1. ArchDaily
  2. Atelier Bow Wow

Atelier Bow Wow: O mais recente de arquitetura e notícia

Atelier Bow-Wow projeta palco para festival de música e arte na Bélgica

Kasteel van Horst, um castelo do século XVII na zona rural da Bélgica, e o festival de música que ele abriga todos os anos fazem uma combinação improvável. Mas nos últimos quatro anos, o Horst Music and Art Festival que acontece no castelo nos arredores de Leuven tem reunido artistas, músicos, arquitetos e designers internacionais para um fim de semana de celebração criativa. Para a quinta edição do festival deste ano, o Atelier Bow-Wow, de Tóquio, se unirá aos demais participantes.

Cortesia de Atelier Bow-WowCortesia de Atelier Bow-WowCortesia de Atelier Bow-WowCortesia de Atelier Bow-Wow+ 15

Divulgadas novas imagens dos pavilhões do HOUSE VISION Tóquio após a abertura do evento

Novas imagens do HOUSE VISION Tóquio 2016 foram divulgadas desde que o evento foi inaugurado ao público há algumas semanas. O tema deste ano, "Co-Dividual: Dividir e Conectar / Separar e Juntar", explora como a arquitetura pode criar novas conexões entre os indivíduos e como as habitações japonesas podem adaptar variações culturais através de implementações tecnológicas.

A exposição deste ano irá apresentar projetos residenciais de renomados arquitetos japoneses, como Sou Fujimoto, Kengo Kuma, Shigeru Ban e Atelier Bow-Wow, cada um deles em parceria com alguma grande companhia que os auxiliará a implementar novas estratégias em projetos habitacionais.

Confira, a seguir, as imagens do evento e dos pavilhões.

HOUSE VISION Tóquio retorna este ano para expor 12 propostas residenciais

Após o sucesso do primeiro HOUSE VISION Tóquio em 2013, a exposição está programada para voltar novamente neste verão sob o tema de "Co-Dividual: Dividir e Conectar / Separar e Juntar". Mais uma vez com curadoria deKenya Hara, designer e diretor criativo da marca Muji, o evento de um mês de duração tem o objetivo de "pensar como criar novas conexões entre indivíduos", bem como construir a partir dos tópicos explorados pela edição anterior, definindo como as habitações japonesas poderiam se adaptar à recentes mudanças demográficas, tecnológicas e culturais e a visão da casa como a intersecção entre indústrias.

A exposição deste ano irá apresentar projetos residenciais de renomados arquitetos japoneses, como Sou Fujimoto, Kengo Kuma, Shigeru Ban e Atelier Bow-Wow. As casas serão construídas em escala real, permitindo que os visitantes do evento experimentem e reflitam inteiramente sobre cada projeto.

Cortesia de HOUSE VISION 2016 TOKYO EXHIBITIONCortesia de HOUSE VISION 2016 TOKYO EXHIBITIONCortesia de HOUSE VISION 2016 TOKYO EXHIBITIONCortesia de HOUSE VISION 2016 TOKYO EXHIBITION+ 29

Renzo Piano e ELEMENTAL entre os 8 finalistas do concurso internacional "Qatar's Art Mill"

A instituição Qatar Museums anunciou uma lista de oito finalistas que irão para a terceira e última fase da Art Mill International Design Competition em Doha. Em um terreno que se estende pelo Mar Árabe, que só foi ocupado recentemente pelo Qatar Flour Mills, o Art Mill integrará uma galeria e uma espaço para exposições com instalações para educação, eventos, conservação, manuseio de arte e pesquisa. Unindo o Museum of Islamic Art, projetado por I.M. Pei, com o National Museum of Qatar, projetado por Jean Nouvel e ainda em construção, segundo a organização do concurso, o "Art Mill estenderá e intensificará o bairro cultural que está sendo desenvolvido em Doha”.

Arquitetos chilenos e japoneses trabalham em conjunto para a próxima etapa de Ochoalcubo

Recentemente, na inauguração da Semana da Madeira, foram iniciadas as etapas 3 e 4 do projeto Ochoalcubo, com uma conferência entre dois grandes exponentes da arquitetura internacional; o japonês Ryue Nishizawa (SANAA), Pritzker 2010, e o chileno Alejandro Aravena, jurado do Prêmio Pritzker. Alguém poderia se perguntar, além da profissão e do prêmio Pritzker, quais são os aspectos que unem esses dois arquitetos para que estejam envolvidos no mesmo projeto? Para a equipe do Ochoalcubo, a resposta está no "cinturão de fogo". A região terrestre onde têm ocorrido os maiores terremotos do mundo, que assolou o Chile em 2010 e, um ano depois, fez estremecer o Japão. Com esse ponto de convergência e a exitosa participação do arquiteto japonês Toyo Ito na primeira etapa do projeto, oito arquitetos chilenos e oito arquitetos japoneses estão hoje trabalhando no projeto de 16 residências que dialogarão entre si nas montanhas da região central do Chile.

Conheça a história desse laboratório de arquitetura chamado Ochoalcubo e as propostas que mudarão a cara do setor de Los Vilos com desenhos de Kazuyo Sejima, Ryue Nishizawa, Sou Fujimoto, Kengo Kuma, Alejandro Aravena e Cristián Undurraga, entre outros grandes nomes da arquitetura.

Proposta de HLPS. Imagem Cortesia de HLPSProposta de Sou Fujimoto.  Imagem Cortesia de HLPSProposta de Junya Ishigami.  Imagem Cortesia de HLPSProposta de Cristián Undurraga. Imagem Cortesia de HLPS+ 130

Arquitetos japoneses e chilenos colaboram para projetar as casas do Ochoalcubo

Ochoalcubo é um projeto pioneiro no Chile que busca unir influentes arquitetos e escritórios chilenos e japoneses. A iniciativa colaborativa foi iniciada por Eduardo Godoy, um empresário que começou a trabalhar no Chile nos anos 80 e que sempre apoiou a inovação no design e arquitetura do país. Para um país que conta com mais de quarenta escolas de arquitetura, o número crescente de profissionais parece ter um impacto relativamente pequeno nas cidades chilenas. Cansado das "mesmice" que se constrói nos subúrbios, Godoy implementou o projeto Ochoalcubo visando proporcionar oportunidades para jovens profissionais, além de fomentar um novo tipo de apreciação da própria profissão.

Veja, a seguir, imagens de todas as dezesseis propostas das etapas 3 e 4 do Ochoalcubo, incluindo os projetos do SANAA, Sou Fujimoto, Kengo Kuma, Alejandro Aravena e Atelier Bow Wow.

Hans Ulrich Obrist, Herzog & de Meuron, & Atelier Bow-Wow's "Um passeio pelo Fun Palace" - Pavilhão Suíço na Bienal de Veneza 2014

"Nós frequentemente inventamos o futuro com elementos do passado."

Dos Curadores. Dentro do contexto da Bienal de re-examinar os fundamentos da arquitetura do século passado, o Pavilhão Suiço tem como foco o arquiteto inglês Cedric Price (1925-2003) e o sociólogo suíço Lucius Burckhardt (1934-2003), dois grandes visionários cujos trabalhos ressoam e continuam a inspirar as novas gerações do século XXI.

Ambos foram inventores em série. O centro cultural transdisciplinar projetado por Price - Fun Palace - que nunca foi realizado, é emblemático de nossa própria época. Ele se presta mais para a coreografia de exposições do século XXI do que para as exibições baseadas em objetos do século XX; promove uma experiência mais comum, livre, em grande parte, para operar fora dos seus limites materiais, e se aventura em outros domínios da experiência humana. Nas palavras do próprio Price, "um museu do século 21 irá utilizar a incerteza calculada e incompletude consciente para produzir um catalisador para mudanças revigorantes, sempre produzindo frutos para o olhar discreto" .1

© Nico Saieh© Nico Saieh© Nico Saieh© Nico Saieh+ 9

Bienal de Veneza 2014: Pavilhão suíço por Hans Ulrich Obrist e Herzog & de Meuron

Hans Ulrich Obrist, co-diretor do Serpentine Gallery de Londres, foi escolhido para ser o curador do pavilhão suíço na Bienal de Veneza 2014. Inspirado no tema proposto por Rem Koolhaas, “Fundamentals,” Obrist chamou os primeiros arquitetos com os quais já trabalhou, Jacques Herzog e Pierre de Meuron, convidando-os a colaborar com o projeto do pavilhão.

“Quando fui convidado para fazer o pavilhão, pensei que trabalhar com Herzog e de Meuron se encaixaria na ideia geral da bienal deste ano - olhar para o passado e usar o passado como uma ferramenta para criar o futuro." comentou Obrist

Serpentine Pavilion / Sou Fujimoto

Nesta quinta feira a inauguração oficial do Serpentine Pavilion, de Sou Fujimoto, aconteceu no Hyde Park, Londres. Foi a primeira vez que o público pôde interagir com a estrutura.

O pavilhão, que já recebeu o apelido de "nuvem" por sua forma e leveza, é constituído por uma grelha de aço tridimensional de módulos de cerca de 40 centímetros. A estrutura é interrompida para permitir acesso ao público, bem como para gerar usos diferentes ao redor, abaixo e acima dela.

Mais imagens e a declaração do arquiteto a seguir.

© Daniel Portilla© Daniel Portilla© Daniel Portilla© Daniel Portilla+ 37

Ochoalcubo: Japao + Chile

No Chile, um projeto muito especial está sendo desenvolvido.

Eduardo Godoy, um empresário de design que começou seu negócio no Chile na década de 80, sempre foi um defensor do design e arquitetura no país. No Chile, mais de 40 escolas de arquitetura têm inundado o mercado, mas o número cada vez maior de profissionais tem tido um impacto relativamente pequeno sobre as cidades chilenas. Vendo a quase infinita paisagem de conjuntos habitacionais nos subúrbios, Godoy perguntou-se: Por que não romper este modelo em pequenos pedaços, cada um projetado por um arquiteto em particular, proporcionar uma oportunidade para cada jovem profissional? Com isto em mente, e a intenção de promover a valorização dos arquitetos, Eduardo e sua equipe em Interdesign começou um projeto chamado "Ochoalcubo" . Sua ideia original era fazer oito projetos, com 8 edifícios projetados por oito arquitetos diferentes, onde a singularidade de cada peça é fundamental, a fim de demonstrar como a individualidade do arquiteto pode resultar em uma boa arquitetura.

Arquitetura para Cachorros