Arquitetura no mar: pavilhões flutuantes e a beleza da impermanência

Arquitetura no mar: pavilhões flutuantes e a beleza da impermanência

Frequentemente, a arquitetura é definida por sua capacidade de permanência. Embora os trabalhos mais celebrados de nossa disciplina sejam usualmente aqueles construídos para durar, há uma certa beleza e valor inerente à impermanência. Mais além do que apenas edifícios convencionais e considerando os impactos ambientais e sociais da construção civil, estruturas temporárias têm o potencial de transcender os limites da própria arquitetura, sendo considerados, muitas vezes, obras de arte.

Cortesia de Bulot+Collins© Wolfgang Volz© Studio Tom Emerson© Ahmad El Mad+ 10

© Wolfgang Volz
© Wolfgang Volz

Quer seja ou não considerada arte, a arquitetura desempenha um papel fundamental na nossa experiência do espaço. Como Christo e Jeanne-Claude mostraram ao mundo, instalações e obras de arte pública não precisam necessariamente ser fixas ou duradouras. Por sua vez, projetos de pavilhões efêmeros têm sido utilizados por arquitetos para explorar novas formas de se pensar e fazer arquitetura, transcendendo seus próprios limites e criando espaços que surpreendem à todos. Respondendo à questões ambientais, sociais e culturais assim como econômicas, esses pavilhões transitam entre os âmbitos da arte, da arquitetura e da paisagem.

Os projetos elencados à seguir possuem uma única característica em comum: são todos flutuantes. Questionando e reinterpretando os mais tradicionais métodos construtivos, estes pavilhões foram concebidos para abrigar uma gama tão diversa de programas quanto podemos ver em suas formas únicas e irrepetíveis. Construindo uma profunda conexão com a paisagem, eles nos mostram como arquitetos e artistas contemporâneos podem ser capazes de criar obras tão belas quanto fugazes.

Plataforma de Mergulho ICEBERG / Bulot+Collins

Cortesia de Bulot+Collins
Cortesia de Bulot+Collins

O Iceberg é uma plataforma de mergulho responsiva feita de madeira, barris de flutuação e 1.400 telhas termocrômicas de HDPE reciclado. Foi projetado e construído para o Beam Camp, um acampamento de verão em Strafford, New Hampshire, que se concentra em orientar os campistas a cultivar habilidades práticas e explorar o pensamento criativo. 

Pavilhão de Reflexões / Studio Tom Emerson

© Studio Tom Emerson
© Studio Tom Emerson

Uma equipe de trinta estudantes de arquitetura do Estúdio Tom Emerson, na ETH Zurique, desenharam e construíram um pavilhão para o Manifesta 11, na Bienal Europeia de Arte Contemporânea. Flutuando no lago, como plano de fundo para o centro da cidade, o "Pavilhão de Reflexões" serve como um foro público para a bienal.

Clube de Natação no Canal / Atelier Bow-Wow + Architectuuratelier Dertien 12

© Filip Dujardin
© Filip Dujardin

Expandindo a tradição das Trienais de arte contemporânea belga ocorridas em 1968, 1971 e 1974, a cidade de Bruges decidiu organizar uma nova Trienal no ano de 2015. Juntos, o Atelier Bow-Wow e o Architectuuratelier Dertien 12 desenvolveram o projeto do Clube de Natação do Canal, um novo espaço público multifuncional para relaxar, tomar sol e até mesmo nadar nos canais de Bruges.

The Floating Piers / Christo & Jean-Claude

© Wolfgang Volz
© Wolfgang Volz

O duo Christo & Jean-Claude criou um “caminhem sobre a água” de três quilômetros com 100 mil metros quadrados de tecido amarelo reluzente, sustentados por um sistema modular flutuante composto por 200 mil cubos de polietileno de alta densidade, a instalação - que está ligeiramente acima do nível da água - ondula com o movimento do lago Iseo, no norte da Itália.

AntiRoom II / Elena Chiavi + Ahmad El Mad + Matteo Goldoni

© Ahmad El Mad
© Ahmad El Mad

Antiroom II é uma ilha flutuante no mar maltês, uma superfície inacessível a partir do solo, acessível apenas por nado ou de barco. A estrutura de madeira cria um espaço separado da vastidão do mar ilimitado. Seu centro é definido como uma pequena piscina.

Antepavilion / Thomas Randall-Page & Benedetta Rogers

© Jim Stephenson
© Jim Stephenson

O Antepavilion 2018 foi inaugurado em Londres, após o sucesso de sua primeira edição no ano passado. Projetada e construída por Thomas Randall-Page e Benedetta Rogers, a edição deste ano recebe o nome de AirDraft e consiste em um teatro inflável sobre uma barcaça do século XIX que oferece um espaço para performances e apresentações musicais nos canais de Londres.

Sobre este autor
Cita: Baldwin, Eric. "Arquitetura no mar: pavilhões flutuantes e a beleza da impermanência" [Architecture at Sea: Floating Pavilions and the Beauty of Temporary Art] 24 Set 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Libardoni, Vinicius) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/948258/arquitetura-no-mar-pavilhoes-flutuantes-e-a-beleza-da-impermanencia> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.