Os desafios de construir um edifício flutuante de madeira, autossuficiente e completamente reutilizável

Os desafios de construir um edifício flutuante de madeira, autossuficiente e completamente reutilizável

Todos que já construíram alguma coisa; uma maquete, uma casa de passarinho ou um pequeno mobiliário, têm a clara noção da quantidade de coisas que podem sair errado durante o processo. Um parafuso que é impossível de apertar até o fim, uma tábua de madeira empenada, uma desatenção ou um erro de cálculo que podem frustrar os planos de uma hora para outra. Quando transportamos isso para uma escala de uma edificação, com inúmeros processos e diferentes pessoas envolvidas, sabemos o quão complexo uma obra pode se tornar e quantas coisas podem sair do controle, demorando mais tempo e demandando mais recursos para finalizar. E ao falarmos de uma edificação que precisa flutuar, ser completamente autossuficiente e, depois de cumprir sua vida útil, poder ser completamente reutilizada. Você conseguiria imaginar os desafios técnicos de construir algo assim?   

Edifícios, desde sempre, têm sido usados para representar valores. Das catedrais góticas da Igreja Católica aos edifícios espelhados dos bancos, a arquitetura pode proporcionar sentimentos de poder, confiança, grandeza, entre muitos outros. Para o projeto da sede dos escritórios da Global Center on Adaptation (GCA), um centro de conhecimento global que apoia países, organizações e empresas com conhecimento e consultoria na área de mudanças climáticas, a arquitetura deveria refletir os conceitos de resiliência e sustentabilidade. Divertido e funcional, ele também constitui um elemento-chave em um ambiente portuário recentemente remodelado, fornecendo espaço público à beira da água - e até mesmo uma piscina. Para além dos escritórios, o Floating Office Rotterdam (FOR) dispõe ainda de espaços públicos: um restaurante com uma ampla esplanada exterior, com como complemento uma piscina flutuante no rio Maas.

Cortesia de Powerhouse Company
Cortesia de Powerhouse Company
© Marcel IJzerman
© Marcel IJzerman

A ideia de desenvolver um edifício flutuante, que pudesse se adequar às mudanças do nível do mar é um gesto, acima de tudo, altamente simbólico. O Floating Office Rotterdam (FOR) também é autossuficiente, através da geração de energia solar e sistema de troca de calor à base de água. Também, sua estrutura é totalmente feita em madeira engenheirada, não só reduz drasticamente sua pegada de carbono, mas também permite que seja totalmente reutilizável, uma vez que a estrutura é montada com parafusos e porcas, sem adesivos, o que permite uma fácil desmontagem. O CO2 armazenado neste material equivale a uma viagem de 8 milhões de quilômetros de um carro médio e as 970 toneladas de madeira engenheirada utilizadas no edifício foram retirados de florestas alemãs, próximo do local da construção.

© Marcel IJzerman
© Marcel IJzerman
© Sebastian van Damme
© Sebastian van Damme

Conversamos com o arquiteto Albert Takashi Richters, que trabalhou no projeto, e ele apontou alguns dos principais desafios que o projeto impôs. Segundo ele, “O principal desafio de construir uma estrutura flutuante em primeiro lugar é obviamente que ela flutua. Isso significa que a base flutuante deve ser endurecida por meio de cabos tensionados. Fora isso, se trata essencialmente de equilíbrio e distribuição uniforme do peso no topo: todo desequilíbrio terá que ser compensado com lastro e esse peso morto é algo a evitar, pois afeta imediatamente as dimensões. Esses desafios basicamente forçam o projetista a pensar com eficiência sobre os diferentes componentes em que o edifício consiste e, em nosso caso, resultaram em uma abordagem bastante elementar do projeto. A primeira maneira de obter distribuição e equilíbrio uniformes é ter uma grade clara. Equilíbrio significa que as leis da natureza determinam uma preferência pela simetria. Sempre pensamos na simetria em elevações longas e curtas como uma forma de dar ao projeto uma presença forte, mas em um edifício como este, isso também faz sentido estruturalmente.” 

© Sebastian van Damme
© Sebastian van Damme
© Marcel IJzerman
© Marcel IJzerman

Ao mesmo tempo que há diversos desafios construtivos e estruturais, há possibilidades abertas pelo sistema construtivo escolhido: “Uma vantagem de deslocar um volume suficiente para o edifício flutuar é que haverá muito espaço sob o edifício para colocar a planta do edifício para o controle do clima e armazenamento de energia. Isso significava que o telhado poderia ser mantido livre para a vegetação, bem como uma vasta gama de painéis fotovoltaicos integrados para alimentar todo o edifício. O contato com a água significa que os benefícios do resfriamento podem ser aproveitados muito mais diretamente por meio de um sistema de troca de calor integrado à base flutuante. Isso é útil principalmente para edifícios de escritórios onde a carga de calor geral é muito maior do que a carga de resfriamento.”

© Sebastian van Damme
© Sebastian van Damme

Sobre o nível da água, uma elegante estrutura de madeira laminada colada e CLT se destaca na paisagem. Como geralmente é feito em estruturas do tipo, ela foi totalmente fabricada e furada em fábrica e, após transportada ao local, montada rapidamente com o auxílio de guindastes. Richters aponta que “quando se trata de trabalhar com estruturas de madeira, o principal desafio é que as diferentes partes do edifício devem estar juntas em uma ordem diferente. No futuro, o edifício pode ter que passar por uma ponte, por exemplo, isso significa que as dimensões devem ser compactas no que diz respeito à largura e altura. Para manter as alturas do piso compactas, optamos por integrar os sistemas climáticos dentro da estrutura, por exemplo, isso significa que no início do processo os sistemas de dutos tiveram que ser descobertos: os dutos convencionais não caberiam nas vigas sem diminuir sua integridade estrutural, mas vigas mais grossas não eram uma opção devido às restrições de espaço e peso. Portanto, um sistema teve que ser planejado onde o duto foi dividido em tubos menores." O arquiteto finaliza com uma informação importante: "Em processos como este, o arquiteto, os consultores estruturais e de instalação precisam trabalhar juntos desde o início.”

© Sebastian van Damme
© Sebastian van Damme

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Eduardo Souza. "Os desafios de construir um edifício flutuante de madeira, autossuficiente e completamente reutilizável" 27 Fev 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/957322/os-desafios-de-construir-um-edificio-flutuante-de-madeira-autossuficiente-e-completamente-reutilizavel> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.