O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Ricardo Bofill: “Por que as cidades históricas são mais bonitas que as modernas?"

Ricardo Bofill: “Por que as cidades históricas são mais bonitas que as modernas?"

Ricardo Bofill: “Por que as cidades históricas são mais bonitas que as modernas?"
Ricardo Bofill: “Por que as cidades históricas são mais bonitas que as modernas?", La Muralla Roja, Alicante, 1973. Image © Ricardo Bofill
La Muralla Roja, Alicante, 1973. Image © Ricardo Bofill

Para os não iniciados, Ricardo Bofill pode parecer algo como um camaleão. Comparando o pós-modernismo de seus projetos em Paris dos anos 80, suas recentes torres de aço e vidro e o estoicismo estéril de sua própria casa e estúdio, que ele reformou na década de 1980, seria perdoado pensar que não há consistência presente em todo o seu trabalho. No entanto, como Bofill revela nesta entrevista de Vladimir Belogolovsky, da série "City of Ideas", seus projetos são realmente enraizados em conceitos de regionalismo e processo que, embora recentemente sejam populares na comunidade arquitetônica em geral, têm apoiado sua mente arquitetônica desde os seus vinte anos.

Vladimir Belogolovsky: Seu escritório, uma antiga fábrica de cimento, La Fabrica, construída no final do século XIX em Barcelona é fascinante. Você diria que é um projeto de manifesto, é um trabalho em andamento ou está terminado?

Ricardo Bofill: Não, isso não é um manifesto. Este lugar é a minha casa. Eu vivi e trabalhei aqui por mais de 40 anos. Não está terminado e nunca será. Eu acho que a arquitetura nunca pode ser concluída. Sempre precisa de mais trabalho. Começamos este projeto fazendo primeiro a demolição, destruição e desconstrução. Eu amei este lugar quando o descobri pela primeira vez, pois ele nunca foi planejado ou projetado. Em vez disso, ele se desenvolveu ao longo de muitos anos, expandindo e reconstruindo cada vez que uma nova tecnologia era introduzida. Foi uma homenagem à indústria. A fábrica me lembrou da arquitetura vernacular. Era um vernáculo industrial que me atraía. Também havia tantos momentos surreais como escadas e passarelas indo a lugar nenhum e arcos e pórticos nos lugares mais inesperados... Comecei com uma ideia muito romântica de trazer a natureza para este lugar industrial. Existem plantas em todos os lugares. Há toda uma camada ecológica plantada em cima do complexo industrial original.

La Fabrica, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill Walden-7, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill The Pyramid, Spanish-French Border, 1976. Image © Ricardo Bofill Les Espaces D´Abraxas, Le Palacio, Le Théâtre, L´Arc New Town Of Marne La Vallée Region Of Paris, France, 1982. Image © Ricardo Bofill + 80

La Fabrica, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill
La Fabrica, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill

VB: A razão que eu sugeri que este lugar poderia ser um trabalho no progresso é porque esta conversão da fábrica a sua residência e escritório é muito eclética com elementos da arquitetura industrial, Brutalismo, vernacular espanhol, assim como Surrealismo e Pós-Modernismo.

RB: Claro, mas o que vocês chamam de elementos pós-modernos são, de fato, historicistas. Todos vieram antes do pós-modernismo. Minha ideia na época era recuperar alguns dos elementos da arquitetura catalã histórica, como janelas arqueadas alongadas da época medieval em Barcelona. E você sabe, cada vez que eu viajo para lugares como cidades tradicionais no Japão ou um deserto no Oriente Médio, ou na Itália, eu trago algumas dessas influências de volta para cé. e você pode rastrear muitas dessas referências. Essas lembranças são muito importantes para mim.

La Fabrica, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill
La Fabrica, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill

VB: Então você continua transformando este lugar ao longo do tempo.

RB: Constantemente. Como você disse, é um trabalho em andamento. E será sempre um trabalho em progresso, absolutamente. E eu gosto do espaço em si aqui. É muito cru e limpo, não há quase nada decorativo aqui. É um mundo em si mesmo. Nada é realmente projetado aqui. O que eu tinha em mente quando eu estava transformando este lugar era um mosteiro, como um lugar perfeito para a concentração. Daqui, comecei mais de 1.000 projetos.

La Fabrica, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill
La Fabrica, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill

VB: Eu li que você emprega não só arquitetos e designers, mas também matemáticos, músicos, poetas, cineastas, filósofos, sociólogos... Você poderia falar sobre essa abordagem interdisciplinar da arquitetura?

RB: A arquitetura é uma disciplina profissional. Fundamental e artisticamente, a arquitetura é sobre o espaço e a relação entre tempo e espaço. Arquitetura precisa ter uma relação com o genius loci de cada lugar. Em outras palavras, ao seu espírito e DNA. A arquitetura não pode ser traduzida de um lugar para outro. A arquitetura deve ser específica para cada lugar. Então o que eu tento fazer com essa abordagem multidisciplinar é sempre inventar novos projetos, novos estilos. Eu quero me reinventar. Eu não quero me copiar ou repetir infinitamente certas formas, como alguns outros arquitetos... Eu quero me adaptar às condições e tradições locais. A arquitetura precisa estar aberta a outras disciplinas. A arquitetura não pode ser isolada. E como todas as outras disciplinas evoluem, a arquitetura deve manter uma estreita relação com elas para evoluir também.

Single-family house in Ibiza, Ibiza, Spain, 1960. Image © Ricardo Bofill
Single-family house in Ibiza, Ibiza, Spain, 1960. Image © Ricardo Bofill

VB: Qual foi seu primeiro projeto?

RB: Eu ainda era estudante, com apenas 18 anos, estudando arquitetura na Escola de Belas Artes de Genebra, na Suíça. Minha verdadeira paixão se acendeu quando descobri o trabalho de Frank Lloyd Wright e Alvar Aalto. Relacionava-me com a arquitetura orgânica, edifícios que integravam a natureza, edifícios que não tinham fachadas; as fachadas expressavam as complexidades dentro dos edifícios.

Meu pai era um arquiteto e empreendedor, e eu aprendi sobre arquitetura e construção com ele. Viajamos juntos por toda a Espanha e Itália para estudar arquitetura vernacular e todos os meus primeiros projetos fizemos juntos. Aprendi tudo com ele e estive diretamente envolvido na construção de projetos. Trabalhei com construtores e artesãos, e muitas coisas fiz com minhas próprias mãos. Também fui influenciado por várias ideias utópicas, então no início da minha carreira eu estava na fronteira entre a utopia e a realidade.

Meu primeiro projeto foi uma pequena casa de férias em Ibiza, uma casa muito orgânica, com espessas paredes curvas e pequenas janelas que capturava o genius loci. Então eu fiz projetos em Barcelona, França, Argélia, África Central e tantos outros lugares... Na Rússia, Índia, China, Japão, Estados Unidos... E em todo lugar minha arquitetura é diferente e está relacionada ao lugar. O que aprendi com essas experiências muito diferentes é que a arquitetura não pode ser traduzida de um lugar para outro.

La Muralla Roja, Alicante, 1973. Image © Ricardo Bofill
La Muralla Roja, Alicante, 1973. Image © Ricardo Bofill

VB: Vamos voltar ao tempo quando você se juntou à prática de seu pai no início dos anos 1960 e começou a trabalhar em muitos projetos residenciais experimentais. Naquela época, você disse que não gostava de Le Corbusier por causa de suas cidades universais pré-programadas. Você construiu seus próprios protótipos, como Barrio Gaudí em Reus Tarragona (1968), La Muralla Rojain Alicante (1973) e Walden-7 (1975) aqui mesmo fora de seu escritório. Com esses projetos, você estava explorando o regionalismo espanhol vernacular e crítico, correto? Esses primeiros projetos eram sua reação ao modernismo?

RB: Bem, eu sempre disse que Corbusier foi o único arquiteto que matou a cidade. Ele tinha um total desprezo pela história. Ele odiava a cidade. Ele queria dividi-la, segregá-la em zonas para viver, trabalhar, comprar, e assim por diante. Pensava em cidades e edifícios como máquinas. Minhas visões eram sempre o oposto. Cada cidade é um lugar muito mais complexo, um lugar conflitante, contraditório e corrupto. As cidades precisam ser reparadas e curadas, não demolidas e construídas a partir do zero. As cidades começaram 10 mil anos atrás, mas para Le Corbusier a história não existia. Seus manifestos só olharam para frente. Mas é claro que as pessoas preferem viver em centros históricos, e não em cidades novas. Tento encontrar alternativas ao modernismo simplista, trazendo de volta o espírito da cidade mediterrânea.

Walden-7, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill
Walden-7, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill

VB: Falando do Walden-7 e de outros projetos experimentais, você disse que cada um de seus projetos eram diferentes porque você não quis produzir simplesmente uma arquitetura "bonita", mas experimentou com o processo. Você poderia falar mais sobre isso?

RB: Eu gosto do tipo de arquitetura que é simples, baseado em formas naturais, e construída de materiais nobres, mas não caros. Eu não gosto de excessos, luxos, formas ricas e materiais. Gosto de arquitetura minimalista e sensual. Arquitetura é sobre o processo. A metodologia é o componente chave do processo criativo. Não existe um método fixo. Cada projeto deve ter seu próprio método. Alguns projetos são baseados em ideias preconcebidas, enquanto outros são todos baseados no processo. É importante ter motores dentro de si para provocar a mudança e provocar a evolução. Para ser insatisfeito e crítico do seu próprio trabalho é muito importante manter este motor interno constantemente em execução. No que diz respeito aos meus primeiros trabalhos nas décadas de 1960 e 1970, eles eram muito interessantes por direito próprio, mas quando eu era confrontado com uma escala muito maior de uma cidade como na França ou em outras partes do mundo, esses primeiros projetos não eram mais relevantes. Novamente, muitos arquitetos repetem-se, não são críticos de seus trabalhos; eles continuam perseguindo o mesmo projeto em todo o mundo. Eles desenvolvem um estilo. Eles não evoluem. Eu não gosto de pessoas satisfeitas. Eu prefiro ser crítico comigo mesmo.

Walden-7, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill
Walden-7, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill

VB: Você disse que foi um dos pioneiros do pós-modernismo. Mas depois que o pós-modernismo se estabeleceu e se tornou um estilo, você não estava mais interessado. Isso esta certo?

RB: Você está exatamente certo. Na época, não sabíamos o nome desse movimento, mas a ideia que eu tinha era recuperar alguns dos elementos históricos da arquitetura, a tradição que foi cortada nos anos 1920 e 1930. Então a arquitetura tornou-se uma tabula rasa. A história tornou-se proibida. Le Corbusier e Mies van der Rohe foram seguidos cegamente por todos. Assim, esta volta à história foi bem-vinda. Mas quando o pós-modernismo tornou-se aceito e popular nos Estados Unidos e no mundo, ele também se tornou um estilo. E com o tempo tornou-se irônico e até vulgar. Uma vez que se tornou um movimento, eu não estava mais interessado.

Les Arcades Du Lac. Le Viaduc, Saint-Quentin-En-Yvelines, Paris, 1982. Image © Ricardo Bofill
Les Arcades Du Lac. Le Viaduc, Saint-Quentin-En-Yvelines, Paris, 1982. Image © Ricardo Bofill

VB: Você prefere chamar o trabalho que você fez no classicismo moderno dos anos 80, como oposto ao pós-modernismo. Por que isso?

RB: O pós-modernismo tornou-se popular depois da Bienal de Veneza de 1980 e por um tempo, estávamos todos muito entusiasmados com isso. Mas logo percebi que eu estava realmente interessado na arquitetura moderna, tanto quanto aspectos como eficiência e tratamento minimalista. Mas eu também estava muito interessado na arquitetura clássica e queria combinar esses interesses. Eu não estava interessado no neoclassicismo, que é sobre a aplicação de regras acadêmicas da arquitetura clássica, que é repetitivo e chato. Então, eu estava tentando combinar o melhor do modernismo e o melhor dos estilos clássicos. Eu ainda gosto de arquitetura clássica. Gosto de suas noções de sequência de espaços, sistema de proporções, seu esforço para a perfeição, mesmo que nunca seja realizável. Ainda assim, esta é a arquitetura da cultura que luta contra a arquitetura dos bárbaros, a arquitetura sem regras, a arquitetura do caos e a desconstrução. Eu gosto de arquitetura que dá uma sensação de tranquilidade e serenidade. Mas hoje eu tento evitar seguir qualquer estilo particular. Eu não sou inspirado pelo vocabulário clássico, apenas pelo seu espírito. Em vez disso, incorporamos novas tecnologias, ecologia e nossa própria história para escrever arquitetura como um romancista escreveria um livro.

Les Espaces D´Abraxas, Le Palacio, Le Théâtre, L´Arc New Town Of Marne La Vallée Region Of Paris, France, 1982. Image © Ricardo Bofill
Les Espaces D´Abraxas, Le Palacio, Le Théâtre, L´Arc New Town Of Marne La Vallée Region Of Paris, France, 1982. Image © Ricardo Bofill

VB: Você ainda é idealista? Quando você pensa no futuro da cidade, que tipo de urbanismo e arquitetura você imagina?

RB: Sim, o mundo inteiro está sendo urbanizado a uma velocidade incrível e novas mega cidades estão surgindo em todos os lugares. Mas precisamos nos preocupar com as qualidades que apreciamos nas nossas cidades antigas: serem compactas, para pedestres, sustentáveis, ecológicas, eficientes na gestão de resíduos, e assim por diante. Mas todas essas soluções devem ser locais. Não deve haver soluções globais.

Nansha New City, Guangzhou, China, 1993. Image © Ricardo Bofill
Nansha New City, Guangzhou, China, 1993. Image © Ricardo Bofill

VB: Em que projetos você está trabalhando agora?

RB: Estamos trabalhando em muitos projetos agora, como o concurso de remodelação do estádio do Barcelona Football Club [nota do editor: desde que esta entrevista foi realizada, o concurso foi ganho por Nikken Sekkei], um novo edifício residencial em Miami, novas torres na Ásia, novas cidades Na África... E estamos trabalhando em uma nova cidade na China. Serão dez milhões de metros quadrados de cidade para 200.000 pessoas na parte sul da China.

VB: Isso é um projeto enorme...

RB: E muito, muito complicado, como você pode imaginar...

VB: Mas espere um minuto, você se tornou um Le Corbusier da China!

RB: Não, não, não, não ... [risos]. Não, porque acreditamos em uma abordagem muito diferente, uma forma muito distinta, integrada e pessoal de projeto. Eu não estou projetando esta cidade do começo ao fim. Estamos propondo o masterplan, o processo, muitos elementos diferentes do processo. Eu propus a minha visão para esta cidade, mas há muitas nuances em como ela está sendo planejada. Não estou propondo uma imagem preconcebida com uma tipologia particular de edifícios. Não é como se eu impusesse meu projeto. Não. Por exemplo, Barcelona pode servir como um grande modelo para uma nova cidade. Aqui nós temos um masterplan forte mas ao mesmo tempo a cada 20 metros, temos edifícios muito distintos. Visão urbana e boas arquiteturas funcionam bem aqui. Urbanistas de todo o mundo vêm aqui para aprender com Barcelona. Temos uma variação incrível dentro da continuidade.

The Pyramid, Spanish-French Border, 1976. Image © Ricardo Bofill
The Pyramid, Spanish-French Border, 1976. Image © Ricardo Bofill

VB: Nos anos 60 e 70 houve uma feroz batalha entre uma nova geração de arquitetos e ideias modernistas de Le Corbusier, Gropius, Mies e outros grandes mestres. Quem você acha que ganhou essa batalha e ainda é importante? Porque como você disse, o estado atual de confusão é provavelmente maior do que nunca. É natural que os jovens arquitetos lutem contra a geração mais velha, mas o que temos agora é uma luta de uns contra os outros. Há muitas vozes.

RB: Sim, muitos arquitetos estão lutando entre si, exceto nós. Somos bons amigos de todos eles. [Risos.] A arquitetura tornou-se extremamente competitiva. O pensamento autônomo está sendo perdido. A ideologia é frequentemente substituída pelos requisitos dos clientes. É substituído pela moda e pelo "star system". O momento atual é difícil para jovens arquitetos. Precisamos nos reorientar. Precisamos nos concentrar no projeto urbano. Existem muitos objetos arquitetônicos distintos e interessantes. Mas não é suficiente reunir todos esses objetos para fazer uma cidade animada. Este é um novo desafio -criar uma nova visão urbana e abordar a relação da arquitetura com a natureza e as mudanças climáticas.

VB: Parece que agora temos mais problemas e perguntas do que na década de 1960.

RB: Eu concordo.

La Fabrica, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill
La Fabrica, Sant Just Desvern, Barcelona, 1975. Image © Ricardo Bofill

VLADIMIR BELOGOLOVSKY é o fundador do projeto sem-fins-lucrativos, baseado em Nova Iorque, Curatorial Project. Formado arquiteto na Cooper Union em Nova Iorque, ele escreveu cinco livres, incluindo Conversations with Architects in the Age of Celebrity (DOM, 2015), Harry Seidler: LIFEWORK (Rizzoli, 2014), e Soviet Modernism: 1955-1985 (TATLIN, 2010). Entre suas várias exposições: Anthony Ames: Object-Type Landscapes at Casa Curutchet, La Plata, Argentina (2015); Colombia: Transformed (American Tour, 2013-15); Harry Seidler: Painting Toward Architecture (turnê mundial desde 2012); e Chess Game for Russian Pavilion at the 11th Venice Architecture Biennale (2008). Belogolovsky é o correspondente americano para a revista SPEECH a, de Berlim, e já deu palestras em universidades e museus em mais de 20 países.

A coluna de Belogolovsky, City of Ideas, apresenta aos leitores do ArchDaily suas conversas mais recentes com os arquitetos mais inovadores de todo o mundo. Essas discussões íntimas fazem parte da próxima exposição do curador, com o mesmo título, que estreou na Universidade de Sydney em junho de 2016. A exposição City of Ideas viajará para locais de todo o mundo para explorar conteúdo e o design sempre em evolução.

Cita: Belogolovsky, Vladimir. "Ricardo Bofill: “Por que as cidades históricas são mais bonitas que as modernas?"" [Ricardo Bofill: “Why Are Historical Towns More Beautiful Than Modern Cities?”] 02 Fev 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/804433/ricardo-bofill-por-que-as-cidades-historicas-sao-mais-bonitas-que-as-modernas> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nosso Canal de YouTube