A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio

A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio

No dia 3 de fevereiro, a Bienal de Lagos deste ano foi inaugurada na Praça Tafawa Balewa, em Lagos, Nigéria, um local emblemático que já foi palco das celebrações da independência do país em 1960. Como a 4ª edição da feira de arte, ela continua com o objetivo de utilizar a arte para ativar marcos históricos que perderam significado tanto pelo uso funcional quanto pelo significado simbólico para os moradores da antiga capital.

As edições anteriores da Bienal exploraram vários aspectos da arquitetura da cidade, seu significado simbólico, implicações políticas, soberania, propriedade, noções de pertencimento e sua relação com o público. Este ano, o tema "Refúgio" na Praça Tafawa Balewa leva essa exploração ainda mais longe. Os curadores Kathryn Weir e Folakunle Oshun destacam que esse tema faz com que a praça aborde o conceito de um estado-nação. Também reúne artistas e arquitetos de diferentes disciplinas para explorar abordagens alternativas na construção de comunidades renováveis e promoção da justiça ambiental.

A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 2 de 17A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 3 de 17A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 4 de 17A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 5 de 17A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Mais Imagens+ 12

A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 13 de 17
Airi: Bone Altar by artist Yussef Agbo-Ola. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)

A Bienal mostra o trabalho de 80 participantes de 30 países, que exploram o tema por meio de pavilhões arquitetônicos, instalações de arte, palestras de artistas, exibições de filmes, projeções e performances. Ao entrar, você é recebido por uma instalação de portas de madeira fechadas criadas pelo renomado artista Demas Nwoko. Essas portas servem como interface, convidando os visitantes a interagir com os espaços fechados como forma de refúgio. Elas também levantam questões sobre a natureza democrática do local e sua acessibilidade para os moradores da cidade. Muitos visitantes apreciam a Bienal de Lagos enquanto uma oportunidade de visitar a praça e admirar sua estrutura. As instalações da Bienal estão espalhadas pelo piso de concreto da praça e pelos assentos inclinados da estrutura, encorajando os visitantes a explorar livremente e contemplar os temas subjacentes.

Espaço: uma estrutura para a auto-identidade

Enquanto você explora a praça, encontrará vários pavilhões arquitetônicos que trabalham materiais locais e incorporam instalações multimídia que exploram a identidade individual e comunitária. Um pavilhão notável é "Traces of Ecstasy", curado por KJ Abudu e projetado por Oswald Dennis. Essa estrutura modular consiste em espaços curvilíneos sobrepostos que se inspiram nas geometrias fractais do espaço africano indígena. Os espaços são construídos usando tijolos de concreto empilhados de maneira transversal, semelhantes a elementos vazados, e são cobertos com padrões de tecido Adire para criar uma atmosfera específica. O pavilhão serve como um quadro para instalações de som e vídeo, performances ao vivo e uma rede de navegador digital que explora a história africana, sonhos de liberdade e auto-identidade. Temas semelhantes podem ser encontrados em outras instalações dentro da praça, como a estrutura gradeada de cubos de madeira do arquiteto albanês Endri Marku, que evoca a imagem de uma grade de pixels e é intitulada “Wahala, Freedom, Quantum Leap". Essa estrutura abriga exposições de vídeo que exploram o corpo como um arquivo, criticam a corrupção pública e abordam as experiências queer na Nigéria. Essas instalações promovem uma reflexão sobre a auto-identidade e a importância de abraçar a pluralidade como forma de refúgio.

A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 11 de 17
Traces of Ecstasy, curated by KJ Abudu and designed by Oswald Dennis. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)
A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 2 de 17
Traces of Ecstasy, curated by KJ Abudu and designed by Oswald Dennis. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)

No entanto, uma estrutura em particular adota uma abordagem diferente para explorar a identidade individual e coletiva. Intitulada "Taşlık Kahvesi" e criada pelo artista francês Deniz Bedir, ela serve como um espaço de descanso e um café comunitário, convidando o público, a equipe e os artistas a se servirem e servirem aos outros. Essa estrutura simples de madeira apresenta pinturas internas que retratam paisagens marinhas, criando a ilusão de janelas com vista para um horizonte estático. Com esteiras no chão, ela cria uma atmosfera para trocas informais, encontros, discussões e pessoas que buscam consolo umas nas outras.

A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 12 de 17
Taşlık Kahvesi Installation by French artist Deniz Bedir,. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)

Recursos como um Refúgio Sócio-político 

À medida que o Sul Global nos ensina que a escassez gera inovação, a Bienal de Lagos empresta sua voz por meio de instalações artísticas que exploram a natureza socio-política dos recursos. Na praça, o renomado artista Bruce Onobrakpaeya exibe esculturas gigantes ao ar livre feitas com materiais reciclados, capturando sua atenção com sua colagem de formas e designs interessantes. Esses materiais incluem placas-mãe, peças de computador, motores, peças de reposição para automóveis, ferro, tubos e aço inoxidável obtidos em espaços de Mercados Populares em Lagos. Eles apresentam um caso convincente para reutilização, proteção ambiental e sustentabilidade.

A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 16 de 17
Beautiful Machins by Bruce Onobrakpaeya. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)
A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 5 de 17
Beautiful Machins by Bruce Onobrakpaeya. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)

Outras instalações que refletem a mesma mensagem são "Human Hive 3", do artista nigeriano Chinenye Emelogu, e "Yakachana", do artista ganense Ibrahim Mahama. A primeira é uma conjunto espalhado e colorido de anéis de plástico reutilizados usados para embalar produtos, enquanto a segunda consiste em sacos de juta velhos entrelaçados que foram originalmente usados para transportar cacau, arroz e outros produtos alimentícios. A instalação de Mahama mostra como as embalagens fabricadas no exterior, como os sacos de juta, carregam várias histórias de países do norte global e são usadas para embalar produtos cultivados no país, impedindo que certas infraestruturas econômicas se desenvolvam e gerem riqueza para Gana.

Além disso, como a Bienal explora os recursos redistribuídos entre o norte global e o sul global, é importante distinguir entre os recursos importados que impedem o crescimento da economia local e aqueles que contribuem para a circularidade entre as duas regiões. Uma instalação impactante chamada "Re-(t)exHile" mostra uma arquitetura têxtil feita de peças costuradas de várias roupas penduradas em fios divergentes para criar um fechamento. A instalação tem como objetivo abordar o problema dos resíduos têxteis que viajam do Norte para o Sul Global disfarçados de roupas de segunda mão. Isso é feito comprando-as nos mercados de Lagos e reexportando a instalação para o Norte Global. Embora essa instalação critique a durabilidade dessas roupas, ela não consegue entender o papel que o sul global desempenha na economia circular dos têxteis e como o ato de reexportar é uma antítese das necessidades de recursos da região.

A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 3 de 17
Re-(t)exHile Installation by Outsiders. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)
A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 14 de 17
Re-(t)exHile Installation by Outsiders. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)

Um senso de pertencimento no Espaço Espiritual

Várias instalações arquitetônicas e artísticas da Bienal exploram os temas da religião e da espiritualidade como um refúgio sociocultural. Uma instalação particularmente impressionante é a "Miracle Central", do artista Victor Ehikhamenor. Ela retrata uma estrutura simples de igreja com uma fachada coberta por milhares de lenços brancos, que simbolizam o cristianismo pentecostal no país. Em seu interior, a instalação mergulha ainda mais na espiritualidade com elementos suspensos comumente encontrados nessas igrejas e uma instalação sonora evangélica. Na abside do pavilhão, um intrincado trabalho de rosários costurados em tecido de renda exibe figuras humanas de uma congregação e de um pregador, acompanhadas pela mensagem "Expect a Miracle" (Espere um milagre). Essa estrutura explora a interseção de religião, política, história e expressões de pertencimento no país.

A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 10 de 17
Miracle Central by Victor Ehikhamenor. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)
A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 9 de 17
Miracle Central by Victor Ehikhamenor. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)

Outras instalações da bienal, como "Xtracenstral", com curadoria do Kukily Afrofeminist Arts Collective, "Airi: Bone Altar", do artista Yussef Agbo-Ola, e Omi Elu, da artista francesa Tabita Rezaire, também exploram a espiritualidade por meio do exame de práticas religiosas tradicionais. Da mesma forma, as três instalações usam tecidos com motivos e padrões de tintura que representam espíritos, ancestrais e entidades ambientais das quais a vida humana depende, dentro de uma estrutura metálica para criar compartimentos. Coletivamente, essas instalações fazem referência à complexa relação entre as pessoas, as religiões tradicionais e o cristianismo africanizado como um espaço para encontros sobrenaturais e transformadores.

A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 15 de 17
Xtracenstral curated by Kukily Afrofeminist Arts Collective. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)
A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio - Imagem 4 de 17
Airi: Bone Altar by artist Yussef Agbo-Ola. Image © Dubem Nwabufo (Osondu)

A 4ª Bienal de Lagos apresentou uma gama diversificada de instalações que exploram vários temas, como auto-identidade, escassez de recursos, espiritualidade e as complexas histórias da Nigéria. Outras instalações instigantes, incluindo "Levitate" de Iván Argote, "Disassembling the Cloud" de Data Centered Collective, "El Salto" do artista alemão Jimmie Durham, “Jimmie Durham, Island” do artista brasileiro Henrique Oliveira, e muitos outros, desafiam as narrativas tradicionais e convidam os espectadores a imaginar formas alternativas de entender sua posição cultural e política. Ao questionar a Praça Tafawa Balewa em Lagos, a Bienal reflete a relação entre os residentes da cidade e o estado-nação, fornecendo um espelho contemporâneo que reflete a dinâmica social, cultural e política da Nigéria. Por meio da exploração da arte, da arquitetura e de diversas perspectivas, a Bienal de Lagos cria um espaço para o diálogo crítico e convida os visitantes a se envolverem com questões urgentes de nosso tempo.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Yakubu, Paul. "A 4ª Bienal de Lagos: explorando as implicações espaciais e sócio-políticas do refúgio" [The 4th Lagos Biennial: Exploring the Spatial and Socio-Political Implications of Refuge] 12 Fev 2024. ArchDaily Brasil. (Trad. Daudén, Julia) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/1013161/a-4a-bienal-de-lagos-explorando-as-implicacoes-espaciais-e-socio-politicas-do-refugio> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.