1. ArchDaily
  2. Tinta

Tinta: O mais recente de arquitetura e notícia

Alquimia da cor: pinturas artesanais criadas por um arquiteto e um químico

© Adriano EscanhueLa© Adriano EscanhueLa© Adriano EscanhueLa© Adriano EscanhueLa+ 17

Há várias profissões que, em nossa concepção clássica de trabalho, parecem estranhas e incomuns de reunir. É o caso do arquiteto Leo Laniado e do químico Osiel Alves Pereira que, ao trabalharem juntos, puderam produzir pinturas artesanais com resultados extraordinários. Isso nos leva a considerar o papel de integrar disciplinas para obter soluções mais produtivas e abrangentes. Será multidisciplinaridade, pluridisciplinaridade ou interdisciplinaridade? O caso de Laniado e Alves demonstra mais uma vez o sucesso da fusão de competências no âmbito laboral e, sobretudo, criativo.

Das artes visuais ao render: a relevância da atmosfera na visualização arquitetônica

[Render] Mancunian Tower (Tim Groom Architects). Image Cortesía de Darcstudio
[Render] Mancunian Tower (Tim Groom Architects). Image Cortesía de Darcstudio

[Pintura] Paisagem com as tentações de Santo Antonio (1635-1638), Claude Lorrain. Imagem © Claude Lorrain [Wikimedia] sob dominio público© Alex Roman[Fotografia] As ruas fantasma de Shanghai. Imagem © Cody Ellingham"Urban Below" . Imagem © Han Wu & Studio 35mm (Hamid Khalili - Universidade de Melbourne)+ 5

As técnicas de visualização evoluíram de forma notável ao longo do tempo e com os adventos tecnológicos, os resultados finais estão cada vez mais próximos de simular de maneira fiel aspectos próprios da realidade. Podemos dizer que, no campo da arquitetura, um projeto de visualização busca principalmente evidenciar as características e qualidades de um espaço tridimensional - ainda não construído ou em processo de construção - através de imagens, renderizações, vídeos ou ferramentas de realidade virtual - projetados, de forma geral, em suportes bidimensionais como as telas ou o papel -, considerados ferramentas essenciais para que os clientes, em geral pouco familiarizados com as representações técnicas, ou para um júri nos casos de concursos, compreendam um projeto de forma integral em uma etapa prévia a sua materialização.

Como reciclar o poliestireno expandido (EPS) para convertê-lo em tintas

O Poliestireno expandido -também conhecido como isopor- é um material plástico amplamente utilizado na indústria da construção, principalmente para isolamento térmico (e em alguns casos, acústica) das envoltórias das edificações.

Mas é possível reciclá-lo e aplicá-lo novamente em outros processos construtivos? Sabe-se que o EPS pode se tornar matéria-prima para a fabricação de novos produtos plásticos, quando triturados e compactados. No entanto, a reciclagem pode voltar a ter impacto na construção de projetos arquitetônicos e urbanos, ao ser convertido em tintas e revestimentos.

Cortesía de Idea-TecCortesía de Idea-TecCortesía de Idea-TecCortesía de Idea-Tec+ 10

Coolest White: Uma pintura para reduzir as ilhas de calor urbano

O uso crescente de ar-condicionado está fazendo com que muitas cidades batam recordes de consumo de energia durante os tórridos meses de verão. Em países populosos como Índia, China, Indonésia, Brasil e México, grandes centros urbanos funcionam como verdadeiros fornos - onde o calor absorvido pelos edifícios é liberado de volta para o ambiente, aumentando ainda mais a temperatura local. Mais calor lá fora, significa mais ar-condicionado aqui dentro e, portanto, mais consumo de energia e mais gás carbônico na atmosfera.

Foi pensando nesse ciclo vicioso que foi criada uma tinta que protege edifícios e estruturas urbanas da radiação solar excessiva - diminuindo assim o efeito da ilha de calor urbana. A inovação surgiu da parceria do UNStudio, um escritório holandês de arquitetura, e a Monopol Color, empresa suíça especialista em tintas. Os materiais de cor escura que são usados ​​para construir os edifícios são uma das principais causas de acúmulo de calor nas áreas urbanas. Enquanto materiais mais escuros absorvem até 95% dos raios solares e os liberam diretamente de volta à atmosfera, esse valor pode ser reduzido a 25% com uma superfície branca normal. Agora, com tinta inovadora, é possível reduzir a absorção e emissão para 12%.

O processo criativo de Zaha Hadid através de suas pinturas

Vision for Madrid - 1992. Image Cortesía de Zaha Hadid
Vision for Madrid - 1992. Image Cortesía de Zaha Hadid

Reconhecida internacionalmente pela busca de propostas para o habitar moderno, Zaha Hadid realizava múltiplos estudos topográficos abstratos para propor suas obras fluidas flexíveis e expressivas evocando o dinamismo da vida urbana contemporânea.

Com o objetivo de conhecer com maior profundidade o processo criativo e o desenvolvimento de projetos profissionais de Zaha Hadid, realizamos uma seleção histórica de pinturas da arquiteta que expandem o campo de exploração arquitetônica com exercícios abstratos tridimensionais que propõem uma nova e distinta visão do mundo, questionando as bases físicas do projeto, produzindo a base contínua e criativa ao longo de sua carreira.

The Peak - 1983. Image Cortesía de Zaha Hadid The World (89 Degrees) - 1983. Image Cortesía de Zaha Hadid Great Utopias - 1992. Image Cortesía de Zaha Hadid Hafenstrasse Development. Image Cortesía de Zaha Hadid + 34