"Mais tempo para desenvolver a criatividade": leitores opinam sobre automação na arquitetura

"Mais tempo para desenvolver a criatividade": leitores opinam sobre automação na arquitetura

Embora há alguns anos atrás a indústria da construção fosse considerada uma das mais atrasadas tecnologicamente, hoje podemos dizer que a automação na arquitetura está definitivamente aqui para ficar. 

o que eles entendem por automação na arquitetura (e como eles acham que isso afeta o processo de projeto). 

Depois de ler e compilar todos os comentários recebidos de profissionais da construção, estudantes e interessados em arquitetura, concordamos que um futuro sem humanos na construção é iminente. A automação será uma ferramenta para espaços mais eficientes e confortáveis, e nos dará mais tempo para desenvolver a criatividade e repensar sobre o que entendemos como autêntico e artesanal.

Abaixo, passamos pelos pontos de vista mais recorrentes:

El robot Spot en un sitio de construcción de Foster+Partners. Image Cortesía de Foster+Partners
El robot Spot en un sitio de construcción de Foster+Partners. Image Cortesía de Foster+Partners

Ponto de vista 1: Um futuro sem humanos?

Em poucas palavras, a inibição do humano na construção. Em muitas palavras, fazer da intervenção humana a menor possível, devido à nossa natureza inata de sermos menores em comparação com o que criamos. Se isso é um problema ou não é irrelevante, pois a evolução humana nos ensinou que isso e muitas outras coisas vão acontecer. A evolução, de toda a história humana, tenta facilitar as coisas para as pessoas, não fazer nada e ter tudo feito automaticamente é o sonho de muitos, mas até quando? Pensar e utilizar o futuro são apenas novas áreas com as quais os arquitetos devem começar a brincar, como o projeto paramétrico, o projeto evolutivo, a roda ou o fogo. - Nos conta um arquiteto da Colômbia.

Tudo o que pode ser automatizado deve ser. O tempo humano deve ser gasto na criação e no lazer. Penso que a discussão fundamental é econômica e, nesse sentido, é importante cuidar das fontes de trabalho em detrimento da acumulação. - diz um estudante da Argentina.

Minimod / MAPA. Imagem © Leonardo Finotti
Minimod / MAPA. Imagem © Leonardo Finotti

Ponto de vista 2: Uma ferramenta para o eficaz e confortável?

A automação afeta diretamente os processos de projeto e muitas de suas etapas, melhorando muito o conforto e a sustentabilidade do que se deseja projetar, otimizando os processos e os tempos dos materiais. - Comenta um profissional de arquitetura da Argentina.

A arquitetura como outras disciplinas que procuram atender a uma necessidade básica como é o caso da proteção contra agentes climáticos, sempre foi definida pela disponibilidade de elementos físicos, econômicos e tecnológicos em um determinado momento que procura atender a essa necessidade. A automação vem para contribuir como mais uma ferramenta neste objetivo. Seu papel final dependerá, como muitas vezes acontece, da acessibilidade e da transversalidade para contribuir nessa busca constante por ferramentas. - Um interessado na arquitetura do Chile.

Podemos dizer o CAD ou a inteligência BIM não são sistematização? Para mim são apenas ferramentas que me dão mais tempo para desenvolver a criatividade, reduzindo a parte irritante ou repetitiva do exercício da profissão, infelizmente não podemos dizer que isso tenha melhorado as condições de trabalho como seria de esperar de uma melhoria de produtividade como esta, ao contrário, parece que fazer mais em menos tempo e por menos dinheiro é a regra. Agora quando metade do mundo faz pequenos programas ou automatiza processos, parece que há uma relutância nos escritórios de arquitetura em mudar, também se acrescentarmos a desconexão com a academia que às vezes produz conhecimento relacionado a este assunto, por isso eu vejo uma adoção tardia de metodologias como o BIM. O que quero dizer é que, para mim, a automação como ferramenta só tem vantagens pela melhoria das condições de trabalho, sendo um suporte e assistência dentro dos projetos que podem nos levar a melhorar a qualidade de nosso desenho e, finalmente, uma oportunidade para o meio acadêmico fazer contribuições práticas a partir do conhecimento para melhorar a arquitetura. - Diz um arquiteto da Colômbia

TECLA, Hábitat Impreso 3D por WASP y Mario Cucinella Architects. Image Cortesía de WASP
TECLA, Hábitat Impreso 3D por WASP y Mario Cucinella Architects. Image Cortesía de WASP

Ponto de vista 3: Uma perda do único e do artesanal?

Em particular como arquiteto faz parte da minha ocupação lidar com as emoções e entendo que a arquitetura é um gatilho para melhorar a qualidade de vida das pessoas, por isso automatizar para mim é remover o artesanato de uma obra arquitetônica. Além disso a construção é fonte de trabalho para muitas pessoas, e automatizar a arquitetura me parece um processo que envolve mais quantidade e menos qualidade, para mim é muito importante ver a arquitetura como um produto sim, mas que em sua fabricação e seu uso se revele a qualidade emocional de todos os envolvidos. - Nos conta um arquiteto do México.

Com relação à impressão em 3D de edifícios completos, parece-me que ela se torna uma tarefa muito complexa que deveria ser simplificada e reduzida (por questões ambientais e de emissões) à menor quantidade possível de material. Penso que a arquitetura sofreria, porque exigiria muito mais tempo de programação e elaboração de planos complexos com software CAD/BIM ou plugins para impressão 3D. Parece-me que é uma complexificação desnecessária para processos de construção que, por natureza, já são suficientemente complexos. O tempo gasto poderia ser utilizado de forma mais eficiente em outras atividades relacionadas à arquitetura como tal e não à complexidade do processo de construção. Os tempos atuais exigem que se olhe para as técnicas tradicionais que têm sido historicamente sustentáveis por sua própria natureza e não por modas ou estratégias de mercado. - Um profissional da arquitetura nos escreve da Alemanha.

Na minha opinião, o termo automação, embora eu pense que possa estar relacionado à modulação na arquitetura, não seria o mesmo. A automação estaria ligada antes que tudo ao processo de construção e montagem onde a tecnologia, especialmente a máquina, desempenha um papel fundamental. Haveria uma independência em termos de concepção do edifício e mais do que no projeto, porém, como qualquer empresa automatizada como a automobilística, haveria modelos de edifícios que seriam replicados no território com o objetivo de que este processo atendesse ao seu propósito, de ser mais econômico, mais eficiente e, supostamente, menos poluente. Entretanto, acredito que a arquitetura é uma disciplina que dificilmente pode entrar no campo da automação, pois existem múltiplas variáveis que, atualmente, dificultam a existência de um conjunto de máquinas ou processos replicados em todo o mundo que possam fornecer tudo. Cada lugar é um novo cenário, novas condições e até mesmo materiais, que têm uma melhor relação com o meio ambiente, nem mesmo com o trabalho humano são levados em consideração. Seria necessário ter um processo ou a tecnologia autônoma do ser humano que de alguma forma consiga alimentar-se dos recursos e características de cada lugar, o que configura uma nova problemática, e a isso é necessário acrescentar os requisitos no projeto que o lugar sugere que em muitos casos são soluções únicas. Teríamos que nos perguntar, teríamos que criar um processo ou tecnologia autônoma para cada cenário específico que consiga atender às exigências do local e do projeto? Existe ou haverá um processo ou tecnologia capaz de cobrir múltiplas variáveis? Penso que no presente não é possível, mas no futuro, talvez seja. - Um estudante do Peru nos conta.

Este artigo é parte do Tópico do ArchDaily: Automação na arquitetura. Mensalmente, exploramos um tema específico através de artigos, entrevistas, notícias e projetos. Saiba mais sobre os tópicos mensais. Como sempre, o ArchDaily está aberto a contribuições de nossos leitores; se você quiser enviar um artigo ou projeto, entre em contato.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Dejtiar, Fabian. ""Mais tempo para desenvolver a criatividade": leitores opinam sobre automação na arquitetura" ["Es más tiempo para desarrollar la creatividad", nuestros lectores opinan sobre automatización en arquitectura] 25 Jul 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Daudén, Julia) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/964521/mais-tempo-para-desenvolver-a-criatividade-leitores-opinam-sobre-automacao-na-arquitetura> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.