O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. O poder econômico e social das cidades caminháveis

O poder econômico e social das cidades caminháveis

O poder econômico e social das cidades caminháveis
O poder econômico e social das cidades caminháveis , Nova Iorque, EUA. Imagem © Flickr Usuario: Jeffrey Zeldman. Licença CC BY-NC-ND 2.0
Nova Iorque, EUA. Imagem © Flickr Usuario: Jeffrey Zeldman. Licença CC BY-NC-ND 2.0

Nos últimos anos, as prioridades de mobilidade dos habitantes dos EUA apresentaram notórias mudanças, sobretudo entre os jovens. Se antes, a opção quase unânime de deslocamento era o automóvel, agora as opções incluem caminhadas, bicicletas ou o transporte coletivo, segundo apontam pesquisas recentes.

Esta diferença de prioridade dos modos de transporte resultou em diversos benefícios para os habitantes, mas também para a cidade, seja em termos econômicos ou sociais. 

Com efeito, em um estudo realizado em 2014 pela organização Smart Growth America, dedicada à promoção de lugares habitáveis, em conjunto com a Escola de Negócios e o Centro de Imóveis e Análises Urbanas, ambos da Universidade George Washington, foi definido o perfil de 30 áreas metropolitanas, classificadas de acordo com o quão peatonais são e como isso influencia seu desenvolvimento comercial, o nível educacional de quem habita esses locais e o desempenho econômico da região.

Nesta ocasião, observou-se que as três cidades mais peatonais foram Washington (1°), Nova Iorque (2°) e Boston (3°), enquanto que no lado oposto do espectro estavam Tampa (28º), Phoenix (29º) e Orlando (30º).

No entanto, além da posição de cada cidade na lista, a pesquisa permitiu obter outros dados que até agora não haviam sido relacionados à caminhabilidade, como por exemplo, que as cidades caminháveis têm um Produto Interno Bruto (PIB) per capita 38% maior que cidades não caminháveis, e também que atraem pessoas de nível educacional mais elevado, além de serem socialmente mais igualitárias. 

A mesma pesquisa foi realizada novamente este ano e seus resultados acabam de ser publicados. Desta vez, a premissa partiu da ideia de que "pela primeira vez em 60 anos, os lugares urbanos transitáveis das 30 maiores áreas metropolitanas [dos EUA] estão acima do valor de mercado dos subúrbios, onde o automóvel é mais usado."

Além disso, entre as 30 áreas metropolitanas foram analisados 619 WalkUPs, isto é, lugares que são significativamente peatonais dentro das cidades, mas que em sua maioria representam cerca de 1% de toda a área de uma cidade. A população das 30 regiões representa 46% de toda a população dos EUA, ou seja, aproximadamente 145 milhões de pessoas, que, por sua vez, geram 54% do PIB nacional.

Em cada uma das 30 regiões, determinou-se a porcentagem da área ocupada por comércio, escritórios e habitações de aluguel dentro dos WalkUPs, comparando o resultado com a superfície que estas ocupam na área metropolitana. O resultado mostra que Nova Iorque, Washington, Boston, Chicago, San Francisco e Seattle são as mais caminháveis.

Mas como isso se relaciona com o desempenho econômico das regiões e com o nível educacional de quem vivem ali? Segundo o estudo, estes indicadores se relacionam "de alguma maneira". 

Em termos de uso de solo e, portanto, econômicos, a pesquisa demonstrou que o desenvolvimento urbano transitável aponta para a recuperação do centro das cidades e urbanização dos subúrbios, contudo, os maiores benefícios estão em quem opta pela primeira.

Por outro lado, as regiões mais transitáveis são socialmente mais igualitárias, já que contam com menores custos de transporte e acesso a mais ofertas de emprego, aspectos que compensam os custos mais elevados dos aluguéis. 

Os resultados podem ser vistos nas tabelas:

Clique na imagem para ampliar. Imagem © Fonte: Informe “Foot Traffic Ahead 2016”.
Clique na imagem para ampliar. Imagem © Fonte: Informe “Foot Traffic Ahead 2016”.
Clique na imagem para ampliar. Imagem © Fonte: Informe “Foot Traffic Ahead 2016”.
Clique na imagem para ampliar. Imagem © Fonte: Informe “Foot Traffic Ahead 2016”.
Clique na imagem para ampliar. Imagem © Fonte: Informe “Foot Traffic Ahead 2016”.
Clique na imagem para ampliar. Imagem © Fonte: Informe “Foot Traffic Ahead 2016”.

Faça o download da pesquisa “Foot Traffic Ahead 2016” aqui.

Sobre este autor
Constanza Martínez Gaete
Autor
Cita: Gaete, Constanza Martínez. "O poder econômico e social das cidades caminháveis " [El poder económico y social de las ciudades caminables] 29 Ago 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/794058/o-poder-economico-e-social-das-cidades-caminhaveis> ISSN 0719-8906
Ler comentários

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.