O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Entendendo o Grafton Architects, das Diretoras da Bienal de Veneza 2018

Entendendo o Grafton Architects, das Diretoras da Bienal de Veneza 2018

Entendendo o Grafton Architects, das Diretoras da Bienal de Veneza 2018
Entendendo o Grafton Architects, das Diretoras da Bienal de Veneza 2018, UTEC / Grafton Architects. Image © Iwan Baan
UTEC / Grafton Architects. Image © Iwan Baan

"Quando você lê Amor em tempos de Cólera você começa a perceber o realismo mágico da América do Sul." Yvonne Farrell, Shelley McNamara e eu estávamos aninhados num canto do átrio raso do Centro Barbican falando sobre o assunto de suas mais recentes honrarias, o prêmio inaugural do Royal Institute of British Architects, concedido na noite anterior. Naquela mesma noite, as duas arquitetas irlandesas, que fundaram sua prática em Dublin nos anos 1970, também deram uma palestra sobre a Universidade de Engenharia e Tecnologia (UTEC) -seu "Machu Picchu moderno" em Lima- para um público repleto em London Portland Place.

Embora este projeto tenha colocado um foco em seu trabalho, elas foram reveladas hoje como diretoras da Bienal de Arquitetura de Veneza de 2018 - o mais importante evento arquitetônico do calendário cultural.

UTEC / Grafton Architects. Image © Iwan Baan
UTEC / Grafton Architects. Image © Iwan Baan

Farrell e McNamara, que juntas lideram uma equipe de vinte e cinco pessoas no Grafton Architects, são pensadoras poderosas, consideradas palestrantes e projetistas discretamente inovadoras. Para uma prática tão compacta, seu currículo internacional é excepcionalmente amplo. A primeira fase da UTEC na capital peruana, que começou após um concurso internacional em 2011, representa o território mais distante que o escritório ocupou geograficamente. É, em suas palavras, um "penhasco artificial" entre o Pacífico e as montanhas - de um lado um jardim em cascata, e do outro um "ombro" para a cidade lançado a partir do concreto aparente.

A escala e o caráter da UTEC desmentem uma rica carteira de projetos menores, que começou em meados da década de 1990. A especialização em edifícios de ensino superior evoluiu a partir de competições sucessivas, culminando (antes do UTEC) na Universita Luigi Bocconi de Milão (2008). Alcançado em um pequeno local ao longo de uma das ruas largas e altas da cidade, o monumental balanço de vinte e dois metros do edifício parece desafiar a gravidade - ou, em suas palavras, "dialoga com a gravidade". O alcance deste feito estrutural foi, para Farrell, uma simples questão de "colocar as duas vigas principais na cobertura e, em seguida, pendurando os escritórios."Sobre o ante-espaço revestido de mármore, brilhantemente iluminado, tem-se consciência do peso suspenso acima.

Bocconi / Grafton Architects. Image © Grafton Architects
Bocconi / Grafton Architects. Image © Grafton Architects

A Irlanda, onde Shelley e McNamara nasceram, foram educadas e de onde elas agora ensinam e praticam, tem sido crucial para o desenvolvimento de seu temperamento como arquitetas. O país é definido, por um lado, por costas e paisagens geológicas e primitivas e, por outro, por estruturas vernáculas elementares. "Os lugares que você ama se infiltram em seu inconsciente", diz McNamara. "E provavelmente também se infiltraram em nossa maneira de pensar. Em determinado momento, descobrimos que, para encontrar uma maneira de discutir o nosso próprio trabalho para nós mesmos -além das plantas, cortes e fachadas- é preciso um tipo diferente de linguagem. Gostaríamos de perguntar: é um penhasco? É algo flutuante, como uma nuvem? "Esses tipos de termos transpuseram parcialmente a prática de Grafton dos confins de sua própria disciplina para outra área do pensamento.

"Ao mesmo tempo", Farrell argumenta, "há também uma herança fantástica da cidade, da expansão urbana e da rua na Irlanda. Quando eu era criança, fazia parte de uma estrutura de cidade, mas eu sempre poderia correr para fora e para os campos -existe essa dualidade entre urbano e rural." "Mosteiros em ruínas, castelos e fragmentos na paisagem são todos incrivelmente fortes, "McNamara sugere. E há certamente um tipo particular de elementalismo para essas imagens, particularmente onde a costa oeste do país enfrenta a expansão ininterrupta do Atlântico. "Estamos cientes do céu e do vento; estamos em uma ilha em que as coisas estão mudando constantemente ", afirma Farrell. "Estamos muito conscientes do tempo e, por conseguinte, dentro e fora da mudança".

"Muitas vezes dizemos que James Joyce," o grande poeta e romancista irlandês "realizou Dublin nas palavras de um livro", relembrou Farrell. "Da mesma forma, eu acho que nós também imaginamos verbalmente, e então fazemos."Projetos tornam-se mais do que apenas uma história ou uma narrativa -eles se tornam uma realidade física habitada. "Quando você lê Thomas Hardy, por exemplo, você percebe que ele era um arquiteto. Literatura, palavras, imaginação e o fazer estão todos muito profundamente conectados. "

Essa abordagem da arquitetura tem se tornado, nas últimas décadas, cada vez mais uma parte de como a arquitetura irlandesa é percebida em todo o mundo. "É um sistema de valores", acredita Farrell. "Os arquitetos irlandeses estão muito bem treinados. Shelley e eu ensinamos em muitas escolas de arquitetura em todo o mundo, mas a coisa sobre as escolas de arquitetura irlandesas é que os alunos têm seus pés no chão, mas seus olhos nas estrelas". Esta cultura desenvolveu-se através da generosidade dos diretores das escolas, McNamara lembra. "Eles deram a jovens arquitetos a possibilidade de dar aulas. Isso significou, por exemplo, que Yvonne e eu estivéssemos trabalhando como professoras apenas um ano depois de formadas. Isso significa que agora temos vinte e cinco anos de conversa com as pessoas sobre seu trabalho e nosso trabalho."

Para uma prática nascida em um contexto tão intimista, Grafton emergiu como altamente internacional. Paralelamente à sua liderança criativa na Bienal de Arquitetura de Veneza em 2018, estão atualmente trabalhando no edifício Paul Marshall da London School of Economics em Londres, no Institut Mines Telecom em Paris, na Universidade de Economia em Toulouse e em uma nova biblioteca em Dublin. "Esse tipo de prática global, explica Farrell, pode ser sobre aprender de novos lugares; ser móvel o suficiente para ir e compreendê-los. Ou pode ser sobre imperialismo cultural e homogeneização. Eu estava lendo sobre o que supostamente foi a primeira universidade no mundo, com principalmente estudiosos chineses e indianos. Tratava-se de nada mais que o intercâmbio de cultura e ideias - e certamente não de um impor-se sobre o outro. Assim, a prática "globalizada" não é sobre conquistar algo, ou afirmar sua presença em algum lugar, mas é sobre contribuir para algo que você considere bom."

Yvonne Farrell e Shelley McNamara nomeadas Diretoras da Bienal de Veneza 2018

Sobre este autor
James Taylor-Foster
Autor
Cita: Taylor-Foster, James. "Entendendo o Grafton Architects, das Diretoras da Bienal de Veneza 2018" 18 Jan 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/803595/entendendo-o-grafton-architects-das-diretoras-da-bienal-de-veneza-2018> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.