O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Um passeio virtual pelo Pavilhão de Barcelona de Mies van der Rohe

Um passeio virtual pelo Pavilhão de Barcelona de Mies van der Rohe

  • 15:00 - 4 Outubro, 2015
  • por Adam Jasper, Archilogic
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Um passeio virtual pelo Pavilhão de Barcelona de Mies van der Rohe
Este artigo de Realidad Virtual é patrocinado por:
A Saint-Gobain não se responsabiliza por, e se isenta expressamente da responsabilidade por danos de qualquer tipo decorrentes do uso, referente a ou dependente de qualquer informação contida neste local. A Saint-Gobain não garante que a informação estará correta, completa ou atualizada ou que não irá infringir qualquer direito autoral ou qualquer outra propriedade de direito intelectual e a Saint-Gobain não endossa qualquer tipo de informação contida neste local. Ainda que o ArchDaily forneça links com outros recursos da internet, incluindo páginas de internet, a Saint-Gobain não se responsabiliza pela precisão ou pelo conteúdo da informação contida nestes locais. Os links do ArchDaily com terceiros não representam uma aprovação da Saint-Gobain destas partes ou de seus produtos ou serviços.

O Pavilhão de Barcelona foi utilizado oficialmente apenas uma vez e foi no dia 27 de maio de 1929, quando o rei da Espanha, Alfonso XIII, participou de uma cerimônia para a sua abertura. O seu papel, de acordo com uma declaração oficial do presidente Paul von Hindenburg, era "apresentar o espírito da nova Alemanha: simplicidade e clareza de meios e intenções, tudo é aberto, nada está oculto". Como a primeira participação oficial da Alemanha em um evento internacional desde o fim catastrófico da Primeira Guerra Mundial, foi um dia de enorme importância simbólica, com a presença de diplomatas, aristocratas e outras personalidades. Dentro de alguns anos, a paz entraria em colapso, tanto em Barcelona quanto em Berlim mas, por um momento, em maio, a modernidade foi recebida com otimismo.

O Pavilhão de Barcelona tinha a intenção de incorporar esse momento. Livre de ornamento externo, a edificação foi feita com materiais luxuosos. Paredes foram formadas com placas finas de pedra semi-preciosa luminosa, de mármore polido verde para ônix dourada. Segundo o relato influente de Philip Johnson, elas não limitavam fisicamente espaço mas sim, sugeriam um movimento fluído, e não dividiam, conectavam; trazendo o interior para o exterior, continuando para além da linha da cobertura ao jardim. Enquanto as colunas forneciam uma espécie de grade cartesiana de pontos que amarravam o telhado, as paredes foram posicionadas livremente. No pátio há uma escultura de bronze, de braços no ar em um gesto que poderia ser uma dança ou uma expressão de dor, refletida na piscina. Com as paredes assimétricas, a pedra de luxo, a luz brilhante, o pódio em que a edificação foi assentada; O pavilhão foi, ao mesmo tempo um edifício hiper-modernista e uma ruína clássica.

Cortesia de Archilogic
Cortesia de Archilogic

Era "talvez a edificação mais importante deste século", como Peter Behrens disse, em uma modéstia estratégica que na época poucos perceberam. Em menos de um ano o original foi demolido, o seu aço vendido para a sucata, os móveis dispersos e as paredes discriminadas por mesas de café (a maioria das quais não foram rastreadas). Há mais de 50 anos, só existia na forma de algumas informações de arquivos incompletos e algumas fotografias de revistas em preto e branco. Inicialmente muito pouco foi escrito sobre a edificação em geral. Uma revisão típica da exposição, por William Francklyn Paris, em Architectural Forum, 1929, iria interpretar de forma equivocada a obra, "A Exposição de Barcelona: Um esplêndido mas Custoso Esforço dos Catalães". Como Juan Pablo Bonta observou em um ensaio clássico chamado de "Cegueira " em 1979, o pavilhão só poderia ser reconhecido como uma obra-prima poética uma vez que o caminho fosse preparado para isso. Indiscutivelmente, foi o MoMA que forjou a lenda. Philip Johnson apresentou Mies van der Rohe ao MoMA em 1947, em uma exposição projetada e instalada pelo próprio Mies. Até o final da década de 1950, foi universalmente reconhecido como a edificação perfeita: era fascinante, conceitualmente clara, e o melhor de tudo, como tinha sido demolida, era incapaz de decepcionar.

Cortesia de Archilogic
Cortesia de Archilogic

As fotografias que sobreviveram mostravam o edifício como algo entre um set de filmagem e um mausoléu, e, claro, eles excluíram qualquer vislumbre da louca Disneylândia de confecções arquitetônicas que estavam nas proximidades, como os pavilhões da Bélgica e da Itália ou o Brašovan, impressionante pavilhão iugoslavo. Com exceção das fotografias que documentam a abertura formal, a edificação é sempre mostrada sem pessoas. As cadeiras famosas que Mies van der Rohe concebeu como tronos modernistas nunca foram sequer utilizadas. Os críticos que visitam o pavilhão reconstruído hoje escreveram sobre ele como se fosse um antigo sítio arqueológico, um templo de uma religião extinta há muito tempo, e de certa forma, é.

Um passeio virtual pelo Pavilhão de Barcelona de Mies van der Rohe, Cortesia de Archilogic
Cortesia de Archilogic

Na década de 1980, o Pavilhão foi reconstruído utilizando toda a documentação disponível nos arquivos do MoMA. Foi uma tarefa meticulosa de 'falsificação', até as paredes de pedra semi-preciosas foram cuidadosamente combinadas, tanto quando a construção das colunas metálicas brilhantes. Porém, as perguntas permanecem. Para que, por exemplo, foram utilizados os dois pequenos cômodos na parte posterior? Eram depósitos do zelador ou salas de reuniões discretas para diplomatas preocupados? Perguntei ao Professor George Dodds, autor de "Edifício Desejo", sobre esses cômodos e ele disse, "honestamente, eu nunca li uma maldita  coisa sobre o que pode ter acontecido nessa parte do Pavilhão."

Cortesia de Archilogic
Cortesia de Archilogic

Agora, Archilogic fez uma reconstrução digital exata do Pavilhão de Barcelona, para que seja possível explorar esta obra-prima modernista. O modelo Archilogic é interativo, desta forma você pode mexer com programa de Mies acrescentando uma cama, um sofá, e todos os outros móveis da vida doméstica cotidiana. Se você já havia se perguntado se o seu mobiliário ficaria bem em uma obra-prima, esta é sua chance de descobrir.

Cortesia de Archilogic
Cortesia de Archilogic

Se você quiser testar suas habilidades de projeto em seu próprio apartamento, você pode simplesmente fazer upload de uma planta de seu apartamento no archilogic.com e um modelo 3D será elaborado no prazo de 24 horas.

Comece o passeio acima, ou através deste link.. A animação irá guiá-lo através de diferentes aspectos da construção e, finalmente, deixará que você crie seu Pavilhão Barcelona.

  • O ícone da câmera repetirá a animação. 
  • Os ícones da planta baixa, da caixa e da escala humana mudam a perspectiva. 
  • A barra de tarefas à direita contém a conta, o interior e o menu de compartilhamento.

Não perca os Passeios Virtuais do Archilogic pela House #8 de Charles e Ray Eames e pela Casa Farnsworth de Mies van der Rohe

Sobre este autor
Adam Jasper, Archilogic
Autor
Cita: Jasper, Adam. "Um passeio virtual pelo Pavilhão de Barcelona de Mies van der Rohe" [A Virtual Look Into Mies van der Rohe's Barcelona Pavilion] 04 Out 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/774669/um-passeio-virtual-pelo-pavilhao-de-barcelona-de-mies-van-der-rohe> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.