Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Office For Political Innovation

Office For Political Innovation: O mais recente de arquitetura e notícia

Andrés Jaque apresenta uma nova versão da famosa série 'Sex and the City'

No início deste mês, no Storefront for Art and Architecture em Nova Iorque, foi lançada "Sex and the So-Called City", uma versão alternativa de famosa série de televisão Sex and the City, produzida pelo arquiteto Andrés Jaque / Office for Political Innovation em colaboração com Miguel de Guzmán (Imagen Subliminal) por ocasião do 20° aniversário do seriado.

OJALÁ / Andrés Jaque

© Miguel de Guzmán © Miguel de Guzmán © Miguel de Guzmán © Miguel de Guzmán + 19

Remodelação  · 
Madrid, Espanha
  • Arquitetos: Andrés Jaque
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano: 2014

Como Andrés Jaque, vencedor do MoMA PS1, planeja politizar a água

Seguindo a tradição dos vencedores do MoMA PS1 Young Architects Program, o plano de Andrés Jaque para "COSMO" aborda uma necessidade ecológica através de uma instalação arquitetônica. Enquanto o "Hi-Fi" de 2014 explorava o uso de tijolos orgânicos e o projeto "Wendy" de 2012 abordava a poluição atmosférica, Jaque pretende lidar com algo aparentemente muito mais político: a água. Esse artigo, originalmente publicado pela Metropolis Magazine como "The Politics of Water: Andrés Jaque on His 2015 MoMA PS1 YAP Winning Design", examina como Jaque espera transformar sua instalação em um ponto de discussão política.

À primeira vista, o Janicki Omniprocessor de Bill Gates e a proposta vencedora de Jaque para o MoMA PS1 Young Architects Program (YAP) de 2015 compartilham o mesmo objetivo - ambos abordam o problema de escassez de água no mundo, que foi potencializada por mudanças climáticas, disputas políticas e diversos outros fatores. Mas enquanto o Omniprocessor se parece com uma fábrica de cimento em miniatura, o projeto de Jaque une seu objetivo social - mudar o modo como compreendemos a infraestrutura contemporânea de água - a uma estética quase psicodélica.

Andrés Jaque vence a edição 2015 do MoMA PS1 Young Architects Program (YAP)

O projeto COSMO, de Andrés Jaque / Office for Political Innovation, foi selecionado pelo Museum of Modern Art e pelo MoMA PS1 como vencedor da 16ª edição do Young Architects Program’s (YAP) em Nova Iorque. Com inauguração programada para o final de junho, a tempo para o MoMA PS1’s 2015 Warm Up, COSMO servirá como um "artefato móvel" cuja missão é proporcionar água potável para a população mundial.

"A proposta desse ano toma um dos requisitos essenciais do Young Architects Program - proporcionar uma fonte de água para lazer e diversão - e destaca a própria água como um recurso escasso", disse Pedro Gadanho, Curador do Departamento de Arquitetura e Design do MoMA. "Baseando-se em componentes comerciais de origem agro-industrial, uma exuberante arquitetura móvel celebra os processos de purificação da água, fazendo deles o pano de fundo das sessões do Warm Up."

MoMA anuncia os finalistas do YAP P.S.1 de 2015

O MoMA P.S.1 anunciou os cinco finalistas que competirão no 2015 Young Architects Program (YAP). Em sua 16ª edição, o concurso desafiará um grupo de jovens arquitetos a projetar uma instalação temporária dentro do pátio do P.S.1 para a série anual de verão "Warm-Up" do MoMA.

Os finalistas de 2015 são: Office for Political Innovation (Andres Jaque; NY), brillhart architecture (Jacob Brillhart; Miami, FL), Erin Besler (LA, CA), The Bittertang Farm (Michael Loverich; NY), Studio Benjamin Dillenburger (Benjamin Dillenburger e Michael Hansmeyer; ONT, Canadá). Os vencedores serão anunciados no início de 2015.

Entre os vencedores das edições anteriores estão The Living (Hy-Fi), CODA (Party Wall), Interboro Partners (Holding Pattern), Work AC (Public Farm 1), MOS (Afterparty) e SO-IL (Pole Dance).

Andrés Jaque e o reconhecimento de um (tele)urbanismo radical

Andrés Jaque e seu escritório Office for Political Innovation receberam o Leão de Prata na categoria Melhor Projeto de Pesquisa na Bienal de Veneza deste ano pelo trabalho SALES ODDITY. Milano 2 e a Política de Urbanismo Direct-to-Home TV.

Numa recente edição do suplemento Babelia do jornal espanhol El País, o arquiteto escreve sobre a pesquisa, postulando que a origem do poder de Silvio Berlusconi - polêmico magnata italiano e ex Primeiro Ministro a Itália - foi forjada em seus projetos de urbanização nos anos setenta, formulando um "urbanismo radical, projetado para isolar a população em setores homogêneos e para eliminar a política das relações entre consumo e produção."

A seguir, saiba mais sobre SALES ODDITY, pesquisa premiada na Bienal de Veneza.

Andrés Jaque e o reconhecimento de um (tele)urbanismo radical ALES ODDITY. Milano 2 e a Política de Urbanismo Direct-to-Home TV na Bienal de Veneza 2014. Imagem © Miguel de Guzmán Silvio Berlusconi, magnata italiano, proprietário da equipe AC Milan e ex Primeiro Ministro em três ocasiões. Imagem © segnale orario (Flickr) ALES ODDITY. Milano 2 e a Política de Urbanismo Direct-to-Home TV. Cortesia de Andrés Jaque / Office for Political Innovation + 8

Bienal de Veneza 2014: SALES ODDITY / Andrés Jaque, Leão de Prata pela melhor pesquisa

Na década de 1970 as dinâmicas sociais, políticas e econômicas na Itália começaram a dar forma a uma nova realidade urbana: por uma lado, a televisão estava influenciando profundamente a sociedade italiana, convertendo-se em parte fundamental do cotidiano; por outro, a tensão social resultante das manifestações estudantis e a imigração acelerada estavam começando a impactar as cidades de modo caótico. Estas dinâmicas foram abrindo caminho para Milano Due, uma nova cidade nos arredores de Milão, que prometia um novo e idílico urbanismo.

O complexo promovido como a "cidade dos números 1" parecia, à primeira vista, um bairro tradicional, porém, o empreendimento conseguiu colocar em prática alguns dos preceitos do modernismo. Suas 2.600 unidades habitacionais contavam com acesso a educação e entretenimento dispostos em torno de um jardim e lago artificiais e se conectavam através de circulações peatonais elevadas. No subsolo, o complexo abrigava os estúdios da primeira emissora de televisão privada da Itália, um aspecto que, de certa forma, moldou a vida dos habitantes de Milano Due e, posteriormente, se espalhou por toda a sociedade italiana.