O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Críticos comentam a Bienal de Arquitetura de Chicago

Críticos comentam a Bienal de Arquitetura de Chicago

  • 07:00 - 11 Novembro, 2015
  • por
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Críticos comentam a Bienal de Arquitetura de Chicago
Imagem de Chicago do ensaio fotográfico de Iwan Baan. Imagem © Iwan Baan
Imagem de Chicago do ensaio fotográfico de Iwan Baan. Imagem © Iwan Baan

Na semana retrasada, a Bienal de Arquitetura de Chicago abriu para mais de 31.000 visitantes e com muito alarde, por uma boa razão - trata-se do maior evento de arquitetura no continente desde a Exposição Universal de 1893 , com mais de cem expositores de mais de trinta países. Com um tema tão ambíguo como "O Estado da Arte da Arquitetura", e com a esperança de fazer a bienal, de acordo com diretores Joseph Grima e Sarah Herda, "um espaço de debate, diálogo e de produção de novas idéias", o evento certamente geraria opiniões igualmente abrangentes. Leia mais para descobrir o que os críticos têm a dizer sobre a Bienal.

Vista da instalação da Bienal de Arquitetura de Chicago . Foto por Steve Hall, © Hedrich Blessing. Cortesia de Chicago Architecture Biennial
Vista da instalação da Bienal de Arquitetura de Chicago . Foto por Steve Hall, © Hedrich Blessing. Cortesia de Chicago Architecture Biennial

"Menos ênfase em edifícios tradicionais e grandes planos e muito mais nos esboços, reconsiderações pós-modernas e construções fragmentárias." - Aaron Betsky, Architect's Newspaper

Betsky parecia gastar muito de seu tempo no palco principal da Bienal, o estilo Beaux-Arts do Chicago Cultural Center, onde ele se divertiu com as exposições - se não totalmente impressionado - mas talvez distraído com o edifício em si:

"Ele apresenta os expositores com o problema Cooper-Hewitt: um prédio que chama tanta atenção pelo seu próprio peso na história e na ambição que é difícil para os expositores respirarem."

A definição fortaleceu o argumento de Betsky sobre o fato de que a Bienal assumiu uma sensação neo-pós-modernista; ele argumenta que muitos dos projetos parecem renunciar a ordem da arquitetura contemporânea, aproximando-se do projeto com uma atitude mais caprichosa:

"Parecemos estar em um momento pós-moderno particular aqui, um que incide sobre a intersecção de derretimento do classicismo e da fé na tecnologia que traz à mente tanto Barbarella como Archigram."

Enquanto ele aponta os favoritos, tais como as assembleias de objetos do cotidiano de Sou Fujimoto que transformaram-se em arquitetura pela adição de figuras da escala, em última análise, Betsky parecia ser dominado pela grande extensão dos temas:

"Não faça grandes planos', a exposição parecia sussurrar nos cantos de sua prisão Beaux-Arts, 'apenas subverta a ordem.'"

Sou Fujimoto Architects (Tóquio, Japão). Architecture is Everywhere, 2015. Imagem © Becky Quintal
Sou Fujimoto Architects (Tóquio, Japão). Architecture is Everywhere, 2015. Imagem © Becky Quintal

"Quando um evento bianual consegue reunir algumas das melhores mentes arquitetônicas do mundo, pode ser uma boa ideia colocá-las para trabalhar." - Oliver Wainwright, The Guardian

Wainwright também parecia sofrer uma espécie de vertigem arquitetônica, chamando os trabalhos de "deslumbrantemente católicos." Ele reconhece a intenção por trás dessa abordagem como um "local de experimentação" e não um apreciar de produtos acabados, mas sente que a Bienal pode fazer algo melhor para seguir um caminho mais coerente:

"Torna-se uma brincadeira animada pelo conjunto das muitas coisas diferentes inseridas na palavra 'arquitetura' , mas a grande amplitude de abordagens, combinada com uma clara falta de qualquer ideia central, pode torná-la uma experiência frustrante."

A exposição favorita de Wainwright veio da filha nativa de Chicago, Jeanne Gang, e sua proposta de dar um rosto amigável para delegacias de polícia através da concepção e envolvimento da comunidade. Na verdade, ele leva o seu elogio um pouco mais além, apresentando ideias do projeto que poderiam ser traduzidas no tema de todo o evento:

"A medida que evolui, o poder desta nova bienal de arquitetura pode ser encontrado menos em imitar os tipos de instalações Instagram-friendly de Veneza, e mais em um envolvimento direto com os problemas reais enfrentados pela cidade de Chicago.”

Atelier Bow-wow (Tóquio, Japão). Piranesi Circus, 2015. Foto por Steve Hall, © Hedrich Blessing. Cortesia de Chicago Architecture Biennial
Atelier Bow-wow (Tóquio, Japão). Piranesi Circus, 2015. Foto por Steve Hall, © Hedrich Blessing. Cortesia de Chicago Architecture Biennial

"A arquitetura pode ser muitas coisas para muitas pessoas, e em nenhum lugar isso ficou mais evidente do que na Bienal de Arquitetura de Chicago." - Patrick Sisson, Curbed

Em contraste com os outros críticos, Sisson viu o caos do tema da Bienal como seu ponto forte:

"A incapacidade do organizador em cortar o debate e parar de expandir o círculo de tópicos, pode ser frustrante, mas também foi, talvez, o ponto forte da Bienal."

Ele também aventura-se para o exterior das exposições, e ficou impressionado. Exemplos como as instalações de luz de Luftwerk no Garfield Park Conservatory pareciam amarrar o evento com sua cidade de uma forma que não era óbvia no palco principal:

"Intercalando algumas das peças conceituais com estes tipos de instalações na cidade reforçaria drasticamente a exposição."

Mas no geral, a perspectiva de Sisson permaneceu otimista - afinal, a Bienal é o maior evento de arquitetura em Chicago em mais de 100 anos:

"Pela primeira vez, a Bienal parece ter estabelecido uma personalidade e filosofia para si, uma visão mais aberta da arquitetura. Enquanto esta tomada mais aventureira pode ter parecido mais solta e menos focada, os pontos altos sugerem que é definitivamente uma conversa que vale a pena continuar. "

Kéré Architecture (Berlim, Alemanha). Place for Gathering, 2015. Foto por Steve Hall, © Hedrich Blessing. Cortesia de Chicago Architecture Biennial
Kéré Architecture (Berlim, Alemanha). Place for Gathering, 2015. Foto por Steve Hall, © Hedrich Blessing. Cortesia de Chicago Architecture Biennial

"Você nunca sabe onde um arquiteto vai encontrar sua inspiração." - Blair Kamin, Chicago Tribune

O escritor do Chicago Tribune, Kamin, comenta também a falta de coerência temática, mas reconhece a paixão com a qual as instalações foram projetadas:

"A primeira Bienal de Arquitetura de Chicago, que reúne projetos feitos por mais de 100 desenhadores de mais de 30 países em seis continentes, é, por turnos, surpreendentemente urbana, enlouquecedora, megalomaníaca, profundamente humanista, divertidamente progressista e intelectual."

Kamin também percebe a falta de importância dada aos grandes nomes dentro do campo. Apesar de não estarem ausentes figuras reconhecíveis (contribuintes incluem BIG, David Adjaye e a já mencionada Jeanne Gang), a mensagem do evento subverte a tradição e a expectativa. Ele vê a Bienal como uma tentativa de redescobrir a inovação e a criatividade que foi colocada na exibição em Chicago, em 1893, cujos resultados permanecem no nosso dia-a-dia:

"Em vez de defender uma única abordagem estética, a bienal abarca muitos (embora arquitetos tradicionais provavelmente irão se queixam de que eles estão mal representados). Vemos as prioridades transnacionais de uma geração que irá substituir os 'starchitects,' de hoje por pesquisas arquitetônicas para o espaço público. Tal pluralismo acaba por ser uma força e uma fraqueza. "

Vo Trong Nghia Architects (Ho Chi Minh City, Vietnã). S House, 2014. Foto por Tom Harris, © Hedrich Blessing. Cortesia de Chicago Architecture Biennial
Vo Trong Nghia Architects (Ho Chi Minh City, Vietnã). S House, 2014. Foto por Tom Harris, © Hedrich Blessing. Cortesia de Chicago Architecture Biennial

"Eu prefiro pensar que nosso discurso se tornou muito moralizante e politizado" - Patrik Schumacher, Zaha Hadid Architects

Então talvez, aparece como nenhuma surpresa que um desses grandes nomes, como Patrik Schumacher, levantou seu descontentamento com o evento, levando ao Facebook sua própria crítica da bienal:

"O Estado da Arte na Arquitetura entregue pela Bienal de Arquitetura de Chicago deve deixar os visitantes leigos perplexos por uma mensagem subliminar esmagadora: a arquitetura contemporânea deixou de existir, a culpa e a má consciência da disciplina solapou a sua vitalidade, impulsionado-a à auto-aniquilação e os arquitetos têm agora se dedicado a fazer o bem através de um trabalho social básico".

Schumacher vê as tentativas de inovação em pequena escala e os precedentes não tradicionais, como extravagantes e contraprodutivos para o campo da arquitetura, que deve sempre utilizar as tecnologias mais relevantes para criar uma forma:

"Estou realmente argumentando que parametricismo representa o nosso paradigma de boas práticas globais contemporâneas ... mesmo para o trabalho nas arenas mais pobres. Ir com o modernismo (ou para ir para o Neo-Racionalismo recentemente em moda ou Neo-pós-modernismo) seria como rejeitar as mídias sociais e insistir no serviço postal em vez disso. " 

Schumacher parece ter especialmente em questão os projetos que objetivam melhorar localidades com pequenas intervenções simples, como a Color(ed) Theory de Amanda Williams:

"É tudo muito familiar agora: a exatidão política inunda a disciplina e assume seus espaços discursivos".

"Os intelectuais e arquitetos estão seguindo um caminho relativamente pobre?... Eu estou tão comprometida com o progresso social e a realização de um mundo melhor para todos, como qualquer um dos meus críticos moralizantes. "

15 Must-See Installations at the Chicago Architecture Biennial

Sobre este autor
Patrick Lynch
Autor
Cita: Lynch, Patrick. "Críticos comentam a Bienal de Arquitetura de Chicago" [Critics Take On "The State of the Art of Architecture" in Chicago] 11 Nov 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/776783/criticos-comentam-a-bienal-the-state-of-the-art-of-architecture-em-chicago> ISSN 0719-8906