Destaques da semana: complexidade e contradição

Destaques da semana: complexidade e contradição

A obra de Robert Venturi - e o movimento pós-modernista que se desenvolveu paralelamente a sua carreira - foram momentos que frequentemente causam discórdia dentro da história da arquitetura. Para os modernistas mais ferrenhos, sua apropriação de estilos históricos era uma afronta à arquitetura da contemporaneidade. Para os mais tradicionalistas, o classicismo transformado em cafonice foi um insulto imperdoável à elegância do passado.

Mas, conforme nos aproximamos com mais cuidado do tema, o pós-modernismo não pode ser visto apenas como algo contraditório, mas deve ser visto à partir da luz da diversidade. Combinando aquilo que havia de melhor no modernismo e no classicismo, tornou-se pragmático e funcional ao mesmo tempo, exuberante e reflexivo em relação ao passado. Venturi tinha plena consciência sobre o papel que a arquitetura desempenha na vida das pessoas, mas, em vez de intelectualizá-la através da abstração, encorajou todos a encarar a realidade com mais honestidade. É isso que você ama? É isso que você odeia? Assuma! O minimalismo não é necessariamente algo bom; geralmente não tem graça nenhuma.

Nesta semana, rememoramos esta figura ímpar na história da arquitetura, aquele que não pretendia se promover mais que a sua própria obra, que encarava a arquitetura não apenas como um profissional da disciplina, mas como um ser humano como todos os outros.

Dando adeus

Robert Venturi, famoso pós-modernista e ícone da arquitetura americana, faleceu na terça-feira aos 93 anos. Entre os muitos prêmios que Venturi recebeu ao longo de sua carreira estavam o Prêmio Pritzker de 1991, o prêmio do American Institute of Architects e a honra concebida pelo Royal Institute of British Architects (RIBA). Venturi abriu seu escritório em 1964 em parceria com sua sócia e esposa Denise Scott Brown, entre 1967 a 2012. Seu legado permanece vivo e a empresa continua operando sob o nome VSBA (Venturi Scott Brown Associates).

Venturi, Scott Brown + Vegas

© Public Domain user Jean Beaufort licensed under CC0 Public Domain
© Public Domain user Jean Beaufort licensed under CC0 Public Domain

Embora Las Vegas possa ser extravagante demais para a maioria das pessoas, com sua decoração excessiva e sua arquitetura “pseudo-históricista”, alguns arquitetos, mas principalmente Robert Venturi e Denise Scott Brown, tornaram-se profundos admiradores de sua arquitetura de “elementos simbólicos e ornamentais”.

Amor em Las Vegas

© Rollin LaFrance / VSBA
© Rollin LaFrance / VSBA

A parceria de Robert Venturi e Denise Scott Brown é conhecida desde sempre. Mas como e onde esta história começou exatamente? Não poderia ser diferente, é claro que tudo começa em meio ao deserto infinito de Nevada, em Las Vegas. A história "99% Invisible" conta como eles se conheceram, como se apaixonaram e como suas ideias foram responsáveis por criar um movimento que continua vivo ainda hoje.

Projetos para não perder de vista

Courtesy of Glenn Howells
Courtesy of Glenn Howells

Sobre este autor
Cita: Katherine Allen. "Destaques da semana: complexidade e contradição" [This Week in Architecture: Complexity and Contradiction] 25 Set 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/902538/destaques-da-semana-complexidade-e-contradicao> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.