1. ArchDaily
  2. The Architecture Lobby

The Architecture Lobby: O mais recente de arquitetura e notícia

A precariedade na profissão da arquitetura no século XXI

Dizem que arquitetos e arquitetas costumam “matar um leão por dia”, dedicando a maior parte do seu tempo à labuta, ou aquilo que costumamos chamar em um escritório de arquitetura de “trabalho braçal”. Dentro da academia, por outro lado, arquitetos em formação passam seus dias aprendendo a serem mais sensíveis para com a paisagem e o espaço construído, a desenvolver a sua criatividade e com isso, propor soluções criativas que procuram respostas para as principais “questões” de nosso tempo. Considerando isso, é evidente que existe um enorme distanciamento entre o ensino da prática da arquitetura e a prática da arquitetura propriamente dita. Enquanto, dentro da academia, nossos futuros profissionais passam a maior parte de sua formação exercitando sua criatividade e desenvolvendo projetos ideais em contextos igualmente idealizados, a vida lá fora é muito diferente disso.

Condições de trabalho e a "nova normalidade" nos espaços laborais

O trabalho dá origem à arquitetura. Como agregado do esforço físico e mental usado na criação de bens e serviços, o trabalho está vinculado ao que criamos e ao nosso processo. Em um campo moldado pela produção, arquitetura e design dependem do trabalho de uma ampla gama de profissionais. Porém, à medida que os trabalhadores passam cada vez mais horas e as medidas tradicionais de segurança mudam, questões trabalhistas surgem em meio a condições mais amplas da cultura de trabalho contemporânea.

Odeia a arquitetura contemporânea? Culpe a economia, não os arquitetos

Esse artigo foi publicado anteriormente pelo Common Edge como "The Politics of Architecture Are Not a Matter of Taste."

No final do mês passado, o Current Affairs publicou um ensaio de Brianna Rennix e Nathan J. Robinson, intitulado Why You Hate Contemporary Architecture: And if you don’t, why you should. (Por que você odeia a arquitetura contemporânea: e se você não faz isso, por que deveria fazer). O texto, escrito em um léxico de internet divertido no qual todos os objetos das críticas são "lixo", é tão carregado de ironia - o mais pobre dos substitutos para análise - que é difícil discernir um argumento central. Ainda assim, gostaria de questionar a premissa central do ensaio: os autores denominam a "arquitetura contemporânea" como feia e opressiva, e esse gosto não é nada imoral.