Ilhas de calor estão cada vez mais perigosas, mas arquitetos e urbanistas podem trazer soluções

Ilhas de calor estão cada vez mais perigosas, mas arquitetos e urbanistas podem trazer soluções

Para este mês, The Dirt e o autor Jared Green compartilham conosco um estudo sobre ilhas de calor urbanas, explorando novas abordagens que foram projetadas para reduzir as temperaturas urbanas e ajudar as comunidades a se adaptarem a um mundo mais quente, em três cidades: Nova York, Copenhague e Abu Dhabi.

As temperaturas globais estão aumentando, 2020 empatou com 2016 como o ano mais quente já registrado. Desde o século XIX, o planeta aqueceu 2° Fahrenheit. Dentro do ambiente construído, que muitas vezes é formado por vidro, aço, asfalto e concreto, as perigosas ilhas de calor urbano estão aumentando os riscos de estresse por calor. As comunidades carentes estão particularmente em risco, visto que muitas vezes carecem de árvores e espaços verdes para mitigar os efeitos.

De acordo com Devanshi Purohit, diretor associado de design urbano da CBT Architects, que liderou uma sessão na conferência nacional virtual da American Planning Association (APA), o calor extremo é o assassino climático número um nos EUA, sendo responsável por mais mortes do que aumento do nível do mar, inundações, secas e outros impactos. Mas, estranhamente, o calor extremo não obtém o foco que merece. A redução das ilhas de calor urbanas deve ser um foco central no planejamento urbano e na arquitetura.

Em três cidades - Nova York, Copenhague e Abu Dhabi - novas abordagens foram projetadas para reduzir as temperaturas urbanas e ajudar as comunidades a se adaptarem a um mundo mais quente.

Em Nova York, há um escritório de resiliência do prefeito, e Daphne Lundi é vice-diretora de resiliência social. Lundi busca como alavancar os sistemas de apoio às comunidades para reduzir os riscos dos impactos climáticos.

Lundi disse que, em média, as cidades podem ser até 22° F mais quentes do que as áreas naturais circundantes. Além disso, apartamentos e casas sem ar condicionado podem ser 20° F mais quentes do que o exterior. É por isso que a cada ano, na cidade de Nova York, mais de 1.100 pessoas são hospitalizadas por estresse causado pelo calor e mais de 100 morrem.

Os níveis de risco de calor variam de acordo com a vizinhança. Por meio do Índice de Vulnerabilidade ao Calor, criado em parceria com a Universidade de Columbia, o governo municipal agora entende que 3,4 milhões de residentes de Nova York são altamente vulneráveis (veja a imagem acima). “O risco se baseia em fatores ambientais, como a quantidade de espaço verde, mas também está vinculado à pobreza e à raça”, explicou Lundi. Seu departamento identificou residentes negros de baixa renda e mais velhos como os que correm o maior risco de adoecer ou morrer de calor extremo.

Um estudo de caso de vulnerabilidade à mortalidade relacionada a ondas de calor na cidade de Nova York (2000-2011) / Jaime Madrigano, Rutgers, State University of New Jersey; Kazuhiko Ito, Departamento de Saúde de Nova York; Sarah Johnson, Departamento de Saúde de Nova York; Patrick Kinney, Universidade de Columbia. Imagem Cortesia de NYC Department of Environmental Protection
Um estudo de caso de vulnerabilidade à mortalidade relacionada a ondas de calor na cidade de Nova York (2000-2011) / Jaime Madrigano, Rutgers, State University of New Jersey; Kazuhiko Ito, Departamento de Saúde de Nova York; Sarah Johnson, Departamento de Saúde de Nova York; Patrick Kinney, Universidade de Columbia. Imagem Cortesia de NYC Department of Environmental Protection

Em 2017, NYC lançou seu plano Cool Neighborhoods, seu primeiro plano para combater o calor extremo, e alocou $ 100 milhões para investimentos direcionados em infraestrutura verde e plantação de árvores em bairros de alto risco.

Os que correm maior risco são os que estão em casa e têm problemas físicos e mentais. Portanto, como parte do esforço, a cidade está focada em aumentar a preparação para riscos, educando auxiliares de saúde domésticos que trabalham com os idosos, ajudando-os a identificar “os primeiros sinais de estresse causado pelo calor e doenças precoces”.

NYC também lançou a campanha Be a Buddy, que visa fornecer suporte para os nova-iorquinos menos acessíveis. De acordo com Lundi, durante as ondas de calor, o programa aproveita “vínculos antigos” e ativa um sistema em que as pessoas verificam os vizinhos que podem estar presos em casa. “O sistema alavanca mensageiros confiáveis. Isso também foi usado durante a pandemia.”

Be a Buddy. Imagem Cortesia de NYC Mayor’s Office of Resilience
Be a Buddy. Imagem Cortesia de NYC Mayor’s Office of Resilience

A cidade está pintando telhados de branco para refletir mais calor na atmosfera. Eles melhoraram o acesso aos centros de resfriamento. Foram comprados também condicionadores de ar para residentes de baixa renda e vulneráveis ao calor. Até o momento, a cidade instalou 74.000 aparelhos de ar condicionado nas casas dos moradores e também criou um programa de assistência a serviços públicos, que oferece um subsídio de US $ 30 por mês durante os meses mais quentes, para garantir que os novos aparelhos de ar condicionado sejam realmente usados.

Agora em Copenhagen, Dinamarca, Rasmus Astrup, diretor e sócio da SLA, empresa de arquitetura paisagística e design urbano, explicou que as cidades, com todas as suas superfícies aquecidas, são na verdade parte do problema climático - amplificando os impactos e gerando mais calor . “As cidades, da forma como são planejadas e projetadas agora, são muito burras e criam muitos problemas novos.”

A natureza, que é autossuficiente e resiliente, oferece as melhores estratégias para lidar com o calor extremo. “A natureza é mais inteligente, por isso, precisamos repensar as cidades e torná-las mais ecológicas.”

El foi dito ecológico, e não apenas verde, porque a mudança climática também está impactando negativamente a biodiversidade, que sustenta toda a vida na Terra. Soluções urbanas ecológicas são necessárias não apenas para combater as ilhas de calor, mas também para apoiar a biodiversidade.

Astrup se concentrou em Bryggervangen da SLA e na Praça Sankt Kjeld em Copenhagen, como uma solução para lidar com vários problemas climáticos de uma vez: calor, inundações e perda de biodiversidade. Em apenas algumas décadas, “Copenhague terá um clima semelhante ao de Barcelona, na Espanha”, portanto, Astrup acredita que mais lugares como este são necessários com urgência.

Uma rotatória padrão em um bairro com pouquíssima natureza foi transformada em uma área florestal, e “os engenheiros de trânsito também adoraram”, devido ao SLA ter integrado ciclovias e linhas de trem.

Bryggervangen e Praça Sankt Kjeld’s em Copenhagen. Imagem Cortesia de SLA
Bryggervangen e Praça Sankt Kjeld’s em Copenhagen. Imagem Cortesia de SLA

Astrup descreveu o projeto como uma “adaptação climática azul-verde”, que criou uma paisagem biodiversa e que habilmente reduz o calor e gerencia as águas pluviais. “Cada canto agora tem um espaço verde.”

Bryggervangen e Praça Sankt Kjeld’s em Copenhagen. Imagem Cortesia de SLA
Bryggervangen e Praça Sankt Kjeld’s em Copenhagen. Imagem Cortesia de SLA

Outro resultado é um novo senso de lugar para esta comunidade em Copenhague. Este é um projeto de adaptação climática ao qual as pessoas podem se conectar.

Bryggervangen e Praça Sankt Kjeld’s em Copenhagen. Imagem Cortesia de SLA
Bryggervangen e Praça Sankt Kjeld’s em Copenhagen. Imagem Cortesia de SLA

Kishore Varanasi, diretor de design urbano da CBT, chamou atenção do público em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Ele defendeu o design baseado em evidências para enfrentar os desafios do calor.

Estamos com mais calor, mas que estratégias podemos usar para resolver o problema? Edifícios, carros e asfalto tornam as comunidades mais quentes, por isso precisamos de uma estratégia em camadas para lidar com as fontes de calor. ” Existem abordagens baseadas em sombreamento, evaporação, convecção e condução.

Para Varanasi, o Índice de Clima Térmico Universal é uma ferramenta útil para medir o calor ambiental e seu impacto sobre nós. “Podemos lidar com até 30 ° C (86 ° F) confortavelmente, mas não muito mais quente do que isso.”

Em Abu Dhabi, as temperaturas do verão já podem ser extremas no final da manhã, ultrapassando as zonas de conforto dos humanos. Para reduzir o estresse causado pelo calor, a CBT tem trabalhado com as partes interessadas da cidade para criar “caminhos e zonas frias”.

Como não há água suficiente para cultivar grandes árvores de sombra em Abu Dhabi, a CBT projetou estruturas de sombra arquitetônicas que oferecem "sombra intermitente". Por exemplo, um pedestre caminhando por uma via ficaria na sombra por um minuto e depois ao sol por um minuto. “As pessoas aguentam um minuto em alta temperatura.” As estruturas também são anguladas para fornecer sombra em diferentes momentos do dia.

Varanasi disse que os espaços entre os edifícios podem ser transformados em zonas frias passivas sem muito esforço. Sombreamento vertical, paredes verdes e pavimentação reflexiva ajudam a criar zonas termicamente confortáveis que também podem ser "encantadoras à noite".

O painel concluiu que, embora a mudança climática seja um problema global, as soluções para o calor extremo devem ser locais. “É preciso entender o contexto ambiental e socioeconômico”, disse Varanasi.

Lundi observou que os novos empreendimentos costumam ser projetados para serem resilientes ao clima, mas as cidades são compostas principalmente de edifícios antigos. “Também precisamos trazer nossos bairros mais antigos para o futuro.”

Também vale a pena conferir um relatório abrangente recente do Urban Land Institute: Scorched: Extreme Heat and Real Estate, que descreve os impactos e soluções regionais nos EUA com mais detalhes.

Este artigo foi publicado originalmente em The Dirt.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Green, Jared. "Ilhas de calor estão cada vez mais perigosas, mas arquitetos e urbanistas podem trazer soluções" [Urban Heat Islands Are Increasingly Dangerous, But Planners and Designers Have Solutions] 09 Jul 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/963291/ilhas-de-calor-estao-cada-vez-mais-perigosas-mas-arquitetos-e-urbanistas-podem-trazer-solucoes> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.