O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. Lições da quebra de Detroit

Lições da quebra de Detroit

Lições da quebra de Detroit
Lições da quebra de Detroit, © Wikimedia Commons
© Wikimedia Commons

Acabamos de assistir Detroit, uma cidade outrora símbolo do poder dos Estados Unidos durante o século XX, declarar falência, iniciando os trâmites para liquidar os ativos da cidade e pagar as dívidas aos credores.

Atualmente a cidade possui uma dívida recorde de 18,5 bilhões de dólares, conta com 78 mil edifícios abandonados, 40% da iluminação pública sem funcionar e, além disso, sua população diminuiu pela metade nos últimos 60 anos.

Maior cidade do estado de Michigan e sede do Condado de Wayne, é conhecida como centro tradicional do mundo automobilístico. Foi fundada em 1701 por comerciantes franceses de peles, que a chamaram de Paris do Ocidente no final do século XIX, por sua arquitetura.

Apesar de sua grande e tradicional história, para nós, isso deve ser encarado como um alerta e precisamos tirar lições sobre isso, tomando precauções para cuidar das finanças municipais, que são, em grande maioria, frágeis e requerem algum resgate financeiro.

Podemos ver como há pouco mais de um mês, o prefeito da cidade chilena de Valparaíso, Jorge Castro, fez um apelo ao Ministério da Educação para liberar 3,2 bilhões de pesos de subvenção embargados devido ao não-pagamento dos salários dos professores do sistema público municipal. Esta dívida deixa a corporação municipal à beira da falência.

Então, o que podemos fazer? O economista urbano Richard Florida, em seu livro "El gran Reset" (2011), aponta que as crises oferecem oportunidades para que as sociedades ressurjam renovadas. Discorre sobre mudanças econômicas e financeiras, sobre novas pautas na forma em que trabalhamos ou consumimos, mas também sobre nossa atitude perante a propriedade ou a forma em que introduzimos inovações no ambiente de trabalho e pessoal. Em suma, uma profunda revolução social, não vista hoje em dia.

Isso não acontece introduzindo tecnologia de ponta em algum lugar, mas com pessoas inovadoras, criativas, empreendedoras, com caráter e desejo de sucesso. Não há força maior do que aglomerar pessoas produtivas e talentosas para revitalizar uma cidade.

É também importante levar em consideração que a cidade monofuncional não funciona. No caso de Detroit, ela concentrou-se na indústria automotiva, deixando de lado outros modos de transporte, baseando sua economia somente neste setor. Uma cidade necessita ter diferentes tipos de mercados e funções dentro dela, senão, está fadada ao declínio.

Por Gerardo Ureta Campos. Formado em Planejamento e Gestão Urbana na IEUT-UC e em Economia na UC. Criador do blog EconomiaUrbana.cl. Via Plataforma Urbana. Tradução Eduardo Souza, ArchDaily Brasil.


Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: Romullo Baratto. "Lições da quebra de Detroit" 28 Ago 2013. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/137410/licoes-da-quebra-de-detroit> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.