Um país dividido: segregação e desigualdade urbana na África do Sul

Um país dividido: segregação e desigualdade urbana na África do Sul

A África do Sul é um país dinâmico e em constante evolução - que nos últimos anos viu o surgimento de marcos que alcançaram reconhecimento global. Na Cidade do Cabo, há a exclusiva fachada do Zeitz Museum of Contemporary Art Africa do Heatherwick Studio. Em Cabo Ocidental há a cobertura de concreto solta da Capela Bosjes, projetada por Steyn Studio. E, em um projeto revelado apenas no ano passado, está a Biblioteca Presidencial Thabo Mbeki em Joanesburgo, inspirada em um celeiro, projetada pelo vencedor da Medalha de Ouro Real RIBA em 2021, Sir David Adjaye.

© Johnny Miller© Johnny Miller© Johnny Miller© Johnny Miller+ 10

Esses marcos desempenham, ou vão desempenhar, um papel significativo na formação do futuro patrimônio arquitetônico da África do Sul. Coexistindo com eles, no entanto, está a desigualdade espacial que é uma característica de muitas cidades sul-africanas - uma desigualdade nascida dos legados deixados pelo governo racista do Apartheid da África do Sul. O apartheid, longe de ser um sistema apenas codificado por leis, também era estrutural. Cidadãos negros do país impedidos de acessar certos espaços e relegados a áreas residenciais chamadas de townships. Os planejadores urbanos do regime do apartheid buscaram segregar as cidades da África do Sul em linhas raciais - e esses legados continuam sendo uma parte intrínseca do tecido urbano sul-africano.

Msawawa e Cedar Creek, Joanesburgo. Imagem © Johnny Miller
Msawawa e Cedar Creek, Joanesburgo. Imagem © Johnny Miller

Em nenhum lugar essa divisão é mais aparente do que na movimentada metrópole que é Joanesburgo. Maior economia municipal do país, foi fundada como cidade de mineração após a descoberta do ouro. Hoje, é o centro econômico da África do Sul, sua população é complementada por pessoas atraídas por ela de outras cidades sul-africanas e migrantes de outros países africanos. Enquanto os negros eram empurrados para o sul da cidade - para as vilas, os brancos proprietários das minas construíam mansões que se transformaram nos subúrbios ricos que existem hoje em Joanesburgo. Muitas vezes, essa desigualdade é visível em um sentido muito literal, como o subúrbio de Primrose a leste de Joanesburgo sobreposto ao assentamento informal adjacente de Makause. As famílias negras têm menos probabilidade de viver em subúrbios de classe média, e o número de negros que moram em subúrbios antes brancos permanece baixo.

Há uma razão para esse ritmo glacial de mudança. Joanesburgo é um microcosmo da África do Sul. O Banco Mundial disse em maio de 2018 que a África do Sul continua sendo o país economicamente mais desigual do mundo. Os níveis de pobreza são mais altos entre os negros. Os brancos constituem a maioria da elite ou os primeiros 5% da população. Daí a persistência da segregação espacial. - Justice Malala, jornalista sul-africana

Mais ao sul de Joanesburgo, na cidade costeira da Cidade do Cabo, um legado marcante da destruição urbana causada pelo Apartheid é o Distrito Seis. Estabelecida em 1867 como uma comunidade diversificada de mercadores, artesãos, escravos libertos, trabalhadores e imigrantes, a área era um centro vibrante com ligações estreitas à cidade e ao porto. No início do século XX, começou a marginalização de seus moradores. Os negros foram deslocados à força em 1901, e o governo do Apartheid a declarou uma área somente para brancos em 1966. As demolições ocorreram depois disso, com mais de 60.000 pessoas forçadas a se mudar para Cape Flats, cujas casas foram demolidas pelo governo.

Visão aérea Distrito Seis. Imagem © Johnny Miller
Visão aérea Distrito Seis. Imagem © Johnny Miller

Hoje, o Distrito Seis existe como uma coleção de terrenos baldios, com entulho ainda presente e os contornos visíveis do que costumavam ser ruas da cidade. Seus ex-moradores conseguiram lutar contra o empreendimento privado - alguns deles até conseguiram retornar às terras que antes possuíam. O contraste entre o Distrito Seis e o Centro da Cidade do Cabo, no entanto, não poderia ser mais claro. O Museu do Distrito Seis, ao fazer um brainstorming de uma visão para o futuro da área, vê a restituição de terras como uma oportunidade para o desenvolvimento da área como um patrimônio cultural, e olha para a regeneração urbana como um método para melhor integrar a economia do Distrito Seis com a da Cidade do Cabo.

Distrito Seis. Imagem © Johnny Miller
Distrito Seis. Imagem © Johnny Miller
Distrito Seis. Imagem © Johnny Miller
Distrito Seis. Imagem © Johnny Miller

Joanesburgo e o Distrito Seis na Cidade do Cabo servem como um microcosmo da desigualdade espacial urbana que existe na África do Sul. Uma desigualdade que só existe na África do Sul contemporânea devido à arquitetura opressora do governo do Apartheid. Essa desigualdade molda onde os edifícios são construídos, onde as pessoas querem morar e onde os fundos públicos são alocados. Longe de existirem isoladas, as desigualdades presentes nas cidades em que vivemos são, sem dúvida, moldadas pelo seu passado.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Maganga, Matthew. "Um país dividido: segregação e desigualdade urbana na África do Sul" [Divided: Urban Inequality in South Africa] 31 Mai 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/961944/um-pais-dividido-segregacao-e-desigualdade-urbana-na-africa-do-sul> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.