Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Genero

Genero: O mais recente de arquitetura e notícia

Gênero e acesso à profissão: as mulheres na arquitetura

As discussões acerca do acesso de mulheres ao ensino superior e ao mercado de trabalho de forma geral, são tema de importância central ao pensar formas de estabelecer uma situação mais igualitária de condições de vida e protagonismo na sociedade contemporânea. Apesar de pautada em sensos e levantamentos ligados ao mercado formal de trabalho, trata-se de uma reflexão que informa um parâmetro geral das condições atuais da mulher frente às dificuldades produzidas por uma herança latente da estrutura patriarcal e moralista de hierarquias profissionais onde os protagonistas são, e foram historicamente, homens.

CAU realiza diagnóstico sobre equidade de gênero. Participe!

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil, através de sua Comissão para a Equidade de Gênero (CTEG), lançou um diagnóstico público para construção coletiva da pauta das mulheres, visando a superação dos desafios do exercício da arquitetura e urbanismo.

Cursos livres Escola da Cidade 2o. semestre – inscrições abertas

CURSOS LIVRES ESCOLA DA CIDADE – SEGUNDO SEMESTRE DE 2018

A Escola da Cidade abre inscrições para os Cursos Livres oferecidos no segundo semestre de 2019. Os cursos abordam temáticas variadas – como dança, teatro, fotografia, gênero, diagramas, sustentabilidade, história, violência, democracia e geoprocessamento – sempre articulados a questões de arquitetura, urbanismo e cidade.

Inscrições abertas até 16 de agosto

Para inscrições e informações mais detalhadas sobre os cursos acesse ec.edu.br

A atuação de José Luís Sert na América Latina: trânsitos e projetos.
Ministrado pela arquiteta e urbanista Dinalva Derenzo Roldan
24 de setembro a 29 de outubro, terças-feiras, 20h30 às 22h30

A cidade como invenção.
Ministrado

Mulheres na fotografia de arquitetura

Maioria em graduações de arquitetura em diversas partes do mundo, incluindo o Brasil, as mulheres superam os homens em número de profissionais em atividade, entretanto, sua representatividade vem, há décadas, sendo sistematicamente diminuída frente à atuação masculina. 

O debate sobre o papel das mulheres na arquitetura não é recente, contudo, ganhou força a partir de 2013 com a petição para que Denise Scott Brown fosse retroativamente reconhecida como vencedora do Prêmio Pritzker de 1991 - junto à Robert Venturi - e a consequente rejeição do pedido por parte do Prêmio. Desde então, o reconhecimento do papel das mulheres na arquitetura vem sendo tópico de diversos - e necessários - debates, palestras, simpósios e exposições em todo o mundo.

Projeto "Arquitetura na Periferia" ensina mulheres a construir suas casas

É rijo como cal e madeira o espírito das mulheres que participam dos movimentos de luta por moradia no Brasil. Maioria em ocupações de territórios, elas coordenam com vigor as práticas organizacionais e políticas de assentamento e construção de habitação popular. Não é à toa que muitas das ocupações do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ou do MTST (Movimento dos Trabalhadores sem Teto) carregam nomes de mulheres como Dandara, liderança de um quilombo do período colonial.

Projeto Arquitetas Negras lança campanha para financiar a primeira edição de sua revista

O projeto Arquitetas Negras lançou uma campanha de financiamento coletivo na plataforma Benfeitoria para a realização da primeira edição de sua revista. Intitulada Revista Arquitetas Negras vol. 1, a publicação é a primeira revista brasileira com conteúdo pensado e produzido exclusivamente por arquitetas negras.

A temática da revista gira em torno da produção teórica, filosófica, e crítica desenvolvidas no trabalho de design de interiores, da arquitetura e do urbanismo.

Organizações de SP publicam relatório sobre como projetar espaços públicos mais seguros para mulheres

Cidades mais seguras e sustentáveis pensadas a partir das vivências e perspectivas das mulheres - esse é o objetivo do projeto Mulheres Caminhantes! Auditoria de Segurança de Gênero e Caminhabilidade Terminal Santana, que teve os seus resultados apresentados no dia 5 de maio em evento no centro de convenções da Expo Center Norte, em São Paulo.

O relatório do projeto traz reflexões sobre como a cidade apresenta dificuldades para que as mulheres se desloquem e vivam o espaço público com qualidade e segurança.

Djamila Ribeiro e Juliana Borges lançam livros da coleção Feminismos Plurais

Juliana Borges e Djamila Ribeiro protagonizarão a noite de 26/04 no palco da Semana Acadêmica de Arquitetura e Urbanismo do IESP, a SAAU'18, em João Pessoa. Ao lado de outros nomes de referência na militância feminista, a Deputada Estadual Estela Bezerra (PB) e a advogada Liana Cirne Lins (PE), ambas conduzirão uma discussão sobre as invisibilidades sociais no processo de produção da cidade contemporânea. A mediação do debate ficará a cargo da arquiteta, urbanista e atriz, Natália Sá (PB). Além disso, Juliana e Djamila farão o lançamento dos seus respectivos livros, “O que é encarceramento em massa?” e “O

O que a epidemia do Zika ensina sobre gênero e planejamento urbano climático

Há quase dois anos, a América do Sul foi atingida por uma crise na saúde pública que afetou centenas de milhares de mulheres. No Brasil, mais de 2.600 crianças nasceram com microcefalia – uma malformação que torna o crânio menor do que o normal – e outras complicações resultantes da infecção pelo vírus Zika. Os brasileiros se acostumaram com o nome pouco familiar da doença, que se rapidamente se espalhou pelo nordeste do país e cruzou as fronteiras com Colômbia e Venezuela. Porém, à medida que a doença se tornou uma preocupação internacional, ficou claro também que se tratava de um problema muito maior para alguns grupos do que para outros.

Mulheres e mobilidade urbana: indicadores para a formulação de políticas urbanas sensíveis ao gênero

Diversos estudos têm se dedicado a compreender a relação entre gênero e mobilidade urbana. Eles concluem que mulheres  enfrentam desafios maiores para exercer o direito à cidade e acessar as oportunidades oferecidas no espaço urbano. As desigualdades na divisão do trabalho doméstico implicam em maior carga para as mulheres, que acumulam funções como levar e buscar as crianças na escola, o cuidado com membros idosos e doentes da família, a ida às compras entre outras atividades, o que determina em grande parte um padrão de deslocamento consolidado por viagens em sequência, para múltiplos destinos e com uso preponderante do transporte público e da caminhada.

Gênero e estudos urbanos, uma conciliação necessária

Algumas iniciativas recentes demonstram o ressurgimento do movimento feminista em uma nova onda [1] que tem afetado diversos campos da sociedade brasileira. Toda essa movimentação de debates e ações realizadas pelas lutas das mulheres tem reverberado em diferentes áreas do conhecimento, e a arquitetura e urbanismo não estão de fora. No campo da arquitetura, por exemplo, se destaca a criação do grupo “Arquitetas invisíveis”, em Brasília (2014), um grupo voltado para dar visibilidade a prática arquitetônica de mulheres. Assim como o surgimento de alguns grupos pesquisa, trabalhos de graduação, dissertações, teses e debates públicos sobre a questão. Iniciativas especialmente de estudantes e jovens arquitetas.

Por que é urgente falarmos de mobilidade e gênero

Dentre tantos temas urgentes no debate sobre gênero, há uma questão que merece destaque: a mobilidade das mulheres.

Caso você nunca tenha pensado sobre isso, pode parecer que a mobilidade urbana e seus condicionamentos relacionam-se a padrões de deslocamento que variam apenas de acordo com a territorialidade e a oferta de sistemas de transporte. Mas a verdade é que o acesso à cidade – a forma como navegamos no território – não é neutro quanto ao gênero.

A importância de incluir a igualdade de gênero no planejamento de transportes

Em 1996, um estudo icônico de Viena, na Áustria, explorou por que havia menos meninas (acima de nove anos) em parques públicos em comparação ao número de meninos. Os pesquisadores concluíram que os meninos eram mais seguros em seu uso do parque, e as meninas geralmente ficavam de fora nesta competição por espaço limitado. Após o estudo, em 1999, a cidade iniciou um projeto de redesenho do parque, e os resultados foram impressionantes. Ao adicionar mais caminhos de acesso e paisagismo para dividir grandes espaços abertos em seções menores, grupos de meninos e meninas foram capazes de criar zonas para si próprios sem competir. As moças da cidade voltaram para os parques.

Nas últimas duas décadas, Viena realizou mais de 60 projetos-piloto – em transporte público, moradias e trilhas – para incorporar a igualdade de acesso para homens e mulheres no design. Hoje, a integração da perspectiva de gênero é fundamental para a estratégia de planejamento de Viena.

Como 'fazer' cidade considerando as diferenças de gênero?

A luta das mulheres pelo reconhecimento de que sua contribuição para a sociedade não é apenas reprodutivo tem sido constante. De invisíveis e relegadas ao domínio do privado, hoje as mulheres tem passado a assumir novos papéis que antes lhes eram negados e os espaços ganhos, vão sendo modificados na maneira em que participam da vida da cidade.

No entanto, o excesso de burocracia, indolência e falta de vontade tem deixado as mudanças físicas da cidade em uma evidente defasagem, distanciadas das mudanças ideológicas, deixando-as, muitas vezes, no discurso do como deveria ser.

Espaço compartilhado: projeto de urbanização em Malgrat de Mar (Barcelona). Image © Adrià Goula "Praça de bolso" de Santiago (Chile) sobre um terreno abandonado por 40 anos. Image © Plataforma Urbana "Praça de bolso" de Santiago (Chile) sobre um terreno abandonado por 40 anos. Image © Plataforma Urbana La transformación de vacíos urbanos de Zaragoza en verdaderos espacios públicos por parte de Estonoesunsolar. Image Cortesía de Estudio Gravalos DiMonte + 6

Urbanismo e gênero: criação de percursos em Buenos Aires que refletem a vida das mulheres

A Carta Europeia de Garantia dos Direitos Humanos na Cidade (Saint-Denis, 2000) estabelece a vontade de integrar o vínculo social de forma duradoura no espaço público partindo do princípio da igualdade, destinado a incrementar a consciência cidadã de todos os seus habitantes.

Neste contexto, as 146 organizações da sociedade civil que integram o Conselho de Planejamento Estratégico da Cidade de Buenos Aires acabam de aprovar uma nova iniciativa legislativa destinada a criação de itinerários turísticos, culturais e educativos que refletem a vida das mulheres e sua importância na história social e política.

Palestra “Arquitetura e a questão de gênero: a mulher na arquitetura e na cidade”

Em outubro passado o Sindicato dos Arquitetos do Estado de São Paulo (SASP) promoveu o Encontro Estadual de Arquitetos, evento que reuniu profissionais de diversas áreas da arquitetura para debater sobre temas como mercado de trabalho, serviço público, docência e a questão do gênero na profissão.

Este último tópico contou com a contribuição de Silvana Rubino, cientista social e professora do IFCH da Unicamp, Paula Santoro, professora da FAU-USP e pesquisadora do tema, e Telmi Adame, estudante de Arquitetura e Urbanismo que articula o debate sobre gênero na Fenea, que compuseram a mesa Arquitetura e a questão de gênero: a mulher na arquitetura e na cidade.

Compartilhamos acima o vídeo dessa palestra, onde as participantes debatem essa questão relativamente recente na arquitetura - que em 2013 foi aquecida pela controversa recusa do Prêmio Pritzker em reconhecer retroativamente Denise Scott Brown como vencedora juntamente com Robert Venturi em 1991.