A Inteligência Artificial só poderá ajudar a arquitetura se fizermos as perguntas certas

A Inteligência Artificial só poderá ajudar a arquitetura se fizermos as perguntas certas

A inclusão da Inteligência Artificial (IA) na indústria da arquitetura provocou muito debate nos últimos anos - ainda que pareça que poucos de nós saibam exatamente o que é ou por que essa tempestade de emoções foi criada. Há profissionais pesquisando sobre o tema que sabem mais do que eu, mas tenho experiência prática usando IA e algoritmos em meu cotidiano nos últimos 10 anos por meio de vários projetos. Esse é um dos desafios que nosso campo enfrenta. Como podemos fazer uso prático dessas novas ferramentas?

Muitas pessoas me procuraram alegando que a IA não poderia fazer seu trabalho e que ser arquiteto é muito mais do que apenas resolver uma planta ou calcular o volume de uma envoltória de construção. Eles estão certos. Mas dito isso, não há razão para não estar aberto à possibilidade de que a IA possa nos ajudar a projetar edifícios ainda melhores. Existem muitas tarefas que são muito melhores resolvidas com computação do que manualmente e vice-versa. Em geral, se formos capazes de reduzir um problema a números ou definir claramente o que estamos tentando resolver, a IA provavelmente será capaz de resolvê-lo. Se estamos procurando opiniões ou emoções subjetivas, pode ser mais difícil para uma tecnologia artificial ajudar. Ou, para ser mais preciso, pode ser mais difícil fornecer à Inteligência Artificial as ferramentas certas para analisar subjetivamente nossos projetos.

Quando falamos de IA no campo da arquitetura, muitas vezes isso se resume à otimização. Onde podemos encontrar metros quadrados mais vendidos ou como podemos obter mais luz natural em apartamentos escuros? Um edifício maior e mais janelas podem ser a resposta, mas que outros parâmetros podem ser afetados por isso?

Onde há muitos parâmetros em jogo que precisam ser pesados, a Inteligência Artificial pode nos ajudar bastante. Milhões de cenários podem ser avaliados e os melhores selecionados na mesma quantidade de tempo que levaríamos para pegar o metrô para trabalhar. A IA finalmente nos apresentaria a mesma solução que teríamos encontrado após muito mais tempo com base nos parâmetros fornecidos.

E se nós esquecemos alguma coisa? Assim que começarmos a otimizar, devemos considerar que o resultado não será melhor do que os parâmetros, conjuntos de treinamento e preferências que fornecemos à IA para resolver a tarefa. Se perguntássemos a mil pessoas diferentes "Quem é o melhor arquiteto, Zaha Hadid ou Le Corbusier?" provavelmente obteríamos uma divisão uniforme de respostas motivadas por milhares de razões diferentes, já que a pergunta é altamente subjetiva. Nesse caso, não há certo ou errado, mas se perguntássemos quem havia projetado o maior número de edifícios, poderíamos obter uma resposta correta. Mesmo que a resposta da sua IA seja a correta e matematicamente ideal, você deve considerar se a pergunta em si estava certa.

Outra parte importante da otimização é a questão de como ponderar diferentes recursos entre si. A área bruta é mais importante que a luz natural e, se for, quanto mais? Essa é uma decisão que o arquiteto, o projetista do algoritmo ou o cliente precisa decidir. Os seres humanos têm opiniões, um gosto específico, um estilo preferido e assim por diante. A Inteligência Artificial não.

A otimização da área bruta máxima do piso paralelamente à análise da luz do dia fornecerá um certo resultado, mas pode não ser a mesma coisa que projetar um ótimo edifício. Por outro lado, não conseguir atender às expectativas do cliente em relação à GFA ou não tornar um apartamento habitável devido à falta de luz pode resultar em nenhum edifício.

A IA apresenta muitas novas oportunidades para a nossa profissão, e acredito que o arquiteto será mais difícil de substituir pela IA do que muitas outras profissões por conta da natureza subjetiva de nosso trabalho. As decisões que tomamos para criar grandes edifícios geralmente dependem de opiniões e, como resultado, não há certo ou errado. Mas também acredito que há muitas coisas onde podemos melhorar. Não precisamos ir tão longe quanto usar a IA: em muitos casos, nos beneficiaríamos muito com a automação simples. Existem muitas tarefas manuais executadas pelos arquitetos no momento que precisam ser realizadas para a realização de um projeto, mas não agregam valor ao produto final. Se a IA ou a automação puderem nos ajudar com essas tarefas, podemos gastar mais tempo fazendo o que fazemos de melhor - que é projetar uma ótima arquitetura, agregando valor aos habitantes do projeto e às nossas cidades de maneira mais ampla.

Sobre este autor
Cita: Wallgren, Jesper. "A Inteligência Artificial só poderá ajudar a arquitetura se fizermos as perguntas certas" [Artificial Intelligence Can Only Help Architecture if We Ask the Right Questions] 06 Mai 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/938942/a-inteligencia-artificial-so-podera-ajudar-a-arquitetura-se-fizermos-as-perguntas-certas> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.