1. ArchDaily
  2. Memória

Memória: O mais recente de arquitetura e notícia

Materializando o intangível: 8 memoriais ao redor do mundo

A Arquitetura é frequentemente atribuida à ideia de abrigo, desde as construções primórdias. No entanto, o memorial é um dos poucos tipos de arquitetura cuja função fundamental não é abrigar, mas sim, lembrar. Espaço que respeitosamente tem como objetivo dar memória àqueles que se foram em atos heróicos ou lamentavelmente vítimas de cruéis eventos históricos, que pode então ser entendido como um monumento ou edifício cujo propósito é fundamentado em materializar a emoção do intangível, criando uma memória coletiva e lembrada através do tempo.

A partir do Centro

A Partir do Centro é um projeto cultural composto por um ciclo de debates, workshops, entrevistas e exposição que acontecerá em espaços culturais do Centro de Vitória com o objetivo de promover a valorização da memória e do futuro. O evento de abertura ao público ocorrerá no dia 12 de março, às 19 horas, no Palácio Sônia Cabral e terá como palestrante o arquiteto e urbanista capixaba Paulo Archias Mendes da Rocha.
O projeto vai abordar temas urbanos contemporâneos, de forma transversal, tendo como ponto de partida o Centro Histórico da cidade de Vitória/ES. Dentre os eventos a serem

Bairro da Liberdade: o apagamento histórico da memória negra em São Paulo

O “Caminho Histórico Glória-Lavapés” é composto pelas ruas da Glória e do Lavapés, que interligam os bairros da Liberdade, Glicério e Cambuci situados na região central do município de São Paulo. Apesar de ter sido tombado em março de 2018 e homologado em julho de 2019 pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (CONPRESP), esse lugar ainda enfrenta problemáticas que reiteram e reforçam o apagamento histórico de memórias importantes compreendidas ao longo dessa extensão como a memória de ocupação negra, a memória morfológica do traçado da cidade colonial e a memória visual e topográfica da condição acidentada do terreno.

Memória e política: Giselle Beiguelman inaugura duas instalações de arte no Museu da Cidade em São Paulo

O Museu da Cidade inaugura no dia 04 de maio, sábado, às 11 horas, as instalações “Chacina da Luz” e “Monumento Nenhum”, da artista Giselle Beiguelman, nos espaços do Solar da Marquesa de Santos e Beco do Pinto, respectivamente. As obras discutem a perda da memória no espaço público e a relação da cidade com seu patrimônio histórico e cultural. Compostas por fragmentos de monumentos, as instalações reproduzem a situação das peças tal qual foram encontradas pela artista em depósitos públicos, como uma espécie de “ready made” do esquecimento.

A arquitetura da memória: onde habita o pensamento

O Blog da Fundação Arquia nos traz um artigo que faz uma reflexão, a partir de uma experiência pessoal, sobre como a memória não deve ser tratada de forma ascética, já não são suficientes estudos técnicos e tipológicos de um determinado patrimônio arquitetônico ou do reconhecimento das características de um local, de seus costumes ou história. A memória é emocional e, por isso, é necessário entender o verdadeiro significado do lugar e o valor dessa arquitetura que vai além do material.

I Fórum Regional do Patrimônio Cultural

Com o tema "Patrimônio Cultural e Cidadania", a primeira edição Fórum Regional do Patrimônio Cultural será realizado nos dias 17 e 18 de agosto de 2018 na cidade de Muriaé, estado de Minas Gerais e abordará, com assuntos temáticos, a relação de pertencimento e cidadania junto a preservação do Patrimônio Cultural.
O Fórum integra a programação da Mostra de Patrimônio Cultural que acontecerá entre os dias 17 e 31 de agosto e inclui oficinas de Educação Patrimonial, exposições temáticas, e a V edição do Prêmio de Incentivo ao Patrimônio Cultural.

Cidade e Memória

No dia 16 de maio, às 18h30, a professora do Departamento de Sociologia da USP Fraya Frehse realiza a última palestra do ciclo “Planos: Diálogos em Arquitetura, Urbanismo e Design”, promovido pelo Programa de Mestrado Profissional em Arquitetura, Urbanismo e Design da Belas Artes.
A partir do tema “Cidade e Memória”, Fraya contará sobre sua experiência nas áreas de antropologia e sociologia em sua interface com a história e os estudos urbanos, com destaque para as relações entre corpo, espaço público e cidade/urbanização em São Paulo, abordando em particular o que os usos corporais dos lugares públicos (com destaque para

EntreVilas: Um traçado imaginário pelas vilas operárias de São Paulo.

Em tempos de debates entorno dos índices de desemprego e déficit de moradias, o documentário interativo traça o recorte de um período onde o vínculo indústria x habitação era praticado pela disseminação de Vilas Operárias nos “subúrbios” urbanos. O lançamento oficial acontece nos dias 10 e 24 de maio.

No Brasil, a moradia na forma das vilas operárias encontra raízes em um remoto passado, como um sucedâneo da senzala. Em decorrência do processo de industrialização e do conseqüente inchaço populacional dos centros urbanos , industriais cujas fábricas desempenhavam papéis de destaque ao contexto econômico, ou “empreendedores imobiliários” da época passam a

Presidente do IAB, Nivaldo Andrade, debaterá durante a SAAU'18 no Teatro Santa Roza, em João Pessoa

O presidente nacional do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), Nivaldo Andrade, participará de uma mesa-redonda na programação da Semana Acadêmica de Arquitetura e Urbanismo (SAAU’18), que acontece entre os dias 23 e 27 de abril em João Pessoa, na Paraíba. A realização é do Instituto de Educação Superior da Paraíba (IESP). Nivaldo é o principal convidado da mesa “Memória e paisagem cultural”, realizada na terça-feira (24), no Teatro Santa Roza, a partir das 18h.

Sua discussão se encaixa em um dos eixos temáticos da SAAU’18, Tempo. O objetivo é debater sobre os processos de preservação da memória urbana. Na

Lançamento da publicação “Ó: Caminho, estrada, avenida”

O arquiteto e artista gráfico Gilberto Tomé faz o lançamento da publicação “Ó: Caminho, Estrada, Avenida” no dia 17 de fevereiro de 2018, das 11h às 20h, na rua Carijós nº 260 (esquina com Avenida Santa Marina), em um galpão que fica ao lado da Estação Água Branca da CPTM (Linha 7 Rubi).

O trabalho também será exposto dentro da estação, com as imagens coladas como cartazes [lambe-lambe] ao longo das plataformas de embarque e desembarque. A exposição na Estação Água Branca, que terá o mesmo nome da publicação, permanecerá até 24 de março de 2018. A proposta de se

Seminário Cidade, Memória e Modos de Viver

O desenvolvimento urbano nem sempre ocorre de forma coordenada com os anseios da população. O inchaço das metrópoles acarreta consequências visíveis para todos aqueles que delas precisam, como engarrafamento, desordenamento e conflitos. Ao mesmo tempo, esses desafios motivam gestores públicos, entidades de classe e a sociedade civil organizada a propor e executar soluções. Esse é o mote para a realização do Seminário “Cidade, Memória e os Desafios do Modo de Viver”, que ocorrerá no Theatro José de Alencar, em Fortaleza, de 18 a 20 de setembro. O evento é uma iniciativa do Arquiteto e Urbanista Jefferson John em parceria com

Patrimônio que te quero, Viva!

Patrimônio que te quero, Viva! é a celebração do patrimônio local é também um convite ao (re)conhecimento do passado e uma provocação para o futuro.

A partir do dia doze de maio, por meio da Secretaria Estadual da Cultura e do ProAC a biblioteca Padre José de Anchieta receberá a Exposição temporária, Patrimônio que te quero, Viva! , a mostra contará a história da Companhia Brasileira de Cimento Portland Perus - CBCPP, primeira industria de cimento do Brasil a produzir em larga escala.

A exposição tem como propósito, fazer (re)conhecido o patrimônio local para a população que o detém. Patrimônio é um

Sesc SP promove o encontro "O patrimônio ocupado: habitação, cultura e direito à memória"

Fábricas desativadas, casarões e prédios históricos abandonados têm sido ocupados, nesta última década, por coletivos de cultura ou por movimentos populares de moradia. Quais os sentidos e significados desse patrimônio ocupado? O que tais ocupações sinalizam para as políticas públicas de patrimônio?

Com base nestas questões, o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc realiza, no dia 30 de agosto, o encontro "O patrimônio ocupado: habitação, cultura e direito à memória", que tem por objetivo trazer à discussão diferentes experiências de ocupação, ligadas à luta por moradia, direito à cidade e à memória.

7° Patrimônio em debate – arte, espaço público e memória

7° Patrimônio em debate – arte, espaço público e memória

Participam do 7º Patrimônio em Debate: Priscila Arantes, Nelson Brissac, Agnaldo Farias, Ana Gonçalves Magalhães, Ana Pato e Rosangela Rennó com a coordenação do evento por Giselle Beiguelman e Mariana Falqueiro

Em 2015 o Departamento do Patrimônio Histórico lançou a série Patrimônio em Debate, evento este que propõe reunir pesquisadores, profissionais, estudantes e público interessado no campo de atuação do patrimônio cultural. O objetivo da série é levantar questões complexas e contemporâneas do cotidiano de atuação do departamento, no âmbito teórico e prático, apresentando e discutindo de forma pública medidas e propostas de proteção, divulgação, conservação

Projeto "Memória João Pessoa" promove a educação patrimonial na Paraíba

O Memória João Pessoa é um Projeto de Extensão vinculado ao Departamento de Arquitetura da Universidade Federal da Paraíba. Reconhecida a necessidade de conscientizar a sociedade sobre a preservação do patrimônio da cidade de João Pessoa, o projeto surgiu da ideia de divulgar de forma fácil e acessível a história local. Nascido em 2006, o Memória conta com a participação de estudantes bolsistas e voluntários, dos cursos de arquitetura e urbanismo, mídias digitais e computação, sob a coordenação dos professores Maria Berthilde e Ivan Cavalcanti Filho

O projeto visa promover a educação patrimonial, tendo como resultado um portal eletrônico e uma fanpage no Facebook. Na páginapode-se conhecer o patrimônio que registra a história e a memória da cidade de João Pessoa: seus edifícios mais significativos e os sítios urbanos que a ela dão identidade. Além destas informações, a página permite acesso a links como o das “Vivências”, “Jogos”, “Postais” e “Galeria”, que se utilizam de recursos como vídeos, histórias em quadrinhos, jogos da memória e sete erros, direcionados a apresentar e fixar imagens recentes e antigas de edifícios e espaços públicos significativos da cidade. Todos os links objetivam o envolvimento do usuário com as questões patrimoniais.

Teatro Santa Roza. Data: Data: 2013. Fonte: Acervo Memória João PessoaCasa da Pólvora. Data: 1985. Fonte: Acervo Anibal Moura NetoCartão postal da Igreja de Santo Antônio. Sem data. Fonte: Acervo Instituto Histórico e Geográfico ParaibanoIgreja da Misericórdia. Data: 2013. Fonte: Acervo Memória João Pessoa+ 10

Primeira Menção no concurso para o Memorial dos Detidos Desaparecidos no Uruguai

A Prefeitura de Canelones (Uruguai), promoveu o concurso de ideias para o projeto de um Memorial em homenagem aos três desaparecidos da Ciudad de las Piedras durante a ditadura militar que dominou o Uruguai entre os anos de 1973 e 1984.

Segundo os organizadores, o concurso teve como objetivo apostar na recuperação da memória como suporte ético da sociedade, como forma de evitar o esquecimento, a repetição da violência, os abusos de poder, as discriminações, as torturas, os desaparecimentos e as injustiças.

A seguir, conheça a proposta do Estudio / LT, premiada com a primeira menção honrosa no concurso

Poesia e Arquitetura: Constatações / Ozino Esteván

Não tem mais valor já a palavra
Não tem mais memória já as pessoas
Tudo necessita confirmar-se

Não têm palavra já as pessoas
Não tem valor já a memória
Tudo já não vale nada

Não têm valor já as pessoas
Não têm memória já as palavras