“Os materiais estão sendo produzidos de acordo com uma demanda fictícia”: uma conversa com Irene Roca

“Os materiais estão sendo produzidos de acordo com uma demanda fictícia”: uma conversa com Irene Roca

O projeto “Appropriating the grid”, de Irene Roca, nasce das ruínas contemporâneas de nossos processos de construção atuais. A exploração dos resíduos gerados e das complexidades jurídicas da sua eliminação despertou na arquiteta um sentido de urgência e criatividade, resultando numa recolha que molda e reformula os resíduos da construção em objetos versáteis de design de interiores.

Roca começou a estudar arquitetura na Espanha enquanto o mundo mergulhava na crise financeira de 2008. Os efeitos da crise nas indústrias de arquitetura e construção estiveram presentes em seus estudos pelos próximos 4 anos, quando ela começou a se aprofundar nos problemas de como nós construímos o que construímos - e o que isso significa para a sociedade daqui para frente.

Fizemos algumas perguntas a Roca para entender melhor seu projeto e suas reflexões sobre o estado atual da arquitetura e construção.

Courtesy of Irene Roca Moracia
Courtesy of Irene Roca Moracia

Daniela Porto (ArchDaily): Conte-nos sobre como você chegou a este projeto em primeiro lugar.

Irene Roca: Iniciei meu projeto em 2018 com a premissa: Como os espaços domésticos inacabados podem ter um papel decisivo como ferramentas de empoderamento social. Podemos usar estruturas arquitetônicas inacabadas para começar a criar ambientes mais participativos e que refletem a sociedade?

Após a crise financeira de 2008, muitos países europeus ficaram com uma nova paisagem de edifícios inacabados e vazios, que permanecem praticamente intocados hoje em dia. As chamadas ruínas contemporâneas lembram uma época de excessos e marcam o contraste com outra triste realidade: a crise habitacional. Em 2019, cerca de 1 milhão de espanhóis não tinham acesso a uma habitação. Esta não é apenas uma questão de falta de moradia, mas de um setor da sociedade que, economicamente, não pode ter acesso a uma residência adequada. Daqueles que tiveram acesso a novas construções desde a década de 1990, 40% afirmaram que seus espaços domésticos não se adaptaram às suas necessidades diárias.

Courtesy of Irene Roca Moracia
Courtesy of Irene Roca Moracia

O que está acontecendo é que o mercado de construção não só está excluindo um grande setor da população com sua inflação econômica, mas também está construindo um produto que não representa a sociedade que o habita. Para quem estamos construindo? É o mundo da arquitetura e da construção ouvindo as necessidades residenciais de seus usuários? Ou tornou-se uma máquina de fazer dinheiro que se desviou de sua função original baseada no direito universal à moradia?

Em que medida as novas construções são éticas, sustentáveis e justificáveis considerando a quantidade de estoque de imóveis inacabados e vazios que temos nos países desenvolvidos?

Minha pesquisa é uma jornada por todas essas questões, e o que espero ser uma visão positiva sobre o futuro desses espaços inacabados. Tive que entender o que são esses espaços e por que existem. Foi assim que meu projeto se tornou o que realmente é hoje, uma crítica à forma de produzir e consumir arquitetura nos países desenvolvidos, do ponto de vista da sustentabilidade e da inclusão social.

DP: Você se refere que “o aproveitamento das zonas cinzentas legais para a obtenção de materiais em perfeito estado, descartados pelas construtoras, alicerçou a produção da coleção”. Você pode nos contar um pouco mais sobre essas descobertas?

IR: Muitos dos nossos materiais de construção vêm em embalagens, todos seguem os regulamentos de segurança padrão e a sua qualidade é verificada de acordo com os regulamentos da União Europeia. Mas uma porcentagem dessas embalagens ou materiais quebra no caminho para o canteiro de obras e o comerciante não pode mais vender o material, sendo classificado como resíduo de construção.

Este tipo de resíduo não pode ir para um recipiente de descarte normal. O que acontece na maioria dos casos é que cada empresa possui seu próprio recipiente de lixo que é coletado uma vez por semana. Mas quando você pesquisa o que acontece com esses materiais, descobre que eles estão apenas sendo empilhados em algum lugar do interior. Não existe um sistema de reciclagem real.

Courtesy of Irene Roca Moracia
Courtesy of Irene Roca Moracia

Como desenvolvi um relacionamento com fornecedores durante minha pesquisa e eles entenderam meu projeto e propósito, eles me permitiram coletar qualquer material que eu quisesse da pilha no final da semana. Mas legalmente não podem me dar, porque já está classificado como resíduo de construção e eu precisaria de licença para coletar. Havia neles um sentimento geral de resignação. Eles concordaram comigo que a situação precisava ser consertada, mas eles não podiam fazer nada a respeito.

DP: Como você acha que poderíamos evitar essa superprodução em primeiro lugar?

IR: Nossa economia é baseada na produção, comercialização e fornecimento de mercadorias. A indústria da construção antecipa a demanda futura, como em qualquer outra indústria. O problema aqui é que às vezes essa demanda é fictícia e baseada na especulação, a cadeia de abastecimento é longa e há superprodução em quase todas as etapas. Desde a criação e descarte constante de materiais de construção, à forma de produzir os espaços que nos rodeiam, que são entregues totalmente acabados e pré-concebidos sem sequer pensar se é disso que o utilizador vai precisar.

O que mais me chocou durante a pesquisa é que a empresa fornecedora já conta com um percentual de descarte de material toda semana, então faz o pedido de acordo com isso. Isso significa que os materiais também estão sendo produzidos de acordo com uma demanda fictícia.

Acho que precisamos começar a consumir materiais de fontes locais, tentando manter a produção realista para a demanda. Eu também acho que os governos precisam intervir e parar o jogo de especulação que foi gerado em torno das propriedades. Precisamos parar de tratar esta indústria como uma máquina de fazer dinheiro e construir apenas quando necessário e de acordo com as necessidades dos usuários. Além disso, a forma como regulamos a qualidade e a segurança dos materiais torna quase impossível trazer de volta para a rede um produto que foi descartado.

Courtesy of Irene Roca Moracia
Courtesy of Irene Roca Moracia

Pesquisei muito sobre o estudo de caso da Torre David e do Urban-Think Tank na Venezuela, outro exemplo de uma ruína contemporânea. Esta é uma instância de arquitetura e design de interiores que evoluiu com as necessidades do habitante.

DP: Na sua opinião, o que seria necessário para que os resíduos de material de construção fossem totalmente reutilizáveis?

IR: Provavelmente precisaríamos mudar a forma como algumas delas são produzidas ou mesmo suas composições. Quando temos um material que foi tratado quimicamente, como o vidro que usamos nas janelas, a reciclagem é quase impossível. Precisamos começar a olhar seriamente como produzimos materiais. Sabemos que a indústria da construção foi responsável por 36% do uso de energia final e 39% das emissões de dióxido de carbono (CO2) de energia e processos em 2018; 11% deles resultaram da fabricação de materiais de construção e produtos como aço, cimento e vidro.

Também precisamos encontrar um novo propósito para os materiais que não podemos tratar. Existem sistemas e empresas em funcionamento, como a Rotor, que estão fazendo um trabalho fantástico na realocação de materiais e produtos.

Courtesy of Irene Roca Moracia
Courtesy of Irene Roca Moracia

DP: Como você escolheu os materiais que usou para seu projeto, acima de outros possíveis resíduos de construção (por exemplo, cerâmica, madeira, etc.)?

IR: Eu não conseguia acreditar como certos materiais, como concreto ou areia, eram descartados com tanta facilidade; sendo materiais extremamente poluentes. Desde o início, quis focar em materiais que estão muito ligados à construção arquitetônica: concreto, tijolos, malhas de metal... Além disso, materiais que são os principais emissores de carbono.

Precisamos entender que não podemos descartar um material tão facilmente depois de poluir tanto para produzi-lo.

Toda a coleção foi feita à mão por mim, desde a retificação, soldagem, reaproveitamento de tijolos e pigmentos, até a fundição. Eu precisava de algo que pudesse facilmente moldar no que eu queria, sem perder o sentimento. Eu queria que as pessoas vissem os materiais originais e o que mais eles poderiam ser.

Courtesy of Irene Roca Moracia
Courtesy of Irene Roca Moracia

DP: Você vê o dimensionamento do seu projeto de alguma forma?

IR: Sim. Usei móveis e materiais como meio para comunicar ideias arquitetônicas. Durante meus dois anos de pesquisa, observei muitos exemplos diferentes de assentamentos informais em todo o mundo. Podemos ver neles o potencial de inovação e experimentação. Se queremos colocar o design a serviço de um futuro mais sustentável e justo, precisamos começar a construir com menos. As pessoas têm que começar a participar no processo de tomada de decisão de seus espaços residenciais. Para promover isso, podemos criar estruturas que podem evoluir com seus usuários, realocando materiais que não podemos mais usar em construções padronizadas para uma finalidade diferente, sem comprometer qualquer integridade estrutural. Talvez móveis, talvez arquitetura em pequena escala ... qualquer coisa que possamos precisar.

Na ideia de apropriação, há também empoderamento, e esse é o objetivo final do projeto, empoderar as pessoas para fazer coisas e pressionar por uma mudança na forma como classificamos e codificamos as coisas na Europa, o que infelizmente não nos permite fazer muito em certas situações.

Courtesy of Irene Roca Moracia
Courtesy of Irene Roca Moracia

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Porto, Daniela. "“Os materiais estão sendo produzidos de acordo com uma demanda fictícia”: uma conversa com Irene Roca" [“Materials are Being Produced According to Fictitious Demand”: In Conversation with Irene Roca] 29 Jun 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/964002/os-materiais-estao-sendo-produzidos-de-acordo-com-uma-demanda-ficticia-uma-conversa-com-irene-roca> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nossoCanal de YouTube

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.