O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Museu
  4. Estados Unidos
  5. SANAA
  6. 2007
  7. Clássicos da Arquitetura: New Museum / SANAA

Clássicos da Arquitetura: New Museum / SANAA

Clássicos da Arquitetura: New Museum / SANAA
Clássicos da Arquitetura: New Museum / SANAA, © Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

O New Museum é o produto de uma visão ousada para estabelecer um centro radical e politizado de arte contemporânea na cidade de Nova York. Com o objetivo de distinguir-se das instituições de arte existentes na cidade com um foco em artistas emergentes, o nome do museu incorpora seu espírito pioneiro. Nas duas décadas seguintes à sua fundação, em 1977, ganhou uma forte reputação de seu programa artístico, e eventualmente cresceu mais que sua discreta sede em um loft no SoHo. Para estabelecer uma presença visual e atingir um público mais amplo, em 2003, o escritório japonês de arquitetura foi contratado para projetar uma nova sede para o museu. A estrutura resultante, uma pilha de caixas retilíneas que se erguem sobre Bowery, seria o primeiro e, até agora, o único museu de arte contemporânea construído propositadamente em Nova York. [1]

© Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu © Laurian Ghinitoiu + 30

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Com sede em Tóquio, o SANAA (Sejima, Nishizawa e Associates) foi estabelecido por Kazuyo Sejima e Ryue Nishizawa em 1995. Estes dois arquitetos trabalharam de forma colaborativa nos projetos do SANAA, enquanto simultaneamente executavam suas próprias práticas individuais bem estabelecidas, todos alojados no mesmo edifício. Os membros da equipe sobrepõem-se através das empresas, compartilhando espaços comuns no escritório, de planta aberta; um ambiente de trabalho sem fronteiras, que atua como uma metáfora ao seu estilo arquitetônico caracteristicamente transparente. Este estilo é, em parte, uma reação contra as construções opacas encontrados nas ruas de Tóquio, e levou a comparações com as estruturas de Mies van der Rohe. [2]

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

No momento que escolhidos para projetar o New Museum, o escritório estava com outros dois projetos de galerias em andamento: o Museu do Século 21 de Arte Contemporânea de Kanazawa, Japão, e o Pavilhão de Vidro do Museu de Arte de Toledo, em Toledo, Ohio. O Museu em Ohio foi o primeiro projeto do escritório nos Estados Unidos, e sua relativa obscuridade internacional estava em consonância com a missão do New Museum em promover artistas desconhecidos. [3] Tendo recebido elogios da crítica global para estes projetos e para trabalhos posteriores, o SANAA recebeu o Prêmio Pritzker em 2010.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

O projeto para o New Museum compreende sete caixas de proporções variadas, empilhadas verticalmente em torno de um núcleo central. Os arquitetos evitaram utilizar a metragem quadrada máxima permitida pelo zoneamento vigente, proporcionando espaço para decentralizar esses volumes e criar uma interação dinâmica entre os volumes. [4] A planta original do edifício foi concebida para criar uma identidade arquitetônica distinta que refletisse a filosofia experimental dos clientes. [5]

Os elementos programáticos do museu estão dispostos através dos dez pavimentos; alojados no interiores das caixas estão galerias, escritórios, espaços para eventos, um café, um teatro, um centro de educação, e dois pisos mecânicos. A arquitetura do SANAA tipicamente cria um diálogo com o programa, como Nishizawa resumiu: "Nós usamos a função para criar o edifício, mas também o edifício cria a função" [6] Esta reciprocidade é evidente no New Museum, onde um espaço não utilizado no shaft entre o terceiro e o quarto pavimento foi convertido em uma micro-galeria que mede apenas 1,52 por 2,43, mas com um pé direito de mais de 10 metros.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Um dos principais objetivos do SANAA para o projeto era criar um museu acessível e convidativo. [7] A fim de conseguir isso, eles instalaram uma parede de vidro ao nível da rua para incutir fisicamente um sentido de abertura e transparência. A fronteira entre a rua e o museu é dissolvida por esta membrana, encorajando os transeuntes a entrarem. A continuação da calçada de concreto para o piso de concreto do museu acrescenta ainda mais para esse efeito. Os painéis de vidro da parede são afundados no chão e se estendem até o teto, mascarando assim os seus caixilhos e evitando qualquer sentimento de divisão que possa ser criado por essas fronteiras.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

O interior também conta com paredes de vidro, como a que separa a galeria na parte de trás do primeiro andar do saguão e do café na frente. Assim, o alcance do museu se estende para além do edifício, com a arte em exposição visível até mesmo para aqueles na rua.

A utilização de paredes de vidro foi facilitada pela estrutura do edifício, que se baseia em armações de aço para suportar a carga das caixas. As treliças também permitem que as galerias não tenham colunas, proporcionando um espaço de exposição desobstruída e altamente adaptável. Em certos lugares, as treliças são expostas e tornam-se elementos decorativos, com diagonais que atravessam as janelas. Em outros lugares, as treliças são cuidadosamente posicionadas para evitar obscurecer as claraboias.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Uma vez que as paredes da galeria não são auto portantes, os arquitetos puderam criar um recuo entre as paredes e o piso que evita a junção normalmente imperfeita dos dois. Este detalhe arquitetônico já havia sido empregado pelo SANAA em sua galeria em Kanazawa. [8] No New Museum, estas paredes flutuantes ecoam a ausência de peso sugerido pela estrutura global, que aparentemente levita sobre a sua fachada de vidro.

Maximizar espaços de exposição foi uma consideração chave no novo projeto, sobretudo levando em conta os limites apertados da sede anterior do New Museum. Os espaços de circulação foram reduzidos para aumentar o tamanho das galerias; a escadaria, que circula entre os terceiro e quarto andares tem apenas um metro de largura, o mínimo permitido pela regulamentação da construção da cidade. Aqui, a largura estreita da escada e a altura extrema do teto são combinadas para criar uma experiência espacial dramática.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

As galerias são quase desprovidas de janelas; os espaços de parede foram priorizados sobre as aberturas. As caixas deslocadas foram a solução encontrada para permitir a incidência de luz natural nas galerias através das claraboias nas saliências resultantes. À noite, a luz artificial produzida no interior das galerias extravasa através das claraboias, difundida pelos revestimentos e iluminando suavemente o edifício. A estrutura do teto das galerias foi deixada exposta para permitir que a arte fosse pendurado, mais uma vez proporcionando espaços de exposição maiores e mais flexíveis.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Os projetos de SANAA consistentemente se esforçam em promover uma relação entre o edifício e seu entorno, e o New Museum não é exceção. Nos desenhos originais, o edifício era mais amplo e curto do que é agora. Após passar um tem em Nova York, no entanto, os arquitetos refinaram a composição do edifício para torná-lo mais fino e alto em resposta à paisagem arquitetônica da cidade. [9] Na verdade, os degraus formados pelas caixas estruturais deslocados são uma reminiscência do perfil dos arranha-céus que tipificam o horizonte de Nova Iorque. A arquitetura da cidade é trazida para dentro do museu através das janelas panorâmicas no piso superior, que interrompem a experiência do visitante para costurar a cidade e o museu.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

O edifício também reflete seu contexto construído imediato através do uso de materiais industriais, espelhando o que os arquitetos descrevem como a "aspereza" do Bowery. [10] O exterior é revestido em duas camadas de malha de alumínio industrial, criando uma fachada texturizada cintilante. Apesar da malha de aço ser mais comumente usada na construção, o alumínio foi escolhido por ser um material mais brilhante e translúcido que remete a uma sensação de leveza. A malha suaviza as bordas do edifício, permitindo que ele borre seus limites e agregue à sua transparência.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Quando o New Museum abriu suas portas no final de 2007, foi elogiado pela imprensa arquitetônica pelo minimalismo marcante do projeto. O novo edifício foi certamente bem sucedido em levantar o perfil do New Museum, que recebeu 100.000 visitantes nos dois primeiros meses de abertura. Os arquitetos não escaparam completamente das críticas, no entanto, e vários comentários abordavam a quantidade insignificante de luz natural fornecida pelas claraboias, que são, em todos os casos, dominadas pela iluminação de tira fluorescente. [11]

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

A decisão de construir o museu no Bowery foi pouco convencional, por conta da história do bairro. Ele tinha sido um local infame pelo uso de drogas ao longo dos anos setenta e permanecia degradado trinta anos depois. Nos últimos anos, no entanto, o Bowery tem desfrutado de um período de regeneração para os quais o museu pode levar boa parte do crédito. A rua tem agora um hotel boutique, um supermercado orgânico, e um conjunto diversificado de galerias e espaços de arte. [12] O New Museum, tanto em termos do edifício e da instituição que abriga, permanece como um símbolo do poder de transformação que a arte e a arquitetura podem ter sobre a sociedade.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Referências

[1]New Museum: About”. Acessado em 20 Junho de 2016. [link]
[2] Guzmán, Kristine. “Reinterpreting traditional aesthetic values.” In Houses: Kazuyo Sejima + Ryue Nishizawa, SANAA, ed. Agustín Pérez Rubio. León: MUSAC, 2007. p167.
[3] Phillips, Lisa. “Past Present Future.” In Shift: SANAA and the New Museum, eds. Joseph Grima and Karen Wong. Baden: Lars Müller, 2008. p7.
[4] Ibid. p9.
[5] Grima, Joseph. “Interview with Kazuyo Sejima and Ryue Nishizawa.” In Shift: SANAA and the New Museum, eds. Joseph Grima and Karen Wong. Baden: Lars Müller, 2008. p26.
[6] Rubio, Augustín Perez. “Feeling at home with SANAA”. Houses: Kazuyo Sejima + Ryue Nishizawa, SANAA, ed. Agustín Pérez Rubio. León: MUSAC, 2007. p15.
[7] Ibid. Grima. p36.
[8] Elding, Jonas et al. “Backstage.” In Shift: SANAA and the New Museum, eds. Joseph Grima and Karen Wong. Baden: Lars Müller, 2008. p77.
[9] Ibid. Grima. p26.
[10] Ibid. p28.
[11] Filler, Martin. “Miracle on the Bowery.” New York Times, 17 January, 2008. Acessado em 20 Junho de 2016. [link]
[12] Ibid. Phillips. p11.

  • Arquitetos

  • Localização

    235 Bowery, Nova York, NY 10002, Estados Unidos
  • Arquitetos Responsáveis

    Kazuyo Sejima, Ryue Nishizawa (SANAA)
  • Arquiteto Local

    Gensler Architects
  • Área

    5.453 m²
  • Ano do projeto

    2007
  • Fotografias

New Art Museum / SANAA

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
SANAA
Escritório
Cita: Bryant-Mole, Bart. "Clássicos da Arquitetura: New Museum / SANAA" [AD Classics: New Museum / SANAA] 03 Ago 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/792590/classicos-da-arquitetura-new-museum-sanaa> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.