Como o brutalismo chega na década que se inicia?

Como o brutalismo chega na década que se inicia?

Residência Ha Long / VTN Architects. Fotografia: © Hiroyuki OkiVoid Garden / TAOA. Fotografia: © Lei TaoSala de Concertos Blaibach / peter haimerl.architektur. Fotografia: © NAAROMuseu de História Natural Yingliang Stone / Atelier Alter Architects. Fotografia cortesia de Atelier Alter Architects+ 17

"A imagem proporcionada pelo Brutalismo, uma arquitetura de extremos sensuais, é frequentemente uma experiência extraordinária e desconhecida para o explorador da cidade. Pode haver algo agressivo e um vocabulário arrojado (...) na paleta expressiva que exibe a verdade de seus materiais e um desdém pelo frívolo". Assim Simon Phipps [1] descreve a sedução que as obras brutalistas sustentam perante nós até hoje. No entanto, o que define pensar essas arquiteturas em 2021?

Museu de arte contemporânea de Taizhou / Atelier Deshaus. Fotografia: © Tian Fangfang
Museu de arte contemporânea de Taizhou / Atelier Deshaus. Fotografia: © Tian Fangfang

O brutalismo tem sua origem nas obras de Le Corbusier que aconteceram após a II Guerra Mundial, meados de 1950, quando ele passou a explorar as possibilidades plásticas do concreto e o manteve aparente - o "béton brut", que pode ser traduzido como “concreto bruto” e origina o nome designativo do termo. A partir daí, surgem diversas interpretações para a forma como esta técnica é aplicada aos projetos, passando pelo Novo Brutalismo Britânico até a expansão do que se pensa como um "estilo" brutalista.

Sala de Concertos Blaibach / peter haimerl.architektur. Fotografia: © NAARO
Sala de Concertos Blaibach / peter haimerl.architektur. Fotografia: © NAARO

Como nos lembra Ruth Verde Zein [2], a única linha que forma um possível conjunto entre todas essas obras é seu "aspecto externo e superficial". Ela recorre à fala de William Curtis de que “o cliché dessa arquitetura era a superfície de concreto armado aparente, conseguida com a ajuda de fôrmas de madeira bruta”, embora a arquiteta considere que isso seja "muito pouco para configurar uma tendência, muito menos um estilo, já que nem mesmo esse requisito é fixo, havendo confirmadas obras ditas brutalistas, por exemplo, em alvenaria de tijolos".

Zein conclui que apesar das diferenças conceituais, um conjunto de obras brutalistas pode ser definido pelas características formais e superficiais. Isto pode explicar o motivo pelo qual no imaginário coletivo, ao pensar no brutalismo, associamos a ele automaticamente a imagem de um edifício de concreto aparente, um material que segue como um dos preferidos entre os arquitetos. No entanto, diante deste cenário surge uma questão: se o brutalismo fez do concreto um fetiche para muitos profissionais, como estes seguem seduzidos por um material que na última década foi um dos principais poluidores do mundo? 

Casa Ponte e Torre de Observação / TAO - Trace Architecture Office. Fotografia: © Hao Chen
Casa Ponte e Torre de Observação / TAO - Trace Architecture Office. Fotografia: © Hao Chen
Reabilitação de uma casa unifamiliar em Miraflores / fuertespenedo arquitectos. Fotografia: © Héctor Santos-Díez
Reabilitação de uma casa unifamiliar em Miraflores / fuertespenedo arquitectos. Fotografia: © Héctor Santos-Díez

Lucy Rodgers já afirmou que "se a indústria do cimento fosse um país, seria o terceiro maior emissor de CO2 do mundo - atrás apenas da China e dos EUA" e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente descobriu que em 2012, o mundo usou concreto suficiente para construir uma parede ao redor da Linha do Equador com 27 metros de altura e 27 metros de espessura.

Esses números assustadores ainda não impedem o uso do material na atualidade, diariamente nos deparamos com exemplos contemporâneos que adotam o concreto em sua forma bruta, afinal suas qualidades estruturais e plasticidade são apenas algumas das qualidades citadas por aqueles que optam por seu uso.

Um dos fatores que se destacam na defesa dos projetos atuais ressalta o fato de se tratar de um material que não demanda muita manutenção e que expressa a passagem do tempo no objeto construído.

Casa 5 Vigas / Gubbins-Polidura. Fotografia: © Sergio Pirrone
Casa 5 Vigas / Gubbins-Polidura. Fotografia: © Sergio Pirrone
Museu e Entrada da Indústria Perlífera / Valerio Olgiati. Fotografia cortesia de Archive Olgiati.
Museu e Entrada da Indústria Perlífera / Valerio Olgiati. Fotografia cortesia de Archive Olgiati.

A versatilidade que o concreto permite também não é esquecida. De acordo com a cofragem que for realizada existe uma possibilidade infinita de texturas a serem criadas, permitindo a inserção de um ritmo distinto nas superfícies e a criação de diferentes atmosferas que podem resultar num interessante jogo de luz e sombra.

Além disso, sua aparência é lida como "neutra", uma vez que ela possibilita que outros elementos sejam enfatizados: o mobiliário, o jogo de luzes e sombras, uma obra de arte ou o próprio usuário no espaço. Ressalta-se que sua coerência cromática também é utilizada por reforçar contrastes: seja no momento de diferenciar uma intervenção contemporânea das pré-existências ou para enaltecer o verde da natureza.

Residência Ha Long / VTN Architects. Fotografia: © Hiroyuki Oki
Residência Ha Long / VTN Architects. Fotografia: © Hiroyuki Oki
Piscinas Termais Guðlaug / BASALT Architects. Fotografia: © Ragnar Th Sigurðsson/Arctic Images
Piscinas Termais Guðlaug / BASALT Architects. Fotografia: © Ragnar Th Sigurðsson/Arctic Images

Ainda elogiado por júris especializados e por ser uma técnica dominada pela mão-de-obra internacionalmente, o concreto está longe de sumir do mapa dos arquitetos. A boa notícia está nas pesquisas que avançam e trazem alternativas mais ecológicas como o “concreto biorretivo”, desenvolvido pela Dra. Sandra Manso-Blanco, que incentiva o crescimento de musgos e líquens que podem absorver CO2 em grandes quantidades na superfície do material, ou ainda um concreto que utiliza menos água em sua produção e apresenta maior resistência, produzido pela Taktl, e, por fim, um bloco de concreto que não usa cimento e tem qualidades construtivas muito parecidas com a do material, realizado pela Watershed Materials.

Portanto, se o brutalismo já teve um clímax marcado pelo concreto bruto, num futuro não muito distante ele poderá encontrar alternativas materiais que gerará um novo legado - mais consciente perante o meio-ambiente, mas sem perder suas qualidades -, trazendo, assim, ainda mais possiblidades para sua definição. 

Casa Loba / Pezo von Ellrichshausen. Fotografia cortesia de Pezo von Ellrichshausen
Casa Loba / Pezo von Ellrichshausen. Fotografia cortesia de Pezo von Ellrichshausen

Referências

[1] PHIPPS, Simon. Brutal London. September Publishing, 2016.
[2] ZEIN, Ruth Verde. Brutalismo, sobre sua definição. (ou, de como um rótulo superficial é, por isso mesmo, adequado). Arquitextos, São Paulo, ano 07, n. 084.00, Vitruvius, mai. 2007.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Victor Delaqua. "Como o brutalismo chega na década que se inicia?" 17 Abr 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/958438/como-o-brutalismo-chega-na-decada-que-se-inicia> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.