O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Se projetássemos um material de construção ideal, ele se pareceria com o bambu

Se projetássemos um material de construção ideal, ele se pareceria com o bambu

Se projetássemos um material de construção ideal, ele se pareceria com o bambu
Se projetássemos um material de construção ideal, ele se pareceria com o bambu, © Eduardo Souza
© Eduardo Souza

Essa frase chamou a atenção durante a palestra de Neil Thomas no curso Bamboo U, que ocorreu no mês de novembro de 2017 em Bali. Neil é diretor do atelier one, escritório de engenharia estrutural de Londres, que entre seus projetos de destaque estão palcos e cenografias para Rolling Stones, Pink Floyd e U2; instalações de arte de Anish Kapoor e Marc Quinn; o Gardens by the Bay, em Singapura, entre tantos outros. De alguns anos para cá, o engenheiro tem se aprofundado no estudo sobre o bambu, suas propriedades estruturais e suas mais diversas potencialidades.

Segundo ele, o bambu se aproxima muito de um material estrutural ideal. E isso começa com sua forma tubular. Uma seção aberta, como um canal, é mais fraca do que uma fechada, porque a borda pode se curvar com muito mais facilidade. É só pensar numa folha de papel e como ela torna-se mais forte quando enrolamos ela como um tubo, evitando que ela amasse tanto. Além disso ele tem outra característica que melhora sua resistência. O bambu possui fibras longitudinais que saem de sua base até o topo, que são chamadas de feixes vasculares. Quanto mais próximo do exterior da parede dos colmos, esses feixes apresentam uma maior densidade, o que torna a peça mais resistente naturalmente. Portanto a parte mais forte da seção está mais afastada do seu centroide radialmente, tornando a peça mais resistente. E essa é a principal diferença em relação a um tronco de madeira, cuja parte mais forte está justamente no centro de sua seção. Outra particularidade é sua velocidade de crescimento. Diferente de uma madeira dura, que pode demorar mais de 30 anos para poder ser explorada, o bambu pode ser cortado e utilizado entre 3 e 5 anos, voltando a crescer depois.

© José Tomás Franco
© José Tomás Franco

Em testes laboratoriais o bambu também atinge capacidades estruturais impressionantes. Sua resistência à compressão equivale à do concreto, enquanto que à tração, ele atinge os números do aço. Evidentemente, isso pode variar de acordo com as espécies –mais de 1500, que crescem naturalmente em quase todos os continentes, sobretudo nas regiões com temperaturas mais altas.

© José Tomás Franco
© José Tomás Franco

Ainda assim, há alguma resistência na utilização do material, uma vez que ele requer outro tipo de pensamento e a quebra de certos paradigmas tão enraizados na arquitetura. Um deles é o receio de utilizar o material em sua forma bruta, com suas irregularidades e formas naturais. onde justamente reside a beleza do bambu.

Green School. Image © Eduardo Souza
Green School. Image © Eduardo Souza

Há, claro, algumas questões que devem ser levadas em conta. Deve-se levar em conta o tratamento químico do bambu antes de seu uso para a construção civil, para evitar seu apodrecimento e o ataque de insetos. Outro cânone da construção em bambu é que os componentes devem ser muito bem protegidos do sol e da chuva, para uma durabilidade adequada. Isso também inclui os pilares, que não podem estar em contato direto com a terra, o que é geralmente resolvido agregando um pedaço de rocha sobre as sapatas. 

O detalhamento do bambu e suas conexões foi desenvolvido historicamente, sendo repassado de geração em geração através de construtores artesanais, evoluindo através da compreensão do próprio material. No século 21, com toda a tecnologia que temos à disposição, é possível compreender melhor as forças específicas em diferentes condições (tensão, compressão, flexão, cisalhamento) e aplicar tecnologias modernas, para que seja possível otimizar o material e utilizar junto a outros materiais e técnicas, como conchas e membranas, para conseguir estruturas ainda mais ambiciosas.

© Eduardo Souza
© Eduardo Souza

Neil finaliza afirmando que o bambu é a estrutura de construção natural mais sustentável no planeta e que, sem dúvidas, estamos no início de sua utilização de uma maneira muito mais ampla. Contudo, seu principal ensinamento é que não devemos tentar ajustar o bambu às regras existentes, mas alterá-las para adequar o bambu.

© José Tomás Franco
© José Tomás Franco

Dois de nossos editores,  Eduardo Souza e José Tomás Franco,, foram convidados por BambooU e pela empresa de projetos em bambu IBUKU para fazer parte desta experiência incrível, organizada pela The Kul Kul Farm  na Green School  em Bali, na Indonésia. Confira mais informações sobre os próximos cursos aqui ou através do instagram.

Cita: Eduardo Souza. "Se projetássemos um material de construção ideal, ele se pareceria com o bambu" 12 Dez 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/885322/se-projetassemos-um-material-de-construcao-ideal-ele-se-pareceria-com-o-bambu> ISSN 0719-8906