1. ArchDaily
  2. Tiny House

Tiny House: O mais recente de arquitetura e notícia

Tiny House H.O.W / Madeiguincho

© João Carranca
© João Carranca

© João Carranca© João Carranca© João Carranca© João Carranca+ 24

  • Arquitetos: Madeiguincho
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  13
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Rothoblaas, Binderholz, Diagonal Madeiras, Garnica Plywood, Lunawood, +1

Casa Seroro / Smaller Architects

© Byun Jongseok
© Byun Jongseok

© Byun Jongseok© Byun Jongseok© Byun Jongseok© Byun Jongseok+ 21

  • Arquitetos: Smaller Architects
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  66
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020

Quão pequena uma moradia pode ser? Uma visita às menores casas do mundo

Lucky Drops / Atelier Tekuto. Image© Makoto YoshidaRefúgio para o Espírito / allergutendinge . ImageCortesia de allergutendingeUnidade do Estudante: Studentboende / Tengbom. Image© Bertil HertzbergKudhva - Cabanas na Mata / New British Design. Image© George Fielding+ 28

O abrigo é uma questão primordial na Arquitetura. As formas de habitar e se relacionar com o espaço no qual vivemos cotidianamente é uma eterna discussão da disciplina que se propõe a trazer uma melhor qualidade de vida, mas também inovar nas questões do morar. Ao agregar outras camadas como especulação imobiliária, uma grande densidade habitacional em centros urbanos, a busca pelo nomadismo ou, até mesmo, a mera vontade de seguir uma tendência, o debate em torno das casas de pequena escala estão cada vez mais presentes. Com isso, nos perguntamos, qual o mínimo de área necessária para viver?

Vida e morte das Tiny Houses

A tendência das casas pequenas tem sido difícil de ignorar nos últimos anos. O mercado está cada vez mais saturado de programas de televisão e imagens do Pinterest dedicados ao tópico das micro-habitações, onde a casa é reduzida ao tamanho de um closet e cada cômodo assume uma função tripla. O que parece atraente na TV costuma ser muito menos desejável na vida real, e a medida que as pessoas desejam cada vez mais um estilo que as liberte dos bens materiais e da capacidade de viajar, o que isso significa para a realidade da construção de pequenas casas? É apenas uma fantasia que ninguém realmente vive e que foi prometida no mundo convencional?

Casas mínimas e espaços coletivos: comunidades de Tiny Houses ao redor do mundo

Não é nenhum segredo que as Tiny Homes (casas de pequena escala) tornaram-se extremamente populares nos últimos anos - um significante da vida boêmia minimalista em resposta aos excessos dos dias atuais. De trailers reformados a casas Muji pré-fabricadas e cápsulas Nestron futurísticas, o mundo da arquitetura viu uma variedade de pequenas casas ganharem atenção viral na última década. À medida que essa tipologia se espalha mais pelo mundo, as comunidades dessas casas também proliferaram, surgindo na América do Norte, Nova Zelândia, Leste Asiático e muito mais. Essas comunidades combinam o estilo de vida pitoresco de vida minimalista com espaços coletivos para interação social, reunindo famílias e indivíduos com interesses semelhantes em vizinhanças da moda. Examinaremos várias dessas comunidades abaixo.

Otimização de espaços domésticos: plantas de apartamentos de 20 a 50m²

Projetar o interior de um apartamento de área reduzida é, sem dúvida, um desafio. Sabemos que uma residência deve ser o mais confortável possível para seus habitantes, mas quando dispomos de poucos metros quadrados e algumas funções imprescindíveis, encontrar a disposição espacial mais adequada não é tarefa fácil. Para lhe inspirar em seus próximos projetos de pequena escala, compilamos a seguir 26 plantas de apartamentos de 20, 30 e 40 metros quadrados. 

© Katsumi Hirabayashi© Kat LuCortesía de TANK© Anna Positano+ 54

Cabanas / Duda Porto Arquitetura

Cortesia de Duda Porto ArquiteturaCortesia de Duda Porto ArquiteturaCortesia de Duda Porto ArquiteturaCortesia de Duda Porto Arquitetura+ 23

Rio de Janeiro, Brasil
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  40
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2016
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Arquivo Contemporâneo, Atermide (Dimlux), Casa Julio, Deca, Foscarini, +10

Casa do Bosque / David Bastos

© Tuca Reinés© Tuca Reinés© Tuca Reinés© Tuca Reinés+ 9

  • Arquitetos: David Bastos
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  74
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2015
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Casual Móveis, Kerk Solutions, La Lampe, Ornare

Loft de campo / As Ferreiras arquitetura

© Rogerio Maranhão© Rogerio Maranhão© Rogerio Maranhão© Rogerio Maranhão+ 22

  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  30
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Deca, ART Planejados, Adobe, Armony PVC, Bianco Home, +20

Recanto do escritor / Architectare

© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti© Leonardo Finotti+ 18

  • Arquitetos: Architectare
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  31

"Tiny Houses": o que significa reduzir o sonho da casa própria

O sonho de construir uma casa em um jardim com cerquinha branca parece não ser mais tão apelativo quanto outrora. Entre crises econômicas e habitacionais, o sonho da casa própria está cada dia mais distante do alcance do cidadão comum de classe média, uma retração global que resultou consequentemente em um acanhamento do próprio espaço habitável. Neste contexto, o movimento 'Tiny Houses' vem ganhando força no cenário internacional. Mas esta apologia ao espaço mínimo tem feito arquitetos e autoridades do mundo todo levantarem uma série de questões, perguntando se estas 'micro-arquiteturas' seriam capazes de resolver as questões mais urgentes em relação ao acesso à propriedade ou se servem apenas para glorificar e mercantilizar condições precárias de moradia.

Cortesia de thebearwalkCortesia de KleinCortesia de thebearwalk© Federico Villa+ 10

Ryterna modul Architectural Challenge divulga os 4 melhores projetos para casas pequenas de 2018

O produtor europeu de conteneirs e edifícios Ryterna modul anunciou os vencedores da sua quarta competição internacional: Architectural Challenge 2018 Tiny House. O concurso buscava o projeto de uma casa para duas pessoas, não maior que 25 metros quadrados, que integrasse uma cozinha, banheiro, sala de estar e área de dormir em um ambiente coeso. Com 150 projetos de 88 países, as três soluções vencedoras e uma menção honrosa transformam a micro residência em um luxo.

Veja todas as propostas vencedoras abaixo.

Pavilhão de l'Esprit Nouveau de Le Corbusier é eleito um dos 20 projetos mais significativos do mundo moderno

Stephen Bayley, idealizador do Museu de Design de Londres e colunista da CNN, elencou o Pavillon de l’Esprit Nouveau de Le Corbusier como um dos "20 projetos mais representativos do mundo moderno". Antes de apresentar os projetos escolhidos, Bayley apresenta uma breve história além de distintas definições de arquitetura; culminando com a conclusão de que projetos dão significado à nossa vida. Bayley escreve: "Le Corbusier declarou que projeto é a "inteligência visível". Isso certamente é verdade, mas a inteligência pode assumir muitas formas ... "[1]

5 coisas que a arquitetura pode aprender com o movimento "Tiny House"

Com o crescimento incerto da economia global, algumas pessoas estão investindo na criatividade para melhor ocupar seus reduzidos espaços residenciais. O movimento Tiny House tem recebido adeptos de todas as partes do mundo, incentivando a construção de casas com menos de 14 metros quadrados de área útil. Lares para moradores de todas as idades, estas pequenas casas evoluíram para muito além dos estacionamentos de trailers de décadas atrás e estão se tornando uma solução muito popular para enfrentar a crise econômica, acarretando em mudanças para todo o campo da arquitetura.

Cada vez mais respeitadas - e populares, em face das desvantagens de outras tipologias - observamos algumas lições que, além de fundamentais para o movimento tiny house, são aplicáveis em toda a arquitetura. Saiba mais a seguir.

Estudantes projetam micro-habitações do tamanho de uma vaga de estacionamento

Uma equipe de estudantes da Escola de Construção SCAD assumiu o desafio de desenvolver um protótipo de habitação mínima que utiliza apenas o espaço de uma vaga de estacionamento. Essas micro-casas têm todas as comodidades básicas de uma habitação tradicional (banheiro, cozinha, quarto, sala) contidas dentro das dimensões de uma vaga de 5m de comprimento por 2,5m de largura.

As unidades serão construídas na sede da escola em Atlanta e outros estudantes poderão se candidatar para morar nelas durante algumas semanas, devendo documentar a experiência através da hashtag #tinydetails nas redes sociais.

© SCADPad
© SCADPad

Assista, a seguir, a um vídeo que mostra o processo de pesquisa e projeto das micro-casas:

Movimento “Tiny House”: É mais sustentável viver em menor escala?

Tiny House é um movimento social que promove a redução do espaço construído onde vivemos. A superfície média de uma casa nos Estados Unidos - segundo o movimento - é de aproximadamente 240 m², enquanto que a ideias destas "casas diminutas" é atingir no máximo 50 m². Propõe-se uma grande flexibilidade no modo de vida, sempre concentrado em espaços menores e, consequentemente, em uma vida mais simples e aberta para o espaço público.

Quanto maior é uma casa, mais cara ela é em termos construtivos, legais, de conforto, manutenção e reparos. Por isso, uma grande quantidade de pessoas se juntaram a esta ideologia, já que, além de gastar muito menos, reduzem sua pegada ecológica e têm mais liberdade para se deslocar e mudar de cidade.

Faz sentido que cada família - segundo o número integrantes e suas necessidades - viva em um espaço de dimensões apropriadas e justas, porém, este ideal arquitetônico parece se aplicar apenas quando se pensa em habitações sociais ou abrigos temporários para emergências.

Seria esta uma alternativa para se viver de de maneira sustentável? Estamos dispostos a mudar nosso estilo de vida (e nossas aspirações...) em favor destes benefícios?