Condições de trabalho e a "nova normalidade" nos espaços laborais

Condições de trabalho e a "nova normalidade" nos espaços laborais

O trabalho dá origem à arquitetura. Como agregado do esforço físico e mental usado na criação de bens e serviços, o trabalho está vinculado ao que criamos e ao nosso processo. Em um campo moldado pela produção, arquitetura e design dependem do trabalho de uma ampla gama de profissionais. Porém, à medida que os trabalhadores passam cada vez mais horas e as medidas tradicionais de segurança mudam, questões trabalhistas surgem em meio a condições mais amplas da cultura de trabalho contemporânea.

Condições de trabalho e a "nova normalidade" nos espaços laborais - Imagem 3 de 9
via Duo Dickinson, Architectural Review

O Architecture Lobby é uma organização fundada para defender melhores práticas trabalhistas. Lançada em 2013 pela arquiteta e acadêmica Peggy Deamer, é uma organização de "trabalhadores da arquitetura que defendem o valor da arquitetura no público em geral e o trabalho dentro da disciplina". O Lobby começa identificando arquitetos como trabalhadores e suas contribuições como "trabalho" - trabalho "estético, técnico, social, organizacional, ambiental, administrativo, fiduciário, mas em todos os casos, trabalho". Seu manifesto tem como alvo diversos tópicos, desde leis trabalhistas, honorários e serviços até transparência salarial, em um esforço para abordar condições precárias de trabalho.

Nesta época, no ano passado, Pascale Joassart, do KCET, explorou a ideia do trabalho informal e do trabalho em profundidade, abordando o trabalho fora de cargos assalariados ou mais formais e a ascensão do "Novo Normal". Ela afirma que o emprego tradicional, com segurança, benefícios e proteções, está se tornando cada vez menos comum, com termos como "trabalho freelancer, contingente, alternativo e precário" que surgiram para descrever os arranjos de trabalho. Por sua vez, essas tendências maiores se estendem à arquitetura.

Condições de trabalho e a "nova normalidade" nos espaços laborais - Imagem 7 de 9
© The Architecture Lobby

No Columbia GSAPP, um simpósio foi realizado no final de 2018 sobre Renegociação da Precariedade. Como provocação, a descrição destacou que "os salários estão estagnados e os aluguéis estão subindo. O trabalho não é apenas difícil de encontrar, mas cada vez mais explorador e inseguro. As pessoas são forçadas a assumir mais empregos e empréstimos apenas para sobreviver. A privatização transformou cidades inteiras em playgrounds para especulação financeira, à medida que os sistemas de apoio social foram retirados sob a bandeira da política de austeridade. Em suma, a precariedade tornou-se uma condição generalizada". O simpósio procurou possíveis alternativas e locais de resistência, pois a luta pela precariedade precisa ser continuamente renegociada. Com base nas questões colocadas em relação ao trabalho e condições laborais, como as descritas em Columbia, os seguintes artigos exploram o trabalho através das lentes da arquitetura nos últimos cinco anos.

É hora dos arquitetos se unirem?

Condições de trabalho e a "nova normalidade" nos espaços laborais - Imagem 4 de 9
© UVW-SAW

O crítico de arquitetura do The Guardian Oliver Wainwright relatou que o primeiro sindicato de arquitetura do Reino Unido foi formado no ano passado. A Seção de Trabalhadores da Arquitetura (UVW-SAW) é uma parte do United Voices of the World, um novo modelo de sindicato de base que apoia a expansão dos ideais sindicais para profissões e setores que tradicionalmente não tinham essa representação. O lançamento do sindicato e as razões por trás dele servem como o episódio mais recente da longa preocupação com as condições de trabalho enfrentadas pelos arquitetos no Reino Unido e em todo o mundo.

A favor e contra da cultura do trabalho noturno: os leitores respondem

Condições de trabalho e a "nova normalidade" nos espaços laborais - Imagem 6 de 9
© Forrest Jessee

Os editores do ArchDaily procuraram nossos leitores para nos ajudar a investigar um dos desafios mais difíceis da educação em arquitetura: o que alunos e professores pensam da cultura de trabalho de 24 horas que permeia a profissão de arquitetura? A partir dessa discussão, surgiram dois temas principais: primeiro, muitos pareciam acreditar que os estudantes de arquitetura têm muito trabalho; em segundo lugar, havia um consenso quase completo de que o fechamento dos ateliês não resolve nada além de transferir o problema de pernoites da escola para a casa dos estudantes.

Jovens arquitetos agindo na Bienal de Veneza

Condições de trabalho e a "nova normalidade" nos espaços laborais - Imagem 9 de 9
Cortesia de La Biennale di Venezia

O Architecture Lobby, com sede em Nova York, realizou um protesto em frente ao Giardini no dia 7 de junho de 2014 durante o fim de semana de abertura da Bienal. Por meio de seu protesto, eles pretendem chamar a atenção para o declínio das condições de trabalho na profissão, incluindo baixos salários, longas horas e desemprego inseguro - principalmente para jovens arquitetos.

Qual é a realidade do trabalho de arquiteto nos EUA?

Condições de trabalho e a "nova normalidade" nos espaços laborais - Imagem 8 de 9
© The Architecture Lobby

The Architecture Lobby completou uma pesquisa de setenta perguntas com arquitetos que buscava reunir uma ampla gama de dados sobre o trabalho na arquitetura - de padrões e políticas da empresa à satisfação do trabalhador - para fornecer informações de código aberto sobre a realidade do trabalho de arquitetura nos EUA. As estatísticas finais foram publicadas a partir da pesquisa depois de pesquisar centenas de profissionais de arquitetura.

Sobre este autor
Cita: Baldwin, Eric. "Condições de trabalho e a "nova normalidade" nos espaços laborais" [The Architecture of Labor: Working Conditions and the New Normal] 07 Fev 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/933272/condicoes-de-trabalho-e-a-nova-normalidade-nos-espacos-laborais> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.