSN 0719-8906