Atmosferas brancas: criando espaços calmos com divisórias de tecido

Atmosferas brancas: criando espaços calmos com divisórias de tecido

No apogeu do modernismo, arquitetos como Le Corbusier e Mies van der Rohe exaltaram o valor estético das superfícies brancas, que eles viam como uma conotação de pureza e simplicidade. A Casa Farnsworth de Mies van der Rohe, por exemplo, combinou a brancura despojada de seu esqueleto estrutural com amplas esquadrias do chão ao teto, usando a luz natural envolvente para elevar ainda mais as aspirações já celestiais do espaço. Hoje, alguns arquitetos e designers contemporâneos desenvolveram a estética sublime da arquitetura moderna de alta tecnologia usando divisórias com tecidos translúcidos, complementando a pureza das paredes brancas com o jogo etéreo de luz e sombra dos tecidos. Abaixo, discutimos diferentes estratégias projetuais para trabalhar com tecidos brancos dessa forma e incluímos dois exemplos de projetos que usaram tecidos translúcidos de maneiras suaves, mas inovadoras.

Versatile Hanbok Creates Space / Farming Architecture. Image © Kyungsub Shin
Versatile Hanbok Creates Space / Farming Architecture. Image © Kyungsub Shin

Enquanto os arquitetos podem usar qualquer número de cores diferentes para criar uma variedade de ambientes diferentes, vamos nos concentrar no cultivo de uma estética branca monocromática usando tetos e paredes brancos, divisórias de tecido branco e móveis brancos. Para criar seu efeito ideal específico, os projetistas podem fazer experiências com o tipo de tecido, especialmente translucidez e textura. Como não são estruturais, as divisórias desse tipo podem ser feitas de quase qualquer tecido relativamente durável, incluindo algodão, poliéster ou chiffon de nylon, organza, rubia ou malha. Dependendo desses tipos, as partições podem filtrar em mais ou menos luz e texturas de sombras ligeiramente variáveis. Rubia, por exemplo, é tipicamente mais opaco do que organza ou chiffon, e cada um também é construído com um padrão diferente de trama. Da mesma forma, diferentes tipos de redes ou malhas podem parecer mais ásperos do que tecidos mais finos, onde as lacunas e fios são menos óbvios. Os arquitetos devem tomar essas decisões avaliando qual elemento complementa melhor os outros materiais e condições de iluminação.

Logan Offices / SO-IL. Image © Naho Kubota
Logan Offices / SO-IL. Image © Naho Kubota
Versatile Hanbok Creates Space / Farming Architecture. Image © Kyungsub Shin
Versatile Hanbok Creates Space / Farming Architecture. Image © Kyungsub Shin

Estes materiais complementares normalmente seguem a estética suave ou monocromática dos tecidos brancos: os arquitetos podem usar aço, madeiras claras ou materiais estruturais pintados em conjunto com os tecidos translúcidos para obter os mesmos efeitos etéreos. Esses materiais devem ser escolhidos novamente com base em sua coerência com os tipos de tecido e as condições de iluminação, mas o mais importante, também devem ser funcionais e estruturalmente sólidos, especialmente os materiais de colunas, barras e outros elementos estruturais.

Logan Offices / SO-IL. Image © Iwan Baan
Logan Offices / SO-IL. Image © Iwan Baan

Logan Offices / SO-IL

Neste projeto de 2012 da SO-IL, divisórias de tecido do chão ao teto sem costura separam as áreas de trabalho centrais para manter a essência de um ambiente compartilhado, apesar da segmentação visual. A translucidez do tecido também funciona como uma espécie de filtro nebuloso, reduzindo pessoas e objetos a silhuetas surreais e oníricas. O efeito de achatamento e esclarecimento sobre a profundidade e o espaço atende à sublimidade dos designs modernistas brancos originais.

Logan Offices / SO-IL. Image © Iwan Baan
Logan Offices / SO-IL. Image © Iwan Baan
Logan Offices / SO-IL. Image © Naho Kubota
Logan Offices / SO-IL. Image © Naho Kubota
Logan Offices / SO-IL. Image © Iwan Baan
Logan Offices / SO-IL. Image © Iwan Baan

Versatile Hanbok Creates Space / Farming Architecture

Este projeto para uma exposição de moda na Coreia do Sul utiliza a simplicidade e eterealidade da divisória de tecido branco como um belo, mas despretensioso pano de fundo para a exposição de designs de moda contemporâneos. Imbuindo este efeito estético com um significado cultural adicional, o design da exposição modela o espaço interior de acordo com o hanbok coreano, um tipo de vestimenta tradicional tipicamente usada durante festivais, celebrações e cerimônias.

Versatile Hanbok Creates Space / Farming Architecture. Image © Kyungsub Shin
Versatile Hanbok Creates Space / Farming Architecture. Image © Kyungsub Shin
Versatile Hanbok Creates Space / Farming Architecture. Image © Kyungsub Shin
Versatile Hanbok Creates Space / Farming Architecture. Image © Kyungsub Shin
Versatile Hanbok Creates Space / Farming Architecture. Image © Kyungsub Shin
Versatile Hanbok Creates Space / Farming Architecture. Image © Kyungsub Shin
Sobre este autor
Cita: Cao, Lilly. "Atmosferas brancas: criando espaços calmos com divisórias de tecido" [White Atmospheres: How to Create Calm Spaces with Fabric Partitions] 20 Fev 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/957079/atmosferas-brancas-criando-espacos-calmos-com-divisorias-de-tecido> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.