Conhecendo a Tanzânia: uma perspectiva arquitetônica

Conhecendo a Tanzânia: uma perspectiva arquitetônica

A arquitetura da Tanzânia é construída para celebrar a natureza e a vida cotidiana. Representando uma longa história de diversos estilos, de influências britânicas e alemãs a árabes, muitos dos principais edifícios do país incluem mesquitas, igrejas e mercados. Hoje, a diversidade da Tanzânia também está enraizada em sua arquitetura e estruturas tradicionais que foram moldadas tanto pelo uso funcional quanto pela cultura.

© Konstantin Ikonomidis© Jesper Anhede© Stevie Mann© Robin Hayes+ 6

Desde a montanha mais alta da África, o Monte Kilimanjaro, até a região dos Grandes Lagos, a Tanzânia abriga uma geografia variada que inclui florestas densas, planaltos e ilhas. Mais de um terço do território do país é composto por áreas de preservação e, por sua vez, o ambiente construído reflete um respeito pelas paisagens circundantes e pelos sistemas naturais. Cerca de 90% da população da Tanzânia vive em ambientes rurais, e a arquitetura local varia das casas em forma de colmeia do Haya às casas de madeira e palha do povo Gogo.

Recentemente, a Tanzânia se tornou o lar de uma variedade de espaços criativos para aprender e se divertir. Mais de 120 grupos étnicos vivem na Tanzânia e se adaptaram a uma ampla variedade de paisagens e climas. A construção, por sua vez, foi adaptada com o intuito de abrir espaço para a vida cotidiana e criar conexões perfeitas entre os espaços interior e exterior. Os projetos a seguir representam alguns dos edifícios recreativos, escolas e pavilhões contemporâneos que compõem a arquitetura da Tanzânia hoje.

Combinando a arquitetura tradicional asiática e africana

© Konstantin Ikonomidis
© Konstantin Ikonomidis

O escritório de arquitetura Ingvartsen Architects voltou o olhar para a “arquitetura de intercâmbio cultural” - não com o objetivo de explorar a identidade ou experimentar a estética, mas com um objetivo prático em mente: minimizar a propagação de doenças. O Projeto Magoda combina elementos asiáticos com métodos tradicionais de construção rural africana na vila de Magoda, na região de Tanga, na Tanzânia, assumindo a forma de oito casas protótipo. O projeto mostra que as trocas culturais em design e arquitetura podem dar grandes contribuições para a solução de problemas humanitários, não apenas para melhorar a saúde e a higiene, mas também trazendo conforto e felicidade.

Manta, o dormitório subaquático por Genberg Underwater Hotels

© Jesper Anhede
© Jesper Anhede

Essa estrutura flutuante possui três níveis e cada um é uma experiência em si. Aqueles acima da água revestidos com madeira de lei local como o deck de desembarque, no nível do mar, que possui lounge e banheiro e a cobertura acessada pela escada, com uma área de descanso - para banhos de sol durante o dia e apreciação das estrelas durante a noite. Além disso, no período noturno, os holofotes subaquáticos sob cada janela da sala atraem a vida marinha.

Centro Infantil Econef por Asante + Lönnqvist & Vanamo

© Robin Hayes
© Robin Hayes

O Centro Infantil Econef é uma colaboração com a Asante Architecture & Design, Lönnqvist & Vanamo Architects, Architects Without Borders Sweden, Engineers Without Borders Sweden e ECONEF, uma ONG sueco-tanzaniana que visa melhorar o padrão de vida de órfãos na região de Arusha. A ECONEF é uma organização não governamental independente localizada em Jua-kali, nos arredores de Arusha, no norte da Tanzânia. O novo Centro Infantil inclui dormitórios e salas de aula para 25 crianças.

Biblioteca Amani por Social Practice Architecture

© Lara Briz
© Lara Briz

Como afirma o SPA, os materiais e técnicas tradicionais adaptados ao meio ambiente são frequentemente abandonados na Tanzânia em favor da importação de materiais e produtos caros e às vezes ineficientes em termos de energia, como blocos de concreto, dos quais apenas os fabricantes de economias mais avançadas se beneficiam. O projeto visa trazer de volta a terra como um material de construção moderno e sustentável, usando artesanato tradicional e métodos simples, para continuar a tradição de construção rural local. Ele também visa servir de exemplo para futuros empreendimentos a fim de melhorar a qualidade das habitações rurais da Tanzânia.

Alojamento Jabali Ridge por Nicholas Plewman Architects

© Stevie Mann
© Stevie Mann

Localizado em uma cordilheira alta e rochosa, o Jabali oferece vistas panorâmicas do Parque Nacional Ruaha, na Tanzânia. Emergindo da paisagem crua, estruturas de madeira permeáveis criam pontos de vista discretos que mergulham o visitante no deserto. Jabali, como em todos os projetos da Asilia, foi construído com o mais alto respeito pelo meio ambiente. Um dos principais fatores de design foi que o alojamento não deveria ser visível ao olho humano à distância. Isso foi alcançado através do posicionamento delicado das estruturas, modelagem cuidadosa das formas construídas e escolhas materiais apropriadas.

Sobre este autor
Cita: Baldwin, Eric. "Conhecendo a Tanzânia: uma perspectiva arquitetônica" [Taking on Tanzania: Architecture at Play] 04 Jan 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/931235/conhecendo-a-tanzania-uma-perspectiva-arquitetonica> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.