Pagina inicial

Conheça a história por trás da nova identidade da nossa marca

Saiba mais

Bart Bryant-Mole

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Clássicos da Arquitetura: Millennium Dome / Rogers Stirk Harbour + Partners

Em 1994, com o terceiro milênio se aproximando, o Reino Unido anunciou um festival nacional para o ano 2000. Em meio a um novo senso de otimismo, o festival de um ano, que ficou conhecido como Millennium Experience, tomaria a forma de uma exposição celebrando "quem somos, o que fazemos e onde vivemos". Sob a direção de projeto de Mike Davies, um parceiro do escritório de Richard Rogers (hoje conhecido como RSHP), o Millennium Dome foi projetado para abrigar a exposição.

Em uma façanha extraordinária de arquitetura e engenharia, a grande cúpula, que abrange um volume de 2,2 milhões de metros cúbicos, foi erguida, desde o conceito inicial ao topo, em apenas dois anos. Embora a Millennium Experience tenha sido encerrada no ano de 2000, o edifício que a alojou foi, desde então, utilizado para uma variedade de usos, em grande parte devido ao projeto caracteristicamente flexível de Richard Rogers.

Passarela elevada  (CC-BY-2.0)Um suporte de aço perfura o dossel da cúpula (CC-BY-2.0)Duas torres de serviço cilíndricas estão adjacentes à cúpula (CC-BY-2.0)The 'Body Zone'  (CC-BY-2.0)+ 8

Clássicos da Arquitetura: Conjunto Habitacional Park Hill / Jack Lynn e Ivor Smith

De sua vista panorâmica sobre a colina no extremo leste de Sheffield, no Reino Unido, o Conjunto Habitacional Park Hill examina a cidade pós-industrial que se espalha para o oeste. Sua posição proeminente torna a obra altamente visível e, com o tempo, enraizou-se na consciência popular, como parte do tecido da cidade. Embora hoje divida opiniões, após sua conclusão em 1961 foi aclamado como um modelo exemplar para habitação social. Projetado pelos arquitetos Jack Lynn e Ivor Smith, sob a supervisão do arquiteto visionário de Sheffield, John Lewis Womersley, o edifício agora é um testamento para uma época em que os jovens arquitetos britânicos estavam revolucionando o campo da arquitetura residencial com programas habitacionais radicais.

O Park Hill foi parte da estratégia de Womersley para introduzir mais habitações de altas densidades para Sheffield, que ele acreditava que promoveriam um senso de comunidade mais forte do que os modelos habitacionais da época. [1] Esta política foi acompanhada por uma necessidade urgente de remoção de favelas; The Park, uma favela muito notória por sua alta taxa de criminalidade, também conhecida localmente como "Little Chicago", foi demolida para dar lugar ao conjunto.

Após a reforma. Imagem © Paul Dobraszczyk© Paul Dobraszczyk© Paul Dobraszczyk© Paul Dobraszczyk+ 17

Clássicos da Arquitetura: Bharat Bhavan / Charles Correa

No final dos anos 1970, o Governo da Índia lançou uma iniciativa para construir em cada uma das capitais uma instituição para celebrar a produção cultural e criativa da nação. Embora o programa tenha sido mal sucedido, um exemplo brilhante permaneceu: Bharat Bhavan ("Casa da Índia"), localizada em Bhopal.

Projetado pelo astro da arquitetura indiana, Charles Correa, este centro multi-artes abriu suas portas em 1982. Mais de trinta anos depois, continua a abrigar uma variedade de equipamentos culturais e receber diversos eventos de artes. O projeto do complexo é produto da missão de Correa em estabelecer um estilo arquitetônico moderno específico para a Índia e distinto do modernismo europeu. Projetando sobre a fonte de materiais abundante proporcionada pelo rico patrimônio arquitetônico de seu país de origem, em Bharat Bhavan Correa produziu um edifício para a era moderna que também permanece firmemente enraizado nas tradições vernaculares do passado da Índia.

Cortesia de Charles Correa FoundationCortesia de Charles Correa FoundationCortesia de Charles Correa FoundationCortesia de Charles Correa Foundation+ 50

Clássicos da Arquitetura: New Museum / SANAA

O New Museum é o produto de uma visão ousada para estabelecer um centro radical e politizado de arte contemporânea na cidade de Nova York. Com o objetivo de distinguir-se das instituições de arte existentes na cidade com um foco em artistas emergentes, o nome do museu incorpora seu espírito pioneiro. Nas duas décadas seguintes à sua fundação, em 1977, ganhou uma forte reputação de seu programa artístico, e eventualmente cresceu mais que sua discreta sede em um loft no SoHo. Para estabelecer uma presença visual e atingir um público mais amplo, em 2003, o escritório japonês de arquitetura foi contratado para projetar uma nova sede para o museu. A estrutura resultante, uma pilha de caixas retilíneas que se erguem sobre Bowery, seria o primeiro e, até agora, o único museu de arte contemporânea construído propositadamente em Nova York. [1]

© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu+ 30