Charlotte Neilson

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Quando Hollywood projeta prisões

A arquitetura do confinamento é uma área fascinante. Os espaços utilitários espartanos das prisões estão entre os mais sofisticados e caros que existem. É incomum para os projetistas criar espaços para pessoas que os experienciarão contra suas vontades (bem, na maioria dos casos) e há um complicado equilíbrio entre criar lugares sensíveis e positivos para reabilitação e a expectativa do que deveria ser uma punição. Há diferentes abordagens em todo o mundo: os EUA assumem uma postura particular, a Noruega outra. Hollywood, é claro, tem sua própria interpretação, livre de trivialidades como a Convenção de Genebra.

A implicação social das coberturas verdes no cinema

O cinema frequentemente faz troça da arquitetura. Fachadas de vidro são despedaçadas por rajadas de metralhadora, crimes macabros acontecem contra uma paleta modernista branca, escadas desconstruídas são a causa de sérios acidentes ou palhaçadas ridículas, e temos certeza que uma cobertura têxtil será destroçada assim que 007 passar por ela. 

Há, no entanto, um elemento arquitetônico que tem se beneficiado de suas aparições no cinema, e, surpreendentemente, é um elemento "sustentável". Coberturas verdes e outros espaços verdes têm aparecido frequentemente em filmes comerciais na última década: sucessos de bilheteria como Para Sempre (2012) e Contra o Tempo (2011) utilizam em suas cenas os espaços verdes do Jay Pritzker Pavilion de Frank Gehry no Millenium Park; ano passado o Centro de Convenções de Vancouver apareceu em Godzilla e Robocop; e o documentário My Playground, de Kaspar Schroder, mostra as Mountain Dwellings do BIG em Copenhague. E não podemos nos esquecer de duas das maiores franquias da história do cinema: Senhor dos Anéis e O Hobbit, ambas de Peter Jackson, mostram coberturas verdes em sua representação de Hobbiton - lar dos virtuosos e incurruptíveis Hobbits.

Através das Lentes: Por Que Arranha-Céus Precisam de um Herói?

Desde o surgimento do edifício moderno de vários pavimentos, no fim do século 19, roteiristas e diretores de arte incorporam os arranha-céus tanto como pano de fundo quanto como suporte para dramas nos longas-metragens. É fácil entender o fascínio. A precariedade de um arranha-céu - sua altura, sua dependência de sistemas de emergência e de engenharia e sua segurança controlada - proporciona oportunidades abundantes para ação e desastres. E tudo com uma bela vista.

Mesmo Hollywood adorando edifícios altos, não tem os tratado bem. As tramas geralmente têm em um ceticismo geral sobre a engenharia que os tornam possíveis e muitas vezes carregam alguma mensagem moral subjacente sobre os perigos da tecnologia e do avanço.

Através das Lentes: Ficção Científica & Arquitetura

Pode-se pensar que, de todos os gêneros de filmes, a ficção científica seria o menos provável a apresentar edifícios reais. É evidente que os diretores de arte sempre buscam evitar conexões com elementos tão ligados à realidade, no entanto, existe, de certo modo, uma tradição em utilizar a arquitetura moderna como base para a criação de mundos cinematográficos fictícios.

A ficção científica apresenta uma peculiaridade: sua audiência acredita nos mundos que lhe são apresentados. Movimentos de câmera bem pensados, perspectivas e os materiais certos contribuem para isso. Além disso, a escolha de edifícios modernos reais - ao invés de cenários inteiramente construídos - contribui para a autenticidade e atmosfera destes filmes.

Saiba mais sobre o uso da arquitetura moderna em filmes de ficção científica como Blade Runner, Gattaca, Aeon Flux e outros, após o intervalo...

Através das Lentes: A Dívida do Art Deco para Agatha Christie

Imagem do "Evil Under the Sun." Cortesia de Carnival films, LWT & Picture Partnership Productions
Imagem do "Evil Under the Sun." Cortesia de Carnival films, LWT & Picture Partnership Productions

Este artigo é uma cortesia de Charlotte Neilson, a autora do blog fascinante Casting Architecture. Sua coluna, Através da Lente, olha a arquitetura e a produção de design na TV e no cinema.

A categorização de um período da arquitetura geralmente permanece firmemente no domínio do entusiasta amador ou profissional – sejamos francos, você pode passar a vida sem saber a diferença entre uma coluna coríntia e jônica sem grandes inconvenientes. Estranhamente, no entanto, a maioria das pessoas é capaz de citar algumas das principais características da arquitetura art déco com bastante facilidade - os cantos curvos, formas estilizadas, o uso de baquelite e cromo, os temas de transportes. 

É interessante que este período seja muito mais familiar para nós, considerando que durou um tempo bastante curto em comparação com outros estilos arquitetônicos. Os movimentos Arts and Crafts e Art Nouveau, por exemplo, que ocorreram em um período de tempo semelhante ao Art Decó, são muito menos conhecido para a comunidade em geral.

É possível, claro, que a Arte Decó seja apenas mais onipresente por causa de seu apelo universal, ou sua singularidade, mas acredito que a maior parte do crédito deve ir para Monsieur Hercule Poirot.

Aprenda mais sobre a contribuição de Agatha Christie para o Art Deco, após o intervalo...

Preservação Infinita: O que o Cinema possui e a Arquitetura não

Casa Malaparte, given new life by Jean-Luc Godard’s film Contempt. Image © Flickr User CC Sean Munson. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>
Casa Malaparte, given new life by Jean-Luc Godard’s film Contempt. Image © Flickr User CC Sean Munson. Used under Creative Commons

Este artigo é uma cortesia de nosso amigo cinéfilo Charlotte Neilson, o autor do fascinante blog Casting Architecture, que discute arquitetura e produção de design.

A vida de um edifício - algumas centenas de ano, com sorte - é apenas um ponto quando comparada aos bilhões de anos necessários para moldar uma paisagem natural. Ainda mais breve é o trabalho de um cineasta: a procura criada para o entretenimento momentâneo, que chega a conclusão em apenas um par de horas.Logo, é estranho perceber que o cinema entre em cena com frequência para imortalizar edifícios que encontraram um fim precoce.

Enquanto Arquitetura e Cinema sempre tiveram um relacionamento desconfortável (seja o retrato que a indústria de filmes passa dos edifícios modernos como frios e sem alma - e normalmente associados com ocupantes "estranhos" ou a estereotipização dos próprios arquitetos como delicados, tipos impraticáveis), a inclusão de um edifício em um filme pode muitas vezes tornar-se parte importante da história da edificação. E às vezes o seu último reduto.

Mais sobre Arquitetura imortalizada no Cinema, a seguir...

De mansões de psicopatas a casas de super-heróis: como o Cinema e a Arquitetura Moderna chegaram a uma trégua

Chemosphere, por John Lautner, arquiteto cuja obra foi muito usada (e abusada) por Hollywood. © Joshua White/JWPictures.com
Chemosphere, por John Lautner, arquiteto cuja obra foi muito usada (e abusada) por Hollywood. © Joshua White/JWPictures.com

Este artigo vem como cortesia da amiga Charlotte Neilson, autora do fascinante blog de design Casting Architecture, que discute arquitetura e direção de arte. Charlotte não é só uma dedicada cinéfila, mas também uma graduada de honra da University of Newcastle, Australia.

Todos sabemos que psicopatas preferem o design contemporâneo. Hollywood nos diz isso por décadas. A clássica conexão entre interiores minimalistas e o desapego emocional (veja: qualquer adversário de James Bond), ou entre edifícios modernos e valores subversivos, é bem documentada no cinema - e lamentável. A filosofia moderna de chegar à essencia de um edifício foi concebida para liberar e enriquecer a vida de seus ocupantes. Então, é pouco justo que essas construções sejam rotineiramente retratados como associações à vilões.

O que a representação da Arquitetura Moderna nos filmes nos conta sobre nossa sociedade, abaixo...

JH House / Bernardes + Jacobsen. © Leonardo Finotti. Ben Rose House, 1952-54, projetada por A. James Speyer. Imagem via Mid-Centuria.A Elrod House do Arquiteto John Lautner. Imagem via Expoint Realty.Image via Flickr User CC Chris Lott.. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a>+ 8