O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Catedral
  4. França
  5. 1135
  6. Clássicos da Arquitetura: Basílica de Saint-Denis / Abbot Suger

Clássicos da Arquitetura: Basílica de Saint-Denis / Abbot Suger

Clássicos da Arquitetura: Basílica de Saint-Denis / Abbot Suger
Clássicos da Arquitetura: Basílica de Saint-Denis / Abbot Suger, Fachada Oeste. Image © Wikimedia user Thomas Clouet (CC BY-SA 4.0)
Fachada Oeste. Image © Wikimedia user Thomas Clouet (CC BY-SA 4.0)

A origem da arquitetura gótica, um estilo que definiu a Europa na Idade Média tardia, pode ser rastreada até uma única igreja nos subúrbios do norte de Paris. A Basílica real de Saint-Denis (Basilique royale de Saint-Denis), construída no terreno de uma abadia e um relicário estabelecidos na Dinastia Carolíngia (800-888), foi reconstruída parcialmente sob a administração de Abbot Suger no início do século XII ; Estas adições - utilizando uma variedade de técnicas estruturais e estilísticas desenvolvidas na construção de igrejas românicas nos séculos precedentes - colocariam a arquitetura medieval em um novo curso que carregaria pelo resto da época.

Félix Benoist (Domínio Público). ImageEngraving (1861) Janela. Imagem © Wikimedia user Diliff (CC BY-SA 3.0) Tumba. Image © Wikimedia user Myrabella (CC BY-SA 3.0) Fachada Oeste Portal Detalhe. Image © Wikimedia user Myrabella (CC BY-SA 3.0) + 9

Mapa da Cidade de St. Denis por Félibien (1706). Image via pitt.edu
Mapa da Cidade de St. Denis por Félibien (1706). Image via pitt.edu

Saint Denis de Paris foi estabelecido como o santo padroeiro do povo franco (um grupo de pessoas que ocuparam o que é hoje conhecido como a França) no século IIV. Denis, junto com dois companheiros, foi enviado a Paris pelo papa Fabian como um missionário, e subsequentemente martirizado pelo imperador romano Decius [1]. A lenda diz que depois de sua decapitação, o corpo de Denis levou sua cabeça para o local da cidade e da igreja que agora carregam seu nome. A vila era bem estabelecida antes que o rei franco Dagobert construiu lá uma abadia no século VII, mas os presentes generosos dos benfeitores reais e multidões de peregrinos aumentaram seu status tanto na igreja católica como no reino da França. Apesar do significado da abadia, no entanto, não seria alterado de forma significativa durante quinhentos anos. [2]

Em 1122 Suger tornou-se Abade de Saint-Denis numa altura em que a própria abadia necessitava de reforma. A Basílica de madeira, tendo sido um símbolo (e necrópole) dos governantes franceses merovíngios, carolíngios e capetianos e sediando relíquias da Paixão, era demasiado pequena para acomodar as multidões de peregrinos que atraía durante as festas e festivais. [3] O próprio Saint Denis também havia sido ordenado recentemente como o padroeiro oficial da França pelo rei Luís VI, dando ênfase ainda maior à abadia que levava seu nome. Infelizmente para as ambições de Suger, ele não poderia simplesmente demolir a velha igreja para abrir caminho para o novo - acreditava-se amplamente que ela fora consagrada pelo próprio Jesus Cristo. [4]

Gravura de procissão fúnebre do rei Louis IX por Félibien (22 de maio de 1271). Image via pitt.edu
Gravura de procissão fúnebre do rei Louis IX por Félibien (22 de maio de 1271). Image via pitt.edu

O primeiro elemento de Saint-Denis a ser reconstruído foi a fachada oeste. Dois imperativos fundamentais levaram esta decisão. Em primeiro lugar, a fachada era vista como a parte menos sagrada da antiga basílica; Seu redesenho e reconstrução poderia, portanto, ser realizado com um mínimo de resistência. Apesar de ser a parte menos "santa" da igreja, no entanto, foi através da fachada ocidental e suas portas que os visitantes teriam de passar para entrar no edifício. Dessa forma, essa face do edifício seria a primeira que a maioria dos peregrinos veria - sua primeira impressão da abadia, então, seria a da adição contemporânea de Suger [5].

Os trabalhos sobre a fachada oeste foram iniciados em 1135, prosseguindo sob dois mestres maçons diferentes nos cinco anos seguintes. Uma série de "tríades" no projeto referenciavam à Santíssima Trindade: três portas, três estratos verticais e vários grupos de arcos triplos formam a parte inferior da fachada. A divisão entre esta parte inferior e as duas torres que se erguiam acima foi demarcado por ameias. Enquanto as ameias eram uma característica defensiva atípica para uma estrutura religiosa, sua inclusão aqui era mais uma referência simbólica à Nova Jerusalém do Livro das Revelações do que era uma fortificação na prática (Suger estava disposto a utilizá-la como tal em caso de uma emergência, não obstante) . [6,7]

Félix Benoist (Domínio Público). ImageEngraving (1861)
Félix Benoist (Domínio Público). ImageEngraving (1861)

Como era costume para as igrejas francesas, um par de torres flanqueava o portal central abaixo. Embora ambas fossem planejadas sob a abadia de Suger, somente a torre do sul foi concluída em sua vida. Sua contraparte mais alta, do norte, completada por um de seus sucessores, não foi bem na história: foi reconstruída duas vezes, devido a relâmpagos em 1219 e 1837. O último desses esforços, liderado pelo arquiteto François Debret, foi tratado tão incompetentemente que a torre teve que ser completamente demolida em 1846. Esta desconstrução deixou Saint-Denis como é hoje, com uma única torre no sul - como era durante a época do próprio Suger. [8]

Quando a nova fachada ocidental foi finalizada em junho de 1140, a atenção voltou-se para o outro extremo da igreja. A fachada, apesar de suas atualizações, era essencialmente românica e não introduziu nenhuma inovação estilística particular; Foi no coro e no chevet (extremidade leste) que a igreja da abadia começaria a codificar um novo estilo arquitetônico. Esta inovação resultou do fascínio de Suger com a luz, como outra referência à Nova Jerusalém, que é vividamente descrita como aparentar ser construída de jóias brilhantes e douradas claras como vidro. Foi esta imagem arquitetônica de brilho que Suger se esforçou para expressar em sua abadia, uma façanha que ele determinou realizar através do uso de vitrais. [9]

Janela. Imagem © Wikimedia user Diliff (CC BY-SA 3.0)
Janela. Imagem © Wikimedia user Diliff (CC BY-SA 3.0)

A necessidade de facilitar a circulação dos peregrinos e o desejo de Suger de desmaterializar a pesada alvenaria de pedra com enormes vitrais exigiam um método de apoio estrutural diferente da construção espessa e pesada de igrejas românicas. A solução era substituir as paredes profundas que separavam tipicamente as pequenas capelas na extremidade oriental da igreja com colunas delgadas - características arquitetônicas que, por coincidência, imitavam colunas semelhantes na nave do século VIII. As abóbadas de reforço que dão forma a arcos pontiagudos suportavam o teto, permitindo uma abertura sem precedentes no claustro duplo do chevet que permitiu também uma vista virtualmente ininterrupta do vitral que preencheu a maioria do espaço da parede. [10]

É importante notar que as inovações estruturais empregadas no chevet - o arco pontiagudo, o arcobotante e a abóbada nervurada - não foram originalmente inventadas para Saint-Denis. Estas técnicas, que ofereciam maior integridade estrutural e adaptabilidade, haviam sido disponibilizadas aos arquitetos românicos que sutilmente empregavam uma ou outra em vários edifícios muito antes de Suger. O significado de Saint-Denis, então, não foi de que seus mestres construtores tenham sido pioneiros nessas formas de construção; Foi simplesmente a primeira vez que elas foram usadas em conjunto com a intenção de criar um efeito marcadamente diferente do que prevaleceu nas abadias românicas contemporâneas. Ao combinar esses tópicos pré-existentes em uma lógica arquitetônica unificada, Suger e seus arquitetos construíram o primeiro exemplo do que acabaria se tornando conhecido como o estilo gótico (francês) de construção. [11]

Planta Baixa por Félibien (1700) – nota: não é a atual. Image via pitt.edu
Planta Baixa por Félibien (1700) – nota: não é a atual. Image via pitt.edu

A conclusão das extremidades oeste e leste da igreja da abadia deixou somente a nave Carolíngia a ser reconstruída. Infelizmente, para seu grande projeto, Suger foi forçado a voltar sua atenção para questões de Estado quando o rei Luís VII, que tinha partido para se juntar à Segunda Cruzada, nomeou-o para servir como o Regente da França. Com o foco de Suger em outra parte, a construção em Saint-Denis atrasou, e somente as fundações da nave nova tinham sido terminadas quando o abade morreu em 1151. Por oitenta anos, a abadia igreja permaneceu um híbrido estranho, eclético de estilos arquitetônicos. O trabalho retomou na nave em 1231, um projeto que incluiu a reconstrução das obras superiores do coro, a fim de assegurar uma estética relativamente unificada. A nave, terminada em 1281, era tão inovadora quanto a cabeceira (chevet) que a precedia: suas janelas maciças e alvenaria delgada tipificavam o estilo gótico Rayonnant, estabelecendo novamente Saint-Denis como o exemplo a seguir para espaços sagrados em toda a Europa. [12, 13]

Muito pouco da igreja mudou após o século XIII. Suas estruturas acessórias foram reconstruídas entre 1701 e 1781, mas a própria igreja permaneceu como era desde 1281. Como uma abadia católica, Saint-Denis foi infelizmente uma vítima da rebelião da Revolução Francesa contra a igreja: sua cobertura de chumbo foi demolida, seus túmulos reais profanados, e seu santuário inovador utilizado como armazenamento de grãos. A salvação da abadia anterior veio pelas mãos de Napoleão Bonaparte, que nomeou François Debret para restaurar a igreja à sua glória anterior para o serviço como seu mausoléu da família. Debret, que trabalhou mais como um decorador do que um historiador, não restaurou a igreja tanto como criar um ar geral de medievalismo. Suas falhas na restauração estrutural, que levaram ao já mencionado desmantelamento da torre norte, levaram à sua renúncia e substituição por Eugène-Emmanuel Viollet-le-Duc, que fez tudo o que podia para substituir o trabalho de Debret pela reconstrução mais precisa que existe hoje . [14]

Eugène Viollet-le-Duc (Public Domain). ImageElevation (1860)
Eugène Viollet-le-Duc (Public Domain). ImageElevation (1860)

Hoje, a Basílica de Saint-Denis é reconhecida como o primeiro exemplo de arte e arquitetura gótica. Retornou à Igreja Católica, e foi oficialmente concedida o status de "catedral" em 1966. É também o maior museu do mundo de estátuas medievais e renascentistas, o lar de mais de 70 peças de esculturas funerárias do século XII ao século XVI. [15] Sua torre norte pode ter desaparecido, mas seus interiores góticos imaginativos continuam a ser admirados pelos visitantes que, ao entrar em Saint-Denis, pisam em um ponto decisivo na própria história da arquitetura.

Referências

[1] Brown, Elizabeth A. R., and Claude Sauvageot. Saint-Denis: La Basilique. Saint-Léger-Vauban: Zodiaque, 2001. p42.
[2] Jordan, William C. A Tale of Two Monasteries: Westminster and Saint-Denis in the Thirteenth Century. Princeton: Princeton University Press, 2009.
[3] Calkins, Robert G. Medieval Architecture in Western Europe: From A.D. 300 to 1500. New York: Oxford University Press, 1998. p172-173.
[4] Ayers, Andrew. The Architecture of Paris: An Architectural Guide. Stuttgart: Edition Axel Menges, 2004. p288-289.
[5] Brown and Sauvageot, p79.
[6] Leniaud, Jean-Michel, and Philippe Plagnieux. La Basilique Saint-Denis. Paris: Éditions Du Patrimoine, 2012. p40-43.
[7] Brown and Sauvageot, p82-83.
[8] Brown and Sauvageot, p82.
[9] Kostof, Spiro. A History of Architecture: Settings and Rituals. New York: Oxford University Press, 1985. p330-331.
[10] Calkins, p173-177.
[11] Kostof, p332-333.
[12] Calkins, p177.
[13] Ayers, p289.
[14] Ayers, p289.
[15] "Basilique Cathédrale De Saint-Denis." Centre Des Monuments Nationaux. Acesso em 04 de Outubro de 2016. [link].

  • Localização

    1 Rue de la Légion d'Honneur, 93200 Saint-Denis, França
  • Cliente

    Abbot Suger
  • Ano do projeto

    1135
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato. Cita: Fiederer, Luke. "Clássicos da Arquitetura: Basílica de Saint-Denis / Abbot Suger" [AD Classics: Royal Basilica of Saint-Denis / Abbot Suger] 02 Jan 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/802578/classicos-da-arquitetura-basilica-de-saint-denis-abbot-suger> ISSN 0719-8906