O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. Arquitetos que projetam prisões são os mesmos que projetam escolas (ou como pensar a escola do século XXI)

Arquitetos que projetam prisões são os mesmos que projetam escolas (ou como pensar a escola do século XXI)

Arquitetos que projetam prisões são os mesmos que projetam escolas (ou como pensar a escola do século XXI)
Arquitetos que projetam prisões são os mesmos que projetam escolas (ou como pensar a escola do século XXI), New City School, Frederikshavn / Arkitema Architects . Imagem Cortesia de Arkitema Architects
New City School, Frederikshavn / Arkitema Architects . Imagem Cortesia de Arkitema Architects

Na Colômbia, o arquiteto estadunidense Frank Locker tem assessorado a Secretaria de Educação de Bogotá, guiando arquitetos e construtores sobre o modelo de uma nova infraestrutura escolar, capaz de enfrentar as constantes mudanças sociais e culturais da sociedade colombiana. Com vasta experiência em arquitetura educacional e ambientes para aprendizagem, Locker afirma que estamos nos limitando a replicar, literalmente, o modelo espacial das prisões, sem interesse algum em estimular uma formação integral, flexível e versátil.

Segundo o professor da Harvard GSD, continuamos repetindo a grande fórmula do século XX: professores transmitindo um conhecimento rígido e básico, de caráter unidirecional e massivo às novas gerações, ignorando o fato de que todos os estudantes possuem distintas motivações, interesses e habilidades. A comparação com a prisão não é exagero. "Com que espaço você relacionaria uma fila de salões de porta fechada com um corredor no qual não se pode estar sem permissão e um sinal sonoro que ordena entrar, sair, terminar ou começar as aulas?", questiona Locker.

Então, como seria o projeto das escolas do século XXI?

"Marcha dos 100 mil guarda-chuvas", protesto no contexto das marchas estudantis de 2011 no Chile. Imagem ©  Rafael Edwards [Flickr CC]
"Marcha dos 100 mil guarda-chuvas", protesto no contexto das marchas estudantis de 2011 no Chile. Imagem © Rafael Edwards [Flickr CC]

Que em nível mundial os modelos educacionais estejam em constante questionamento e transformação (ou 'crise'), não é uma novidade: temos visto desde a Revolução Francesas e a queda do monopólio eclesiástico da educação no Antigo Regime até o atual debate público no ultraconservador Paquistão sobre se é necessário educar tanto as mulheres quanto os homens (atualmente 86% apoiam essa ideia), passando pela ofensiva militar dos extremistas islâmicos Boko Haram ('a educação ocidental é pecado') que buscam a erradicação da atual formação educativa na Nigéria para impor a lei islâmica (sharia) em todo o país.

As transformações educativas requerem longos períodos e seus frutos são cozidos à fogo baixo. Curiosamente são promulgadas por aqueles que viveram em sistemas educativos já oxidados e seus resultados serão visíveis  em gerações que ainda nem iniciaram sua formação. Entretanto, e seja qual for o sistema - positivo ou negativo - a arquitetura costuma refletir estas visões em vez de revoltar-se contra elas, pois é a materialização das visões formativas estipuladas pelo Estado e os privados além das margens permitidas para a criatividade espacial. 

Escola Lucie Aubrac / Laurens&Loustau Architectes. Imagem © Stéphane Chalmeau
Escola Lucie Aubrac / Laurens&Loustau Architectes. Imagem © Stéphane Chalmeau

Então, em plena era da informação (mais correto do que falar de uma era do conhecimento), os cidadãos exigem diferentes mudanças nos seus modelos educativos e em diferentes velocidades para diferentes sociedades e idiossincrasias. A nossa disciplina, a GSAPP da Columbia, dirigida por Mark Wigley estimulou desde a teoria até a formação das futuras perguntas de arquitetura, enquanto na América Latina, estudar arquitetura continua sendo um fórmula segura para a ascensão social. Do mesmo modo, na África e Ásia, os novos arquitetos continuam abordando as necessidades básicas de infraestrutura e serviços em países em vias de desenvolvimento.

Deste modo, como então a arquitetura influencia na criação de espaços educacionais?

Escola primaria Kirkmichael / Holmes Miller. Imagem © Andrew Lee
Escola primaria Kirkmichael / Holmes Miller. Imagem © Andrew Lee

Colégio como prisão e o medo do professor

O arquiteto estadunidense, Frank Locker, afirmou em uma recente entrevista para o jornal colombiano 'El Tiempo' que sua aproximação com a arquitetura educacional foi produzida curiosamente quando começou a receber requerimentos sobre infraestruturas formativas que se afastaram do modelo tradicional de colégio, ou seja, 'como prisões'. Quando consultado sobre porquê os colégios de hoje foram desenhados como prisões, Locker responde:

"Nos Estados Unidos, as mesmas pessoas que desenharam as prisões, desenharam também muitos colégios. Com que espaço você relacionaria uma fila de salões de porta fechada com um corredor no qual não se pode estar sem permissão e um sinal sonoro que ordena entrar, sair, terminar ou começar as aulas?"

Escola Saunalahti / VERSTAS Architects. Imagem © Tuomas Uusheimo
Escola Saunalahti / VERSTAS Architects. Imagem © Tuomas Uusheimo

O ordenamento espacial e o tempo que as crianças passam neste tipo de infraestrutura se reflete na sala de aula: em outra entrevista a um jornal colombiano, Semana, Locker adverte que "em algumas culturas espera-se que se tenha medo do professor e este tipo de infraestrutura contribui para apoiar essa filosofia pedagógica". Não é necessário indagar-se muito para respaldar essa ideia: relembremos a distribuição das mesas e cadeiras nos nossos colégios e o professor como fonte inatacável e impecável do conhecimento.

Além disso, estamos no século XXI, em plena idade da informação e o professor deixa de ser o dono do conhecimento. Com novas gerações formadas e alimentadas através dos múltiplos canais que oferece a internet, seu papel deve ser o guia que facilita e orienta os alunos a criar seu próprio conhecimento. E claro, essa mudança de paradigma sobre o papel do professor possui repercussões  espaciais. Locker reconhece: 

"Estes salões fechados, retangulares e isolados funcionam muito bem para esta modalidade de aprendizagem, pouco afetiva para reter conhecimento. Além disso, está centrado no docente e não no estudante e não oferece aos alunos as habilidades que necessitam para sobreviver no mundo de hoje."

Escola Saunalahti / VERSTAS Architects: segundo nivel. Imagem Cortesia de VERSTAS Architects
Escola Saunalahti / VERSTAS Architects: segundo nivel. Imagem Cortesia de VERSTAS Architects

Locker Postula que as escolas devem permitir a existência de uma comunidade, "que haja espaços para grupos de estudantes de várias idades, que em um mesmo lugar possam ser realizadas atividades simultâneas e que tenham ferramentas para facilitar a aprendizagem ativa", onde "os estudantes deixem de ser anônimos, evitando assim problemas de convivência. São lugares onde o diretor e os professores realmente conhecem seus alunos". As salas são de forma circular, tendo ferramentas para facilitar a aprendizagem ativa, por exemplo, móveis que favoreçam a colaboração entre alunos, com acesso a dispositivos móveis e laboratórios para projetos. 

Escola Primaria e Centro Comunitario Legson Kayira / Architecture for a Change. Imagem Cortesia de Architecture for a Change
Escola Primaria e Centro Comunitario Legson Kayira / Architecture for a Change. Imagem Cortesia de Architecture for a Change

A escola: flexível, educativa, pública e urbana

Coincidem nesse pensamento a jornalista e historiadora Anatxu Zabalbeascoa e a politóloga catalã Judit Carrera que resgatam, em recentes colunas, as lições da educação finlandesa após 40 anos de ensaio e erro, com a arquitetura como ator primordial na materialização dos objetivos estatais.

Enquanto Zabalbeascoa afirma que "os melhores espaços educativos são aqueles que foram desenhados para todos, os que estabelecem uma relação como lugar e com o mundo exterior em vez de isolar, os que são flexíveis e que podem se reinventar", então Carrera resgata em "A escola como espaço público" que os finlandeses "concebem as escolas como espaços simultaneamente urbanos, educativos e políticos. Como espaço físico, a escola aspira proporcionar o bem-estar do lar. Para os arquitetos finlandeses, projeto de um centro escolar é motivo de orgulho e prestígio", além do habitual apoio do investimento público no desenvolvimento de jovens arquitetos.

New City School, Frederikshavn / Arkitema Architects: primeiro nível. Imagem Cortesia de Arkitema Architects
New City School, Frederikshavn / Arkitema Architects: primeiro nível. Imagem Cortesia de Arkitema Architects

No entanto, o êxito da Finlândia não nos pode obscurecer a visão, pois não é possível replicá-lo como uma franquia de comida rápida ou uma receita farmacêutica ao redor do mundo, por mais tentador que nos pareça; Tal como uma lição de arquitetura, isto trata-se do...contexto. Sim, contexto social, econômico, espacial, geográfico e perceptivo. Claro, não é possível entender o êxito do modelo nórdico sem considerar a feroz pressão cultural da Rússia após sua independência - país do qual se separou em 1917 - e uma economia atrasada em meados dos anos 50, enquanto o resto da Europa se recuperava da Segunda Guerra Mundial através da industrialização, consumo e da progressiva urbanização da sociedade. 

"Em 1970 tínhamos um baixo nível educacional, éramos uma nação agrícola pobre, que necessitava de uma melhor educação para desenvolver nossa prosperidade e segurança. O debate político foi feroz e acalmou-se somente quando as legislações foram aprovadas", afirmou Pasi Sahlberg, especialista finlandês em política educativa, em uma recente entrevista a um jornal chileno, sobre o contexto histórico da Finlândia e das reformas que transformaram seu país há 40 anos.

Apesar da impressa se apressar em apresentar os postulados de Locker e da receita finlandesa como a "educação do futuro", na realidade a necessidade de reformular os paradigmas formativos a nível espacial são contemporâneos. Parafraseando Mark Wigley, talvez estamos dando as respostas corretas a perguntas mal formuladas. Então, antes de pensar como desenhar os futuros (atuais) espaços de arquitetura educacional, a pergunta é outra: o que buscamos exatamente ao (nos)educar?

New City School, Frederikshavn / Arkitema Architects . Imagem Cortesia de Arkitema Architects
New City School, Frederikshavn / Arkitema Architects . Imagem Cortesia de Arkitema Architects

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: Valencia, Nicolás. "Arquitetos que projetam prisões são os mesmos que projetam escolas (ou como pensar a escola do século XXI)" [Quienes diseñaron cárceles, también diseñaron colegios (o cómo pensar la escuela del siglo XXI)] 12 Abr 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/785131/aqueles-que-desenharam-as-prisoes-tambem-desenharam-os-colegios-ou-como-pensar-a-escola-do-seculo-xxi> ISSN 0719-8906
Ler comentários

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.