Construindo casas com blocos gigantes: U-Build e o futuro da autoconstrução

Construindo casas com blocos gigantes: U-Build e o futuro da autoconstrução

É difícil encontrar alguém que nunca brincou de LEGO quando criança. E se pensássemos em edifícios como grandes jogos de montar? U-Build é um sistema de construção modular em madeira desenvolvido pelo Studio Bark para ser fácil de construir, agradável de habitar e simples de desconstruir no final da sua vida útil. O sistema remove muitas das dificuldades associadas à construção tradicional, capacitando indivíduos e comunidades a construir suas próprias casas e edifícios. O sistema usa usinagem CNC de precisão para criar um kit de peças, permitindo que a estrutura do edifício seja montada por pessoas com habilidades e experiência limitadas, usando apenas ferramentas manuais simples.

© Lenny Codd
© Lenny Codd

De acordo com os arquitetos, os princípios projetuais do U-Build surgiram do desejo de tornar a construção realmente acessível e verdadeiramente autoconstruída, abrindo a perspectiva de construção autogestionada para uma proporção maior do público em geral. Ao contrário dos materiais convencionais de uso único, o sistema U-Build é reutilizável, ambientalmente responsável e incrivelmente econômico, sem sacrificar a qualidade. Leia, abaixo, uma entrevista que fizemos com Nick Newman, Diretor do U-Build:

Eduardo Souza (ArchDaily): Você pode explicar o que é o U-Build, como funciona e quais foram as intenções ao criar este sistema?

Nick Newman (U-Build): U-Build é essencialmente um sistema de blocos de construção gigantes. Eles chegam empacotados, são montados em caixas de 'escala humana' e são empilhados para formar paredes, telhados e pisos: os blocos de construção fundamentais para qualquer projeto. U-Build é projetado usando software de computador paramétrico que permite que projetos complexos sejam codificados em componentes simples e 'cortados' em uma oficina CNC local, seguindo princípios de manufatura distribuída.

© David Jensen
© David Jensen

O objetivo do U-Build é tornar a construção simples e acessível a uma gama muito maior de pessoas. Tivemos pessoas de três e de 80 anos construindo as caixas, e pessoas sem experiência anterior em construção.

Cortesia de Studio Bark
Cortesia de Studio Bark

Acreditamos que a inclusão e o empoderamento são as melhores maneiras de melhorar nossas sociedades. Como podemos reconstruir melhor, quando não sabemos como construir?

ES: Que materiais são usados? A madeira é o material do futuro?

NN: Usamos chapas de compensado para a estrutura principal, isolamento natural (lã de ovelha / fibra de madeira) e materiais de revestimento de origem local. Também usamos parafusos e porcas galvanizados para as conexões, borracha butílica para o telhado e uma membrana de respiro estável aos raios ultravioleta.

Não existe um material perfeito para construir, mas achamos que a madeira chega bem perto.

© Lenny Codd
© Lenny Codd

ES: Que outras soluções sustentáveis ​​podem ser incorporadas ao sistema e como?

NN: Um dos princípios básicos por trás do sistema é que os elementos individuais podem ser desmontados novamente. Isso significa que há muito menos desperdício, o que tem um grande impacto nos cálculos de carbono incorporado. O sistema também está desenhado de forma que não necessite de fundação de concreto, ou paredes de gesso acartonado, permitindo uma grande economia de CO2. 

ES: Quais foram e ainda são os principais desafios técnicos?

NN: Você poderia pensar que é muito fácil projetar uma caixa empilhável, mas na verdade este foi o desafio mais difícil. Precisamos provar que o sistema funciona estruturalmente, resolver problemas de estanqueidade, otimizar as peças para fabricação e ainda facilitar a montagem. Resolvemos vários desses problemas usando protótipos, software paramétrico e colaborações com consultores inovadores, como o Structure Workshop. Como uma startup autofinanciada, os principais desafios a serem superados estão na certificação para o mercado de massa, mas realmente os obstáculos são o alto custo desses testes, e não os técnicos.

Cortesia de Studio Bark
Cortesia de Studio Bark

ES: Até que escala o U-Build se oferece para construir? E em relação aos custos de construção, em que condições isso é viável?

NN: O U-Build em sua forma atual pode ser construído em até 3 andares de altura. O sistema de cobertura pode abranger cerca de 5 metros sem o uso de vigas externas, ou mais 6 metros se vigas forem incorporadas.

Em termos de custo de construção, nosso objetivo é fornecer alta qualidade a um preço padrão, ao invés de qualidade padrão a um preço baixo. É ótimo que já possamos fazer isso, visto que somos uma empresa iniciante, mas vemos maneiras de fazer grandes economias à medida que os volumes aumentam. Também existem maneiras de torná-lo mais barato em pequena escala, por exemplo, se uma comunidade tiver acesso à sua própria máquina CNC.

ES: Qual é o nível de liberdade do projeto? Quais são as possibilidades de diferentes configurações de design?

NN: É aqui que pensamos que o U-Build se destaca. Os módulos funcionam em incrementos de 150 mm, para que possam ser dispostos em uma ampla configuração de opções. Nós nos concentramos principalmente em designs retilíneos, que são mais fáceis de serem construídos pelas pessoas e têm a máxima eficiência do material. Também fazemos telhados inclinados e peças sob medida, mas a chave para nós é ter certeza de que eles ainda são simples de montar e desmontar. À medida que iteramos novas versões do algoritmo do software, aumentamos a funcionalidade a cada vez.

© Lenny Codd
© Lenny Codd
© Lenny Codd
© Lenny Codd

ES: Como o sistema pode contribuir para melhorar o acesso à moradia em cidades densas? E como isso se relaciona com a economia circular?

NN: Na esteira da pandemia, há um grande número de prédios de escritórios vazios e, entretanto, espaços que estão sendo subutilizados. As soluções de edifícios não permanentes permitem que as pessoas ocupem espaços que não seriam acessíveis usando materiais convencionais de uso único. Se o cliente possui os elementos do edifício, eles se tornam ativos, que podem ser levados com eles. Isso significa que os edifícios não são mais propriedade do locador, mas podem ser propriedade do locatário. Muitas pessoas descrevem isso como economia circular, mas nós apenas pensamos que é bom senso.

© Lenny Codd
© Lenny Codd

ES: Já que a ideia é dar ao cliente cada vez mais autonomia para criar o projeto e construir, qual será o papel do arquiteto no futuro, na sua opinião?

NN: Não estamos substituindo a comunidade de projetistas, estamos simplesmente atualizando seus blocos de construção. Já estamos trabalhando com uma série de práticas que veem o U-Build como uma forma de entregar os projetos de seus clientes com melhor certeza de custos, flexibilidade e desempenho ambiental.

Sentimos que, ao aumentar a capacidade dos clientes de se envolverem no processo de construção, eles se tornam mais propensos a compreender os benefícios de um bom design e a investir mais em projetos.

Studio Bark é um escritório de arquitetura pioneira com sede em Londres, que oferece uma arquitetura ambiental ambiciosa com uma abordagem prática de pesquisa, design e construção. Em 2018, foram nomeados AYA ‘Arquiteto de Sustentabilidade do Ano’. A equipe combina princípios ambientais rigorosos com uma abordagem contextual elaborada, trabalhando em estreita colaboração com os clientes para realizar suas aspirações. Conheça mais sobre o escritório em seu website, e tenha mais informações sobre o U-Build neste link.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Eduardo Souza. "Construindo casas com blocos gigantes: U-Build e o futuro da autoconstrução" 14 Mar 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/958304/montando-casas-com-blocos-gigantes-entrevista-sobre-o-sistema-u-build> ISSN 0719-8906

Mais entrevistas em nossoCanal de YouTube

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.