Casas sem cozinha: co-living e novos interiores

Casas sem cozinha: co-living e novos interiores

A ascensão do co-living começou a moldar radicalmente o design de interiores. Em projetos residenciais e empreendimentos comerciais, o co-living está ligado ao surgimento da ideia de uma moradia sem cozinha. Iniciada pela arquiteta espanhola Anna Puigjaner, essa ideia está conectada a uma série de inovações em design de interiores e co-living construídas nos últimos cinco anos. Por sua vez, esses novos interiores começaram a contar uma história de habitação e experiência espacial enraizada na vida moderna.

© Jose Hevia© Jose Hevia© Jose Hevia© Jose Hevia+ 11

© Filip Dujardin
© Filip Dujardin

Em 2016, Anna Puigjaner imaginou um futuro em que a casa é adequada às necessidades de seus habitantes. Seu projeto “Kitchenless” recebeu o prêmio Wheelwright da Universidade de Harvard, juntamente com uma doação de US $ 100.000 para pesquisas sobre modelos existentes de residências comunitárias em todo o mundo. Puigjaner explicou a ideia em uma entrevista ao ArchDaily e, desde então, ela revelou como está aplicando sua tipologia de moradias “sem cozinha” em seus próprios projetos para a Metropolis Magazine. Puigjaner fala sobre o tempo em que passou viajando pelo mundo visitando as muitas culturas diferentes que compartilham sua ideia de culinária comunitária.

© Anna Alba Yruela
© Anna Alba Yruela

A proposta de Puigjaner era criar casas "sem cozinha" com uma cozinha compartilhada central para o coletivo, para resolver os problemas da falta de meios sociais da população crescente e formar uma comunidade dentro de um edifício. Ligada à criação de bairros saudáveis e sustentáveis, a ideia também está enraizada na direção de uma vida ambientalmente consciente. Somente nos Estados Unidos, os americanos desperdiçam 30% dos alimentos consumíveis anualmente. Da mesma forma, jovens e idosos carecem cada vez mais de meios de socialização. Com o objetivo de desenvolver novos modelos de habitação coletiva, Puigjaner acredita que centralizar a culinária em edifícios residenciais e promover a convivência pode começar a abordar essas questões.

© Jose Hevia
© Jose Hevia

Como Eduardo Souza escreveu no ano passado, os altos preços dos imóveis e o aumento da solidão estão levando as pessoas a buscarem novas formas de viver. O conceito de convivência aborda vários aspectos, como senso de comunidade, sustentabilidade e economia colaborativa. O conceito surgiu na Dinamarca na década de 1970, originalmente sob o nome de cohousing. Souza explica que a iniciativa Sættedammen, por exemplo, consistia em 35 famílias que moravam em casas particulares, compartilhando espaços comuns para socialização e atividades, como refeições, tarefas domésticas, reuniões de grupo, festividades e outros eventos.

Hoje, a convivência oferece uma infinidade de possibilidades, variando de pessoas que simplesmente vivem juntas - compartilhando apenas o espaço físico - a comunidades que também compartilham valores, interesses e uma filosofia de vida.

© Jose Hevia
© Jose Hevia

Em novembro de 2017, o Space10 lançou um site interativo e uma pesquisa chamada One Shared House 2030, que foi configurada como um aplicativo para casas compartilhadas que procura entender como se viverá em 2030. A pesquisa perguntou às pessoas sobre suas preferências de coletivos - quais espaços elas gostariam de manter privados e quais tipos de utilitários não se importariam em compartilhar. A pesquisa obteve feedback de mais de 7.000 pessoas em 147 países. O resultado: os entrevistados estavam mais interessados em morar em casas compartilhadas de 4 a 10 pessoas. Uma das principais razões pelas quais as pessoas estão interessadas em cultivar é o desejo de interação social, trocando coisas como cozinhas privadas por espaços privados flexíveis.

© Jose Hevia
© Jose Hevia

Como Puigjaner disse, o conforto doméstico é construído e projetado. Como os interiores são moldados pela experiência, o surgimento de convivência e conceitos como casas sem cozinha começaram a influenciar investidores e projetos maiores, além da residencial unifamiliar. Projetos como Staten Island Urby, plataformas comuns como Treehouse e até os próprios projetos de Puigjaner com sua empresa MAIO mostram o potencial dessas tendências. Como nossa arquitetura e cidades são moldadas por novos modos de vida e tendências como a automação, o design de novos interiores continuará refletindo como escolhemos viver hoje.

Sobre este autor
Cita: Baldwin, Eric. "Casas sem cozinha: co-living e novos interiores" [The Kitchenless Home: Co-Living and New Interiors] 11 Mar 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/935151/casas-sem-cozinha-co-living-e-novos-interiores> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.