AD Editorial Team

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Como adotar o BIM: 3 modos de realizar um projeto piloto em seu escritório

Ultimamente, o BIM está se tornando uma prática padrão. A maioria das pessoas envolvidas no setor da construção - de arquitetos e engenheiros que utilizam BIM a órgãos governamentais que estão exigindo a utilização de BIM em certos tipos de projetos - estão convencidos de seus benefícios, como eficiência, colaboração, redução de custos, e melhoria da comunicação. Como resultado, muitas empresas hoje em dia que ainda não adoraram o BIM dão o mesmo motivo: o temido período de transição.

Naturalmente, estes receios de transição não são totalmente infundados, já que um novo software exige treinamento de pessoal e problemas de adaptação são inevitáveis na mudança do fluxo de trabalho existente. Estes custos iniciais criam uma barreira para muitas empresas que simplesmente não podem arcar com o tempo ou o custo agora que lhes permitiriam aproveitar os benefícios do BIM no futuro. A chave para resolver isso, claro, é minimizar os custos iniciais - e uma maneira de fazer isso, que muitos especialistas recomendam, é começar a transição de sua empresa para o BIM com um único projeto-piloto, em que você vai ser capaz de estabelecer um fluxo de trabalho, definir padrões que se adequam a sua empresa, e transferir essas lições para projetos posteriores.

Mas qual é a melhor maneira de selecionar este projeto-piloto? Você deveria trabalhar em um edifício grande ou pequeno? Um trabalho complexo ou um simples? Aqui, três pioneiros no uso do BIM compartilham o que aprenderam com os seus próprios projetos-piloto, cada um com características muito diferentes.

O que é preciso para um bom projeto? Um guia para participações em concursos

O texto a seguir foi extraído do 'Design Review’, escrito por Peter Stewart para a Comissão de Arquitetura e Ambiente Construído (CABE, em sua sigla em inglês), em 2002. Na época do Festival Mundial de Arquitetura, cujos finalistas foram anunciados recentemente, Stewart dá algumas dicas do que é preciso para um bom projeto que seja competitivo.

O arquiteto romano Vitruvius sugeriu que as principais qualidades dos edifícios bem projetados são "estabilidade, utilidade e beleza" [firmitas, utilitas, venustas]:

  • Utilidade – edifícios devem servir o propósito para o qual foram projetados
  • Estabilidade – devem ser solidamente construídos e duráveis
  • Beleza – devem ter boa aparência; seu projeto deve agradar o olho e a mente.

Vídeo: Subindo o zigurate do Pavilhão Nórdico na Bienal de Veneza 2016

Neste vídeo, Jesús Granada visita o Pavilhão Nórdico e a exposição "In Therapy" na Bienal de Veneza deste ano. O vídeo apresenta uma série de imagens estáticas que mostram a instalação central da exposição - uma pirâmide escalonada, ou zigurate - e sua série de "ambientes sem paredes" para a reflexão. O pavilhão em si, construído em 1969, foi projetado por Sverre Fehn para refletir e concretizar algumas ideias sobre a sociedade Nórdica e sua arquitetura - inclusive mostrando um certo sentido de abertura. Este ano, portanto, o pavilhão foi organizado como uma extensão do espaço público do Giardini.

Material em foco: A Grande Muralha da Austrália por Luigi Rosselli

Este artigo é parte da nossa nova série "Material em Foco", onde os arquitetos compartilham conosco o processo de criação através da escolha de materiais que definem parte importante da construção de seus projetos.

A Grande Muralha da Austrália, projetada pelo escritório australiano Luigi Rosselli Architects, e selecionada como um dos melhores projetos do ano de 2016 pelo ArchDaily, é um exemplo único de construção em taipa. Com 230 metros de comprimento, a Grande Muralha é a estrutura mais longa deste tipo na Austrália e, possivelmente, do Hemisfério Sul, de acordo com os seus arquitetos. Construída no remoto noroeste da Austrália, o edifício é feito a partir de materiais disponíveis localmente, cujas propriedades térmicas ajudam a suportar um clima variável. Nós conversamos com o arquiteto Luigi Rosselli para saber mais sobre sua escolha do material e do papel determinante que desempenhou em seu conceito de projeto.

A Grande Muralha da Austrália  / Luigi Rosselli. Imagem © Edward BirchA Grande Muralha da Austrália  / Luigi Rosselli. Imagem © Edward BirchA Grande Muralha da Austrália  / Luigi Rosselli. Imagem © Edward BirchA Grande Muralha da Austrália  / Luigi Rosselli. Imagem © Edward Birch+ 13

Projeto do Mês: Museu Nacional da Estônia

Durante os últimos três séculos, os museus, como tipologia da arquitetura, passaram de um importante nó na cidade para um ícone no qual uma cultura se identifica, se transformando num marco na escala cidadã e internacional.

Destacamos neste mês o Museu Nacional da Estônia, que propõe uma estratégia que vai além da reunião e exposição de elementos, mas traz consigo um reconhecimento cultural, histórico e territorial. Implantado como uma prolongação das ruínas de um antigo campo aeronáutico usado pela ocupação soviética, este projeto contrasta seu contexto histórico com um novo edifício que se eleva como projeção para uma nova realidade e futuro nacional.

Divulgados os finalistas para o World Architecture Festival Awards 2016

O World Architecture Festival anunciou os finalistas de sua edição de 2016, mostrando 343 projetos de 58 países entre 32 categorias. Sendo o maior programa de premiação arquitetônica do mundo, entre os finalistas há projetos concluídos e ainda não construídos de todas as partes do globo.

Todos os finalistas serão convidados a apresentar seus projetos ao vivo no festival em novembro na Arena de Berlim, Alemanha, para um júri que inclui Kai-Uwe Bergmann (BIG), Louisa Hutton (Sauerbruch Hutton), David Chipperfield, Ole Scheeren, e o co-fundador e Editor Chefe do ArchDaily David Basulto. Um vencedor para cada uma das 32 categorias serão selecionados. Dentre estes, um marcante Edifício do Mundo ou Futuro Projeto do Ano será selecionado. Ingressos para o festival podem ser adquiridos aqui.

Entre os projetos finalistas, o Brasil é representado pelo Pavilhão Aeroporto do escritório Spadoni AA, a Casa na Mata e a Casa Catuçaba, ambas do Studio MK27 . Já Portugal marca presença com o Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, do arquiteto Luís Pedro Silva.

"Total Space": Cenografia do AMO para a coleção primavera/verão 2017 da Prada

Na mais recente cenografia para as coleções da Prada, o AMO criou um cenário "concebido como uma estratificação de arquiteturas" - Total Space. Restos de desfiles passados são dispostos na periferia da sala, criando uma base e pano de fundo estético para a coleção primavera/verão 2017 da maison. Uma estrutura linear, que está posicionada ao centro e divide a sala, foi concebida para "amplificar as proporções perceptíveis" daquela.

© Agostino Osio© Agostino Osio© Agostino Osio© Alberto Moncada+ 9

Against The Tide: Por dentro do Pavilhão do Chile na Bienal de Veneza 2016

Como parte da cobertura do ArchDaily Brasil na Bienal de Veneza 2016, apresentamos uma série de artigos escritos pelos curadores das exposições e instalações à mostra no evento.

O Pavilhão Chileno apresenta os esforços de uma geração de jovens arquitetos que conceberam, projetaram e construíram obras de arquitetura, enquanto também organizaram seus aspectos financeiros e contratuais, como parte dos requisitos para a obtenção do grau profissional de arquitetos. Todos têm em comum que pertencem à região do Vale Central do Chile, onde têm retornado após a sua formação acadêmica para contribuir com suas comunidades, criando projetos de arquitetura que se conectam a um conjunto de locais onde os campesinos da região e suas famílias possam viver e trabalhar.

© Laurian GhinitoiuCortesia de Consejo Nacional de la Cultura y las Artes© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu+ 15

Prospect North: Por dentro do Pavilhão da Escócia na Bienal de Veneza 2016

Como parte da cobertura do ArchDaily Brasil na Bienal de Veneza 2016, apresentamos uma série de artigos escritos pelos curadores das exposições e instalações à mostra no evento.

Pessoas vestindo uma enorme cabeça escultural de um unicórnio tornou-se uma das imagens mais surreais a serem vistas na Bienal de Veneza 2016.

Parte da exposição Prospect North no Pavilhão escocês, produzida em conjunto por Lateral North, Dualchas Architects e Soluis, um estúdio de design e visualização de Glasgow, as cabeças de unicórnio, alce e urso polar permitem que você seja imerso numa realidade virtual do mundo do passado, presente e futuro das Highlands.

Cortesia de Dualchas ArchitectsCortesia de Dualchas ArchitectsCortesia de Dualchas ArchitectsCortesia de Dualchas Architects+ 11

Projeto do Mês: Capela San Bernardo

A arquitetura estereotômica é caracterizada por duas razões de força, sua continuidade nas cargas axiais que fazem chegar ao solo seus componentes, ao natural, na terra, e a busca pela luz onde suas paredes maciças são perfuradas para iluminar e permitir a habilidade humana. É partindo deste ponto que este projeto adquire sua potência e declara sua intenção. 

12 coisas que você precisa ver na Bienal de Veneza 2016

"Reporting From the Front". Imagem © Italo Rondinella
"Reporting From the Front". Imagem © Italo Rondinella

Há uma enorme intensidade de informações, conhecimentos e ideias na Bienal de Arquitetura em Veneza este ano, intitulada Reporting From the Front. Com todos os editores executivos e editores-chefe do ArchDaily Inglês, Espanhol e Português reunidos em Veneza para a abertura - além do co-fundador David Basulto e do editor James Taylor-Foster, curadores do Pavilhão Nórdico -selecionamos este ano doze das nossas exposições favoritas que devem ser visitadas.

"Selfie Automaton": Pavilhão da Romênia na Bienal de Veneza 2016

Como parte da cobertura do ArchDaily Brasil na Bienal de Veneza 2016, apresentamos uma série de artigos escritos pelos curadores das exposições e instalações à mostra no evento.

O Pavilhão da Romênia na 15ª Exposição Internacional de Arquitetura - La Biennale di Venezia  apresenta “Selfie Automaton”, uma exposição de Tiberiu Bucșa, Gál Orsolya, Stathis Markopoulos, Adrian Aramă, Oana Matei, Andrei Durloi. A mostra consiste em 7 autômatos mecânicos, com 42 marionetes - 37 humanas e 5 criaturas. Três dos autômatos serão localizados no Pavilhão da Romênia no Giardini, outros três na Nova Galeria do Instituto Romeno de Cultura e Pesquisa Humanística, e um deles será nômade e  vagará pelas ruas de Veneza.

SELFIE AUTOMATON / Curadoria de Tiberiu Bucșa, Gál Orsolya, Stathis Markopoulos, Adrian Aramă, Oana Matei, Andrei Durloi. Pavilhão da Romênia na Bienal de Veneza 2016. Imagem © Laurian GhinitoiuSELFIE AUTOMATON / Curadoria de Tiberiu Bucșa, Gál Orsolya, Stathis Markopoulos, Adrian Aramă, Oana Matei, Andrei Durloi. Pavilhão da Romênia na Bienal de Veneza 2016. Imagem © Laurian GhinitoiuSELFIE AUTOMATON / Curadoria de Tiberiu Bucșa, Gál Orsolya, Stathis Markopoulos, Adrian Aramă, Oana Matei, Andrei Durloi. Pavilhão da Romênia na Bienal de Veneza 2016. Imagem © Laurian GhinitoiuSELFIE AUTOMATON / Curadoria de Tiberiu Bucșa, Gál Orsolya, Stathis Markopoulos, Adrian Aramă, Oana Matei, Andrei Durloi. Pavilhão da Romênia na Bienal de Veneza 2016. Imagem © Laurian Ghinitoiu+ 20

A Escola Flutuante de Makoko desmorona após três chuvas intensas na Nigéria

Como reportou o site nigeriano de notícias NAIJ.com, a celebrada Escola Flutuante em Makoko, projetada pelo NLÉ, desmoronou após as intensas chuvas em Lagos durante esta terça.

As fotografias publicadas pelo site mostram a cobertura da escola ainda intacta, mas apoiada diretamente na base flutuante do edifício composta por 256 tambores de plástico, enquanto os primeiros níveis e a estrutura suportante parecem totalmente destruídos.

Este artigo está em constante atualização. A presente versão conta com uma declaração oficial do NLÉ.

Países Baixos exploram a arquitetura das missões de paz da ONU com a mostra "BLUE" em Veneza

Como parte da cobertura do ArchDaily Brasil na Bienal de Veneza 2016, apresentamos uma série de artigos escritos pelos curadores das exposições e instalações à mostra no evento.

Após o colapso da União Soviética, e ainda mais após o 11 de setembro e a "guerra contra o terror que seguiu os atentados, o clima de guerra se instaurou nas cidades. 

Ao passo que as guerras do século XX foram travadas, em geral, entre nações e por causa de soberania territorial e disputa de fronteiras, as guerras do século XXI são internas e sem fronteiras. Elas são travadas entre grandes coalizões  internacionais e redes insurgentes. 

BLUE: Architecture of Peacekeeping Missions. Imagem © Laurian GhinitoiuBLUE: Architecture of Peacekeeping Missions. Imagem © Laurian GhinitoiuBLUE: Architecture of Peacekeeping Missions. Imagem © Laurian GhinitoiuBLUE: Architecture of Peacekeeping Missions. Imagem © Laurian Ghinitoiu+ 15

Material em Foco: Casa OE por Fake Industries Architectural Agonism + Aixopluc

Este artigo é parte da nossa nova série "Material em Foco", onde os arquitetos compartilham conosco o processo de criação através da escolha de materiais que definem parte importante da construção de seus projetos.

Na zona rural da Catalunha, nos arredores da pequena cidade de Alforja, está uma paisagem incongruente: entre as casas de pedra masia dispersas, há uma estrutura de aço e vidro, uma caixa retilínea resolutamente entre as formas tradicionais de habitação. Mas, uma vez dentro da casa OE House, projetada por Fake Industries Architectural Agonism e Aixopluc, percebe-se que o edifício não é tão diferente dos seus vizinhos: no piso superior, o teto incorpora um sistema de abóbadas de cerâmica, com design quase vernacular. Este recurso, em seguida, combina com a madeira compensada e painéis de OSB para criar uma paleta de materiais eclético. Conversamos com o arquitetos do projeto, David Tapias, do Aixopluc e Cristina Goberna e Urtzi Grau, do Fake Industries Architectural Agonism, para descobrir o que está por trás dessas escolhas de materiais incomuns.

Vencedores da Bienal de Veneza 2016: Espanha, Japão, Peru, NLÉ & Gabinete de Arquitectura

Alejandro Aravena e o júri da 15ª Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza acabam de anunciar as participações vencedoras desta edição do evento.

O Leão de Ouro para Melhor Participação Nacional foi para a Espanha, com a exposição  UNFINISHED. O júri citou a "concisa seleção de arquitetos emergentes, cujo trabalho mostra como a criatividade  e o compromisso podem transcender as limitações materiais", feita pelos curadores  Carlos Quintáns e Iñaqui Carnicero.

Gabinete de Arquitectura. Image © Pola MoraNLÉ recebe o Leão de Prata como Promising Young Participant na Bienal de Veneza 2016 "Reporting from the Front".  © Pola MoraPaulo Mendes da Rocha recebe seu Leão de Ouro por sua Trajetória. © Pola MoraIñaqui Carnicero & Carlos Quintáns com seu Leão de Ouro  © Pola Mora+ 15

Projeto do Mês: Micro Cabanas Colorado Outward Bound

O processo que ocorre para a finalização de um projeto contempla distintas variáveis para os arquitetos, desde determinar quais são as necessidades do usuário até como será a instalação do canteiro de obras. Esta última é parte importante da lógica projetual de uma obra e de seu critério de desenho. As Micro Cabanas de Colorado Outward Bound enaltecem este processo, utilizando um partido que leva em consideração o desenho da unidade mínima habitacional em condições extremas e a execução da montagem num tempo reduzido e num lugar de difícil acesso.

Os melhores currículos de arquitetura: envie o seu!

Você tem orgulho do seu currículo? Não pelo conteúdo -- esta parte é muito importante, não nos leve a mal -- mas pelo modo como ele é apresentado? Seguindo o sucesso de nosso post dos cartões de visita para arquitetos, queremos que nossos leitores compartilhem conosco seus atraentes e bem diagramados currículos.

Se você acha que seu currículo tem o que é preciso para atrair os olhares e ficar entre os dez primeiros, envie-o para nós!