O que o Coronavirus pode ensinar às escolas de arquitetura sobre ensino virtual

O que o Coronavirus pode ensinar às escolas de arquitetura sobre ensino virtual
Imagem © Tierney - stock.adobe.com
Imagem © Tierney - stock.adobe.com

A pandemia de coronavírus em 2020 já está criando mudanças em todas as partes da sociedade. Aproveitar essa mudança deve ser o ímpeto para uma revisão há muito esperada do sistema educacional e, em particular, da maneira como ensinamos arquitetura.

Todos os dias, durante a pandemia, descobrimos subitamente o que antes era impossível e que agora é subitamente possível. Como Thomas Friedman disse sobre o aprendizado on-line em 2012, "grandes descobertas acontecem quando o que repentinamente é possível atende ao que é desesperadamente necessário".

Agora nos encontramos em uma posição em que precisamos repensar tudo para combater esse vírus. Essa pandemia nos fará repensar o aprendizado, pois sistemas educacionais inteiros são forçados a se mover on-line. Em geral, a maioria das instituições de ensino formal não está produzindo os pensadores criativos que o mundo precisa com urgência. As soluções para a pandemia de coronavírus exigem pensamento criativo, e como atualmente ensinamos nas instituições produz apenas pensamentos genéricos. Nossa educação não traz à tona o melhor dos indivíduos.

A mudança para o aprendizado on-line durante a pandemia oferece às escolas de arquitetura a oportunidade de redefinir a experiência de aprendizado. Um ótimo ensino pode acontecer através de qualquer meio. Será uma questão de adaptar e inventar novos métodos e ferramentas, e talvez até mudar os educadores que não conseguem se adaptar para enfrentar esses novos desafios.

Ensino on-line

Imagem © SolisImages  - stock.adobe.com
Imagem © SolisImages - stock.adobe.com

Estou certo de que haverá professores inflexíveis afirmando que a arquitetura não pode ser ensinada on-line. Essa falta de criatividade e flexibilidade não nos levará aonde precisamos ir juntos! Mover-se totalmente on-line é uma tarefa desafiadora, mas não impossível, entre os cursos tradicionais, como arquitetura, que também têm requisitos de credenciamento por meio de conselhos como o NAAB (Conselho de Acreditação em Arquitetura dos Estados Unidos). Os conselhos de credenciamento só serão alterados se as universidades os forçarem a mudar. Além disso, a profissão de arquiteto também precisará mudar para enfrentar esta crise e, mais importante, a próxima crise global - mudança climática - pela qual grande parte do ambiente construído é responsável.

Para serem bem-sucedidos, os educadores que produzem experiências de aprendizado atraentes e criativas precisam ser reconhecidos e destacados, para que aqueles que têm dificuldade em criar conteúdo on-line possam aprender. Essa mudança forçada para o aprendizado on-line é um exemplo do mundo real do futuro do trabalho e do aprendizado ao longo da vida em ação. As faculdades também não são imunes, e a pandemia está acelerando o processo dessa realização.

Não podemos continuar a criar as mesmas experiências on-line ineficazes que temos atualmente, como conversar sobre slides estáticos de palestras ou ler listas com marcações. A geração Z cresceu completamente com a vida on-line, e grande parte do material de aprendizado que produzimos não atende às expectativas de uma experiência on-line. O ensino on-line permite que as informações sejam apresentadas de várias formas para estimular os diferentes tipos de alunos, sejam eles visuais, auditivos, de leitura/escrita ou cinestésicos. Este é um momento em que plataformas de aprendizado distribuídas e bem-sucedidas, como o YouTube e a Khan Academy, podem inspirar e ensinar instituições tradicionais de ensino.

As ferramentas que estão sendo usadas no momento podem não ser as ferramentas certas para a ocasião, pois muitas vezes não possuem a interação bidirecional e a espontaneidade do aprendizado presencial. Qualquer professor que use outros meios on-line para produzir conteúdo de aprendizado eficaz e envolvente deve ser incentivado e não burocraticamente impedido pelas obrigações contratuais com seus serviços institucionais on-line. Existem muitas outras ferramentas criativas, como o Mural, para colaboração em grupo e solução de problemas, ou o Slack, para comunicação em grupo, que pode ser testada em vez dos pacotes educacionais padrão.

Ensino assíncrono

Imagem © Chaay_tee  - stock.adobe.com
Imagem © Chaay_tee - stock.adobe.com

O ensino assíncrono se tornará um foco à medida que os alunos precisarem administrar suas famílias em casa, como por exemplo, os estudantes com crianças enfrentando a perspectiva de educação em casa a longo prazo ou aqueles em quarentena ou doentes e incapazes de estudar.

A aprendizagem assíncrona permite que os alunos aprendam no seu próprio ritmo. A restrição de tempo arbitrária de um diploma de quatro anos pode não produzir a melhor experiência de aprendizado. Aqueles que aprendem rápido ficam frustrados com a velocidade lenta percebida das aulas, e aqueles que lutam com material podem precisar de mais tempo para absorver as informações. O aprendizado assíncrono pode resolver esses dois problemas.

Ensino individualizado

Imagem © Farknot Architect  - stock.adobe.com
Imagem © Farknot Architect - stock.adobe.com

Planos de aprendizado individualizados precisarão ser uma prioridade. Deve haver flexibilidade nos caminhos dos cursos para promover a criatividade e o pensamento lateral. Se houver um curso on-line oferecido em outro local que possa atender a um requisito de graduação, seja por meio de parcerias como a Pathstream, educação continuada por organizações profissionais ou certificações pertinentes no caminho de aprendizagem de um certo aluno, por que não incentivá-lo a fazer esses cursos.

Da minha própria vivência, houve muitas ocasiões em que minhas décadas de experiência profissional, as muitas certificações que obtive no campo da arquitetura e a aprovação nos Exames de Registro de Arquitetura (ARE) nacionais, necessários para se tornar um arquiteto licenciado, foram totalmente ignorados por professores e chefes. Por exemplo, meu pedido de dispensa de aulas em que eu pudesse provar minha experiência e que contou com o apoio do professor que ministrava a aula foi totalmente rejeitado. O raciocínio: se a escola permitir que uma pessoa renuncie a uma aula, todos o farão. Talvez todos devessem fazê-lo! Os alunos descobrindo proativamente maneiras de definir os seus caminhos a seguir é um sinal de criatividade, dedicação ao aprendizado e liderança.

Eu também queria fazer um mestrado duplo em arquitetura e arquitetura paisagística. Não me foi permitido prosseguir com isso porque era "contra as regras". As regras burocráticas, como estamos vendo, estão s desfazendo durante essa crise de pandemia, permitindo uma oportunidade fantástica de remover parte da burocracia inflexível que se formou ao longo de décadas. A adaptação de experiências individuais de aprendizado que correspondam ao futuro do trabalho neste país pode se tornar uma pedra angular na experiência de ensino arquitetônico.

Não há razão para que o ensino on-line, o ensino assíncrono e o ensino individualizado não possam continuar quando chegarmos ao outro lado dessa pandemia! Agora percebemos o que é "repentinamente possível". Isso colocará os futuros arquitetos em uma base mais firme, com o pensamento criativo prontos para as "grandes descobertas" que são "desesperadamente necessárias". Este é o futuro do trabalho para a indústria da arquitetura.

Este é um artigo enviado por um colaborador externo. Todos os nossos leitores têm a oportunidade de compartilhar seus conhecimentos e opiniões enviando seu trabalho para revisão por nossa equipe de editores e curadores.

Convidamos você a conferir a cobertura do ArchDaily relacionada ao COVID-19, ler nossas dicas e artigos sobre Produtividade ao trabalhar em casa e aprender sobre as recomendações técnicas para criar uma arquitetura saudável em seus futuros projetos. Além disso, lembre-se de revisar os conselhos e informações mais recentes sobre COVID-19 no site da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Sobre este autor
Cita: Darren Ockert. "O que o Coronavirus pode ensinar às escolas de arquitetura sobre ensino virtual" [What Coronavirus Can Teach Architecture Schools About Virtual Learning] 08 Mai 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/938960/o-que-o-coronavirus-pode-ensinar-as-escolas-de-arquitetura-sobre-ensino-virtual> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.