Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Duo Dickinson

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Os heróis da arquitetura não estão apenas no passado

Este artigo foi originalmente publicado pelo Common Edge.

Toda disciplina tem seus heróis. Na arquitetura, não são poucos os personagens que costumam ser celebrados e exaltados como figuras ilustres. Frank Lloyd Wright e Louis Kahn podem ser considerados uns dos maiores ícones da arquitetura do século XX. Mais recentemente, Zaha Hadid chegou a ser tão exaltada quanto suas próprias criações, ela se tornou uma “stararchitect” (para usar um termo bem específico e tão em voga atualmente) e sua morte prematura apenas colaborou para elevar ainda mais o seu status. Mas os nossos heróis são feitos de carne e osso, isso significa que após à morte, nem todos tem um lugar garantido em nosso panteão. Embora nossos heróis sejam todos mortais, suas contribuições tendem a perdurar ao logo dos séculos.

Estamos matando nosso planeta com o ar condicionado?

Este artigo foi originalmente publicado na Common Edge.

Neste verão, o governo federal americano divulgou uma estatística surpreendente: 87% dos lares americanos agora estão equipados com ar condicionado. Como o mundo está ficando inegavelmente mais quente, suponho que isso não seja tão surpreendente, mas lembre-se de que um grande número dessas casas refrigeradas mecanicamente localizam-se em climas razoavelmente temperados. Portanto, minha pergunta é simples: quando o ar condicionado nos Estados Unidos se tornou um requisito, e não um complemento?

Estilo e beleza: as duas palavras mais perigosas na arquitetura

Este artigo foi originalmente publicado na Common Edge.

"Eu odeio essa coisa toda de 'beleza' ", diz um amigo arquiteto e professor profundamente talentoso, reagindo a uma onda emergente da época.Ele não está sozinho. Palavras são perigosas. Desde a Segunda Guerra Mundial, tem havido um consenso geral na arquitetura: o cânone modernista. Mas a mudança está chegando na profissão — e em nossa cultura.

Os verdadeiros crentes se encolerizam com a palavra “beleza” como critério de projeto.Eles também descartam a palavra “estilo”. Como todas as ortodoxias, há simplesmente "certo" e "errado". As realidades do "errado" estão na ortodoxia arquitetônica: "errado" é qualquer coisa que se refere a qualquer coisa que não seja o próprio cânon. Uma racionalização que se retroalimenta dá conforto aos condenados.

10 anos após a recessão dos EUA, uma geração resiliente encontra caminhos para prosperar na arquitetura

Este artigo foi originalmente publicado em CommonEdge como "The Kids are Alright."

Economia e tecnologia afetam todas as profissões. Mas, desde a Segunda Guerra Mundial, talvez nenhuma profissão tenha experimentado mais mudanças tecnológicas do que a arquitetura. Essas mudanças ocorreram, paradoxalmente, dentro de um modelo profissional bem estabelecido de desenvolvimento pessoal: a estrutura tradicional de aprendizado na academia, e o posterior estágio para o licenciamento, tem sido a estrutura da prática há quase dois séculos nos Estados Unidos.

Foi-se o tempo que os edifícios eram construídos a partir de desenhos feitos por homens brancos, a partir de uma folha mestre de especificações. E apenas isso era o mercado da arquitetura.

Esse mundo não existe mais.

Arquitetura sem arquitetos: a tipologia "copy-paste" que tomou os Estados Unidos

Este artigo foi originalmente publicado no CommonEdge como "When Buildings Are Shaped More by Code than by Architects."

As decisões que um arquiteto toma ao longo de um projeto são freqüentemente orientadas por questões que vão muito além de suas inclinações estéticas ou até mesmo os anseios e desejos de seus clientes. Em um determinado grau, somos reféns das ferramentas e materiais disponíveis assim como das infinitas limitações legais impostas à cada contexto específico. Atualmente, os Estados Unidos estão encarando uma dura realidade no campo prático da arquitetura devido à difusão de um novo código bastante restritivo ao que se refere à liberdade criativa dos arquitetos.

Arquitetura e crítica: pelas pessoas, para as pessoas?

Este artigo foi originalmente publicado no Common Edge como "Crítica arquitetônica que não é apenas para arquitetos".

Caso você não tenha percebido, o mundo está indo do papel para os pixels. Você está lendo isso, aqui. Tudo está mudando e isso inclui como falamos, pensamos e escrevemos sobre arquitetura.

O futuro da arquitetura: serviço de luxo?

Este artigo foi originalmente publicado pela Common Edge como "Na Era da Inteligência Artificial, a Arquitetura se tornará Artesanal?"

Como comida e roupa, os edifícios são essenciais. Toda edificação, mesmo a mais rudimentar, precisa de um projeto para ser construído. A arquitetura é tão central para a construção quanto a agricultura é para a alimentação, e nesta época de rápido avanço nas mudanças tecnológicas, a agricultura pode nos oferecer lições valiosas.

De acordo com o último censo, havia 233.000 arquitetos nos Estados Unidos; e os 113.000 que estão atualmente licenciados representam um aumento de 3% em relação ao ano passado. Além disso, há um número recorde de arquitetos que se qualificam para o licenciamento: mais de 5.000 este ano, quase o mesmo número de graduados com títulos profissionais. Existe agora 1-arquiteto-para-cada-2.900 pessoas nos EUA. Uma colheita abundante, certo?

Arquitetura de qualidade não se produz rejeitando a história - tampouco replicando-a

Este artigo foi originalmente publicado pela Common Edge como "Architecture Ignores History At Its Own Peril".

A gravidade é inegável. Ficamos de pé, erguemos objetos, estremecemos quando vemos nosso peso na balança. Para os arquitetos, a gravidade tem um significado especial: é a força essencial a ser trabalhada. Clima, energia e materiais também são importantes — mas esses têm características específicas à sua localização.

A gravidade é a constante eterna. Mas há outro elemento universal no ato de projetar: a história, o papel de todas as coisas que passaram da ideia para a realidade, em todos os lugares. Se existem “razões” para um edifício ser feito ou finalizado de uma certa maneira, a história é a lente inegável que faz sempre parte de como os projetistas pensam sobre o que deve ser construído.

Por que projetar a casa de uma pessoa é a tarefa mais desafiadora e emocionante que um arquiteto pode enfrentar

Este artigo foi originalmente publicado pela Common Edge como "Por que as Casas Representam a Arquitetura Original".

Casas podem ser a projeção mais poderosa do valor da arquitetura. Uma vez que abrigar-se é essencial para todos nós, conceber o lar é a função universal da arquitetura. Somos todos especialistas em como nossa casa deve ser, para nós mesmos.

Mas os arquitetos geralmente têm uma visão diferente do lar. Vinte anos atrás — durante a recessão antes da última recessão — lembro-me de ouvir um arquiteto declarar que poderia se sustentar projetando casas até que “um trabalho de verdade surgisse”. Outro meme arquitetônico é o clássico primeiro emprego: projetar uma casa para seus pais.

Desenhos de Michelangelo mostram porque arquitetos deveriam ser generalistas, não especialistas

Esse artigo fi publicado originalmente por Common Edge como "Michelangelo’s Lesson: Specialization in Architecture is Not The Only Way."

Uma exposição recente no The Metropolitan Museum, em Nova York, Michelangelo: Divine Draftsman & Designer, ofereceu um vislumbre da mente e dos métodos de um verdadeiro polímata. A exibição acabou de encerrar, então, ofereço aqui essa seleção de imagens. A fotografia foi incentivada e a intimidade da apresentação permitiu estabelecer algumas relações e ideias.

Estive estudando ou praticando arquitetura por 45 anos, e a exposição esclareceu como os arquitetos podem pensar sobre o que fazem. Provavelmente significou uma coisa para todos, sua beleza ressonante, mas eu vi as complexidades de uma vida criativa em meios de aplicação.