O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. Onde o Zoneamento se Encaixa no Planejamento das Nossas Cidades do Futuro?

Onde o Zoneamento se Encaixa no Planejamento das Nossas Cidades do Futuro?

Onde o Zoneamento se Encaixa no Planejamento das Nossas Cidades do Futuro?
Onde o Zoneamento se Encaixa no Planejamento das Nossas Cidades do Futuro?, NYC.GOV - Departamento de Planejamento
NYC.GOV - Departamento de Planejamento

Vamos abandonar a palavra "zoneamento", como nas portarias de zoneamento que regem a forma como a terra é utilizada e como edifícios, muitas vezes são projetados. A regulamentação do uso da terra ainda é necessária, mas cada vez mais o zoneamento se tornou um termo conceitualmente inadequado, uma caracterização obsoleta de como planejamos e e damos forma ao crescimento. - Roger K. Lewis

O zoneamento, conceito com pouco mais de um século de idade, já está se tornando um sistema ultrapassado pelo qual o governo regula o desenvolvimento e o crescimento. Exceções e brechas na legislação de zoneamento atual provam que o planejamento da cidade está empurrando uma transformação de zoneamento para refletir os objetivos e as necessidades de construção da cidade hoje e no futuro. Para determinar como o zoneamento e o uso do solo precisam mudar é preciso primeiro avaliar as intenções da construção de cidade do futuro. Planejadores e arquitetos, legisladores e ativistas comunitários já começaram a estabelecer diretrizes e portarias que abordam os objetivos de sustentabilidade e habitabilidade. A AIA estabeleceu Líderes Locais: Comunidades Mais Saudáveis ​​Através do Design e fez um compromisso com a Década do Design: Desafio Soluções Globais. Nova York veio com o Diretrizes de Design Ativo: Promoção de Atividade Física e Saúde no Design e na sua iniciativa de Zona Verde no que diz respeito à atualização da sua resolução de zoneamento. Filadélfia tem aumentado seu zoneamento para incluir fazendas urbanas e jardins comunitários. É seguro supor que muitas outras cidades seguirão esses precedentes.

Então, o que há nos atuais códigos de zoneamento que os fazem tão obsoletos? Mais informações a seguir.

Os códigos de zoneamento da maneira como eles existem hoje são inerentemente inflexíveis, rígidos e pré-determinados. Eles descrevem não só distritos onde certos tipos de uso podem ser desenvolvidos, mas também as alturas, recuos, larguras de jardim, estacionamento, sacadas, tamanhos de janela, formas do telhado, varandas e paisagismo no jardim da frente. Em termos mais básicos, o Código de zoneamento descreve a caixa dentro da qual um edifício deve caber em um determinado lote, otimizando-o para sua concepção mais utilitarista. Mas para toda a sua utilidade, o código de zoneamento tem pouco respeito pela qualidade arquitetônica ou desenho urbano. Os primeiros códigos de zoneamento entraram em vigor no final do século 19 e início do 20. O objetivo do código era nobre: manter distritos com usos diferentes protegidos dos outros para a segurança e saúde pública. O mapeamento de uma cidade em termos de zoneamento cria subdivisões com base no uso da terra, mantendo usos incompatíveis distantes, como residências e fábricas.

Philip A. and Lisa Maria Falcone Flyover, the pathway rises eight feet above the High Line, winding through a canopy of trees, between West 25th and West 27th Street, looking South. © Iwan Baan
Philip A. and Lisa Maria Falcone Flyover, the pathway rises eight feet above the High Line, winding through a canopy of trees, between West 25th and West 27th Street, looking South. © Iwan Baan

Ele também dedica grandes extensões de terra para a sua aplicação mais premeditada sem levar em conta o seu valor para a cidade. A história rastreável da maneira em que os mapas de zoneamento de meados do século 20 aparecem hoje fala com os valores culturais da época. A forma como os planejadores falam sobre transporte hoje é, talvez, uma das mudanças mais distintas que podem influenciar no zoneamento. Os primeiros mapas de zoneamento e regulamentos em Nova York enfatizam o uso de carros ao exigir espaços de estacionamento ou garagens. Mapas antigos também criaram bairros residenciais unifamiliares isolados de transporte público e amenidades acessíveis. Estes regulamentos implicam uma preferência para o uso do carro e moldaram a forma como bairros se desenvolveram. Estes códigos ultrapassados ​​refletem uma dinâmica social que está sendo deixada para trás por novos conceitos de planejamento urbano e desenho urbano.

Highline © Iwan Baan
Highline © Iwan Baan

Por exemplo, até mesmo os mapas de zoneamento mais atualizados mostram muito das zonas portuárias de Nova York como que dedicadas aos distritos industriais. Os mapas estão sendo gradualmente alterados para acomodar projetos de recreação e de uso misto, mas refletem um momento de Nova York em que essas áreas portuárias foram a porta de entrada essencial para a economia da cidade. Conforme essas mudanças lentamente vão acontecendo, com a legislação e a realidade trabalhando para um objetivo pouco comum, o uso da terra começa a se sobrepor em áreas onde a infra-estrutura obsoleta ainda tem um poder sobre o que hoje é considerado espaço de recreação.

Foto: Render de Visualhouse
Foto: Render de Visualhouse

O Highline de Nova York é um exemplo perfeito desse desenvolvimento, bem como o bairro vizinho de Chelsea, seu Distrito de Galerias e do Meatpacking District ali perto. Estes bairros convertidos ainda estão alojados dentro das mesmas estruturas, uma vez utilizadas na indústria, manufatura e infra-estrutura, mas alteraram o seu uso enquanto que trabalham dentro dos limites dos códigos de zoneamento que ajudaram a moldar os bairros. A recreativa Greenway e também a Blueway que será logo desenvolvida ao longo do FDR no lado leste também está enfrentando a reconstrução enquanto planejadores de lidam com os desenvolvimentos de infra-estrutura ao longo do East River. Hoje, corredores e ciclistas vagueiam abaixo e ao redor dos caminhos ao longo do FDR e os diversos utilitários que foram desenvolvidos ao longo da borda da água. O lado oeste de Manhattan não é diferente, forrado com instalações sanitárias, barcaças, terminais de cruzeiros, restaurantes, museus que revestem o rio Hudson de um lado ao outro. 

Esta agregação de uso da terra, mudando com a cidade, guiados por um zoneamento que ainda tem de correr atrás, é uma das batalhas que os arquitetos e urbanistas devem se engajar para estabelecer a qualidade sobre a utilidade. O ideal utilitarista da primeira resolução de zoneamento de Nova Iorque é de 1916 e suas emendas posteriores não necessariamente contemplam soluções de design urbano ideais. Projetos de uso misto, como Yards Hudson, em Midtown West, irão alterar a paisagem como ela foi definida nos códigos originais. Este tipo de desenvolvimento engloba as teorias atuais de transporte público, amenidades e locais de trabalho acessíveis e diversidade e conveniência.

As idéias que estão sendo perpetuadas dentro da profissão hoje são frequentemente mais avançadas do que a legislação que as permite. Arquitetos, urbanistas, e comunidades estão pressionando para desenvolver soluções que funcionem dentro de seus objetivos de projeto, em sua maior parte, apoiando infra-estrutura que seja sustentável com os conceitos de desenho urbano que promovam a eficiência, diversidade e auto-confiança da comunidade. As "convenções" de zoneamento, a que Roger K. Lewis se refere, não são mais aplicáveis​​. Em última análise, abandonar a palavra o zoneamento, incentiva soluções mais diversas e personalizadas para o planejamento urbano e o desenho urbano no que se refere às necessidades particulares de cada bairro e seu desenvolvimento futuro.

Via Washington Post: As land use planning changes, ‘zoning’ is no longer appropriate by Roger K. Lewis

Via The Atlantic Cities: The Birth of Zoning Codes, A History by Amanda Erickson

Sobre este autor
Cita: Vinnitskaya, Irina. "Onde o Zoneamento se Encaixa no Planejamento das Nossas Cidades do Futuro?" [Where Does Zoning Fit Into Our Future City Planning?] 10 Mar 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Márquez, Leonardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/101942/onde-o-zoneamento-se-encaixa-no-planejamento-das-nossas-cidades-do-futuro> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.