Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Como o Parc de la Villette influenciou a maneira como projetamos nossos parques no século XXI

Como o Parc de la Villette influenciou a maneira como projetamos nossos parques no século XXI

  • 10:00 - 23 Agosto, 2018
  • por
  • Traduzido por Vinicius Libardoni
Como o Parc de la Villette influenciou a maneira como projetamos nossos parques no século XXI
Como o Parc de la Villette influenciou a maneira como projetamos nossos parques no século XXI,  © <a href='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/50/LaVillette100911.jpg'> Creative Commons User Jean-Marie Hullot</a> licensed under <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/deed.en/'>CC BY 3.0</a>
© Creative Commons User Jean-Marie Hullot licensed under CC BY 3.0

 © <a href='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/6f/Do_pedalar_e_da_ciência.jpg'> Creative Commons User Alix Ferreira</a> licensed under <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0/'>CC BY-SA 4.0</a>  © <a href='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f6/Parc_de_La_Villette_%40_Paris_%2828926264776%29.jpg'> Creative Commons User Guilhem Vellut</a> licensed under <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>  © <a href='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d2/Folie_N8_%40_La_Villette_%40_Paris_%2833893431256%29.jpg'> Creative Commons User Guilhem Vellut</a> licensed under <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>  © <a href='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b4/Canal_%40_La_Villette_%40_Paris_%2833091237904%29.jpg'> Creative Commons User Guilhem Vellut</a> licensed under <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a> + 11

Como seria um tradicional parque parisiense para você? Para muitos, só existe uma imagem capaz retratar com exatidão a essência deste espaço: A Sunday Afternoon on the Island of La Grande Jatte, de Georges Seurat. A famosa pintura retrata a burguesia desfrutando de um oásis natural, uma ilha verde em meio a uma cidade industrializada.

Georges Seurat, A Sunday Afternoon on the Island of La Grande Jatte
Georges Seurat, A Sunday Afternoon on the Island of La Grande Jatte

E o típico parque parisiense do século XXI, como seria? Esta questão foi levantada pela primeira vez em 1982, quando o governo francês propôs um concurso público de arquitetura para o projeto do Parc de la Villette, selecionando Bernard Tschumi como o vencedor, o qual concebeu uma paisagem muito inovadora para a época, estabelecendo-se como a principal referência para o projeto de parques urbanos durante as décadas seguintes.

 © <a href='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/c2/Parc-de-la-villette.jpg'> Creative Commons User Pline</a> licensed under <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/'>CC BY-SA 3.0</a>
© Creative Commons User Pline licensed under CC BY-SA 3.0

O Parc de la Villette, foi implantado onde previamente existiu um grande matadouro que funcionou durante boa parte do século XIX e XX. O matadouro, localizado na região nordeste da capital francesa, foi construído em 1867 como parte dos planos de renovação urbana concebidos pelo barão von Haussmann. Fechado em 1974, o antigo matadouro deixou um enorme vazio na cidade que suscitava as mais diversas opiniões. François Mitterrand, então presidente da França, convocou um concurso público de arquitetura com o objetivo de encontrar uma proposta inovadora que reinventasse este enorme espaço urbano. Como parte de uma iniciativa chamada de “Grands Projects”, o concurso para o La Villete servia como uma estratégia de modernização dos monumentos e espaços públicos do país. Uma série de convocatórias foram abertas incluindo inscrições da comunidade internacional de arquitetos, como Zaha Hadid e Rem Koolhaas. O programa do concurso, intitulado de “Um Parque Urbano para o Século XXI”, estabelecia a criação de um novo paradigma, buscando redefinir amplamente o conceito de um parque público urbano.

Abattoir (slaughterhouse) at La Villette
Abattoir (slaughterhouse) at La Villette

A proposta vencedora, concebida pelo arquiteto Bernard Tschumi, utilizava a arquitetura como uma ferramenta para responder aos questionamentos da cidade contemporânea. Diferentemente dos exemplos precedentes, como o Central Park de Nova Iorque projetado por Frederick Law Olmsted, a proposta de Tschumi era o oposto do típico parque urbano. Ao contrário de ser visto como um lugar para escapar da cidade, La Villete seria uma estrutura que reproduziria a condição da cidade onde está inserida. Mais especificamente, o arquiteto contestava o sentimento consensual do final do século XX de que a cidade era grande demais, anônima demais e desumana demais. A partir disso, o seu projeto para o La Villete procurava reproduzir essa sensação de desorientação: a sinalização é propositalmente insuficiente e seus caminhos sinuosos, levam os visitantes do nada à lugar nenhum. Em relação a história do lugar, Tschumi evita propositalmente qualquer referência histórica em uma tentativa de construir um “não-lugar”, onde as pessoas estão livres para apropriar-se deste espaço à sua maneira, sem nenhum acordo prévio ou segundo normas históricas de como comportar-se em um parque parisiense: lembre-se da famosa pintura de Seurat. Como consequência disso, um dos principais críticos do Parc de la Villette – a platforma Project for Public Spaces, ranqueou o parque de Tschumi como o terceiro pior parque do mundo – afirmando que este é um espaço público muito pouco agradável.

 © <a href='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f6/Parc_de_La_Villette_%40_Paris_%2828926264776%29.jpg'> Creative Commons User Guilhem Vellut</a> licensed under <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Creative Commons User Guilhem Vellut licensed under CC BY 2.0

O inovador esquema proposto por Tschumi, atualmente muito conhecido, está baseado em uma grade sobre a qual se localizam pontos, linhas e superfícies; estes elementos teóricos traduziam-se respectivamente em estruturas vermelhas (pontos), caminhos sinuosos sem sentido (linhas) e espaços verdes (superfícies). Os elementos mais famosos são as suas estruturas vermelho-sangue, às quais Tschumi chamou de “follies”, em referência às estruturas caprichosas e pouco funcionais dos tradicionais jardins ingleses. Estas enormes estruturas não-funcionais encontram-se espalhadas uniformemente ao longo do parque, tornando-se elementos de orientação dentro de um parque sem uma lógica muito clara.

 © <a href='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/95/Paris_Parc_de_la_Villette_Folie_J5_detail_20160312.jpg'> Creative Commons User Guilhem Vellut</a> licensed under <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Creative Commons User Guilhem Vellut licensed under CC BY 2.0
 © <a href='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b4/Canal_%40_La_Villette_%40_Paris_%2833091237904%29.jpg'> Creative Commons User Guilhem Vellut</a> licensed under <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Creative Commons User Guilhem Vellut licensed under CC BY 2.0

Estes elementos simbólicos do parque, concebidos por Tschumi, de certa maneira se aproximam dos centros culturais que ele abriga. São diferentes museus e salas de espetáculos além da Filarmônica de Paris, projetada por Jean Nouvel. À medida que estas instituições atraem mais visitantes ao parque, ele torna-se cada vez mais uma extensão da cidade – cumprindo exatamente com aquilo que Tschumi propunha. Ainda que hospede uma ampla e diversa programação, muitos dos visitantes que procuram o parque são atraídos mais por sua peculiaridade e estrutura sem sentido do que por suas atividades culturais. Mas quem diria que visitar La Villete não é um programa cultural por si só?

 © <a href='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/c0/Parc_de_la_Villette%2C_August_28%2C_2010.jpg'> Creative Commons User ParisSharing</a> licensed under <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Creative Commons User ParisSharing licensed under CC BY 2.0

Então, como é o típico parque parisiense do século XXI ? Para Bernard Tschumi, é um lugar onde as pessoas brincam com suas estruturas sem sentido, navegam por caminhos desconhecidos e, finalmente, interagem umas com as outras. Se os burgueses retratados por Seurat procuravam um lugar à sombra para relaxar em meio à caótica metrópole industrial do século XIX, o parque urbano do século XXI ainda atrai muitos visitantes pelas mesmas razões, mas agora com um novo propósito: a interação social. De fato, como pode ser visto em inúmeros artigos acadêmicos além de projetos como o Reimagining the Civic Commons (patrocinado pela The Knight Foundation, The JPB Foundation, The Kresge Foundation e The Rockefeller Foundation), é consensual que o parque urbano contemporâneo tem se transformado em um espaço vital para o multiculturalismo, as relações inter-bairro e o contato entre as pessoas em uma sociedade cada vez mais digital e segregada. O incentivo à interação humana é, ao que tudo indica, um dos principais elementos que definem um bom parque no século XXI.

 © <a href='https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/0b/Sleeping_%40_Canal_%40_La_Villette_%40_Paris_%2833091251614%29.jpg'> Creative Commons User Guilhem Vellut</a> licensed under <a href=’https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Creative Commons User Guilhem Vellut licensed under CC BY 2.0
Sobre este autor
Cita: Comberg, Ella. "Como o Parc de la Villette influenciou a maneira como projetamos nossos parques no século XXI" [How the Parc de la Villette Kickstarted a New Era for Urban Design] 23 Ago 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/900296/como-o-parc-de-la-villette-influenciou-a-maneira-como-projetamos-nossos-parques-no-seculo-xxi> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.