1. ArchDaily
  2. Política Urbana

Política Urbana: O mais recente de arquitetura e notícia

Programa Meia Hora com o BrCidades convida João Whitaker

Dia 21 de julho, terça-feira, às 20h: João Whitaker é o convidado do próximo Meia Hora com o BrCidades. João Whitaker é professor da FAUUSP, Ex Secretário Municipal de Habitação de São Paulo e vai debater o tema da habitação e direito à cidade com Paolo Colosso e Tainá de Paula.

O programa será transmitido ao vivo e simultaneamente pelo Facebook, YouTube e pelo Twitter do BrCidades. Clique no link, ative o lembrete e vem com o BrCidades: https://www.youtube.com/watch?v=f8zEDCV4R-4

Meia Hora com BrCidades: entrevista com Paulo Galo

Dia 14 de julho, terça-feira, às 20h: Paulo Galo é o convidado do próximo programa Meia Hora com o BrCidades. Galo é líder da mobilização que reivindica melhores condições de trabalho para entregadores de aplicativos, que no período de pandemia estão entre os mais expostos aos riscos de contágio. Os debatedores são Paolo Colosso e Tainá de Paula. O programa será transmitido ao vivo e simultaneamente pelo Facebook, YouTube e pelo Twitter do BrCidades. Clique no link, ative o lembrete e vem com o BrCidades: https://www.youtube.com/watch?v=Lu653hXjTKs

A rede BrCidades já conta com a participação de 26 universidades públicas e

OAB, IAB E IBDU: Retrocesso na Política Urbana Brasileira

A Proposta de Emenda Constitucional nº 80/2019, de autoria coletiva liderada pelo Senador Flávio Bolsonaro, padece de inconstitucionalidades flagrantes, não obstante os riscos estruturais para o desenvolvimento econômico e social, que passam a ser analisadas pontualmente, considerando os seguintes aspectos: 

O que Bolsonaro e Haddad propõem para as cidades brasileiras?

Urnas apuradas, o primeiro turno das eleições para Presidente da República não bastou para definir quem será o próximo líder político do país e os candidatos Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, e Jair Bolsonaro, do Partido Social Liberal, receberão mais uma vez o voto popular no próximo dia 28 de outubro.

Divergências políticas e incongruências ideológicas à parte, o próximo Presidente terá, entre muitas outras, a tarefa de oferecer aporte federal ao desenvolvimento das cidades brasileiras - local onde vivem cerca de 87% da população do país. Visando contribuir com o debate e - se a tarefa couber ao ArchDaily - ajudar os indecisos a se resolverem, reunimos a seguir as propostas de ambos os presidenciáveis para o futuro das cidades, de acordo com seus respectivos planos de governo, considerando temas como habitação, desenvolvimento urbano, infraestrutura, sustentabilidade, mobilidade e direito à cidade. 

Como os presidenciáveis pretendem enfrentar a crise urbana e habitacional

Basta circular pelas cidades brasileiras, perdendo horas em congestionamentos ou esperando ônibus ou metrôs que passam lotados – ou não existem! – para constatarmos que elas estão longe de alcançar um padrão razoável de funcionamento. E mesmo quem, supostamente protegido por muros, entra muito pouco em contato com as condições precárias que marcam a situação habitacional de milhões de famílias, se assusta com o aumento do número de pessoas morando nas ruas ou a evidência desta precariedade, quando alguma tragédia, como o incêndio no Edifício Wilton Paes de Almeida, ganha as páginas dos jornais e outras mídias. É de se esperar, portanto, que o tema das cidades, e da moradia e do transporte, em particular, estejam presentes nos programas de governo dos candidatos à presidência da República.

Casas sem gente, gente sem casa: entendendo o problema, pensando soluções

O desabamento do Edifício Wilton Paes de Almeida, no dia primeiro de maio de 2018, escancarou uma emergência habitacional. Como se não bastasse o corte nos investimentos públicos destinados ao setor, em São Paulo, apenas no ano de 2017, pelo menos 14 mil famílias foram removidas de suas casas, e há pelo menos outras 30 mil ameaçadas por morar no perímetro de obras públicas, segundo aponta o Observatório de Remoções da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU/USP).

Seminário Nacional de Política Urbana: Por cidades humanas, justas e sustentáveis

Renomados arquitetos e urbanistas brasileiros, entre eles Paulo Mendes da Rocha, estarão reunidos por dois dias em São Paulo, no início de julho, em diálogo com cerca de outros 300 profissionais, para elaborarem a “Carta dos Arquitetos e Urbanistas aos Candidatos às Eleições de 2018, em defesa do Direito à Cidade”, pauta antiga e permanente da categoria desde o I Congresso Brasileiro de Arquitetos, organizado pelo IAB em 1945, marco da definição da função social como prioridade na atividade.

Cidade e Negritude: um diálogo entre Dança, Literatura e Políticas Urbanas

RODA DE DIÁLOGO
Cidade e Negritude: um diálogo entre Dança, Literatura e Políticas Urbanas

Propomos um diálogo crítico da relação entre Cidade e Negritude, através de um encontro de três pesquisadoras e das suas abordagens, a partir da dança, da literatura e das políticas urbanas.

Ana Pi nos fala das danças periféricas, ditas também danças de rua ou danças urbanas, criadas e praticadas nas grandes Metrópoles do Mundo. Tais danças são ligadas à música e ritmos da Cidade, a suas injustiças, mas também a suas possibilidades… O legado da diáspora africana, para além da dimensão da sua tragédia humana, também possibilitou reinventar

IAB-DF divulga o documento “Por uma Agenda para as cidades brasileiras”

O perfil das cidades brasileiras passou por grandes transformações nos últimos 60 anos. Se na década de 50 a taxa de urbanização era de 36%, hoje somos 175 milhões de pessoas vivendo em centros urbanos. Infelizmente, esse crescimento não foi acompanhado de políticas públicas que ajudassem a inserir esses novos habitantes no território de maneira planejada. Pensando nesse problema, o IAB-DF, por meio da Comissão de Políticas Urbanas, divulgou, no dia 11 de junho, o documento “Por uma Agenda para as cidades brasileiras”, que procura expor e analisar a problemática de urbanização no Brasil.

Leia a seguir o documento na íntegra.

Ciclo de Política Urbana Q+50 será encerrado em Petrópolis

Após passar por sete estados brasileiros, o ciclo de seminários de Política Urbana Q+ 50, comemorativo dos 50 anos do Seminário Nacional de Habitação e Reforma Urbana, será encerrado, nos dias 8 e 9 de novembro, no Hotel Quitandinha, em Petrópolis (RJ), palco do histórico evento de 1963. O encontro apresentará uma síntese das discussões realizadas nos seminários Q+50 ao longo de 2013, entre arquitetos, urbanistas, e outros profissionais Eles debateram a agenda das cidades e metrópoles brasileiras no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Distrito Federal, Minas Gerais, Bahia e Amazonas.

No Quitandinha, será aprovado o documento final resultante dos debates realizados ao longo do ano, como contribuição dos arquitetos e urbanistas para temas como a democratização das cidades, a moradia, a gestão urbana, os espaços públicos e a sustentabilidade, o esvaziamento dos centros e o sistema urbano da Amazônia.

O documento está sendo elaborado por uma comissão de arquitetos e urbanistas especialmente designada, que se apoia em resumos produzidos por uma equipe de jornalistas a partir das conferências e mesas-redondas bem como nos debates travados.

Seminário de Política Urbana Q+50 em Salvador: o esvaziamento dos centros urbanos

O Instituto de Arquitetos do Brasil - Departamento da Bahia (IAB-BA) realiza, nos próximos dias 23 e 24 de agosto, o sexto ciclo dos Seminários de Política Urbana Quitandinha+50, em Salvador. Com o tema Esvaziamento dos centros: a dinâmica urbana e a expansão incontrolável”. A etapa baiana terá transmissão ao vivo através dos sites do IAB de do IAB-BA. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas no local, a partir das 8:30 do dia do evento. As vagas são limitadas a 200 participantes.

O IAB-BA defende que a recuperação e reocupação do Centro Antigo de Salvador devem ser colocadas como prioridades pelos gestores municipais e estaduais e por toda a sociedade. Os ciclos de seminários do Quitandinha+50 analisarão o caso da capital baiana a partir da reunião de especialistas com experiências em outras cidades do Brasil e do mundo.

Programação do encerramento do Ciclo de Política Urbana Q+50

Nesta sexta-feira e sábado, 8 e 9 de novembro, acontece o encerramento do Ciclo de Política Urbana Q+50, evento que passou este ano por sete estados brasileiros e encontra seu término no Hotel Quitandinha, em Petrópolis (RJ), palco do histórico evento de 1963.

O encontro apresentará uma síntese das discussões realizadas nos seminários Q+50 ao longo de 2013 entre arquitetos, urbanistas e outros profissionais que debateram a agenda das cidades e metrópoles brasileiras no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Distrito Federal, Minas Gerais, Bahia e Amazonas.

A seguir, a programação do evento: