Husos Architects: “Não queremos contribuir para a homogeneização do mundo que nos rodeia”

Husos Architects: “Não queremos contribuir para a homogeneização do mundo que nos rodeia”

A obra da Husos Architects avança num diálogo contínuo entre o projeto e a investigação. Fundado em 2003 entre a Espanha e a Colômbia, o escritório de arquitetura e urbanismo se destaca por abordar diferentes escalas, do micro ao global, respondendo às necessidades de usuários específicos, mas tecendo profundas redes contextuais com o meio ambiente e além. Como eles abordam efetivamente essa complexidade, por sua vez promovendo a transformação social? Conversamos com Diego Barajas e Camilo García Barona sobre seus processos de abordagem de usuários e outros agentes envolvidos –não apenas humanos–, sobre como abordam a colonização da biosfera que causou as mudanças climáticas e sobre sua investigação sobre o ativismo a partir de uma série de campos de batalha habitualmente negligenciados nos discursos tradicionais da arquitetura.

Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image © Luis Díaz Díaz
Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image © Luis Díaz Díaz

José Tomás Franco (ArchDaily): Ao analisar sua obra, noto uma preocupação especial em observar e compreender profundamente as pessoas que vão habitar o espaço projetado, buscando obter o máximo de informações possível para então alimentar o projeto. Como funciona o processo de aproximação e conexão com o usuário?

Husos Architects
:

Para nós, uma parte central do processo projetual consiste em nos aproximarmos das diferentes realidades ligadas aos contextos em que trabalhamos. Isso inclui os usuários e outros agentes envolvidos em um projeto de arquitetura que, é claro, não são apenas humanos, mas também outros seres sencientes. Podem ser de um grupo de artesãs, de migrantes endividados, de médico que atende no pronto-socorro, de empregadas domésticas ou de insetos e pássaros que habitam áreas antropizadas.

Como é o seu dia a dia? Que tipo de dinâmica define suas interações com o mundo? Existem realidades negligenciadas subjacentes à sua vida cotidiana? Como a arquitetura pode ser posicionada contra eles, por exemplo, em termos de dar-lhes lugar e representação? Dependendo do projeto e dos agentes envolvidos, esse trabalho de reconhecimento se dá de muitas maneiras diferentes - seja um livro, o projeto de uma casa ou um abrigo para morcegos. Fazer essas perguntas a nós mesmos costuma ser recorrente nos processos de design que realizamos. Essas são questões nas quais geralmente trabalhamos em conjunto com futuros usuários. Um exercício central para nós nesta abordagem é ouvir.

Em todo o nosso trabalho, mas talvez especialmente nesses processos de reaproximação, também temos sido acompanhados por diferentes correntes de pensamento não hegemônicas; por exemplo, pensamento descolonial e anti-racista, feminismos sulistas, anti-especismo e marxismos heterodoxos. Por que essas correntes? Para nós têm sido formas de explorar o subalterno que habita cada um e talvez exorcizar o nosso.

O pensamento feminista fala sobre como esse reconhecimento (por exemplo, o contexto, os usuários e outros agentes envolvidos, seguindo sua pergunta) nunca é feito do vácuo e, portanto, nunca é objetivo. Quando projetamos, qual é o nosso lugar de fala? A filósofa e ativista negra brasileira Djamila Ribeiro nos perguntaria. As próprias realidades sociais que nos atravessam diariamente como sujeitos têm sido parceiras que têm permeado o nosso olhar e o nosso trabalho como arquitetos. No nosso caso, são realidades que marcaram experiências frequentemente divergentes. Essa divergência está ligada, por exemplo, ao fato de habitar corpos whitinos, lidos como masculinos, com acesso a uma educação privilegiada, ao mesmo tempo que os migrantes norte-andinos na Espanha, e como sujeitos racializados do cotidiano, principalmente devido ao origem do nosso sotaque, e por não seguirmos a heteronorma, acabamos duplamente inferiorizados com bastante frequência. O resultado da soma desses fatores no nosso caso, tem gerado experiências muito diferentes ao longo dos anos e até radicalmente opostas, dependendo do contexto e à frente de quem nos encontramos. Essas experiências nos ensinaram como as relações de poder e subordinação são em parte relativas e são construídas de acordo com certas engrenagens relacionais e o imaginário específico envolvido.

Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image © Impresiones cotidianas
Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image © Impresiones cotidianas

São lições que nos marcaram e que foram incorporadas ao nosso processo projetual. Nisso, reconhecer essa engrenagem relacional e sua complexidade nas realidades que estamos abordando também tem sido, há anos, algo muito importante. Por exemplo, no desenho da “Cabana (sinantro) amor, morada do tele (trabalho), havia pelo menos duas esferas relacionais que nos interessava explorar com especial atenção. Por um lado, existiam as micro-realidades de um lar migrante e não heteronormativo (neste caso de que fazemos parte), num contexto onde os lares tradicionais, pelo menos na aparência, parecem hegemónicos, e onde a arquitetura parece responder apenas a um tipo de família e a um tipo de sujeito heterossexual e ocidental. Ao mesmo tempo, para além da relação assimétrica deste agregado familiar em relação a outros agregados familiares do mesmo tipo, vimos ser igualmente necessário investigar a sua posição de poder - bem como a de todas as pessoas que estiveram envolvidas neste projeto, seja como habitantes, como arquitetos, etc. - em comparação com outras espécies desta floresta urbanizada e em relação à natureza em geral, como membros de uma espécie indiscutivelmente dominante à escala planetária.

Diante de todas essas questões, não vemos nossos projetos como soluções, mas sim como laboratórios; aproximações imperfeitas e incompletas que nos permitem enfrentar certos problemas.

Cotidianeidades Doméstico Productivas (2011) Fotogramas de video-entrevistas: Husos. Image Cortesía de Husos
Cotidianeidades Doméstico Productivas (2011) Fotogramas de video-entrevistas: Husos. Image Cortesía de Husos

JTF: Então, como conseguem que um projeto específico adequado para uma determinada pessoa, no futuro, possa ser habitado por alguém - quiçá - completamente diferente?

HA: Uma parte elementar do nosso trabalho consiste em projetar espaços específicos, sendo ao mesmo tempo flexível e aberto ao indeterminado. Ou seja, espaços capazes de responder a realidades muito específicas e, ao mesmo tempo, a uma diversidade de especificidades, usuários e mudanças vitais ao longo do tempo.

A busca que fazemos desta característica dual, tanto da máxima singularidade como da flexibilidade, realizamos através de respostas espaciais que, mesmo referindo-se a realidades específicas, são capazes de conter muitos significados. Um exemplo disso pode ser o trabalho que fizemos em uma cápsula-espaço na sala do projeto “Um homem, seu bulldog, uma horta e a casa que compartilham. É verdade que este projeto foi originalmente pensado como um espaço que respondia a outras formas de sexualidade não heteronormativa em casa, mas também era interessante que pudesse eventualmente funcionar de muitas outras maneiras. Por exemplo, como quarto de hóspedes para este apartamento de apenas 46 m², como espaço para cochilos, como tela de cinema, como cama de casal-chaise longue para leitura ou como extensão da sala de estar, como local para construir outro corpo relações com mulheres visitas. É um espaço suave, forrado a um tecido cinza suave com uma capa mutável, e que à noite, pode ser iluminado com uma luz branca quente tradicional ou com uma peça que fizemos a partir de uma peneira de cozinha rosa que tinge ao espaço desta cor. Esta última é uma luminária amovível, com a qual pode até redesenhar a atmosfera da cápsula de uma forma muito simples, trocando o filtro por um mesmo mas de cor diferente. Após três anos de utilizações muito diversas, podemos afirmar que este espaço poderá servir a muitos lares diferentes. Um casal disse-nos que o acharam muito útil como um espaço híbrido para dormir e brincar para o bebê.

Para nós, trata-se de conceber espaços abertos a mudanças e interpretações diversas, mas também contra os quais aceitamos e temos consciência dos seus limites e peculiaridades. Digamos que as entendamos não como soluções genéricas e fotocopiáveis ​​em sua totalidade, mas como respostas singulares construídas ao lado de muitas singularidades em uma paisagem diversa.

Claro, eles podem ter componentes repetíveis dependendo de quais casos. Por exemplo, pensemos não apenas nesta cápsula, mas também no sistema de reciclagem de água do chuveiro deste projeto, que alimenta as plantas de um jardim bioclimático, que sem dúvida seria interessante de implementar em muitas outras casas. No entanto, o projeto completo, que responde a uma situação e local específicos, dificilmente seria repetível. O que uniria então os diferentes projetos seria a busca de métodos de trabalho que atendessem ao específico.

Un chico, un bulldog, un huerto y la casa que comparten (2017). Image © José Hevia
Un chico, un bulldog, un huerto y la casa que comparten (2017). Image © José Hevia

Na arquitetura, a ideia de que um projeto 'neutro' e mais ou menos 'genérico' é o ideal está profundamente enraizada, pois se pensa que pode acomodar inúmeros usuários e diversas situações. Dada essa ideia, poderíamos primeiro lembrar que o 'neutro' é uma ficção construída socialmente. Todos os espaços de uma forma ou de outra são específicos e condicionam determinados comportamentos e imaginários. Um exemplo é o cubo branco do museu, sobre o qual muito se escreveu. É um espaço que muitas vezes foi considerado neutro, quando na realidade não o é. Pensemos nas reflexões de Brian O'Doherty a esse respeito.

Em segundo lugar, o fato de que certos espaços acomodam situações infinitas em termos quantitativos muitas vezes acarreta uma grande penalidade em termos qualitativos. Seu triunfo tem a ver em grande parte com a lógica do mercado, que faz com que os espaços tenham mais importância pela sua capacidade ilimitada de compra e venda do que pela sua capacidade de atender à multiplicidade de realidades que ocorrem em um no dia-a-dia. Também nos parece muito importante não promover a homogeneização espacial do mundo ao nosso redor a partir de nossa prática.

JTF: Seu trabalho parece ultrapassar constantemente os limites da arquitetura, valendo-se do conhecimento de outras disciplinas. Quão importante é a multidisciplinaridade para você? Os arquitetos pecam ao serem ensimesmados demais?

HA:

Os problemas que enfrentamos em um processo projetual não são compartimentados em disciplinas. Mesmo em um trabalho prototípico de nossa profissão, como projetar uma casa, há uma infinidade de diversas realidades interligadas. Como fingir cuidar deles sem conhecê-los e relacioná-los? Só o diálogo entre diferentes saberes permite abordar de forma ampla as diferentes dimensões de uma intervenção espacial.

Nesta relação entre saberes, parece-nos muito importante reposicionar os saberes tradicionais da arquitetura; veja até que ponto e de que forma estes podem ser colocados em diálogo com outros conhecimentos disciplinares e não disciplinares, por exemplo, com filosofia, botânica ou jardinagem. Também nos parece importante estarmos cientes de que o multi e transdisciplinar está se convertendo em mainstream e aos poucos vai se posicionando como mais uma ferramenta dos atuais sistemas de poder em sua organização do mundo. Do nosso ponto de vista, o que é verdadeiramente transgressivo não consiste em ser multi ou transdisciplinar, mas em como somos capazes de ativar esse enxame de conhecimentos para tornar nossas práticas práticas de transformação social.

Edificio jardín hospedero y nectarífero para mariposas de Cali (2005). Image © Diego Barajas
Edificio jardín hospedero y nectarífero para mariposas de Cali (2005). Image © Diego Barajas

JTF: Materiais tradicionais, novas tecnologias ou uma mistura de ambos? Como vocês selecionam os materiais em seus projetos e como eles influenciam na sua estética e funcionalidade?

HA: O problema material da arquitetura hoje é tão central quanto o do consumo de energia, duas questões intimamente relacionadas. Lembremos que, de acordo com diversos estudos, 50% de todas as matérias-primas extraídas do planeta são consumidas pelo setor da construção.

Nesse sentido, parece necessário manter uma visão divergente do mundo da matéria. Por exemplo, na “ Cabana (sinantro) amor, morada do tele (trabalho)", a fibra óptica da internet foi tão importante quanto a madeira utilizada, –de florestas manejadas com responsabilidade–, para compor o caráter ambiental do projeto. Permitiu-nos conceber os espaços de forma a que, apesar da reduzida dimensão da cabina, fossem adequados na sua utilização diária, para teletrabalho a dois, evitando assim as deslocações diárias e os respectivos gastos significativos de energia que estas implicam.

Além disso, parece-nos essencial avaliar os materiais de um ponto de vista econômico amplo; isto é, levando em consideração não apenas seu custo monetário, mas também outras economias, muitas vezes submersas, no processo. Por exemplo, ao nível do custo do seu impacto ambiental ao longo do seu ciclo de vida, desde a sua extração à utilização, e do seu impacto social ligado à força de trabalho envolvida.

Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image © Impresiones cotidianas
Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image © Impresiones cotidianas

Há também um componente social particularmente relevante em certos materiais que requerem cuidados, por exemplo, aqueles compostos por vegetação, que exploramos há quase vinte anos por meio de diversos projetos que incluem ações de micro paisagismo. É algo que começamos a trabalhar no “Protótipo Bioclimático de Edifício Jardim", em Cali, em conjunto com uma comunidade de vizinhos. Neste projeto, a membrana de plantas comestíveis para alguns insetos que compõe a fachada teve implicações não só ambientais, ou no comportamento térmico do espaço, mas também sociais. Através dos trabalhos de jardinagem, esta membrana foi um elemento que contribuiu para a construção e consolidação de afetos, e para fomentar o sentido de comunidade entre os trabalhadores da oficina que aí teve a sua sede há mais de uma década.

Edificio jardín hospedero y nectarífero para mariposas de Cali (2005). Image © Manuel Salinas
Edificio jardín hospedero y nectarífero para mariposas de Cali (2005). Image © Manuel Salinas

Quanto à sua pergunta sobre estética, é verdade que os materiais contêm imaginários sociais que devemos levar em consideração. Por exemplo, só porque um material é mais amigo do ambiente não significa que seja automaticamente desejável, mesmo para habitantes sensíveis às questões ambientais. Durante o processo de projeto, é muito importante para nós trabalharmos junto com os futuros usuários de um projeto e isso inclui suas imagens estéticas.

Uma questão que investigamos em diferentes projetos tem sido como ativar objetos de desejo a partir de materiais e componentes arquitetônicos que muitas vezes são indesejáveis ​​no imaginário social. Abordamos isso, por exemplo, no projeto de instalações de tubos e filtros para reciclar água em projetos não construídos, como o “Refúgio Multiespécies” (2013) ou o “Edifício para um campus eco-social” (2014), e que finalmente pudemos materializar em "Um homem, um buldogue, um jardim e a casa que eles compartilham". São instalações que muitas vezes são percebidas como “objetos feios” para se esconder e que, em vez disso, tentamos reinventar mais como micropaisagens do desejo de uma possível era futura sustentável que obviamente não é a atual.

Refugio multiespecies – maqueta (2013). Image © Impresiones cotidianas
Refugio multiespecies – maqueta (2013). Image © Impresiones cotidianas

JTF: Na sua obra, as respostas às necessidades dos usuários parecem se configurar por meio de micro-objetos e espaços domésticos reformulados (substituídos, eliminados, destacados, transformáveis ​​...), poderíamos dizer que essa é a sua metodologia de trabalho? De onde veio e quão eficaz tem sido até agora?

HA: Nosso cotidiano se dá em lugares diversos, alguns muitas vezes desvalorizados pelo tamanho, mas com grande potencial e relevância na construção de nossa subjetividade e de uma vida em comum. Vamos pensar, por exemplo, na cama como um lugar para estar. É um espaço que não só é frequentemente subutilizado, como também é termicamente ineficiente e desconfortável. É um lugar que tem sido compreendido a partir de lógicas primordialmente reprodutivas vinculadas aos lares normativos, e até mesmo um espaço geralmente medíocre, levando em consideração seu uso primário como local de descanso.

Há alguns anos temos investigado em diferentes projetos outras formas de entender a cama, como um lugar social, como um lugar para outras sexualidades não normativas, como um dispositivo transformável ou como um ninho térmico economizador de energia e ao mesmo tempo máximo. conforto atmosférico.

É uma investigação que realizamos, por exemplo, em projetos como a "Cabana (sinantro) amor, morada do tele (trabalho)", em "Um homem, seu bulldog, uma horta e a casa que compartilham" e em "Um chão em movimento" (2020), um projeto para o músico e intérprete El Niño de Elche.

Un piso mudante (2020). Image Cortesía de Husos
Un piso mudante (2020). Image Cortesía de Husos

JTF: O que é sustentabilidade para você e como ela é efetivamente alcançada em seus projetos?

HA: Há dois aspectos da atual emergência climática que acreditamos serem igualmente importantes. A primeira consiste em compreender que a crise ambiental está interligada a realidades múltiplas e muito diversas do dia a dia. Na verdade, é uma composição de muitas realidades. Isso significa, para nós, que não pode ser tratada apenas como uma “questão ambiental técnica”, mas envolve, por exemplo, desejos correspondentes a imaginários do que se entende por progresso, ou mesmo por beleza, com os quais concordamos ou não, mas em qualquer caso, acreditamos que devemos levar em conta ao projetar. Isso é algo que investigamos em alguns projetos como o “Edifício Nectarífero e hospedeiro” em relação a áreas como a moda ou experiências aparentemente banais como compras. Assim, a crise ambiental, do nosso ponto de vista, deve ser abordada de uma perspectiva ampla e entendida em sua relação com um conjunto de aspectos do nosso cotidiano.

A segunda consiste em compreender que o nosso impacto no clima foi, em parte, produto de uma série de relações assimétricas de poder e que estas foram extremamente decisivas na nossa construção como sociedade. São relações que envolveram não apenas dominação e violência contra a natureza, mas também contra membros de nossa própria espécie.

Por exemplo, poderíamos pensar na dinâmica extrativista de colonização e dominação de territórios em várias partes do mundo e na transformação de seus climas, fenômeno que perdura até os dias de hoje. Esses processos envolveram a subjugação de outras espécies sencientes, como muitos animais não humanos e as comunidades humanas ligadas a esses territórios. Também incluíram lutas de classes e outras formas de violência muitas vezes contra grupos tradicionalmente considerados subordinados, como pessoas racializadas, mulheres ou pessoas com sexualidades não heteronormativas, entre outros. A conquista da América, a desumanização dos povos indígenas e escravos africanos e a imposição de uma nova ordem sexual, um modelo absolutista de sexualidade procriadora entre os colonizados, aconteceram ao mesmo tempo em que os recursos naturais eram expropriados e transformavam o clima. Esses são exemplos claros de como esse entrelaçamento de opressões foi realizado historicamente, como diriam algumas lésbicas feministas afro-caribenhas. Esses processos colonizadores externos e internos continuam até hoje.

Do nosso ponto de vista, para enfrentar a colonização da biosfera que causou as mudanças climáticas, não devemos apenas mitigar suas consequências ou nos adaptar a ela. Devemos também ir às raízes desse fenômeno para ver que tipo de dinâmicas têm gerado diferentes formas de colonização e violência, seja ligada ao natural, entre espécies, ou ao social, relacionado a raça, gênero, classe, entre outras opressões. Digamos que só podemos desenvolver uma nova relação com o meio ambiente e com a natureza trabalhando a partir desse entrelaçamento de opressões.

É justamente essa imbricação que tentamos abordar em nossos projetos, por meio da busca do que chamamos de arquiteturas entrelaçadas (Conferência de Husos na Universidade de Columbia, GSAPP, 5 de abril de 2019), que nos permitem explorar certas formas de cura do que é social e natural, e imagine outros futuros para alguns menos dolorosos e talvez para todos muito mais agradáveis.

Por exemplo, na “Cabana (sinantro) amor, morada do tele (trabalho)”, investigamos essa ideia de arquiteturas entrelaçadas, por meio de montagens amorosas entre diferentes corpos abjetos, pertencentes a humanos e animais não humanos. Aqui, como em "Um homem, um buldogue, uma horta e a casa que eles compartilham", as questões de gênero e espécie não são tratadas separadamente, mas em conjunto.

Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image © Luis Díaz Díaz
Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image © Luis Díaz Díaz

JTF: Ao trabalhar em reformas, como funciona o processo de identificação das deficiências do projeto existente?

HA

Estamos especialmente interessados ​​em trabalhar em reabilitações porque se trata de dar um novo uso e sentido às estruturas existentes, que possam contribuir para cuidar e enriquecer um património material já existente e que quase só porque está disponível tem valor, ao mesmo tempo dando lugar a outras realidades que carecem de espaço. Para começar, parece necessário indagar sobre aqueles valores e potenciais ambientais e sociais que qualquer pré-existência pode conter antes de se intervir, pois isso nos confronta com a questão de se devemos ou não, antes mesmo de nos perguntarmos como para fazer isso; e no caso de intervir, faça-o na perspectiva do cuidado, intervindo apenas o que for necessário.

Bathyard Home (2016). Image © Imagen subliminal
Bathyard Home (2016). Image © Imagen subliminal

Tendo em vista que o conceito de clima é central para a arquitetura, passamos anos investigando uma visão mais ampla dela, no que chamamos de arquitetura sócio-bioclimática, ou seja, entendendo nossa prática como cuidadora de climas ambientais, mas também dos climas sociais que se movem pelos espaços que habitamos. Costumamos estudar as estruturas pré-existentes nas quais vamos trabalhar em uma chave sócio-bioclimática. Por exemplo, na “Bathyard Home” (2016), sem tocar na estrutura e limitar a demolição a algumas divisórias, pudemos aproveitar uma pequena janela para um pátio de luzes deste edifício, para dar um novo sul orientação para uma casa antes ampla mas escura, proporcionando-lhe também um novo espaço social e luz natural à volta da casa de banho. E é que nas nossas conversas com esta família, descobrimos que na casa anterior, o espaço de banho, normalmente considerado secundário, era o que os aproximava diariamente, simultaneamente ao banho, à escovar os dentes, à maquiagem, às conversas todas as manhãs, lembrando que eles tinham pouco tempo para se encontrarem. Foi uma intervenção mínima que nos permitiu repensar também a relação entre as casas interiores de Madrid e os pátios luminosos, tão característicos aqui.

JTF: Como você faz um pequeno trabalho ter repercussões em grande escala no seu contexto? De onde vem essa pesquisa?

HA:

Estejamos ou não cientes disso, qualquer projeto, por menor que seja, é atravessado por uma multiplicidade de realidades que operam em diferentes escalas e por meios muito diversos. Pensemos, por exemplo, novamente no espaço do banheiro, mas desta vez nos vastos territórios da água que nele se mobilizam. Temos interesse em trabalhar conscientemente com essa interdependência, explorando as responsabilidades e possibilidades que ela acarreta.

Dispersion - A Study of Global Mobility and the Dynamics of a Fictional Urbanism, Episode Publishers, Rotterdam, 2003. Image Cortesía de Husos
Dispersion - A Study of Global Mobility and the Dynamics of a Fictional Urbanism, Episode Publishers, Rotterdam, 2003. Image Cortesía de Husos

Essa abordagem multiescala e multimídia da arquitetura, que uma vez chamamos de "dispersa", começou em 2000 por meio de um livro que escrevemos chamado “Dispersión, A Study of Global Mobility and the Dynamics of a Fictional Urbanism” (Episode publishers, Rotterdam, 2002). Partindo de uma abordagem heterodoxa do urbanismo, neste livro revisamos aqueles ambientes urbanos formados informalmente na cidade de Rotterdam, que não se configuravam por meio de ruas e praças, mas sim de pequenos interiores decorados, cabines telefônicas e relações afetivas. Era um urbanismo composto por meios muito diversos que ligava diferentes partes do mundo onde residiam comunidades de diásporas cabo-verdianas africanas, entre outras. Em vez de analisar o urbanismo migrante a partir de suas deficiências, o fizemos a partir das visões futurísticas que eles nos sugeriram. Passados ​​quase 20 anos, em que a interescalaridade e a intermodalidade se inscrevem no nosso imaginário disciplinar, acreditamos que os dispersos urbanismos cabo-verdianos que então estudávamos confirmaram o seu grande potencial.

Dispersion - A Study of Global Mobility and the Dynamics of a Fictional Urbanism, Episode Publishers, Rotterdam, 2003. Image Cortesía de Husos
Dispersion - A Study of Global Mobility and the Dynamics of a Fictional Urbanism, Episode Publishers, Rotterdam, 2003. Image Cortesía de Husos

Conforme migramos de Rotterdam a Madrid em 2003, continuamos a explorar esses urbanismos dispersos e seus potenciais por meio de outras comunidades tradicionalmente não consideradas em estudos urbanos. Um era o urbanismo transnacional dos gays ursos, do qual costumávamos participar. Foram reveladores para a arquitetura, entre outros motivos, na medida em que questionaram conceitos urbanos básicos como o espaço público. Por exemplo, as configurações espaciais e atmosféricas em torno de algumas discotecas geraram formas surpreendentes de interação dentro da comunidade de ursos e entre ela e outras tribos urbanas. Eram configurações espaciais que se articulavam por meio de lugares como salões de festas e espaços virtuais como páginas web como bearwww.com para flertar (Un lugar bajo el sol, N. Aramburu ed. CCEBA, 2008). Clássicos como o livro Queer space de Aaron Betsky (1997) ou o trabalho de Jan Kapsenberg com Bart Lootsma no Berlage Institute (2000) foram referências pioneiras nessas pesquisas. Naquela época, eram temas dos quais poucos exemplos eram encontrados na arquitetura.

Dispersed Bears Urbanisms (2006). Image Cortesía de Husos
Dispersed Bears Urbanisms (2006). Image Cortesía de Husos

JTF: Quão política é sua arquitetura? Quanto poder a arquitetura tem hoje para transmitir uma mensagem, fazer uma declaração de princípios e / ou quebrar paradigmas?

HA

A arquitetura tem um potencial transformador especial por estar inserida no nosso dia-a-dia, aquela área que, como diria Lefebvre, é aquela onde depositamos nossos sonhos, nossos desejos e também nossas insatisfações. É também aquele ambiente político imediato a partir do qual podemos transformar a realidade.

Há anos trabalhamos em locais do político que não eram tradicionalmente considerados como tal, como lojas de roupas, camas, banheiros, desfiles de moda, cabines telefônicas, arquitetura para animais não humanos, filtros de água, feiras de habitação ou imobiliárias . Sem excluir outros, interessa-nos investigar os ativismos desses campos de batalha, justamente porque eles foram amplamente negligenciados nos discursos tradicionais da arquitetura e do urbanismo, e imaginar por meio deles possibilidades reais de reinvenção.

Revise a obra de Husos Architects.

Edificio jardín hospedero y nectarífero para mariposas de Cali (2005). Image © Diego Barajas
Edificio jardín hospedero y nectarífero para mariposas de Cali (2005). Image © Diego Barajas
Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image Cortesía de Husos
Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image Cortesía de Husos
Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image Cortesía de Husos
Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image Cortesía de Husos
Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image © Impresiones cotidianas
Cabaña del (sinantro)amor, morada del (tele)trabajo (2020). Image © Impresiones cotidianas

Links de Interesse

Sobre este autor
Cita: Franco, José Tomás. "Husos Architects: “Não queremos contribuir para a homogeneização do mundo que nos rodeia”" [Husos Architects: "No queremos contribuir a la homogeneización del mundo que nos rodea"] 21 Mar 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/958662/husos-architects-nao-queremos-contribuir-para-a-homogeneizacao-do-mundo-que-nos-rodeia> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nossoCanal de YouTube

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.