Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento

Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento

As áreas verdes são consideradas uma das formas mais adequadas e acessíveis para mitigar os efeitos do aumento das temperaturas nos ambientes urbanos. À medida que o clima global aquece, as cidades em todo o mundo enfrentam ondas de calor mais frequentes e extremas, colocando seus cidadãos em risco. Muitas cidades estão adotando estratégias para reduzir o impacto das ilhas de calor urbanas, que são geradas quando a cobertura natural do solo é substituída por superfícies que absorvem e retêm calor, como pavimentos e edifícios. Isso aumenta a temperatura em vários graus. As cidades têm seu microclima, influenciado por esse fenômeno aliado a uma série de fatores muitas vezes esquecidos. Para que uma estratégia climática seja eficiente, todos os fatores precisam ser levados em consideração.

Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento - Imagem 2 de 12Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento - Imagem 3 de 12Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento - Imagem 4 de 12Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento - Imagem 5 de 12Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento - Mais Imagens+ 7

Os níveis de risco térmico também estão fortemente correlacionados com a estrutura social da cidade. Bairros com setores menos abastados e historicamente marginalizados têm menos acesso às áreas verdes, colocando-os em maior risco. Por meio de regulamentações de planejamento e zoneamento de terras, o impacto sobre os cidadãos desfavorecidos pode ser reduzido, melhorando sua saúde, bem-estar e padrões de vida. Cientistas como Winifred Curran e Trina Hamilton estão apontando que a melhoria da vegetação pode levar ao aumento do valor da propriedade e pode levar ao deslocamento de moradores de longo prazo. Eles sugerem uma estratégia chamada “apenas verde o suficiente”, criando intervenções estratégicas para apoiar as comunidades locais.

Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento - Imagem 4 de 12
Rasulbagh Children’s Park, de Shatotto. Imagem © Asif Salman, Isabelle Antunes, City Syntax, Shatotto team

Simplesmente aumentar a “cobertura verde” sem considerar a localização relativa dos espaços verdes não pode reduzir efetivamente o problema do aquecimento urbano. - Wan-Yu Shih, Professora Associada do Departamento de Planejamento Urbano e Gestão de Desastres da Universidade Ming-Chuan, Taiwan

Corredores Verdes e Planejamento Climatológico

Em 1938, a inovadora cidade alemã de Stuttgart decidiu nomear alguém graduado em meteorologia para estudar as condições climáticas e sua relação com o desenvolvimento urbano. A cidade está localizada em uma bacia de vale com baixas velocidades de vento. Também é fortemente industrializada, com infraestrutura para fabricação de automóveis, além de ser densamente povoada. As condições combinadas resultaram em baixa qualidade do ar e altos níveis de poluição. Este estudo inicial é considerado por muitos como o início da “climatologia urbana”. Apenas um ano depois, com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, o meteorologista urbano foi nomeado para organizar as medidas civis de defesa aérea, que incluíam o uso de neblina artificial para se esconder dos esquadrões antiaéreos, uma ação eficaz antes da tecnologia de radar. Depois de liberar grandes quantidades de neblina artificial, descobriu-se que a nuvem de neblina se dissipou mais rapidamente do que o pretendido em certas áreas. Ao mesmo tempo, tendia a durar mais tempo em outros distritos. O estudo involuntário em grande escala impactou consideravelmente o planejamento urbano, pois gerou a conscientização sobre os corredores de ar puro e sua influência no clima urbano.

Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento - Imagem 8 de 12
Vista de Stuttgart. Imagem © Mezzotint via Shutterstock

Por meio de planejamento e regulamentos, Stuttgart incentivou o desenvolvimento de espaços abertos das parcelas das encostas para permitir que as correntes de ar varressem as colinas arborizadas que cercavam a cidade. Ativos geográficos como rios, vales e outras áreas verdes são protegidos como os corredores de ventilação no plano urbano, permitindo que os ventos predominantes aproveitem os serviços de refrigeração. Na gestão das temperaturas crescentes, o primeiro desafio é compreender a topografia, trabalhar com ela e proteger os ativos naturais do local.

Regulação de microclimas

As áreas verdes são conhecidas por reduzir a temperatura média da superfície terrestre, mas seus efeitos de resfriamento têm limitações. Na maioria das condições, a mais de 100 metros de distância, esses efeitos mal podem ser percebidos. As formas topográficas e geométricas de seus arredores podem determinar até que ponto o ar frio pode penetrar, pois as fontes de calor e os edifícios físicos geralmente formam barreiras que bloqueiam o fluxo de ar. Por causa disso, aumentar a quantidade de cobertura verde sem considerar suas condições locais só pode resultar em uma eficiência limitada na redução do aquecimento urbano. Em áreas urbanas densas com disponibilidade limitada de espaço, entender essas condições é crucial para criar uma estratégia eficaz.

Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento - Imagem 10 de 12
Poyma Embankment Park, de Basis architectural bureau. Imagem cortesia de Basis architectural bureau

Grandes áreas verdes são preferíveis para criar ilhas estáveis e frias, mas nem todas as cidades podem implementá-las. Estudos mostram que pequenos aglomerados de áreas verdes também podem ajudar a distribuir ar frio e reduzir significativamente o calor urbano. Distribuir pequenos espaços verdes em torno de ilhas maiores, como rios ou parques, também pode estender seus efeitos benéficos a uma área maior. O tipo de vegetação também é importante. As plantas retiram a água do solo e a evaporam lentamente através de suas folhas, diminuindo assim a temperatura do ar, um processo chamado evapotranspiração. As árvores são mais eficientes do que arbustos e gramíneas por causa de sua maior superfície foliar e sua capacidade de fornecer sombra.

Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento - Imagem 11 de 12
Madri, Espanha. Imagem cortesia de Daily Overview

Ruas Arborizadas

A geometria das ruas afeta o microclima de uma cidade de forma complexa. A sua largura e orientação determinam a exposição solar dos edifícios circundantes. Em climas quentes e secos, ruas estreitas são recomendadas para garantir o sombreamento adequado e evitar o superaquecimento. Por outro lado, ruas estreitas podem limitar o movimento do ar e atrapalhar os canais de ventilação natural, aspecto especialmente importante em climas úmidos. Em contraste, ruas mais largas permitem a circulação do vento, mas aumentam a quantidade de luz solar direta tanto no nível da rua quanto nos prédios ao redor. Plantar árvores ao longo das ruas pode compensar com eficiência alguns dos efeitos adversos da geometria das ruas. Recomenda-se uma copa de árvores cobrindo pelo menos 40% para neutralizar o efeito de aquecimento do asfalto.

Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento - Imagem 9 de 12
Redefinição do Small Wild Goose Pagoda Historical District, de AECOM. Imagem © Chill Shine

As áreas verdes nas cidades podem cumprir uma infinidade de papéis: podem se tornar espaços de interação social, recreação e lazer; podem fornecer habitat para a vida selvagem e aumentar a biodiversidade das cidades; a vegetação pode ajudar na redução do ruído e atuar como filtro da poluição, além de auxiliar no gerenciamento das águas pluviais e na regulação da temperatura. A professora associadoa Wan-Yu Shih, do Departamento de Planejamento Urbano e Gestão de Desastres da Universidade Ming-Chuan, em Taiwan, alerta, no entanto, que todas essas funções podem não coexistir. O planejamento estratégico é necessário para definir as funções mais impactantes que as áreas verdes podem desempenhar nas ações de adaptação do ambiente urbano aos desafios sociais e ambientais que enfrentam.

Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento - Imagem 3 de 12
Parque Linear Elevado Hyperlane, de ASPECT Studios. Imagem © Bing Lu

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Florian, Maria-Cristina. "Áreas verdes estratégicas: como aproveitar ao máximo seus efeitos de resfriamento" [Strategic Green Spaces: How to Make the Most of their Cooling Effects] 20 Ago 2022. ArchDaily Brasil. (Trad. Simões, Diogo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/986308/areas-verdes-estrategicas-como-aproveitar-ao-maximo-seus-efeitos-de-resfriamento> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.