Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Muros De Ar

Muros De Ar: O mais recente de arquitetura e notícia

Da modernidade aos muros de ar: três pavilhões do Brasil na Bienal de Veneza

Desde 1980, com a primeira exposição dedicada exclusivamente à arquitetura, intitulada A presença do passado e dirigida por Paolo Portoghesi, a Bienal de Veneza se posicionou como um dos pontos de inflexão da história da arquitetura contemporânea. Desde então, 16 edições já ocuparam os espaços do Giardini e do Arsenale, abordando temas que vão dos elementos fundamentais da arquitetura ao futuro da disciplina.

Recortes cartográficos – Muros de Ar

A exposição Muros de Ar no pavilhão brasileiro da Bienal de Veneza de 2018 apresentou 17 projetos de diferentes regiões do país, selecionados a partir de uma chamada aberta, além de uma série de grandes desenhos cartográficos que abordam diferentes aspectos da urbanização do país através das lentes da arquitetura. Nesta publicação apresentamos a série de dez mapas presentes no catálogo da exposição Muros de Ar, como recortes dos mapas da exposição, estudo desenvolvido pelo Mapping-lab em colaboração com os curadores do Pavilhão do Brasil (Gabriel Kozlowski, Laura González Fierro, Marcelo Maia Rosa e Sol Camacho) e equipe.

Pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza 2018: Muros de Ar - Cartografias

O conceito e título Muros de ar foi pensado para responder à proposta Freespace, das curadoras Yvonne Farrell e Shelley McNamara, como uma provocação capaz de questionar: 1. as diferentes formas de muros que constroem, em diversas escalas, o território brasileiro; 2. as fronteiras da própria arquitetura em relação a outras disciplinas.

Assim, partimos para uma reflexão sobre o quanto a arquitetura no Brasil e seus desdobramentos urbanos são de fato, livres. Sem a pretensão de chegar a uma resposta, mas com a ambição de abrir a conversa para um público grande e diverso, optamos por tentar tornar visíveis processos que muitas vezes não são percebidos, em função de sua natureza ou escala. As barreiras imateriais que são erguidas entre pessoas ou bairros, e os processos de urbanização do Brasil em uma escala continental são exemplos de questões sobre as quais nos debruçamos. 

© Imagen Subliminal © Imagen Subliminal © Imagen Subliminal © Riccardo Tosetto / Fundação Bienal + 43

Pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza 2018: Muros de Ar - Os limites dos objetos

O capítulo Os limites dos objetos aborda o tema Muros de ar na escala das intervenções arquitetônicas e urbanas, numa tentativa de medir a capacidade da produção brasileira recente para mediar relações conflituosas entre os domínios público e privado.

Em oposição à abordagem cartográfica, que mapeia os múltiplos tipos de barreiras que constituem o território brasileiro, esta seção apresenta objetos arquitetônicos que estimulam a transposição dos muros que estão presentes em nossas cidades. As propostas selecionadas compartilham a motivação de investigar novos modos de lidar com os limites, as divisões e as rupturas dos tecidos urbanos. Ao mesmo tempo, trazem à tona a necessidade premente de usar o projeto como uma forma de transformar condições de exclusão em possibilidades de aproximar as pessoas.

Muros de Ar: curadores apresentam o pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza 2018

Muros de Ar é o tema que norteia a participação brasileira na 16ª Exposição Internacional de Arquitetura em Veneza. Com curadoria conjunta de Laura González Fierro, Sol Camacho, Gabriel Kozlowski e Marcelo Maia Rosa, o Pavilhão do Brasil reúne 17 projetos de diferentes regiões do país, selecionados a partir de uma chamada aberta, além de uma série de grandes desenhos cartográficos que abordam diferentes aspectos da urbanização do país através das lentes da arquitetura.

Instalação de Atelier Marko Brajovic transforma grades em mobiliário urbano no Pavilhão do Brasil em Veneza

Como parte da participação brasileira na Bienal de Veneza 2018, intitulada Muros de Ar, o Atelier Marko Brajovic levou a instalação NSDC, que propõe o redesenho de grades da cidade em mobiliários urbanos, considerando o processo de design como uma ferramenta de transformação, usada para moldar a paisagem urbana e seu uso.