O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Por que o design computacional vai mudar o modo como trabalhamos

Por que o design computacional vai mudar o modo como trabalhamos

Por que o design computacional vai mudar o modo como trabalhamos
Por que o design computacional vai mudar o modo como trabalhamos, Adaptado de uma imagem © hanss via Shutterstock
Adaptado de uma imagem © hanss via Shutterstock

Este artigo foi originalmente postado em ArchSmarter.

Hoje em dia, quase todo arquiteto usa o computador. Seja para modelagem  3D, documentação ou até mesmo para criar planilhas de programação, computadores são muito frequentes e estão infiltrados na profissão. Arquitetos agora precisam saber o mesmo tanto de software quanto de estruturas, códigos de obras, e projeto.

À medida que ferramentas se tornam mais poderosas e sofisticadas, precisamos evoluir e desenvolver nossos métodos de trabalho para permanecermos competitivos. Escrevi um artigo sobre como arquitetos devem aprender programação. Muitos dos problemas que necessitamos resolver não estão nas capacidades de programas fáceis e rápidos. Precisamos ajustar e personalizar as nossas ferramentas para trabalhar a maneira como trabalhamos. Criar nossas próprias ferramentas e softwares é um jeito de fazer isso.

Dito isto, a realidade é que nem todo mundo tem tempo ou facilidade para aprender a programar. Leva tempo e sempre temos projetos para terminar, desenhos para revisar e edifícios para projetar. Felizmente aqui estão algumas novas ferramentas disponíveis que oferecem o poder da programação sem a necessidade de toda aquela interminável codificação.

Entre no mundo da programação visual e projetos computacionais.

O que é design computacional?

É a aplicação de estratégias computacionais ao processo de projeto. Enquanto projetistas tradicionalmente confiam na intuição e experiência para resolver problemas de desenho, o design computacional busca melhorar esse processo através da codificação de decisões de design usando uma linguagem de computador. O objetivo não é necessariamente documentar o resultado final, mas sim os passos necessários para criar esse resultado. 

Cortesia de  ArchSmarter
Cortesia de ArchSmarter

Muitos dos ambientes de design computacional dependem da programação visual ao oposto da tradicional programação baseada em texto. Com a programação visual, você constrói programas graficamente ao invés de escrever códigos. Saídas de um são ligados às entradas de outro. Um programa ou "gráfico" flui de para ao longo de uma rede de conectores. O resultado é uma representação gráfica dos passos necessários para atingir o resultado final.

Ferramentas de design computacional

Existem várias ferramentas de design computacional no mercado, A maioria dessas ferramentas trabalham sobre outras plataformas de software, como Microstation, Rhino ou Revit. Aqui está uma lista das ferramentas computacionais mais populares:

Generative Components é considerado o avô das ferramentas de design computacional. Foi introduzido em 2003 e lançado comercialmente em 2007. O Generative Components trabalha com o software Microstation, embora uma versão independente esteja também disponível.

Enquanto o Generative Components é o mais antigo, o Grasshopper é sem dúvida a ferramenta mais popular de design computacional. Consiste de uma ferramenta de modelagem algorítmica para Rhino, a ferramenta de modelagem 3D de Robert McNeel and Associates. Grasshoper está no mercado há oito anos e tem atualizações rápidas. É um produto muito maduro, com uma extensa biblioteca de nós.

Dynamo é a ferramenta de programação visual da Autodesk. Está disponível em uma versão gratuita que o conecta diretamente com o Revit, assim como a versão independente, porém paga. Dynamo está crescendo em popularidade e possui uma comunidade de adeptos em rápido crescimento, que vêm desenvolvendo nós para dar suporte a uma variedade de usuários.  

Marionette é um novo produto da Vectorworks. É construído diretamente na versão Vectorworks 2016. Marionette é uma plataforma cruzada, portanto pode ser trabalhada tanto no Mac como no Windows.

Flux é o lançamento de Google[x], o laboratório de pesquisas do Google. Flux é único por funcionar em todas as plataformas, usando uma interface baseada na web. Com o Flux, é possível compartilhar dados entre aplicativos. Por exemplo, um modelo conceitual criado no Rhino pode ser importado para o Revit, paredes e portas podem ser adicionados, em seguida, a área exportada para o Excel, todos utilizando plugins de Flux e sua interface web.

Como o design computacional vai mudar a maneira como você trabalha

Design computacional é um termo amplo que compreende muitas atividades, que variam do projeto à automatização de tarefas. O que têm em comum é o uso da ferramenta de programação visual. A seguir, cinco maneiras através das quais você pode se beneficiar com o design computacional.

1. Explore múltiplas opções de design

Através da programação de regras de design em uma estrutura computacional, é muito fácil de gerar centenas, se não milhares de opções utilizando essas regras. Além do mais, cada opção pode ser avaliada usando critérios específicos para determinar a melhor solução.

Cortesia de  ArchSmarter
Cortesia de ArchSmarter

Não estamos falando apenas da criação de torres curvas ou geometrias bizarras. Você pode facilmente criar uma ferramenta que gera desenhos de banheiros baseados em uma série de quatro paredes. Vamos ser honestos, a maioria dos banheiros é bastante parecida. Se você codificar o padrão de seu escritórios em um programa visual, você pode facilmente gerar uma variedade de opções, das quais todas fazem parte do critério específico de seu escritório. Você pode então gastar seu tempo de projeto nas partes do edifício que são mais interessantes.

2. "Abra o capô" e acesse seus dados

Por mais que as empresas de software queiram que façamos todo o trabalho em seus programas, é ainda necessário (e muitas vezes preferível) utilizar alguma ferramenta mais adequada para a função. Infelizmente, isso significa transferir dados de um formato a outro. E uma vez que os programas trabalham muito bem juntos, isso frequentemente envolve exportar os dados para o Excel.

Cortesia de  ArchSmarter
Cortesia de ArchSmarter

Ferramentas de design computacional tornam este processo muito mais fácil. Por exemplo, utilizando Dynamo, é possível criar uma ligação de duas vias com seu modelo de Revit para exportar todas as informações do Revit para o Excel. Uma vez que os dados estão no Excel, você pode modificá-los e importá-los de volta para o modelo ou utilizá-los para criar um painel de projeto.Tudo isto pode ser realizado a partir de um gráfico do Dynamo bastante simples.

3. Tarefas repetitivas automáticas 

Muito do que se vê de design computacional envolve geometria complexa e design avançado. No entanto, estas ferramentas podem fazer muito mais do que isso. Uma vez que eles trabalham com a API do software, ou aplicativo de programação de interface, a maioria das ferramentas de design computacional pode ser usada para automatizar tarefas tediosas, como renomeação e cópia de elementos ou pontos de vista.

Cortesia de  ArchSmarter
Cortesia de ArchSmarter

Na verdade, muitas das ferramentas que eu criei para o ArchSmarter Toolbox podem ser replicadas no Dynamo. O Dynamo proporciona uma maneira mais fácil de acessar o API do Revit. Para mim, esta é uma das grandes promessas do design computacional. Poder criar suas próprias ferramentas que funcionam da mesma forma que você é a melhor maneira de trabalhar mais inteligentemente.

4. Teste o que seu projeto está REALMENTE fazendo

Como saber se seu projeto terá o desempenho que você espera? Podemos esperar que o edifício seja construído ou podemos testá-lo durante a fase de concepção, quando é muito mais fácil (e barato) realizar alterações. Ferramentas de design computacional tornam mais fácil a simulação da performance do edifício através do processo de design. Quer saber a quantidade de luz natural em um dia parcialmente nublado de março? Crie uma ferramenta que meça isso.

Cortesia de  ArchSmarter
Cortesia de ArchSmarter

Embora os dados de simulação não substituam os dados reais, eles podem fornecer um meio de avaliar projetos com base em critérios semelhantes. Determinar rapidamente o desempenho do projeto - de maneira comprovada - nos dá mais tempo para realizar simulações detalhadas das alterações.

5. Pense de maneira algorítmica 

Por fim, design computacional requer que você pense através de uma lógica "passo-a-passo". A maioria dos arquitetos confia na intuição ou na criatividade para resolver problemas. Esse tipo de pensamento nem sempre é adequado para um processo lógico de um cérebro que pensa com o lado esquerdo. Mas e se você pudesse programar essa intuição? Seria possível observar cada passo e realmente compreender o que faz ele funcionar. Melhor ainda, você poderia reutilizar essa lógica de projeto e melhorá-la com o tempo.

Cortesia de  ArchSmarter
Cortesia de ArchSmarter

Ao utilizar o processo de design computacional, você está codificando o design. Cada passo do projeto se torna uma série de instruções que podem ser avaliadas, revisadas e melhoradas. Do mesmo modo, cada passo requer parâmetros específicos. Ao pensar através de todos os passos do problema de projeto e considerar todas as entradas e saídas, você efetivamente criar um processo que pode ser entendido e repetido.

Conclusão

Ferramentas de design computacional oferecem uma maneira fácil de aproveitar o poder da computação em processos de projeto sem ter que aprender a programar. Estas ferramentas permitem que arquitetos e designers criem suas próprias ferramentas específicas. Sejamos sinceros, cada projeto em que trabalhamos é único, com seus próprios desafios. Não existe apenas um software que possa fazer tudo o que precisamos. No entanto, ao criar nossas próprias ferramentas, podemos adaptar nosso software para que ele trabalhe por nós.

Imagem via Shutterstock.com

Sobre este autor
Michael Kilkelly
Autor
Cita: Kilkelly, Michael. "Por que o design computacional vai mudar o modo como trabalhamos" [5 Ways Computational Design Will Change the Way You Work] 22 Abr 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Santiago Pedrotti, Gabriel) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/785958/5-formas-que-desenho-computacional-vai-mudar-o-jeito-que-voce-trabalha> ISSN 0719-8906
Ler comentários