Local pode ser universal

Local pode ser universal

No século XIV, Geoffrey Chaucer escreveu “Familiaridade gera desprezo”. Por definição, “local” é “familiar”. Por que os humanos ficam tão entusiasmados em ir além do familiar, do local e buscar o que é novo, universal e redentor? A palavra “local” tem o peso do verdadeiro valor, como “densidade” ou “sustentável”. Mas a atração da conexão entre todos os humanos é poderosamente sedutora, e esse desejo de conectar quase sempre fica aquém de nossas esperanças.

Cortesia de Duo Dickinson Cephas Housing, Yonkers, Nova York© Henry-Fussell Hitchcock, Jr e Philip JohnsonCortesia de Weißenhof­sied­lung StuttgartCortesia de Bauhaus, Dessau, Alemanha+ 7

A lógica do local é irrefutável em muitas coisas: política, alimentação, meio ambiente e até estética. O bom senso vê o valor em usar o que está à mão para efetuar tudo o que fazemos. Menos carbono, custo, tempo e poluição são inegáveis quando empregamos as coisas que já temos diante de nós.

Mas nós, humanos, queremos estender nossos insights, significados e, sim, influência, além de nós mesmos e de nossas origens culturais embutidas. Frequentemente, buscamos o universal na negação direta das realidades locais de quem somos, como vivemos e o que valorizamos.

Ondas de salvação religiosa prometem libertação de nossas vidas, sejam muçulmanas, budistas, hindus ou cristãs. Qualquer que seja a espiritualidade local, muitas vezes não pode competir com a promessa da verdade transcendente. A esperança do sublime não se encontra no “local”. Mas o proselitismo não se limita à religião.

"Por que a Liga das Nações falhou?" História na rede. Imagem © 2000-2021, Salem Media.
"Por que a Liga das Nações falhou?" História na rede. Imagem © 2000-2021, Salem Media.

Cem anos atrás, a Liga das Nações foi criada em Paris na crença de que a Primeira Guerra Mundial era "a guerra para acabar com todas as guerras". A organização durou até 1946, talvez a última vítima da devastação da 2ª Guerra Mundial. A Liga das Nações foi uma projeção completa do poder ocidental que morreu quando sua irrelevância tornou possível a 2ª Guerra Mundial. A ironia de tentar universalizar um mundo que é uma tapeçaria de cada raça, gênero, devoção política em uma "Liga das Nações" parece virtualmente estranha agora. Mas esse engano dos vitoriosos da Primeira Guerra Mundial teve paralelos.

Em 1887 / L. L. Zamenhof criou o esperanto: uma nova língua que pretendia acabar com a língua local. A esperança era que nossas diferenças faladas e escritas pudessem ser superadas por um movimento. Falhou. Muito poucos quiseram deixar o idioma local que conheciam e entendiam.

Trispectivism. Imagem Cortesia de Wiki commons
Trispectivism. Imagem Cortesia de Wiki commons

Em 1932, Henry-Russell Hitchcock e Philip Johnson definiram a arquitetura que explodiu após a Primeira Guerra Mundial no livro "The International Style", e a exposição seminal "Modern Architecture: International Exhibition" no Metropolitan Museum of Art. Seu trabalho definiu o terremoto estético que negou ornamento, história, materialidade e qualquer conexão vernácula local. O “Estilo Internacional” virtualmente declarou que “local” era uma perspectiva totalmente falha. O futuro era moderno, não local. Esse movimento, como a Liga das Nações e o esperanto, estava fadado ao fracasso. A Wikipedia diz que o estilo acabou na década de 1970.

© Henry-Fussell Hitchcock, Jr e Philip Johnson
© Henry-Fussell Hitchcock, Jr e Philip Johnson

Não creio que a "Arquitetura Moderna" tenha terminado. Mas algo está acabando, e não apenas um estilo. A frase "Arquitetura Branca" foi uma destilação lírica do Movimento Moderno como um estilo, mas sem ironia, essas palavras descreveram apropriadamente a profissão de arquiteto da época. Quem fez o Estilo Internacional, o esperanto, a Liga das Nações passou a ser entendido como o Branco, o Homem, 1% da elite intelectual e econômica do século XX.

Nós agora, neste século, temos um esperanto virtual, uma Liga das Nações e um Estilo Internacional: a Internet. Não sendo um brinquedo, ferramenta ou entretenimento, a internet é tão básica quanto qualquer elemento em todas as vidas, e essa conexão - sem estilo, apolítica, sem uma linguagem - é a maneira como toda a vida mudará, incluindo a arquitetura. O local agora pode ser universal.

O mundo tem a perspectiva da primeira geração que nasceu com a Internet tão presente quanto a comida ou sono em suas vidas, uma população mundial atingindo a idade adulta. Essa realidade vai acabar com muitas coisas porque é o que o "Estilo Internacional" ou esperanto nunca puderam ser: conexão totalmente igualitária, aberta, instantânea e livre entre todos, em qualquer lugar, agora. Um lugar sem fronteiras é "Internacional". Um lugar que é instantâneo é "Moderno". Nenhum deles é um "estilo". Essas coisas são construções humanas que costumavam nos definir.

Cortesia de Bauhaus, Dessau, Alemanha
Cortesia de Bauhaus, Dessau, Alemanha

Familiaridade gera desprezo. O que é local é relevante. O imperativo de projetar e estender quem somos além de nós mesmos é uma realidade humana universal. Porém, agora a reconciliação entre o Local e o Universal está à mão, na Internet. Em vez de definir uma maneira certa de estética, política, religião ou discurso, a Internet oferece uma maneira de ver cada realidade local.

Arquitetura não é uma escolha moral entre os “estilos” que os humanos definem. A arquitetura pode se revelar como parte de nossas vidas locais, usando materiais e valores que se manifestam na construção. Pela primeira vez, essa realidade infinitamente subjetiva pode ser vista em diversidade totalmente objetiva: via Internet, onde o Local se torna Universal.

Este artigo é parte do Tópico do ArchDaily: Materiais Locais. Mensalmente, exploramos um tema específico através de artigos, entrevistas, notícias e projetos. Saiba mais sobre os tópicos mensais. Como sempre, o ArchDaily está aberto a contribuições de nossos leitores; se você quiser enviar um artigo ou projeto, entre em contato.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Dickinson, Duo. "Local pode ser universal" [Local Can Be Universal] 09 Out 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/968091/local-pode-ser-universal> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.