Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Economia Urbana

Economia Urbana: O mais recente de arquitetura e notícia

Edward Glaeser: "Habitação acessível em uma favela é difícil e precisa ser específica do local"

A cidade, diria Claude Lévi-Strauss, é "a coisa humana por excelência." Possivelmente a criação mais complexa da humanidade, são ao mesmo tempo belas, repletas de potencialidade, e perversas, palco de conflitos, disputas e desigualdades. 

Na entrevista a seguir, conversamos com Edward Glaeser, professor de economia da Universidade de Harvard e autor do livro “O Triunfo da Cidade” sobre economia urbana e como as tensões e dinâmicas do mundo globalizado atingem as grandes cidades dos países em desenvolvimento.

Conceitos de economia que todo arquiteto deveria conhecer

Falamos de sustentabilidade, habitabilidade e uso do solo para descrever um projeto, porém, evitamos outros termos relativos a ele, como rentabilidade, mais valia e externalidades, simplesmente por não sabermos como usá-los. A arquitetura não existe fora da economia e, na verdade, o modo como construímos cada edifício afeta diretamente a economia das nossas cidades.

Entre tantos parâmetros que restringem um projeto, a arquitetura se torna um mediador entre as especialidades e é muito importante falar a língua de cada uma. Por isso, neste artigo você vai entender facilmente alguns conceitos econômicos básicos que se relacionam com a disciplina de arquitetura.

Gentrificação: os perigos da economia urbana hipster

Nesse artigo, publicado originalmente em Al Jazeera como "The peril of hipster economics", a escritora e pesquisadora estadunidense Sarah Kendzior escreve que a deterioração urbana em alguns bairros das principais cidades do mundo se converteu lamentavelmente em um conjunto de peças urbanas a serem "remodeladas ou idealizadas" pela gentrificação.

Segundo a autora, estes bairros - carregados de uma estética atrativa nostálgica e de uma enriquecedora "vida urbana" - estimulam a chegada de novos residentes de alto padrão que procuram esse estilo de vida em bairros historicamente associados as populações marginais - carentes de serviços públicos e oportunidades de trabalho -, que acabam sendo removidas para subúrbios pobres.

"Querem mudar uma memória que outros já construíram. Isto é a economia hipster", afirma Sarah.

Leia o artigo a seguir.