O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Envolto em Luminosidade: Como fachadas reflexivas transformaram a arquitetura moderna

Envolto em Luminosidade: Como fachadas reflexivas transformaram a arquitetura moderna

  • 07:00 - 11 Novembro, 2016
  • por
  • Traduzido por Lis Moreira Cavalcante
Envolto em Luminosidade: Como fachadas reflexivas transformaram a arquitetura moderna
Envolto em Luminosidade: Como fachadas reflexivas transformaram a arquitetura moderna, Reflexões em Fachada de Vidro. Elbphilharmonie, Hamburgo. Arquitetos: Herzog & de Meuron. Imagem © Frank Thiel
Reflexões em Fachada de Vidro. Elbphilharmonie, Hamburgo. Arquitetos: Herzog & de Meuron. Imagem © Frank Thiel

Mesmo o modernismo promovendo a transparência da arquitetura de vidro, muitos dentro do movimento estavam conscientes da monotonia de grandes fachadas de vidro, com até Mies van der Rohe usando elementos como sua marca registrada montantes para quebrar suas fachadas. Mas, nos anos seguintes, inúmeros arranha-céus de envidraçamento estrutural uniformes surgiram e entediaram cidadãos urbanos. Em resposta a isso, reinterpretações não convencionais de fachadas despertaram interesse.

Acompanhados pela crença de que a luz e a luminosidade poderiam ajudar na criação de uma arquitetura icônica e um mundo melhor, vidro e metal foram transformados de forma inovadora, para criar imagens cristalinas. Como resultado, o locus do sentido na arquitetura deslocou-se do espaço interno e forma à superfície exterior.

Celebrar a materialidade expressiva da transparência e imagens reflexivas para envelopes inteiros de edifícios surgiu no início do século XX, quando Paul Scheerbart e Bruno Taut imaginaram uma nova cultura de vidro feita de "vidro colorido" "brilhando ao sol", "formas cristalinas de vidro branco" que fazem a "arquiteturas, como jóias, brilharem". Mies van der Rohe absorveu essa visão quando ele descartou a torre retangular em favor de uma pele de vidro de forma livre em sua proposta de para o The Glass Skyscraper em Berlim em 1921. Em uma entrevista de 1968, Mies explicou o seu ceticismo em relação à monotonia urbana de efeitos de espelho de vidro: "Porque eu estava usando vidro, eu estava ansioso para evitar superfícies mortas refletindo muita luz, então eu quebrei as fachadas um pouco no plano, de modo que a luz poderia incidir sobre eles em ângulos diferentes: como cristal, como cristal lapidado".Norman Foster materializou esse sonho de vidro com seu projeto para a Willis Faber & Dumas Headquarters em Ipswich em 1975 e SOM o apresentou em sua mais alta manifestação com a Torre Burj Khalifa em Dubai em 2009.

Fachada envidraçada da Elbphilharmonie, Hamburg. Arquitetos: Herzog & de Meuron. Imagem © Maxim Schulz
Fachada envidraçada da Elbphilharmonie, Hamburg. Arquitetos: Herzog & de Meuron. Imagem © Maxim Schulz

Sem dúvida, a fachada de vidro do Elbphilharmonie em Hamburgo de Herzog & de Meuron faz referência à cultura visionária de vidro de Scheerbart, e indiretamente ao envelope cintilante de ouro da Filarmônica de Berlim de Hans Scharoun também. Interiormente e exteriormente elementos de vidro curvado distorcem a percepção da cidade, água e céu. Eles constroem um novo contraste com o planos de vidro uniformes do Estilo Internacional.O meio ambiente não é apreciado como uma imagem clara espelhada, mas ao invés disso passa por um processo de modificação e reprodução.

Devido às curvas das varandas, o edifício reflete pontos ou linhas de luzes brilhantes. Com um céu azul ou difuso, as curvas refletem a luz como linhas brilhantes, semelhantes às linhas horizontais vistas nos desenhos da indústria automotiva. Sob luz solar direta, pontos brilhantes aparecem e evocam um brilho típico de jóias.Além disso, as curvas convexas verticais e horizontais de numerosos elementos de vidro simples reforçam as reflexões distorcidas e brilhantes do céu. No geral, a fachada curva com suas telas de pontos impressos evoca uma imagem vívida e líquida, que expressa uma relação estreita com a água ao redor. Construído sobre o histórico armazém de tijolo abaixo, e com a sua coreografia abstrata de complexas reflexões distorcidas de luz, o Elbphilharmonie funciona como um mágico olho-apanhador.

Fachada com elementos em vidro curvo no Prada Aoyama, 2003, Tokyo. Arquitetos: Herzog & de Meuron. Imagem © Yen-Chi Chen
Fachada com elementos em vidro curvo no Prada Aoyama, 2003, Tokyo. Arquitetos: Herzog & de Meuron. Imagem © Yen-Chi Chen

O precursor da Elbephilharmonie, que primeiro apresentou o desejo de Herzog & de Meuron de transformar os efeitos de espelho de arranha-céus modernistas de vidro, foi o Prada Epicenter em Tóquio, concluído em 2003. O envelope de vidro consiste principalmente de elementos em forma de losango, mas peças selecionadas criam reflexões distorcidas distintas devido às formas exteriores convexas do vidro -comparável a uma lente de contato descansando na fachada.

A imagem intrigantede reflexões brilhantes em fachadas de vidro transparente é, felizmente, não limitada àqueles que estão fora do edifício; aqueles que estão dentro também desfrutam de visuais interessantes. No entanto, para exposições fechadas ou salas de concerto, o conceito de envolver um prédio inteiro com efeitos reflexivos brilhantes foi adaptado com outros painéis cintilantes.

Reflexões na fachada de titânio do Guggenheim Museum Bilbao, 1997. Arquiteto: Frank Gehry. Fotografia: Thomas Mayer. Imagem © ERCO. www.erco.com
Reflexões na fachada de titânio do Guggenheim Museum Bilbao, 1997. Arquiteto: Frank Gehry. Fotografia: Thomas Mayer. Imagem © ERCO. www.erco.com

O arquiteto americano Frank Gehry transferiu esta estética da luminosidade do vidro ao metal com o revestimento de titânio do Guggenheim Museum Bilbao em 1997. Enquanto as conotações variam de um navio para a forma maior a escamas de peixe em relação aos painéis reflexivos, o edifício como um todo se transformou em uma joia urbana que influenciou vários revitalizações urbanas com sua assinatura icônica.Muitas aspirantes a metrópole assumem que a forma estrutural é o fator de sucesso fundamental no "efeito Bilbao". No entanto, com as qualidades de luz cintilante das folhas de titânio e sua aparência mutante,Frank Gehry não apenas trouxe uma composição dinâmica de formas para Bilbao, mas reforçou seu projeto com uma distintiva e dinâmica imagem que varia de acordo com cada nuvem e raio de sol.

Walt Disney Concert Hall, 2003, Los Angeles. Arquiteto: Frank Gehry. Imagem © Gehry Partners, LLP
Walt Disney Concert Hall, 2003, Los Angeles. Arquiteto: Frank Gehry. Imagem © Gehry Partners, LLP

Embora tenham menos de meio milímetro de espessura, as chapas de titânio evocam um interessante, quase ondulado, traje tátil - uma associação a qual o crítico do New York Times, Herbert Muschamp, associou à Marilyn Monroe: "o novo Museu Guggenheim de Frank Gehry é uma explosão do otimismo Americano cintilante, Looney tunes, pós-industrial, pós-tudo, envolto em titânio (...) o edifício é a reencarnação de Marilyn Monroe." Com o Walt Disney Concert Hall, inaugurado em 2003, o gesto brilhante, posteriormente, chegou também na glamourosa paisagem de Hollywood.

Mais tarde, Paul Andreu cobriu a cúpula monumental do Grande Teatro Nacional da China, com uma pele de titânio brilhante e aumentou o efeito com um espelho d'água ao redor para destacá-lo das paredes vermelhas antigas da Cidade Proibida. Mas peles brilhantes contínuas não são a única opção para joias cintilantes na cidade.

Discos de alumínio no Selfridges Birmingham, 2003. Arquitetos: Amanda Levete e Jan Kaplicky (Future Systems). Imagem © Ken Lee
Discos de alumínio no Selfridges Birmingham, 2003. Arquitetos: Amanda Levete e Jan Kaplicky (Future Systems). Imagem © Ken Lee

O jogo de véus elegantes em moda e revestimento brilhante na arquitetura combinados em um vestido Paco Rabanne para um templo de varejo britânico. Futuro Sistemas elegantemente coberta a loja de departamentos Selfridges Birmingham, inaugurado em 2003, com uma densa malha de 16.000 discos de alumínio anodizado. A loja foi capaz de evitar anexar qualquer logotipo ao edifício devido ao fato de o próprio edifício ter sido transformado em uma sinalização. Sua sensualidade imediatamente estimulou o mundo do marketing a utilizar a configuração sensacional para anúncios. A rede cintilante cria um sentimento fascinante para escala: pequenos discos geram um sentimento háptico, humano, enquanto a forma geral oferece quase nenhuma pista sobre o tamanho ou número de pavimentos do edifício. As reflexões difusas do revestimento de fachadas levam a uma imagem abstrata transformada, essencialmente determinada pelo brilho e cor do céu e negligencia quaisquer reflexos do bairro.

Messe Basel - New Hall, 2013, Basel. Arquitetos: Herzog & de Meuron. Imagem © Hufton + Crow
Messe Basel - New Hall, 2013, Basel. Arquitetos: Herzog & de Meuron. Imagem © Hufton + Crow

Em contraste com o vestido disco cintilante em Birmingham, o gesto de metal esticado na Messe Basel New Hall de Herzog & de Meuron introduz uma interpretação linear dos reflexos de luz.As faixas torcidas de alumínio do edifício evitam a bem conhecida monotonia de salas de exposição sem janelas. O homogêneo e esticado alumínio modifica a construção de uma forma leve. Quando orientado para o céu, a superfície dá brilho ao edifício, que é definido em contraste com as perfurações escuras e áreas onde as faixas inclinam-se em direção ao chão.

Brises de alumínio no South Australian Health e Medical Research Institute, Adelaide. Arquitetos: Woods Bagot. "South Australian Health e Medical Research Institute" por Jackstarshaker é licenciado por <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0/deed.en">CC BY-SA 4.0</a> . Imagem
Brises de alumínio no South Australian Health e Medical Research Institute, Adelaide. Arquitetos: Woods Bagot. "South Australian Health e Medical Research Institute" por Jackstarshaker é licenciado por CC BY-SA 4.0 . Imagem

Para uma instituição de ciência australiana, o envelope tem até cumprido com a tarefa de proteger contra a intensa luz solar. Os arquitetos Woods Bagot conceberam um ícone urbano envolvendo todo o edifício com brises de alumínio, cada um individualmente modelados computacionalmente, para a South Australian Health e o Medical Research Institute em Adelaide.

Algumas formas de padrões reflexivos brilhantes são ainda passíveis de iniciar discussões políticas e influenciar os nomes dos edifícios. O "Fernsehturm Berlin" é um excelente exemplo disso, com a sua reflexão em forma de uma cruz que emana da esfera. Construído em 1969, o partido socialista e ateísta da República Democrática Alemã construiu a torre para se parecer com o satélite russo Sputnik. Localizado no centro histórico da antiga Alemanha Oriental ao lado de uma igreja medieval, a torre foi concebida como uma declaração política sobre a desconstrução da cidade velha. Mas a seleção de painéis de aço inoxidável piramidais levou a um efeito não intencional: os reflexos do sol criaram um padrão de cruz claramente visível na esfera. Desse modo, o regime comunista tinha instalado acidentalmente um símbolo altamente visível cristão em um ambiente ostensivamente ateu. Assim, as pessoas em Berlim apelidaram o efeito de iluminação de "vingança do Papa."

Fachada envidraçada da Elbphilharmonie, Hamburg. Arquitetos: Herzog & de Meuron. Imagem © Maxim Schulz
Fachada envidraçada da Elbphilharmonie, Hamburg. Arquitetos: Herzog & de Meuron. Imagem © Maxim Schulz

Estas estratégias com véus cintilantes têm aumentado significativamente a relevância da superfície como um portador para o significado de um edifício. O Estilo Internacional chegou a um ponto de desenho de fachada onde a uniformidade de cubos espelhados começou a corroer um senso de escala humana. Consequentemente, formas côncavas e convexas, elementos reflexivos de fachada curvas, ou uma mistura dos dois, abriram um outro conjunto de opções, gerando imagens mais multifacetadas para a cidade. Além disso, o interesse nos padrões complexos de reflexão tem deixado o brutalismo de lado, com seu dualismo concreto bruto ou vazios escuros e superfícies de luz. Estas fachadas brilhantes tem também suplantado a monumentalidade de Kahn, onde o objetivo principal do material é projetar uma sombra. Nem sombras nem efeitos espelhados simples parecem evocar suficiente atração para nossa sociedade orientada para o espetáculo de hoje. Portanto, os novos marcos continuarão a alcançar combinações inovadoras de material e forma para criar véus brilhantes e um futuro urbano brilhante.

Light matters, uma coluna mensal sobre luz e espaço, é escrita por Thomas Schielke. Ele reside na Alemanha, é fascinado por iluminação arquitetônica e trabalha como um editor para a empresa de iluminação ERCO. Ele publicou vários artigos e é co-autor dos livros "Light Perspectives" e "SuperLux". Para mais informações confira www.erco.comwww.arclighting.de ou siga-o em @arcspaces.

Cita: Thomas Schielke. "Envolto em Luminosidade: Como fachadas reflexivas transformaram a arquitetura moderna" [Veiled in Brilliance: How Reflective Facades Have Changed Modern Architecture] 11 Nov 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Moreira Cavalcante, Lis) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/798905/envolto-em-luminosidade-como-fachadas-reflexivas-transformaram-a-arquitetura-moderna> ISSN 0719-8906