A aposta do Japão na reutilização adaptativa para enfrentar uma crise imobiliária emergente

A aposta do Japão na reutilização adaptativa para enfrentar uma crise imobiliária emergente

Meio século depois que a nova casa do subúrbio era o sonho de muitos jovens americanos, propriedades reformadas estão ganhando popularidade. Essa tendência se estende para além da América do Norte, com renovações estimulantes de estruturas existentes surgindo em todo o mundo, da Bélgica ao Quênia e à China. A atração por essa tipologia provavelmente está em sua multiplicidade; as renovações são novas e antigas, históricas e voltadas para o futuro, generativas e sustentáveis.

Em nenhum lugar esta tendência é mais visível e popular do que na habitação, onde a transformação é muitas vezes liderada pelos próprios proprietários. Vagamente agrupados sob termos como "fixer-upper" e "reutilização adaptativa", esses projetos começam apenas com os esqueletos estruturais e a história do edifício. Na escala pessoal, a renovação / reforma é uma oportunidade de trazer uma parte de si para sua casa - mas esses pequenos projetos juntos têm o potencial de reverter uma crise imobiliária?

via Flickr. Image © Stuart Rankin
via Flickr. Image © Stuart Rankin

O Japão espera que sim. O país implementou recentemente um sistema que visa aliviar a atual crise imobiliária do país, permitindo que propriedades abandonadas sejam vendidas a preços agressivamente baixos. Para alguns, esse movimento pode surpreender - o Japão é conhecido por seus altos preços imobiliários e espaço limitado (uma combinação que gerou soluções inventivas únicas). Mas essa percepção desmente a verdade: de acordo com um relatório do governo de 2013, 8 milhões de propriedades em todo o Japão estão desocupadas (um número que agora é esperado ser ainda maior). O governo estima que, se a taxa atual continuar, 21 milhões de casas estarão desocupadas até 2033.

Enquanto a população do Japão está encolhendo, isso está longe de ser o único fator em ação nessa estatística preocupante. De acordo com um estudo do governo de 2015, quase um terço dessas propriedades são deixadas vazias como resultado das tradições de herança, nas quais os lares familiares são passados para a próxima geração. À medida que as gerações mais jovens gravitam em direção às áreas urbanas, muitas dessas casas familiares em áreas mais rurais são deixadas vazias - mas permanecem sob a propriedade familiar.

via Flickr. Image © Stuart Rankin
via Flickr. Image © Stuart Rankin

Muitas dessas propriedades podem ser encontradas em bancos de dados on-line chamados "bancos akiya", que fornecem às partes interessadas as informações mais básicas sobre as listagens. Embora as propriedades listadas possam parecer um “roubo”, os compradores devem levar em consideração uma variedade de outros fatores - alguns provêm de tradições culturais japonesas que podem ser perdidas em um investidor estrangeiro.

via Flickr. Image © Syuzo Tsushima
via Flickr. Image © Syuzo Tsushima

Um exemplo particularmente desafiador disso são as estruturas vazias e unidades de apartamentos que já foram o local de uma morte violenta, assassinato, suicídio ou morte que permanece desconhecida por períodos de tempo. Esses eventos, na cultura japonesa, podem rotular permanentemente uma residência como inabitável. Existe até um site chamado “Oshimaland” com um mapa interativo repleto de símbolos de fogo que destacam muitas das propriedades contaminadas, algumas acompanhadas pelo motivo também.

via Flickr. Image © Stuart Rankin
via Flickr. Image © Stuart Rankin

Na nova solução do Japão, casas desocupadas podem ser vendidas para prefeituras ou o poder público por preços baixos; os municípios podem, então, redesenvolver esses espaços como entenderem. Para as cidades, os benefícios são grandes: esse sistema não apenas permite que eles cresçam de forma sustentável em suas cidades, mas também permite que eles revertam os efeitos destrutivos que as propriedades abandonadas podem ter sobre si mesmos e seus arredores (decadência, vandalismo, incêndios, etc.). Casas inabitáveis podem se tornar cafés, lojas, instalações esportivas - ou qualquer variedade de tipologias relevantes.

Programas governamentais semelhantes foram utilizados em países do mundo todo. Na Itália, estruturas históricas abandonadas foram vendidas ou alugadas por quantias mínimas de dinheiro para ajudar a rejuvenescer propriedades envelhecidas e deterioradas e promover um maior desenvolvimento. O programa do Japão ainda está em seus momentos incipientes, mas é uma grande promessa em um problema de outra maneira intratável. E em um país com uma reputação por sua arquitetura criativa, é provável que não seja apenas um benefício para a economia, mas um momento emocionante para arquitetos e a arquitetura.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Duddy, Lindsay. "A aposta do Japão na reutilização adaptativa para enfrentar uma crise imobiliária emergente" [Japan's Bet on Adaptive Reuse to Alleviate an Emerging Housing Crisis] 07 Jan 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/909022/a-aposta-do-japao-na-reutilizacao-adaptativa-para-enfrentar-uma-crise-imobiliaria-emergente> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.