O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Notas para um manifesto. Fórum Alternativo ao Habitat III (Parte II) / Jordi Borja

Notas para um manifesto. Fórum Alternativo ao Habitat III (Parte II) / Jordi Borja

Notas para um manifesto. Fórum Alternativo ao Habitat III (Parte II) / Jordi Borja
Notas para um manifesto. Fórum Alternativo ao Habitat III (Parte II) / Jordi Borja, © David Adam Kess (CC BY-SA 3.0)
© David Adam Kess (CC BY-SA 3.0)

*Texto desenvolvido pelo autor no marco do Fórum Alternativo ao Habitat III, que foi realizado entre 17 e 20 de outubro na cidade de Quito, paralelamente ao Habitat III.

Acesse a primeira parte do artigo nesse link

5. Há que se assumir os meios para remover os obstáculos que se opõem aos objetivos de fazer cidades para todos os cidadãos.

E isso não basta com a vontade política, o apoio social ou os instrumentos técnicos próprios das políticas urbanas. Entre esses obstáculos muito comuns em nossas cidades cabe citar, em primeiro lugar, o solo. Sem controle público ou social do uso e do preço do solo não é possível existir uma cidade justa. Há que se distinguir a titularidade da propriedade, do uso da mesma. Mediante o planejamento e a fiscalização pode-se regular a especulação ou os terrenos urbanos a serem desenvolvidas e mobilizados para usos de interesse geral, quer de habitação, equipamentos ou espaços públicos. Em muitos países, convém modificar a constituição ou o código civil, a fim de priorizar o caráter de "bem comum" e que o Judiciário leve isso em conta. As finanças urbanas, sejam terras, habitação, infraestrutura, etc, estão agora nas mãos de um sistema financeiro globalizado, de capitais especulativos e orientado para os lucros de curto prazo sem qualquer respeito às necessidades sociais e os impactos ambientais. Temos de recuperar e desenvolver o financiamento público, as cooperativas, a gestão cívica, etc. O setor financeiro privado deveria contribuir com uma alta porcentagem de seus recursos para um determinado território para investir em objetivos sociais e de sustentabilidade definidos pelo setor público, como a habitação social ou energias renováveis. Os governos locais não correspondem, em muitos casos, aos âmbitos reais atuais. É o caso das áreas metropolitanas. É preciso simplificar e reduzir o excesso de instituições, agências, entre autônomos, etc, e definir competências e funções. E, sobretudo, unificar a fiscalização e a gestão de recursos. O que supõe um governo e uma assembleia eleita de âmbito metropolitano. Sem isso é impossível desenvolver políticas públicas que sejam coerentes, transparentes e redistributivas. Os serviços básicos como são a gestão ambiental, a água, a energia, os transportes, o acesso à tecnologia e informação e comunicação, etc, não podem ser de caráter lucrativo [1]. As empresas multinacionais vinculadas ao capital financeiro global tendem a monopolizar esses serviços e, na prática, supõem uma enorme redução do “salário indireto”, pois o que antes era um serviço acessível a todos passa a ser um custo que para setores importantes da população não podem assumir. Isso produziu uma tendência a recuperar esses serviços por parte dos governos locais, a “remunicipalização”. A habitação é um bem básico que pode ser individual (grupo familiar) e coletivo (bairro, convivência, mistura social e cultural). As políticas de habitação públicas ou privadas tendem a segregar socialmente os grupos. As habitações sociais localizam-se fora do tecido urbano físico e cívico. Ou se enraizaram no lugar e este torna-se interessante para operações lucrativas e os moradores são movidos para as periferias. O objetivo é quase sempre especulativo. O direito à habitação é tão fundamental como o acesso à educação e à saúde. Um direito que inclui o lugar reconhecido, a heterogeneidade ou a mistura social, o espaço público e integração a inserção na vida da cidade.

6. Nada se perde quando se assume que tudo está perdido, como escreveu Cortázar.

A crescente desigualdade social no território, a exclusão econômica e cultural de amplos setores populares e médios, o desgoverno democrático e a involução institucional repressiva levaram a uma escandalosa "injustiça espacial” [2] Tudo isso não só supõe uma regressão direta das condições de vida de uma grande parte da população, como também empobrece a qualidade da vida urbana de todos. A isso adiciona-se a desapropriação sobre instituições às vezes complexas, pouco representativas e, muitas vezes, impotentes, uma alienação política exacerbada pelas instituições que são cada vez mais dependentes de instituições financeiras e empresas de obras e serviços a serem articuladas com grupos de cidadãos. E se tudo parece perdido, nada está.

A reação social e cidadã tem se expressado de forma crescente. Tem-se reforçado e multiplicado os movimentos e organizações de jovens dos setores sócio-profissionais, culturais, sindicais e, sobretudo, de vizinhanças. O progresso e a inovação representam hoje as classes populares e médias cidadãs, em sua dupla dimensão, as classes trabalhadoras e a cidadania ativa [3]. Coletivos de especialistas optam por trabalhar com os movimentos cidadãos ou populares do que com os governos submetidos à lógica do capital. A recuperação da cidade, e, consequentemente, da cidadania, é forjada na mobilização e organização dos cidadãos. São estes os que se confrontam em âmbito local com os atores globais dissolventes: o sistema financeiro e as multinacionais de obras e serviços.

As agências internacionais e os governos estaduais tendem a agir como cúmplices dessas forças globais, seja por fraqueza ou interesse. Mas quando a cidadania é expressa em níveis nacionais ou internacionais essas instituições aceitam o discurso e as fórmulas de mediação, mas não põem em causa o modus operandi dos atores globais. Os governos locais, embora em muitos casos, agem em conformidade com os governos estaduais e atores globais também são sensíveis à pressão pública e agora vem sendo comum novos candidatos emergirem da cidadania ativa. O marco político jurídico os limita mas se encontram vias para incidir nos processos urbanos, embora eles tendam a agir mais sobre os efeitos do que sobre as causas. Isto requer a imaginação para inovar e a coragem de agir. São as virtudes da mobilização cívica e organizações sociais, bairro, classe ou culturais, que acumulam conhecimentos críticos e alternativos. As dinâmicas sociais coletivas manifestam-se em três dimensões diferentes a serem tomados em consideração. Demandas ou necessidades específicas, muitas vezes, se materializam e são reivindicadas legitimamente como um direito. Eles logo descobrem que suas exigências são quase sempre coletivas e interdependentes com os outras. A segunda dimensão é política, se planejam ações, projetos, programas ou intervenções públicas ou entidades públicas ou privadas que são consideradas responsáveis. Exigem ser participantes, não satisfeitos com a representação eleitoral. Exigem sentirem-se representados nas instituições e serem ouvidos em tudo o que os afeta ou interessa. E há uma terceira dimensão presente em todos os movimentos sociais: expressam-se, de forma explícita ou aspiração latente, o desejo de avançar para uma sociedade justa, digna e feliz baseada na liberdade e igualdade para todos progresso. Quando parece que tudo está perdido, nada está perdido. É a vontade dos cidadãos.

7. Cidade e democracia versus Estados e governos: O direito à cidade.

O mundo de hoje, e particularmente o mundo ocidental, América e Europa, passa por um processo de acelerada [4] "desdemocratização". A fraqueza e cumplicidade dos governos dos Estados no que diz respeito aos poderes econômicos globais e as políticas neo-liberais e a desregulamentação levou a uma crise sócio-econômica grave que empobreceu as classes populares e médias e gerou a desigualdade maciça e privilégios escandalosos. Esta realidade explosiva torna-se visível em cidades e regiões altamente urbanizadas: "os opostos colidem brutalmente no espaço." [5] Nas últimas décadas, que se acrescentou um enorme desafio para a humanidade, o que afeta o futuro do nosso planeta. É a loucura de um desenvolvimento pervertido, um desperdício de recursos e degrada condições básicas de vida da população.

O crescente mal-estar de nossas sociedades urbanas acrescenta-se à crise institucional motivada pela ineficácia e a corrupção dos poderes públicos e econômicos e o desinteresse dos partidos que assumem uma representação política com a qual é adicionado grande parte do público não se identifica. A injustiça espacial e o efeito de escala foi multiplicado pelas migrações que se instalam nas periferias informais ou formais de desemprego na Europa e rendimentos abaixo do nível de pobreza na América Latina. As políticas de habitação que enfatizam a exclusão, seja por bairros degradados ou criminalizados ou por áreas mal ou pouco urbanizadas e segregadas da cidade. Os setores populares reagem e provavelmente isso aumentará a tensão e violência, talvez, não tanto pela pobreza como a desigualdade, mas pela ostentação dos ricos, a imagem das áreas qualificadas, os condomínios fechados, privilégios e o desperdício. A revolução urbana não é um mito, é uma possibilidade. Estamos diante de um processo de "desdemocratização" por poderes políticos e econômicos que responde a um conjunto heterogêneo de resistência social e cultural a várias formas questionar as instituições formais e políticas tradicionais. Eles são conflitos assimétricos, às vezes com violência expressiva, outros com demandas e reivindicações imediatas e localizadas e legítimas na consciência social. E, gradualmente, eles criam laços no nível da cidade, inclusive dos países ou regiões, como aconteceu com o Movimento de Reforma Urbana, que foi inicialmente desenvolvido no Brasil nas últimas décadas do século passado.

8. A desdemocratização expressa-se mediante a redução dos direitos sociais e das liberdades políticas.

As políticas habitacionais são afetadas pelo sistema financeiro local e global e aos promotores construtores privados, os serviços de natureza pública ou interesse geral privatizam-se, facilitam a especulação do solo e a urbanização difusa. As legislações repressivas e o reforço da ação policial limitam as liberdades e direitos políticos e recuperam o papel da polícia contra manifestantes e grevistas. A democracia se enraizou no século XX pelas conquistas sociais. Foi a ampliação dos direitos sociais e das políticas de "welfare state", com os direitos políticos acessíveis a todos ou à grande maioria dos cidadãos. Tem sido uma longa luta das classes trabalhadoras e populares: o acesso real às eleições, direito de greve, manifestação e organização, de negociação coletiva, etc. Meios indispensáveis para lidar com a política pública e o domínio do poder econômico, o direito à moradia, proteção social, escolar e de saúde pública. É um conjunto de direitos de conteúdo sócio-político interdependentes e instrumentais para conquistar, defender e ampliar. [6] A democracia não foi conquistada no marco do Estado liberal do século XIX , oligárquica e censitária. Foi consolidado após a Segunda Guerra Mundial.

A democracia política foi consolidada na Europa e nos Estados Unidos e, em menor medida, na América Latina, com base no "welfare state", que foi desenvolvido principalmente após a Segunda Guerra Mundial. Foi resultado das políticas "keynesianas", o medo do comunismo e da força sócio-política das classes trabalhadoras. As políticas neoliberais têm deslegitimado a democracia representativa e do Estado de Direito. As classes populares e, em parte, as classes médias não se sentem representadas. Isso implica em um reforço das políticas repressivas, em muitos casos, de caráter "preventivo", com a possibilidade de múltiplas formas de desobediência civil em defesa dos direitos legítimos para se desenvolver. A desdemocratização levou a uma ofensiva ideológica baseada na fragmentação social e do individualismo, medo e insegurança, a naturalização das políticas econômicas e a suposta "ausência" de alternativas políticas [7] e a mitificação do Estado de Direito. Os direitos legitimados na sociedade e, em muitos casos, nas Constituições e tratados internacionais [8] não se materializam nas leis, no sistema judicial, nas políticas públicas e na força das regras e as práticas mercantilizantes. O quadro político e jurídico nega e impede o exercício dos direitos dos cidadãos. O escopo do conflito é, hoje, no espaço urbano, o espaço de acumulação de capital contra a produção e reprodução social. A democracia enraizada na cidade é confrontada com o institucional expresso pelo Estado de direito. Confrontados com uma lei pervertida das cidades que se opõe ao "direito à cidade".

9. O direito à cidade não é um catálogo de direitos

Sua lista pode ser interminável e, consequentemente, pode parecer ineficaz. No entanto, se multiplicam os catálogos, o  que é positivo pois desempenham um papel legitimador e influenciam o rumo das políticas públicas. Assumir esses direitos envolve a interdependência destes e desafiar os obstáculos que o impedem. Isto não leva em conta os governos nacionais e locais. O catálogo do direito à cidade pode resultar ineficaz. A prova disso é que, mesmo em reuniões do Habitat e de outros organismos internacionais, começa a surgir o direito à cidade para compensar o seu discurso e dar uma tinta progressista e tentar ganhar o aplauso dos governos e organizações sociais. [9]

O direito à cidade, tal como foi exposto por seus principais teóricos e pelos líderes sociais [10] não dissimula sua vocação de promover uma transformação radical da cidade e da organização do território. Questiona o direito da propriedade, não aceita a gestão privada dos bens comuns e os serviços de interesse comum, se opõe ao produtivismo às custas do meio ambiente e dos recursos básicos, propõe uma democracia deliberativa e limitante das instituições de representação em favor de formas de governo e gestão cívicas, prioriza os objetivos de igualdade e liberdade, de reconhecimento por igual de todos os habitantes de um território, etc. Mas a vocação de mudança, de alternativa e vontade de modificar os marcos jurídicos, políticos e econômicos em favor dos valores e objetivos de liberdade e igualdade é próprio da democracia.

O direito à cidade se confronta com o atual processo de desdemocratização, é um direito para contribuir à desdemocratização. Não se trata de um retorno ao passado, é posicionar-se em um momento histórico que requer novos direitos e mais efetivos. O direito à cidade pretende ser uma das ferramentas para reconstruir a democracia das cidades. Em suma, o direito à cidade é um horizonte, que "nos ajuda a caminhar" (como poderia dizer Eduardo Galeano) e expressa o desejo de uma sociedade mais justa, amável e feliz. É duvidoso que o Habitat e as Nações Unidas, seguindo as instruções dos Estados Unidos, assumam "o direito à cidade", inclusive é possível que tentem que seja feita alguma referência a isso. 

10. O fuuro das cidades se confunde com o da humanidade. E, sem dúvidas, os organismos internacionais, em especial as Nações Unidas e os governos dos Estados tem fracassado e se desinteressado da dissolução das cidades submersas pela urbanização sem cidade.

As Nações Unidas esqueceram desde o início que não eram nações, as pessoas em ação, mas os Estados e seus governos, nem seus parlamentos estão presentes. Os povos ficaram de fora e a burocracia internacional está sujeita aos interesses conservadores dos governos. Os povos e seus territórios, hoje em sua maior parte urbanizados, tem algumas possibilidades para que suas vozes sejam ouvidas, mas sem voto. Os povos estão atomizados pela democracia representativa mediante o voto dos indivíduos. As cidades são agregadoras ou como disse Dahrendorf, a democracia liberal é frígida, a cidade é quente. Existe uma relação direta entre os governos locais e a cidadania ativa organizada. Em conferências e fóruns os representantes das cidades podem expressar-se através de porá-vozes reais. Eles fazem-se ouvir, ainda que desde posições marginais. O Habitat timidamente abriu algumas portas para os representantes dos diretos das cidades e às organizações sociais e culturais. Mas continua a ser teatro, puro teatro. Cada um conta sua história, são ouvidos por funcionários, políticos e representantes de empresas que aparecem como especialistas. O Habitat pretende impor a diversidade, as pessoas de cores diferentes, jovens e velhos, rurais e urbanos. Fóruns, conferências, seminários, "reuniões temáticas", pot-pourris onde o concreto e o abstrato, experiência local e o discurso burocrático, são um quebra-cabeça que se converte em resoluções preventivamente censuradas ou maquiadas por funcionários.

A existência do Habitat até agora não se justificou. As conferências a cada 20 anos e os fóruns urbanos mais frequentes têm permitido encontros mais próprios de uma feira popular repetitiva do que um espaço de debates, resoluções e acompanhamento dos compromissos. Não se tiveram efeitos visíveis e resultados práticos. Pelo contrário, os especialistas que assinaram pelo Habitat suavizam qualquer declaração que possa despertar o torpor de diplomatas governamentais e ainda assim esses monitoram que se multipliquem as suficientes precauções para que os textos oficiais sejam insípidos, neutros, que não possam parecer algo impertinente para algum governo suscetível. Ou seja, é perfeitamente inútil. De pouco servirão adicionar alguns depoimentos ao Conselho de Administração para que alguns prefeitos ou executivos de ONGs poderosas ocupem algumas cadeiras. Serão uma minoria e heterogênea, com pouco peso numérico e que se neutralizam entre eles mesmos. Já vimos o resultado, nulo, dos fóruns e conferências, encontros temáticos do Habitat, ou quando o Habitat recorre à “sociedade civil" aparecem como a Campanha Urbana Mundial, que com muito dinheiro e muitasreuniões com 26 “grandes pensadores” no fronte e grandes empresas por trás [11]. O resultado foi um documento infantil intitulado "A cidade que precisamos. Rumo a um novo paradigma urbano." Palavras angelicais dirigidas aos Reis Magos para esquecer dos problemas reais e dos atores destruidores da cidade e da cidadania.

O Habitat não nos representa. Trata-se de reconstruir o Habitat sem os governos dos Estados. Com os povos, as organizações e movimentos sociais, com os coletivos profissionais ou acadêmicos críticos e alternativos e com os governos das cidades com vocação de fazer  cidade e de promover os direitos cidadãos de todos. Se há pessoas sem direitos, não existem direitos, há privilégios e excluídos. São pessoas sem direitos ou com direitos limitados em conjunto com as forças de cidadãos ativos que podem tornar possível a cidade democrática.
Texto em elaboração e revisão para o Fórum Alternativo ao Habitat III.

NOTAS
[1] O presidente da multinacional Nestle declarou recentemente “Não existe o direito à água, é um produto que deve ser comprado”. Sem comentários.
[2] Conceito que utiliza o urbanista italiano Bernardo Secchi em seu último livro, publicado pouco antes de sua morte (2013).
[3] As classes trabalhadoras são entendidas em um sentido mais amplo que na época da sociedade industrial. Se há acumulação de capital através da especulação urbana, a privatização dos serviços de interesse geral ou por meio da construção de obras públicas e da moradia e a localização dos negócios, tudo isso afeta negativamente os salários reais e os meios de reprodução social. Por isso há exploração sócio-econômica e alienação política-cultural.
[4] Veja textos recentes de E. Balibar. Uma seleção de artigos em castelhano em "Cidadania" (editado por A.Hidalgo, Cordoba, Argentina, 2013). O processo de desdemocratização começou no último quarto do século passado. Na América Latina e na Europa foram as reações sociais e políticas que deram lugar a governos progressistas, especialmente nas grandes cidades. mas o "novas políticas" agiu sobre os efeitos das políticas neoliberais, mas não sobre os fatores causais.
[5] Uma citação de um verso de Schiller, com permissão.
[6] Ver a análise histórica de Eric Hobswam em “La clase obrera y los derechos humanos”, em “El mundo del trabajo. Estudios sobre la formación y evolución de la clase obrera”, Editorial Crítica, 1987.
[7] A expressão caricatural disso é a teoria do "fim da história". O fato de que no cenário político institucional não haja outra alternativa forte em muitos Estados não significa na sociedade se que forjam movimentos sócio-políticos que na América Latina e alguns países europeus também surgiram no sistema político institucional. Mas devemos reconhecer que na hora de governar resulta mais viável atuar sobre os sintomas do que sobre as causas.
[8] Como a Carta dos Direitos Humanos das Nações Unidos (1948) e outras Cartas de Direitos posteriores.
[9] Os governos estatais, em especial o dos Estados Unidos, provavelmente impedirão que se debata e menos ainda que se aprove “o direito à cidade” em Habitat 3. Mais uma prova da imbecilidade da maioria dos governantes.
[10] A formulação do direito à cidade não é apenas típica dos teóricos políticos e estudiosos como Harvey Lefebvre, o grupo de estudiosos radicais de Nova York (Peter Marcuse, Neil Smith, Tom Angotti, etc), ou acadêmicos progressistas latino-americanos como a Rede Clacso coordenada por Fernando Carrion. Também tem formulado o direito à cidade como conceito instrumental de transformação social e política intelectuais-ativistas ligados a movimentos populares urbanos e a experiências políticas avançadas como líderes do Movimento da Reforma Urbana do Brasil (incluindo o Instituto Polis, Raquel Rolnik, etc), Enrique Ortiz-HIC e Alicia Ziccardi, México), Ana Sugranyes (HIC e SUR) e Alfredo Rodriguez, SUR, Chile), J.Borja e equipe de DESC liderada por Ada Colau, agora prefeito de Barcelona), entre outros.
[11] A Campanha Urbana Mundial (WUC) irrompeu no plácido arquipélago do Habitat/Nações Unidas em 2014. Mobilizaram dezenas de “grandes pensadores urbanos” (vocabulário deles) com o apoi de grandes empresas e ONGs amigas. Em 2015 elaboraram o “novo paradigma urbano” com o título “ A cidade que necessitamos”, um hino à retórica vazia de conteúdo. Este documento foi aprovado no Encontro de Praga de março de 2016. 

Jordi Borja é geógrafo e urbanista. Professsor Emérito e Presidente do Comitê Acadêmico dos programas de pós-graduação de Cidade e Urbanismo da UOC​.

Sobre este autor
Jordi Borja
Autor
Cita: Jordi Borja. "Notas para um manifesto. Fórum Alternativo ao Habitat III (Parte II) / Jordi Borja" 22 Nov 2016. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/799619/notas-para-um-manifesto-forum-alternativo-ao-habitat-iii-parte-ii-jordi-borja> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.